Após a vitória de Sanders em Iowa, o Partido Democrata está cagando nas calças

06/02/2020

Por
Connor Kilpatrick

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Líderes do Partido Democrata, como Tom Perez, tentam segurar “a ameaça Bernie Sanders”. Com o colapso em Iowa após a vitória do candidato socialista, estamos testemunhando a derrocada final dessa ilusão elitista – e eles não têm ninguém para culpar, a não ser eles mesmos.

O senador Bernie Sanders fala aos meios de comunicação após embarcar no avião no Aeroporto Internacional de Des Moines em 4 de fevereiro. Joe Raedle / Getty Images.

A máscara está caindo agora.

Hoje cedo, o presidente do Comitê Nacional Democrata (DNC), Tom Perez, anunciou via Twitter que estava pedindo uma “recontagem” completa das primárias do Partido Democrata de Iowa na segunda-feira – um pleito que Bernie Sanders venceu com facilidade pelo voto popular e provavelmente venceria até pela métrica oficial profundamente confusa e arbitrária do partido, conhecida como “equivalentes de delegados estaduais”.

Para aqueles que querem dar a Perez o benefício da dúvida, a CNN informou que o presidente da DNC fez a chamada devido ao método pelo qual os delegados estavam sendo premiados com os locais das primárias – locais onde Sanders esmagou seus concorrentes, onde as pessoas eram desproporcionalmente trabalhadores e não brancos. No local de Ottumwa, os trabalhadores imigrantes etíopes em uma fábrica de suínos de Iowa deram uma vitória estrondosa a Sanders, com apenas um único apoiador a Elizabeth Warren – um membro da sua campanha – impedindo uma goleada completa de Sanders.

Esses eram os satélites que entregariam a Sanders uma terceira métrica de vitória em Iowa – essa métrica misteriosa e confusa dos “equivalentes de delegados estaduais” que poucos, mesmo no Partido Democrata de Iowa, parecem entender. Na noite de quarta-feira, pouco antes da contagem desse grupo, o Partido Democrata de Iowa anunciou abruptamente que iriam varar a noite toda. Apenas algumas horas depois, Perez tentou invalidar a eleição.

Você deve se lembrar de Perez quando o Wikileaks hackeou o DNC em 2016, quando ele ficou claro que o DNC e a campanha de Hillary Clinton eram a mesma coisa: “Também estou ansioso pela minha aparição no Telemundo amanhã, onde posso endossar forte [a Hillary Clinton], onde o apoio entre os latinos colocou de uma vez por todas uma forquilha na falsa narrativa sobre Bernie e latinos”.

Sinto um pouco de pena de Perez – ele foi encarregado de salvar uma elite do partido e o status quo que não pode e não deve ser salvo. Os líderes do Partido Democrata como ele descartaram a ameaça de Sanders há anos, por causa do seu risco. O que você está testemunhando nesta semana é a derrocada final dessa ilusão. E eles não têm ninguém para culpar além de si mesmos.

Se tivessem levado Sanders e sua coalizão a sério, provavelmente já o teriam parado. Mas não o fizeram – eles simplesmente não podiam acreditar que um socialista velho com um sotaque regional engraçado poderia reunir milhões de pessoas por algumas causas fora do comum, como o Medicare for All e o pleno emprego, duas ex-pautas do suposto partido dos trabalhadores que, curiosamente, eles nunca conseguiram implementar.

E, pela primeira vez, talvez tenhamos de agradecer à Constituição dos EUA por essa reviravolta. Se vivêssemos sob um sistema de Westminster como é na Inglaterra, a equipe de Trump poderia muito bem ter visto Sanders assumir o cargo de líder oficial da oposição no Partido Democrata profundamente dividido em 2017, dando a nossa classe dominante anos para derrubá-lo, como fizeram com Jeremy Corbyn em o Reino Unido.

Felizmente, a arrogância de nossas elites os impediu de considerar a possibilidade de Sanders, apesar de ser detestado pelos políticos, já ser efetivamente o líder do Partido Democrata, determinado por seus eleitores que, ao contrário da elite do partido, sempre gostaram do cara. E agora faltam apenas alguns meses para a Convenção Nacional Democrática em Milwaukee, após a qual – se Sanders de fato ganhar a indicação – serão apenas mais alguns meses até a eleição geral.

Nossa classe dominante pode causar muitos danos nesse período, mas não tanto quanto eles poderiam ter feito nos últimos três anos. Eles não conseguiram encontrar um candidato forte suficientemente forte anti-Sanders. Na verdade, eles ainda estão procurando por um, se apaixonando por um novo político, apenas para descartá-lo na próxima esquina. Vimos a mídia inchar Beto O’Rourke, depois Kamala Harris, Pete Buttigieg, Elizabeth Warren, agora voltando a Buttigieg e talvez Michael Bloomberg. Como usuários desesperados e miseráveis do Tinder, eles querem alguém que vale a pena deslizar para a direita, mas seu coração os está forçando a deslizar para a esquerda.

Aconteça o que acontecer entre agora e Milwaukee, eles não conseguiram apagar a chama que se espalhou como fogo por todo o país. Mas isso não significa que a situação não fique totalmente louca. Definitivamente é. E é tarde demais para voltar agora. Simplesmente exigindo políticas básicas à classe trabalhadora, como o Medicare for All, pleno emprego e uma reforma de nossas instituições políticas antidemocráticas, escolhemos coletivamente uma briga. E será a luta de nossas vidas, começando agora.

Perez e a campanha “Stop Bernie!” do Partido Democrata, são apenas a primeira linha de defesa da classe dominante norte-americana. Temos um longo caminho pela frente e não estamos nem perto da batalha final. Então, respire fundo. As coisas vão ficar muito mais feias em breve.

Sobre os autores

é editor da Jacobin US.

Sobre o autor

Connor Kilpatrick é editor da Jacobin US.