Os incêndios na Austrália são apenas o começo do que está por vir

07/01/2020

Por
Jeff Sparrow

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Enquanto o país queima, o governo conservador reafirma seu compromisso com a produção de carvão e trava uma guerra ideológica contra os ativistas climáticos. Mas à medida que a crise se aprofunda, a barbárie climática não é mais uma ameaça futura, é a realidade atual.

Dois incêndios florestais se aproximam de uma casa localizada nos arredores da cidade de Bargo em 21 de dezembro de 2019 em Sydney, Austrália. (David Gray / Getty Images)

A catástrofe ambiental que está ocorrendo na Austrália oferece uma visão estarrecedora da “nova normalidade” que o mundo está enfrentando. Incêndios florestais desde setembro já incineraram mais de 11,3 milhões de acres, uma área maior que a Holanda. Na última contagem, 18 pessoas morreram e mais de mil casas foram destruídas.

A fumaça amarela paira quase que permanentemente nas grandes cidades, uma nuvem tão tóxica que causou o colapso de uma idosa e que morreu depois com problemas respiratórios ao pisar na pista do aeroporto de Canberra. Milhões de australianos estão sendo expostos a partículas cancerígenas; respirar o ar de Sydney foi descrito como o equivalente a fumar trinta e quatro cigarros por dia.

Entre a devastação, quase meio bilhão de animais morreram, incluindo uma proporção considerável dos coalas de Nova Gales do Sul. Certamente, espécies inteiras foram exterminadas, pois o fogo varreu os ecossistemas nunca antes expostos a chamas.

As cenas das áreas afetadas tornaram-se cada vez mais apocalípticas. Dezenas de milhares de residentes rurais permanecem sem energia. Um estado de emergência prevalece em New South Wales, o terceiro declarado nos últimos meses. Nas zonas de desastre, as pessoas ainda aguardam extração por navios da marinha.

Quase certamente, o pior está por vir. No momento da redação deste artigo, cerca de 150 incêndios estão em chamas, e os meteorologistas esperam um clima quente e tempestuoso nos próximos dias. E com dois meses restantes do verão, há mais por vir.

Naufrago climático

Os incêndios florestais não são uma novidade na Austrália, mas o aumento da temperatura num mundo em aquecimento os torna mais quentes, mais intensos e mais difíceis de combater. Além de chegar em lugares mais longínquos.

Tudo isso está de acordo com as tendências internacionais e com previsões específicas para a Austrália. Em 2007, por exemplo, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (ecoando vários relatórios australianos) alertou que “ondas de calor e incêndios certamente aumentam em intensidade e frequência”.

Diante destes avisos, a Austrália aumentou a taxa e a magnitude da extração e consumo de carbono. O país agora se classifica como o terceiro maior exportador de combustíveis fósseis (apenas atrás da Rússia e da Arábia Saudita). Além disso, recentemente desempenhou um papel descomunal no colapso das negociações climáticas da COP 25, onde a insistência australiana em reivindicar os chamados créditos de transição ajudou a impedir uma busca por metas mais ambiciosas.

Ao mesmo tempo, o governo, federal e estadual, quer que a gigante multinacional Adani abra sua vasta mina de carvão Carmichael em Queensland, um projeto que facilitará a extração de gás de xisto na bacia de Beetaloo, no Território do Norte, e novos empreendimentos de carvão e gás no norte de Bowen, na Bacias da Galiléia, adicionando 4,6 bilhões de toneladas de poluição de carbono à atmosfera.

“É sem precedentes”, diz o analista de gás Bruce Robertson. “Esta é o maior número de projetos de combustíveis fósseis que já vi na minha vida. . . Eles estão acelerando o desenvolvimento de combustíveis fósseis em um ritmo que nunca vi. A balança é alucinante.”

No ano passado – o mais quente da história australiana até este ano, com temperaturas de 1,52 graus Celsius acima da média – o governo concedeu aprovação ambiental à empresa norueguesa de energia Equinor para um poço de petróleo na Great Australian Bight, um importante viveiro de baleias.

