Como o capitalismo subdesenvolveu o campo

24/02/2020

Por
Marc Silberman

Tradução
JoséCarlos Ruy

Uma mistura tóxica de sofrimento econômico, racismo e declínio da vida comunitária preparou o terreno para o populismo autoritário nas áreas rurais devastadas dos EUA. O trumpismo não será derrotado, a menos que a esquerda possa promover uma agenda progressista para reconstruir o meio rural.

Kris Notaro / flickr

Após a eleição presidencial dos EUA em 2016, a intelligentsia liberal percebeu tardiamente que os EUA rural e das cidades pequenas estava em crise. Um setor da opinião liberal insistia que a chave para a vitória de Donald Trump foi o racismo, e não no sofrimento econômico (em parte por causa de sua própria cumplicidade com o projeto neoliberal de livre mercado ). Outro setor, cego à importância central da desigualdade racial para o capitalismo dos EUA, preferiu enfatizar explicações econômicas restritas à ascensão de Trump.

Estas formas de pensar falharam em compreender as diferentes maneiras pelas quais o sofrimento econômico, o racismo e o declínio da vida comunitária interagiram para preparar o terreno para o populismo de direita. Subestimaram também o custo humano da catástrofe que envolve as áreas rurais e as pequenas cidades, com vista para as “patologias sociais do colapso” que se tornaram cada vez mais flagrantes.

Desde a virada para políticas neoliberais mais agressivas, de mercado livre. nos anos 80, o capitalismo dos EUA subdesenvolveu sistematicamente regiões rurais e cidades pequenas. E a crise de 2008 botou gasolina no fogo. Bancos de poupança mútua e cooperativas de crédito, pequenas empresas, indústrias e jornais locais, instituições de saúde e assistência a idosos, escolas e bibliotecas foram vítimas de implacáveis ​​políticas de austeridade.

Como as pessoas não podiam mais compartilhar a riqueza que haviam produzido, enquanto as bases fiscais comunitárias e as instituições sociais diminuíam, o “ressentimento rural” e a ansiedade econômica fizeram crescer o medo de mudanças culturais e demográficas, e aumentaram a aceitação de apelos autoritários e teorias da conspiração. 

Perdendo a guerra contra a pobreza

A masculinidade prejudicada e a perda de privilégios dos brancos foram certamente ingredientes vitais nesse coquetel tóxico, juntamente com a questão dos direitos à posse de armas. Mas essas “questões culturais” estavam ligadas ao declínio econômico e à fragmentação social: homens brancos que sofreram contratempos econômicos “são o grupo de proprietários mais apegados às armas” e os que mais provavelmente veem sua casa como um abrigo que exige defesa contra intrusos ameaçadores.

Em julho de 2018, o Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca afirmou que a “guerra contra a pobreza” iniciada durante a presidência de Johnson, na década de 1960, estava “amplamente encerrada com sucesso”. Essa avaliação rósea surgiu diante da ampla evidência de que as coisas estavam ficando muito piores.

Depois de 1980, os salários estagnaram e se descolaram do crescimento da produtividade. Entre 1940 e 1980, a diferença salarial entre as cidades mais pobres e as mais ricas diminuiu cerca de 1,4% ao ano, mas após 1980, essa convergência terminou. 

No cenário internacional, em meados da década de 1970, o colapso da estrutura criada em Bretton Woods provocou uma “abertura” das finanças e do comércio globais. Dentro dos EUA, na frente doméstica, ataques ao trabalho organizado, especialmente depois do governo de Ronald Reagan, minaram a capacidade de barganha dos trabalhadores.

Em 2018, 40 milhões de pessoas viviam na pobreza nos EUA; 18,5 milhões na pobreza extrema e 5,3 milhões “em condições de pobreza absoluta”, como no Terceiro Mundo. Em 2011, 1,5 milhão de famílias – metade delas brancas – estavam sobrevivendo com renda inferior a 2 dólares por pessoa por dia. Essas famílias incluíam 3 milhões de crianças. Nove milhões de pessoas, nos EUA, têm renda zero em dinheiro. Em 2016, 63% careciam de US$ 500 em economias para usar em uma emergência e 34% não tinham economia nenhuma. Nesse mesmo ano, a taxa oficial de pobreza no país era de 12,7%.

