A direita tem o poder, mas não tem projeto para América Latina

13/08/2019

Por
Alexander Main

Conservadores e liberais voltaram ao poder no continente através do judiciário, mas suas conquistas são minúsculas em comparação com a “maré cor de rosa” e sem uma visão convincente de como lidar com os problemas da região.

Ministros das Relações Exteriores representando Estados membros no Grupo Lima se reúnem no Palácio de Torre Tagleon em 13 de fevereiro de 2018 em Lima, Peru. (Ministerio de Relaciones Exteriores / Flickr)

Dois dias após as eleições de novembro de 2016 que o levaram ao poder, o presidente Donald Trump teve uma reunião de 90 minutos com o presidente Barack Obama no Salão Oval da Casa Branca. “Discutimos muitas coisas diferentes, algumas maravilhosas, algumas dificuldades”, disse ele à imprensa depois do encontro. Mais tarde, revelou que a principal “dificuldade” discutida era a ameaça nuclear norte-coreana.

Não se sabe muito sobre a conversa dos dois homens naquele dia, mas é provável que uma situação particularmente “maravilhosa” que abordaram tenha sido uma parte do mundo onde os EUA ganharam enorme terreno durante a presidência de Obama: a América Latina. Quando Obama assumiu, em janeiro de 2009, grande parte da América Latina e do Caribe era dominada por governos de tendência independente, apesar das tentativas agressivas do governo republicano de reverter a “maré alta” dos movimentos progressistas no início do século 21.

Mas, no final do governo Obama, a América Latina se voltou decisivamente para a direita. Esquemas de integração regional pioneiros liderados por governos progressistas, como a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), enfrentaram obstáculos e dificuldades. Enquanto isso, surgiu um bloco apoiado pelos estadunidenses – a Aliança do Pacífico, formada por Chile, México, Colômbia e Peru, todos signatários de acordos de “livre comércio” com os EUA. Desprezando abertamente a Unasul e a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba) liderada por Venezuela e Cuba, a Aliança do Pacífico adotou as políticas neoliberais que levaram a duas décadas de estagnação econômica e ao aumento da desigualdade na região durante os anos 1980 e 1990. Depois, apoiou as alternativas políticas da “maré cor de rosa”.

Há uma série de fatores que levaram ao retorno da direita na América Latina, incluindo crises econômicas resultantes em grande parte dos efeitos da crise financeira global, escândalos de corrupção, influência política de poderosos movimentos evangélicos ultraconservadores e a influência crescente do capital financeiro. Golpes antidemocráticos derrubaram governos progressistas: um golpe militar, em Honduras em 2009; e os golpes parlamentares que resultaram nas deposições anticonstitucionais do presidente Fernando Lugo, do Paraguai, em 2012, e da presidenta Dilma Rousseff, do Brasil, em 2016.

Em quase todos os casos, os EUA estiveram por trás das forças de direita. Por exemplo, o governo Obama ajudou a impedir a volta ao poder do líder de esquerda de Honduras e deu forte apoio diplomático à deposição de Lugo e Rousseff. Aprofundou uma crise financeira sob o governo progressista da Argentina ao bloquear empréstimos de instituições financeiras internacionais dominadas pelos EUA e interferiu descaradamente nas eleições de 2010-2011 no Haiti, para impedir que um partido de esquerda se mantivesse o poder. Em toda a região, os EUA empregaram várias táticas de “soft power” para apoiar as vitórias eleitorais da direita.

E assim, até o final do mandato de Obama, muitos governos pró-EUA surgiram, ansiosos para demonstrar sua lealdade a Washington. Os novos governos de direita das maiores economias da América do Sul – Brasil e Argentina – por acordos de “livre comércio” com os EUA. Apenas 11 anos antes, seus antecessores de esquerda haviam destruído o sonho de Washington de uma Área de Livre-Comércio das Américas (Alca).