Carvão e trollagem

O entusiasmo pessoal do primeiro-ministro Scott Morrison pelo carvão – ele certa vez exibiu um pedaço do material no parlamento – explica sua estranha insatisfação com a atual crise.

Em novembro, quando o comissário do Serviço de Bombeiros Rurais da NSW, Shane Fitzsimmons, alertou sobre condições “catastróficas” que arriscavam “territórios inexplorados”, Morrison usou seu twitter para enviar “pensamentos e orações” às vítimas dos incêndios – seguindo o slogan twittando uma foto sua em um local esportivo de Brisbane. “Será um ótimo verão para o críquete”, disse ele, “e para nossos bombeiros e comunidades afetadas pelo fogo, tenho certeza de que nossos meninos lhes darão algo para se animar”.

Em dezembro, quando a situação piorou, Morrison não pôde ser encontrado – até os jornalistas o localizarem de férias no Havaí. Uma foto amplamente divulgada o mostrava de short, segurando uma cerveja e gesticulando para a câmera.

Eventualmente envergonhado em voltar para casa, ele organizou uma festa de véspera de Ano Novo para jogadores de críquete em sua residência oficial e fez um discurso peculiar no qual ele novamente apresentou os fogos como pano de fundo para o esporte de verão.

Alguns atribuíram a resposta vazia de Morrison ao seu pentecostalismo, sugerindo que ele entende as chamas como divinamente ordenadas. Mas seu comportamento é melhor compreendido em relação à crescente dependência do conservadorismo australiano na guerra cultural como um meio de fazer política.

Quando, nas eleições federais de maio, os liberais em exercício tiveram uma vitória apertada, os direitistas tomaram o resultado como uma confirmação da hostilidade contra uma agenda progressista da “elite” – e, com ela, ação contra as mudanças climáticas.

O deputado conservador Craig Kelly, por exemplo, pediu aos membros da Friends of Coal Exports (sim, isso existe!) que “queime o máximo de petróleo e gás possível durante o verão: coloque seu assado em um forno a gás, encha suas garrafas de gás e voe de um extremo ao outro do país”.

O governo se sentiu com confiança suficientemente em relação à indiferença pública à mudança climática e prometeu uma legislação draconiana contra os ativistas do Extinction Rebellion, com o ministro dos Assuntos Internos, Peter Dutton, descrevendo os ambientalistas como “marginais”, que deveriam ser hostilizados publicamente e presos. “Essas pessoas não são manifestantes, são anarquistas”, explicou. “Eles não acreditam na democracia, não acreditam no nosso modo de vida”.

A estratégia de carvão e as trollagens de Morrison significava que, durante grande parte do ano, os liberais mais experientes consideravam qualquer relação entre aquecimento global e incêndios como uma concessão inaceitável para a esquerda.

Assim, em setembro, quando as condições no sudeste de Queensland e no norte de NSW bateram novos recordes no McArthur Forest Fire Danger Index, o Ministro de Secas e Desastres Naturais, David Littleproud, disse a um entrevistador que não tinha certeza “se as mudanças climáticas o fizeram.”

No dia 31 de dezembro, o Ministro da Energia, Angus Taylor, publicou um artigo na publicação negacionista de Murdoch, a Australiana com a seguinte manchete: “Deveríamos nos orgulhar de nossos esforços com a mudança climática”. Foi uma declaração que coincidiu com a imagem amplamente difundida de cinco mil pessoas amontoados em uma praia na cidade costeira de Mallacoota e depois caminhando na água para escapar da invasão das chamas.

A repercussão

Não é surpresa que o governo esteja agora enfrentando uma reação. Quando, por exemplo, Scott Morrison se aventurou na cidade devastada pelo fogo em Cobargo, moradores revoltados o abusaram na rua. “Você não receberá votos aqui, amigo”, gritou um morador.