Um estudo de 2017 em quinze estados, que representam 39% de todos as residências nos EUA, constatou que as chamadas casas da ALICE (com recursos limitados, com restrição de renda, empregados) – estavam acima da linha da pobreza, mas ganhavam menos do que a “renda mínima de sobrevivência”. Esses lares representavam dois quintos (40%) do total. Entre 2007 e 2016, a riqueza média das famílias caiu 31%.

Muitos dos pobres e quase pobres estão empregados, geralmente em várias colocações de baixa renda, e precisam contar com cupons de alimentos para comer – na verdade, um subsídio público para seus empregadores, que incluem algumas das maiores e mais rentáveis empresas do mundo. Em 2017, 78% dos trabalhadores dos EUA disseram estar vivendo de salário em salário. Quase 40% dos adultos em idade ativa tiveram problemas para atender a pelo menos uma necessidade básica – comida, assistência médica, moradia ou serviços públicos – em 2017.

Um número crescente de pobres vende seu plasma sanguíneo duas vezes por semana, para sobreviver. A coleta de sangue dobrou entre 2008 e 2016. Enquanto as exportações de plasma estão em expansão, os doadores frequentes quase sempre sofrem consequências negativas para a saúde.
Os estadunidenses de baixa renda gastam grande parte de seu dinheiro gasolina e em carros para ir ao trabalho, especialmente em áreas rurais onde não há transporte público. 

Os programas evangélicos cristãos e de direita dominam as ondas de rádio nessas inevitáveis​​viagens de longa distância. Uma visita ao hospital ou conserto de carro pode desencadear uma espiral para baixo que culmina na perda de emprego e na falta de moradia. As famílias nos EUA estão profundamente endividadas, com hipotecas, automóveis, cartões de crédito, contas médicas e empréstimos estudantis. O endividamento, que há muito tempo tem um papel importante no desaparecimento de fazendas e outras pequenas empresas, é uma fonte adicional de estresse para muitos.

Financeirização neoliberal

Em “Glass House: a economia de 1% e a destruição da cidade nos EUA”, Brian Alexander descreve uma comunidade de Ohio cuja história se repete em milhares de lugares. Lá havia uma grande fábrica de vidro; era um lugar onde “um operário de fábrica poderia morar a três quarteirões de um proprietário de fábrica” e onde os proprietários apoiavam a emissão de títulos para financiar boas escolas e hospitais que atraíam funcionários qualificados.

Na década de 1980, os predadores empresariais montaram uma operação – cobraram dívidas, desmembraram, esmagaram o sindicato e pilharam a empresa. Os novos proprietários – fundos de hedge e estabelecimentos de private equity, de especulação financeira – diminuíram salários e pensões e ordenaram que os executivos morassem em outros lugares “para que não se incomodassem com pedidos de envolvimento cívico ou contribuições de caridade”.

A prioridade agora era maximizar o valor para os acionistas – e não desperdiçar lucros nas instituições da comunidade. A desindustrialização dos EUA atingiu cresceu após a crise de 2008: áreas não metropolitanas superaram o resto do país em perdas de empregos industriais, com uma queda de 35% nas vagas.

Demagogos populistas como Trump culpam por esses cortes de empregos exclusivamente o livre comércio e a fuga de fábricas – seus críticos liberais também citam automação e falta de inovação – mas a financeirização neoliberal tem sido claramente central nessa realidade.

A financeirização – o envolvimento dos especuladores financeiros nos negócios e nos mercados, e a propriedade dos ativos não pelo que eles podem produzir, mas pelo modo como podem ser despojados e invertidos para gerar valor para o acionista – tem suas origens longe das comunidades afetadas e tende a ser um processo opaco. 

Como Jennifer Clapp aponta: “Essa falta de transparência sobre quais atores estão envolvidos na condução dessas tendências cria espaço para narrativas concorrentes – muitas vezes, avançadas pelos próprios agentes financeiros – que apontam para outras explicações para resultados sociais e ambientais negativos.” Como o neoliberalismo não entrega a prometida prosperidade, as pessoas que procuram entender o que aconteceu com suas comunidades recorrem cada vez mais a teorias da conspiração e reivindicações “pós-factuais”.

