O “acordo do século” de Trump é uma descarada disputa de terra

31/01/2020

Por
Seraj Assi

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Donald Trump, Benjamin Netanyahu e muitos líderes democratas estão divulgando o “novo plano de paz” no Oriente Médio como um avanço. Mas o esquema nada mais é do que uma apropriação de terra descarada que aprofundará ainda mais o controle israelense e privará milhões de palestinos de direitos civis básicos.

O muro de separação de Israel pode ser visto próximo ao campo de refugiados palestinos de Shuafat em 28 de janeiro de 2020 em Jerusalém, Israel. Lior Mizrahi / Getty.

Em um melodrama político encenado na terça-feira, o presidente Donald Trump, ladeado por Benjamin Netanyahu, lançou sua visão para a paz no Oriente Médio, saudando-a como o “Acordo do Século”.

Da perspectiva de Israel, o plano Trump é realmente o acordo do século. Como disse o primeiro-ministro de Israel: “É um ótimo plano para Israel. É um grande plano de paz”. Já, para os palestinos, que estavam ausentes da cerimônia, o plano não passa de um esquema de apropriação de terras surrupiadas em plena luz do dia.

O acordo de Trump colocaria uma Jerusalém única, incluindo sua Cidade Velha, sob o controle de Israel e daria a Israel o direito de anexar todos os assentamentos, bem como o Vale do Jordão – quase um quarto da Cisjordânia. Netanyahu já prometeu apreender todos os assentamentos e o vale do Jordão, que seu governo deve votar para anexar neste fim de semana.

O plano prevê um estado palestino “condicionado” que será completamente desmilitarizado e desprovido de um exército e uma força aérea, onde Israel continuará a exercer total controle militar – também do espaço aéreo. Esse “estado-mínimo”, como Netanyahu cinicamente o apelidou, seria um arquipélago descontínuo e canonizado na Cisjordânia e Gaza, cercado por um mar de assentamentos israelenses e instalações militares. O que privaria milhões de palestinos apátridas dos direitos civis básicos.

Em outras palavras, os palestinos estão sendo solicitados a repetir o mesmo erro que cometeram nos Acordos de Oslo de 1993, onde concordaram em “condicionar” o Estado, apenas para ver Israel turbinar sua ocupação, expandir seus assentamentos e arrebatar Jerusalém. Sem surpresa, os líderes palestinos boicotaram o plano.

Israel está ciente de que há mais palestinos do que israelenses vivendo no território sob o controle de Israel. Ao endossar os assentamentos israelenses, o plano substituiria uma ocupação de décadas por um sistema oficial de apartheid, onde a maioria palestina seria governada por uma minoria de colonos israelenses, e apenas um grupo étnico teria plenos direitos civis.

O plano de Trump é o culminar de uma série de medidas anti-palestinas adotadas por seu governo, da transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém, do reconhecimento de assentamentos israelenses na Cisjordânia e do congelamento de todas as formas de financiamento aos palestinos.

Mas não é apenas Trump. A maioria dos democratas permaneceu calada ou aplaudiu a política de Trump. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, elogiou o acordo por fornecer “um terreno comum” que os democratas poderiam defender, dizendo: “Se houver uma possibilidade de paz, queremos dar uma chance a ela”. Pelosi e outros democratas tradicionais ainda se recusam a ver a postura anti-palestina de Trump como é: inseparável de sua agenda reacionária.

Bernie Sanders e Elizabeth Warren foram os únicos candidatos presidenciais democratas a se manifestar contra o plano. Warren chamou de “carimbo de borracha para anexação [que] não oferece chance para um verdadeiro Estado palestino”. Sanders alertou que “apenas perpetuará o conflito” e que um acordo de paz “deve acabar com a ocupação israelense e permitir a autodeterminação palestina” em um estado independente”. Joe Biden, embora pareça criticar o plano como um “golpe político”, nem sequer mencionou os palestinos, twittando: “Passei a vida trabalhando para melhorar a segurança e a sobrevivência de um judeu e democrata. Israel. Este não é o caminho”.

O plano de Trump é obra de cínicos e evangélicos de direita que demonstram total desprezo pelos direitos palestinos, principalmente Jared Kushner (genro e conselheiro sênior de Trump) e David Friedman (embaixador dos EUA em Israel). Os dois homens financiaram assentamentos israelenses na Cisjordânia há anos. Friedman, um colono, insistiu no direito de Israel de anexar a Cisjordânia, porque “Israel está do lado de Deus”.

Talvez o mais assustador de tudo seja a retórica paternalista da equipe de Trump, que flerta com o racismo do “fardo do homem branco”. “Acreditamos que, em última análise, teremos o apoio dos palestinos”, declarou Trump, como se os palestinos não pudessem ver o que é do seu interesse. Ou, como Kushner, questionando a viabilidade do autogoverno palestino independente, colocou: “A esperança é que, com o tempo, se tornem capazes de se governar”. Os governantes do apartheid da África do Sul – que se baseavam na suposição racista de que os países bantus deveriam permanecer sob o controle dos brancos, porque os Bantu ainda não eram capazes de governar a si mesmos – não poderiam ter melhorado isso.

Muitos palestinos estão buscando outro paralelo histórico: o sistema Mandate, que foi imposto aos palestinos há um século e nomeou o governo britânico como “curador” até que os habitantes nativos “pudessem se manter por conta própria”. Assim como a Declaração de Balfour excluiu Palestinos pelos direitos nacionais que concedeu aos judeus, o plano de Trump vê os direitos nacionais palestinos como dispensáveis. E assim como a Declaração de Balfour falhou em mencionar os palestinos pelo nome, em vez de se referir a eles como a “população não-judia da Palestina”, os pacificadores dos EUA continuam planejando o futuro dos palestinos com a ausência de palestinos.

Mais uma vez, os palestinos enfrentam a sombria perspectiva de ter seu destino ditado por autoridades estrangeiras que, dotadas de um mandato de superpotência e munidas de memorandos e propostas secretas, estão dizendo a eles o que Lord Curzon disse condescendentemente aos indígenas há mais de um século: “Você não pode ficar sem nós”.

Talvez a única virtude do plano Trump seja que ele novamente dissipe o mito da solução de dois Estados. Como a luta sul-africana nos lembra, um povo que vive no apartheid não precisa de um Estado separado – ele precisa de justiça e liberdade. E para os palestinos, nossa próxima luta é menos por um Estado do que pela democracia e pelos direitos civis.

Sobre os autores

é o autor de "The History and Politics of the Bedouin".

Sobre o autor

Seraj Assi é o autor de "The History and Politics of the Bedouin".