Em outro episódio, um bombeiro se recusou a apertar a mão do primeiro-ministro (embora Morrison o agarre de qualquer maneira). “Tenho certeza de que ele está apenas cansado” foi a justificativa de Morrison. “Não”, respondeu um funcionário, “ele acabou de perder a casa”.

Até o Ministro dos Transportes da NSW, Andrew Constance (membro do próprio partido do primeiro-ministro), reconheceu que Morrison “provavelmente merecia” o tratamento que recebeu em Cobargo.

Se o aparente colapso da autoridade de Morrison sinalizar uma abertura para o Partido Trabalhista (ALP), não está claro que a liderança deles alcançaria uma melhoria significativa. Pelo menos o atual líder da ALP, Anthony Albanese, discute abertamente a relação entre a crise do fogo e o aquecimento global. Mas os trabalhistas estão lado a lado com o compromisso do Partido Liberal com o carvão.

Por exemplo, os albaneses recentemente criticaram o sentimento anti-carvão dentro de seu partido, com uma versão do argumento clássico do “traficante de drogas”. “Se a Austrália deixasse de exportar hoje”, disse ele, “não haveria menos demanda por carvão – o o carvão viria de um lugar diferente”.

Isso foi em 9 de dezembro, com o país já bem consumido pelas chamas. Alguns dias depois, Joel Fitzgibbon, membro do Partido Trabalhista – um membro do grupo pró-carvão bipartidário de Kelly – instou os australianos a pararem de “demonizar” o mineral. Em Queensland, é uma administração trabalhista e um premiê trabalhista que estavam pedindo que os manifestantes climáticos fossem presos.

Todos nós ouvimos poderosos discursos sobre mudanças climáticas de Al Gore e Barack Obama e (meu correspondente as vezes) Kevin Rudd. Mas sabemos que eles fizeram muito pouca diferença para as pessoas comuns. Até o atual momento, as conferências internacionais sobre o meio ambiente conseguiram fornecer um pano de fundo para esses vôos oratórios, mesmo quando as emissões de carbono aumentam ano após ano.

Na Austrália, a catástrofe do incêndio florestal oferece uma abertura para uma abordagem diferente. Afinal, as mudanças climáticas não representam mais um futuro possível neste país. É evidente que algo está acontecendo com pessoas comuns aqui e agora.

Existe, portanto, uma oportunidade de vincular soluções de curto prazo e soluções de longo prazo com, por exemplo, a necessidade óbvia de planos de resgate nas áreas afetadas, legitimando as reformas estruturais que podem facilitar uma economia descarbonizada.

No passado, os esforços para acabar com a dependência da Austrália em carvão poderiam ter parecido uma ameaça ao emprego na zona rural. Entretanto, a atual devastação em cidades remotas mostra como a viabilidade a longo prazo das comunidades do país depende de uma “transição justa” da mineração.

Já vimos sindicalistas se recusarem a trabalhar na névoa poluída de Sydney – uma mobilização específica que mostra o potencial para uma ação climática mais ampla. Da mesma forma, a raiva dessas pessoas em Cobargo sugere um sentimento que pode vincular a energia e o idealismo da greve climática estudantil ao poder social da classe trabalhadora.

É claro que é fácil falar sobre um novo movimento climático – e não é tão fácil construí-lo, especialmente considerando o estado em que se encontra a esquerda australiana. Mas que escolha temos?

A extensão dos incêndios deste ano sugere o que está por vir. O que enfrentamos hoje representa apenas o começo do que enfrentaremos quando as temperaturas globais mudarem. Nem todo país terá incêndios. Alguns enfrentarão secas, inundações ou geadas. Mas nenhum lugar permanecerá seguro pelo que está por vir.

O desastre específico que atinge a Austrália prenuncia uma crise mais ampla à qual a esquerda internacional deve responder.

Sobre os autores

é o editor da Overland.

Sobre o autor

Jeff Sparrow é o editor da Overland.