Os bancos de poupança mútua locais costumavam alimentar as economias de cidades pequenas. Seus diretores contribuíam para instituições locais, conheciam clientes e, às vezes, faziam empréstimos com base na confiança. 

A partir da década de 1980, os investidores em private equity geraram pequenos depósitos mútuos e de poupança em todo o país, antecipando sua conversão em instituições de ações. Os depositantes poderiam comprar ações a preços privilegiados antes das ofertas públicas iniciais (IPOs). Normalmente, as ações são valorizadas em 15% no dia do IPO e em 20% a 50% nos meses seguintes.

Os diretores e investidores incentivaram os grandes bancos regionais a engolir e fechar os bancos locais, e ganham dinheiro enquanto as ações sobem 200 a 400% acima do nível do IPO. No processo, sugaram a riqueza das comunidades, impuseram critérios mais rígidos de concessão de empréstimos e cortaram o espaço das pequenas empresas. Muitas pessoas se viram presas em “desertos bancários”, forçadas a confiar em estabelecimentos de alto custo com cheques e credores (agiotas) de dia de pagamento (geralmente financiados pelos bancos maiores que criaram esses “desertos”).

Como bancos mútuos, cooperativas e cooperativas de crédito reinvestiram a riqueza que as comunidades produziram localmente, agindo como baluarte contra corporações e bancos vorazes. Cerca de um quarto das 8.000 cooperativas de crédito ativas em 2007 havia fechado em 2017. Entre 2000 e 2015, mais de um terço das 3.346 cooperativas agrícolas ainda ativas no início do século foram forçadas a fechar.

Bolha das hipotecas e sem-teto

Quando a bolha das hipotecas estourou em 2008, o número de sem-teto disparou,pois os financiados deixaram de pagar o que costumam ser empréstimos predatórios. Nos EUA, as execuções hipotecárias residenciais aumentaram drasticamente, passando de pouco mais de 380 mil, em 2006, para 1 milhão por ano, entre 2009 e 2012. As execuções hipotecárias voltaram aos níveis anteriores à crise em 2016. Em 2012, quase um quarto dos proprietários com hipotecas tinham dívidas impagáveis – elas eram superiores ao valor de suas casas. Um impressionante valor de 7 trilhões de dólares em patrimônio líquido evaporou-se.

Os despejos em residências alugadas foram ainda mais generalizados: 83 milhões em todo o país entre 2000 e 2016 – uma média de 4,9 milhões por ano. Esse número exclui os muitos “despejos informais” que ocorreram quando os locatários cedem à pressão dos proprietários e se mudam antes de enfrentar uma ação legal. Pelo menos um quarto das famílias pobres gasta 70% ou mais de sua renda com aluguel e serviços públicos. Apenas uma em cada quatro famílias que se qualificam para programas de habitação a preços acessíveis realmente recebe assistência.

A crise habitacional teve um impacto devastador. Uma única execução hipotecária arruína a classificação de crédito de um indivíduo e o despejo legal de uma casa de aluguel gera um registro judicial. Qualquer infortúnio pode impedi-los de conseguir emprego ou acomodação no futuro, uma vez que patrões e proprietários realizam rotineiramente verificações de crédito ou rastreiam os candidatos, num registro de despejo. O despejo também leva à perda de emprego, pois trabalhadores sobrecarregados cometem erros e são demitidos.

Pessoas sem endereço permanente enfrentam dificuldades ao preencher solicitações de emprego. Eles frequentemente perdem o acesso a cupons de alimentos, Medicaid e outros benefícios quando os avisos de renovação são enviados para seus endereços antigos. As crianças precisam mudar de escola no meio do ano, prejudicando sua educação.

Grandes grupos de investidores também criam insegurança habitacional, mirando em parques de trailers, alugando trilhas e sugando dinheiro que, de outra forma, seria gasto localmente. Frank Rolfe e Dave Reynolds, que possuem um portfólio de US$ 500 milhões em parques de trailers, administram uma Mobile Home University que ensina aos investidores como iniciar um negócio que promete retornos anuais de até 20%.

Os investidores em estacionamentos residenciais aproveitam o que Rolfe chama de “desprezo da sociedade”. Os moradores de estacionamentos – 6% da população – são incapazes de resistir: são mais propensos a suportar o aumento do aluguel do que a pagar os US$ 3 mil dólares de custo para mover um trailer para outro parque.

