Por que Greta é importante para a luta

27/09/2019

Por
Liza Featherstone

Tradução
Giuliana Almada

Greta Thunberg, a adolescente sueca ativista, fez o mundo voltar a atenção para a ameaça das mudanças climáticas. Ela se tornou uma liderança inesperável de um movimento mundial. Talvez uma dose de autismo seja o antídoto certo para o nosso TDAH coletivo. 

Greta Thunberg no parlamento da União Europeia em Abril de 2019. Parlamento Europeu / Wikimedia.

“Onde está aquela garota?”, uma adolescente, ainda vestindo o uniforme da escola se pergunta em voz alta..

“Que garota?”

“Você sabe!” Suas amigas parecem intrigadas por um momento, depois se descontraem em reconhecimento.

“É, é. Aquela garota.”

Alguns minutos depois, um grupo de meninos um pouco mais informados começam a entoar simulando um sotaque sueco: “Greta! Greta!”

Toda vez que a polícia nos empurra para a calçada, alguns de nós na multidão imaginam que estamos prestes a ver Greta Thunberg, a garota sueca de 16 anos que inspirou milhões de outras crianças ao redor do mundo a matar aula às sextas-feiras para protestar contra o fracasso dos seus governos em impedir o desastre climático.

A greve climática de 20/09, atraiu milhões de pessoas ao redor do mundo. A que ocorreu em Nova Iorque foi a maior do país até o momento, com 70.000 pessoas na rua. Grande parte do motivo foi a emoção de ter Greta Thunberg aqui na cidade. O sistema de ensino público nova-iorquino ter permitido que os alunos faltassem aula sem penalidade também ajudou, resultando no que talvez tenha sido a marcha climática da classe trabalhadora mais diversa que os Estados Unidos já viram. Mas os números também se devem ao impulso que Greta deu ao movimento.

Movimentos são coletivos, mas algumas pessoas têm a personalidade certa para liderar na hora certa. Quem acha que o socialismo seria tão popular nos Estados Unidos hoje se Bernie Sanders não tivesse concorrido à presidência em 2016? As condições históricas estão corretas, mas o povo também precisa de líderes. Greta é uma dessas pessoas. Não há dúvidas de que ela é grande parte do motivo pelo qual as pessoas estão indo às ruas e por que até os políticos e a mídia estão começando a levar essa questão mais a sério.

Greta é autista. Como Slavoj Žižek observou, isso é provavelmente parte do seu apelo. Ela se refere ao seu autismo como um “superpoder”, e pode ser que seja mesmo. Pessoas autistas muitas vezes têm dificuldades para entender comunicações sociais. Isso não deve ser idealizado; torna a vida deles mais difícil, e a sociedade nem sempre é tolerante com essas diferenças. Para uma porta-voz climática como Greta, no entanto, não é difícil ver como o autismo pode ajudar.

A maioria das pessoas, especialmente as meninas, é socializada para fazer com que os outros sintam-se bem, para serem gentis e não serem chatas. É impossível chamar atenção para uma ameaça à civilização humana sob tais restrições sociais. A possível extinção da nossa espécie não faz ninguém se sentir bem. Além disso, a maior parte das pessoas é socializada para dizer às outras que elas estão fazendo um ótimo trabalho, ou pelo menos para encontrar maneiras de enfatizar o que é positivo. Mas, novamente, é impossível dizer a verdade sobre o clima dessa maneira. Na semana de 15 a 21 de setembro de 2019, Greta disse sem rodeios, na cara dos membros do Congresso americano, para pararem de puxar seu saco. “Por favor, guardem seus elogios”, disse ela. “Nós não os queremos. Não nos chamem aqui só para nos dizer como somos inspiradores, porque isso não leva a nada.” Ela disse: “eu sei que vocês estão tentando, mas não o suficiente. Sinto muito.”