O presidente Trump demonstrou interesse limitado em manter relações com seus ávidos aliados na América Latina. Cancelou várias viagens à região, incluindo duas para a Colômbia e uma para a 8ª Cúpula das Américas, no Peru, embora os temas da agenda – concentrados em combater o governo de esquerda da Venezuela e promover campanhas anticorrupção – tenham sido projetados pelo Departamento de Estado dos EUA. Em junho de 2019, sua única viagem ao sul foi a Buenos Aires, para a cúpula do G20, em dezembro de 2018.

Quando presta atenção à região, Trump muitas vezes antagoniza amigos e inimigos. Lançou ameaças e insultos a migrantes da América Central e do México; derrubou a popular política de normalização com Cuba, de Obama; e criticou duramente o presidente de extrema-direita da Colômbia, Iván Duque, dizendo que ele “não fez nada” para conter a crescente indústria de cocaína do país. Suas duras palavras horrorizaram o establishment da política externa dos EUA, que considera a Colômbia um aliado político e militar crucial, apesar da terrível ameaça aos direitos humanos.

Por sua parte, os funcionários de Trump procuraram atenuar parte dessa fricção viajando frequentemente para a América Latina. O vice-presidente Mike Pence realizou cinco viagens. Mike Pompeo viajou para a Colômbia e o México como diretor da CIA e, em seguida, fez mais seis viagens durante seu primeiro ano como secretária de Estado. O conselheiro de segurança nacional John Bolton também se aventurou na região, principalmente no Brasil, onde chamou o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro de “parceiro de mentalidade semelhante”.

Sem surpresa, dadas as tendências protecionistas de Trump, novos acordos comerciais normalmente não têm sido motivos de discussão durante essas visitas de alto escalão, com exceção do México e sua renegociação do NAFTA, agora chamado de US-México-Canadá (USMCA). Em vez disso, os comunicados de imprensa do Departamento de Estado indicam que a Venezuela está no topo de quase todas as agendas das reuniões bilaterais. A China, que Pompeo e outros acusaram de ambições “imperiais” na região, sem aparente pretensão de ironia, aparece frequentemente nessas agendas.

Enquanto isso, o governo Trump teve pouco sucesso em persuadir até mesmo seus aliados mais firmes a enfraquecer suas relações com a China – algo reconhecidamente difícil dado que o comércio e o investimento chineses ajudaram a manter muitas das economias à tona. A maioria seguiu na direção oposta ao desejado por Trump: o presidente de direita do Chile, Sebastián Piñera, disse que quer “transformar o Chile em um centro de negócios para as empresas chinesas”; O presidente argentino, Mauricio Macri, assinou um multibilionário plano de cooperação econômica de cinco anos com a China; até mesmo Jair Bolsonaro, que tem repetido a retórica anti-China de Trump, recentemente se envolveu em uma ofensiva de charme diplomático com Pequim.

Onde a equipe da política externa de Trump tem conseguido muito é em relação à Venezuela, um país cuja liderança de esquerda duradoura já havia sido uma obsessão regional para os governos George W. Bush e Obama. A Venezuela, tudo indica, não estava inicialmente no radar de Trump. Durante sua campanha presidencial ele raramente mencionou a nação sul-americana economicamente sitiada. Tudo isso mudou depois que Trump e seu ex-rival eleitoral Marco Rubio se encontraram repetidamente e fizeram as pazes na primavera de 2017. Logo depois, o presidente anunciou sua intenção de reverter a política de normalização com Cuba. Em seguida, voltou suas atenções para o governo de Nicolás Maduro, anunciando pela primeira vez que poderia haver uma “opção militar” para a Venezuela, depois impondo sanções financeiras incapacitantes em agosto de 2017.

É claro que Rubio, que está em dívida com doadores de direita cubano-americanos e venezuelanos-americanos da Flórida, teve um grande papel na determinação da política latino-americana de Trump. Na verdade, muitos acreditam que ele tenha convencido Trump de que apoiar uma estratégia de linha dura em relação à Venezuela, que poderia melhorar significativamente as chances de Trump vencer, na Flórida, a eleição presidencial de 2020. 

Seja qual for o caso, os funcionários de Trump reuniram zelosamente os governos da América do Sul para apoiar essa estratégia. Seus esforços deram frutos. Em agosto de 2017, representantes de uma dúzia de governos de direita da América Latina e Canadá estabeleceram o Grupo de Lima, no Peru, assinando uma declaração que denunciava a alegada “ruptura da ordem democrática” e “violação dos direitos humanos” na Venezuela e se comprometeram a trabalhar para isolar o governo de Maduro. 

O Grupo de Lima se reuniu repetidamente desde então, concentrando-se exclusivamente na Venezuela e ignorando ataques particularmente preocupantes à democracia e aos direitos humanos em países como Honduras e Colômbia, ambos membros do Grupo de Lima. Embora os EUA não façam oficialmente parte do grupo, representantes de alto nível do país participaram de quase todas as reuniões. Por mais que o governo Obama aplaudisse a Aliança do Pacífico e minimizasse sua estreita coordenação com o grupo, os funcionários de Trump citaram constantemente as posições do Grupo de Lima para dar a impressão de que a estratégia dos EUA está enraizada em uma espécie de consenso regional. 

Grandes meios de comunicação internacionais ajudaram a reforçar essa impressão, ignorando sistematicamente a tendência ideológica de direita de muitos dos signatários das resoluções do grupo. Quando o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó se proclamou presidente interino do país, em janeiro de 2019, o Grupo de Lima, os EUA e dezenas de outros governos ao redor do mundo o reconheceram como presidente. O Grupo de Lima tomou uma linha mais difícil, apoiando ativamente uma estratégia de mudança de regime através de um golpe militar contra Maduro, que havia sido reeleito em maio do ano anterior. 

O México, onde um governo progressista tinha acabado de tomar posse, recusou-se a assinar a resolução do grupo. Ao contrário, propôs, em conjunto com o governo de esquerda do Uruguai, um “mecanismo de diálogo” para a crise política da Venezuela. No entanto, logo depois, as posições do Grupo de Lima começaram a divergir das do governo Trump. No final de fevereiro os membros do Grupo de Lima publicaram uma declaração dizendo que uma solução para a crise deveria vir dos próprios venezuelanos. Independentemente de sua inclinação ideológica e da afinidade com Washington, esses governos pararam de apoiar a intervenção militar estrangeira.

Como o impasse político continuou na Venezuela, o Grupo de Lima começou a expressar o apoio a uma solução negociada, uma possibilidade que os EUA – ainda concentrados em alcançar a mudança de regime através de um golpe militar – rejeitaram fortemente. Depois que Guaidó terminou sua fracassada revolta, em 30 de abril, o grupo começou a apelar a Cuba para ajudar nas negociações. Essa ideia foi particularmente abominável para a equipe de Trump na América Latina, que inclui Elliott Abrams, um falcão da guerra fria que na década de 1980 defendeu esquadrões da morte na América Central e mentiu para o Congresso dos EUA sobre o escândalo Irã-contra.

Abrams e outros funcionários alegaram, sem evidência, que Cuba tinha milhares de soldados e agentes de inteligência na Venezuela que apoiavam Maduro. Na verdade, depois que o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau apelou às autoridades de Cuba em nome do Grupo de Lima, para pedir sua ajuda no avanço das negociações, recebeu uma chamada irada do vice-presidente Pence, que o acusou de não expor a “maligna influência” de Cuba na Venezuela.

O governo Trump também falhou em seus esforços públicos para influenciar membros do Grupo de Lima a implantar amplas sanções econômicas contra a Venezuela. Alguns governos de direita na região implantaram sanções dirigidas a funcionários venezuelanos individuais, mas nenhum governo procurou aplicar as devastadoras sanções contra a Venezuela.