Pessoas autistas muitas vezes conseguem concentrar-se fenomenalmente em um único assunto. Isso pode torná-los trabalhadores extraordinariamente produtivos, como descobriram alguns empregadores. Greta é incomum para uma ativista contemporânea, pois ela raramente menciona outras questões. O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é a metáfora neurológica da nossa era da internet; há muitos problemas atraindo nossa atenção, enquanto nossas formas contemporâneas de consumir mídia — notificações constantes em nossos celulares, tweets — nos desencorajam a dar a qualquer um deles a atenção constante que necessitam. Talvez uma dose de autismo seja o antídoto certo para o nosso TDAH coletivo.

Como qualquer pessoa com um impacto tão grande na cultura política, Greta tem seus críticos. Não é de surpreender que a maioria deles esteja à direita, exatamente onde esperamos encontrar negadores climáticos que odeiam crianças excepcionais. Mas também houve uma reação contra ela na esquerda.

Algumas vêm daqueles esquisitões para os quais nenhum ser humano é abnegado o suficiente. Greta, sendo uma ativista climática de princípios e levando a sério seu papel de exemplo para os outros, não usa aviões; as viagens aéreas são a forma de transporte que mais emitem carbono. Para vir a Nova Iorque para a Cúpula do Clima da ONU (e a Greve Climática) neste mês de setembro, ela viajou de barco. Alguns dos críticos mais rígidos de Greta ficaram indignados com o fato de os adultos que pilotavam o barco planejarem voltar de avião à Europa. Outros ficaram aborrecidos com fotos de plástico descartável a bordo do barco. Isso é o ambientalismo como uma neurose punitiva, e não política.

Outros críticos de Greta, com uma perspectiva política bastante diferente, estão igualmente equivocados: estão chateados devido ao barco de carbono zero ser tão caro, enfatizando, com um ressentimento populista idiota, que é um “iate”. Para esses críticos de esquerda, Greta é o rosto de um movimento ambiental de “elite”. Eles suspeitam que ela seja muito institucionalmente amigável e amada pela mídia para fazer algo bom. Eles estão seguros de que ela não pode ser verdadeira, que se trata de um fenômeno fabricado. Essas críticas parecem fugir do cerne da questão tanto quanto as feitas pelos obcecados pelo plástico.

Não tenho dúvidas de que a embarcação de carbono zero é cara. Na verdade, espero mesmo que seja; que pais deixariam um filho atravessar o Atlântico em um barco a remo barato? Além do mais, certamente não parecia uma viagem luxuosa. Quanto à idéia de que Greta é abraçada pelas elites e pela mídia, qual é a insinuação aqui? Que ela estaria tentando nos distrair participando do movimento ambiental mais radical e popular ao invés de bombardear a sede da ExxonMobil e raptar os irmãos Koch? Essa é uma fantasia sombria e risível para quem assiste de perto o movimento ambiental dominante se aconchegando junto às piores empresas e políticos, arrecadando fundos para o drama de bichinhos fofos ameaçados de extinção, enquanto ecossistemas inteiros estão em perigo.

Greta Thunberg continua dizendo aos adultos — francamente, implacavelmente, não facilitando — que ela não pode nos salvar. Ela está certa. Precisamos refazer toda a nossa sociedade. Mas ela chamou nossa atenção e nos deu um exemplo, e precisávamos disso. Na Greve Climática houveram muitos bons sinais. Alguns fariam qualquer pessoas que já foi criança rir, como “Mantenha a Terra Limpa, Não É Seu (C)Urano”. Outros, como “Compostem os Ricos”, propunham soluções sagazes. Alguns foram de partir o coração: “Estou Estudando Para Um Futuro Que Foi Destruído”. Um dos melhores levou uma citação de Greta Thunberg: “Quero Que Você Entre Em Pânico”. Isso provavelmente não é algo que uma pessoa “normal” diria.

Sobre o autor

é escritora da equipe da Jacobin, jornalista freelancer e autora de Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers 'Rights at Wal-Mart.