Parece que até mesmo os aliados de direita mais complacentes dos EUA mantêm uma aversão básica às formas extremas de intervenção promovidas pela equipe de Trump. É provável que não tenha ajudado o fato de que John Bolton e outros oficiais recentemente alardearam as virtudes da doutrina de Monroe, a política imperial de quase 200 anos que serviu para justificar inúmeras intervenções dos EUA em todo o continente. Nenhum líder latino-americano demonstrou apoio a uma doutrina Monroe revivida – e poucos parecem concordar com as alegações de Bolton ou Pompeo de que a China ou a Rússia representam uma séria ameaça para a região, que precisa apoiar os EUA em oposição vigorosa a sua presença.

Também não é provável que qualquer governo da América Latina tenha prazer em ouvir Bolton dizer, na Fox Business, que as vastas reservas de petróleo da Venezuela foram uma motivação fundamental para a intervenção dos EUA, pois seria “fazer uma grande diferença econômica os EUA se pudéssemos ter empresas petrolíferas americanas investindo e produzindo nas capacidades petrolíferas na Venezuela”. Há uma certa ironia no fato de que o panorama geopolítico latino-americano não tem sido tão favorável aos interesses dos EUA desde pelo menos o final dos anos 1990. A abordagem estridentemente imperialista do governo Trump tem o risco de alienar mesmo aqueles mais favoráveis à hegemonia dos EUA na região.

Mas, mesmo se o comportamento da equipe de Trump cresce de maneira que os governos de direita da América Latina não aceitem, parece improvável que esses governos terão sucesso no desenvolvimento de um projeto coerente e coletivo em defesa de sua visão para a região. Isso porque, em grande parte, os principais atores da direita latino-americana não promoveram nenhuma estratégia alternativa nas relações internacionais que não envolva a liderança dos EUA.

Isto é evidente no registro surpreendentemente escasso dos agrupamentos regionais que os governos conservadores desenvolveram desde a mudança para a direita. A Aliança do Pacífico, por sua parte, não tem muito a mostrar em oito anos de existência. Sua maior “conquista” é a integração dos mercados de ações de seus quatro Estados membros em uma plataforma de negociação comum, mas há pouca evidência de que isso tenha proporcionado um impulso significativo para as economias vacilantes desses países. E o maior bloco regional de direita, o Grupo de Lima, é focado na Venezuela.

Em contrapartida, os agrupamentos regionais da década progressista anterior tiveram um impacto real, com amplos mecanismos de cooperação em infraestruturas, defesa, investimento, comércio, energia, programas sociais e várias outras áreas, e – talvez o mais importante – consultas diplomáticas sistemáticas e a coordenação em torno de desafios e crises comuns à medida que emergiram.

A aliança mais recente que surgiu foi o fórum de oito membros para o progresso e desenvolvimento da América do Sul – ou “Prosur” –, apresentado por seus cofundadores de direita como essencialmente um anti-Unasul (um corpo que consideravam muito pró-Venezuela). Fundada oficialmente em março de 2019, o grupo inclui Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru. Até agora, parece ser uma repetição de desempenho abrangendo as posições do Grupo de Lima e da Aliança do Pacífico.

Se a esquerda ganhar algumas eleições nos próximos anos, então uma geração progressista de alianças regionais poderia voltar. Esses grupos – Unasul, Celac, Alba – têm falhas estruturais que devem ser abordadas, mas continuam a oferecer uma visão convincente para a região, que coloca o bem-estar dos povos da América Latina em primeiro lugar e traça um caminho rumo a uma verdadeira política e econômica independência, sem a interferência ou tutela de poderes externos.

Sobre o Autor

Alexander Main
é membro do Centro de Pesquisa Econômica e Política em Washington, D.C. (EUA)