Crise no campo

A década de 1980 trouxe a pior crise para a agricultura dos EUA desde a Depressão da década de 1930. O custo dos fertilizantes disparou, as taxas de juros subiram, os bancos cobraram empréstimos e os preços dos grãos despencaram com a perda de vendas para a URSS após a invasão do Afeganistão. 

Um punhado de empresas gigantescas ficou com uma parcela cada vez maior dos lucros acumulados entre o portão da fazenda e o prato de jantar, através da rápida consolidação de fornecedores de insumos e máquinas e do processamento e exportação de mercadorias.

Máquinas maiores e mais poderosas possibilitaram que menos agricultores cultivassem áreas maiores, o que agravou os problemas de endividamento, concentração de terras e o declínio na população sustentada pela agricultura. Os sobreviventes da crise dos anos 80 sofreram recentemente uma segunda crise quando o boom das commodities dos anos 2000 chegou ao fim. Entre 2013 e 2017, os agricultores tiveram uma queda de 48% na renda líquida real da fazenda – o maior declínio em quatro anos desde a Depressão. Mais da metade dos proprietários rurais perde dinheiro com a agricultura.

Os efeitos multiplicadores desestabilizam ainda mais as economias locais e as comunidades que deles dependem. A concentração da propriedade agrícola, especialmente quando as empresas substituem as unidades familiares, também leva à diminuição da frequência escolar nos distritos rurais e, muitas vezes, ao fechamento de escolas que há muito eram centros de vida comunitária.

Lojas e lanchonetes de propriedade familiar nas ruas principais da cidade pequena eram locais de contato humano. Eles investiram lucros localmente e deram empregos para famílias rurais. Com a proliferação de shoppings e cadeias de lojas, esses negócios de “mãe e filho” deixaram de existir.

Aproximadamente 600 mil desapareceram entre 2007 e 2012. Mesmo quando a economia se recuperou, as empresas não voltaram aos seus locais anteriores: em 2016, menos de um quarto dos condados dos EUA haviam substituído os negócios perdidos na recessão.

Menos empresas pequenas significa menos receita com publicidade para jornais locais, milhares dos quais foram fechados, já tendo sido prejudicados pela migração de leitores e dólares em anúncios para a Internet. A mesma financeirização destrutiva que tem estrangulado indústrias e bancos locais afeta as empresas de mídia locais. Isso priva as comunidades não apenas de reportagens e anúncios locais, mas também de qualquer espaço para marcar nascimentos, mortes, casamentos, formaturas e realizações esportivas – tudo o que faz com que os habitantes de uma cidade se identifiquem com um lugar e se orgulhem dele. Além disso, pode-se estabelecer uma conexão clara entre o fechamento de jornais e a menor participação eleitoral, redução da competição nas eleições locais e aumento da corrupção do governo, já que as autoridades não enfrentam mais o escrutínio dos “vigias” jornalísticos.

Os fundos de hedge e as empresas de private equity compraram papéis locais a preços de pechincha em todo o país. Eles cortam custos mesclando as funções de produção, vendas e editoriais de vários jornais, reunindo audiências grandes o suficiente para permanecerem atraentes para seus anunciantes (que cada vez mais tendem a ser grandes redes e não empresas locais). Frequentemente, a consolidação significava o fechamento de empresas consideradas de “baixo desempenho”, criando “desertos de notícias” que deixam comunidades menores sem fonte de notícias locais.

Após as primeiras ondas de fechamento de lojas nas principais ruas das cidades pequenas, os empregos de baixo salário nas cadeias e shoppings também começaram a desaparecer com a expansão do comércio eletrônico.

De acordo com a Bloomberg, não foi apenas a concorrência dos comerciantes on-line que impulsionou essa tendência: “A causa principal é que muitas dessas cadeias de longa data estão sobrecarregadas de dívidas – geralmente de aquisições alavancadas lideradas por empresas de capital privado”. O “apocalipse do varejo”desencadeou um círculo vicioso: com o desaparecimento dos negócios de tijolo e argamassa – seja na Main Street ou no shopping – gigantes do comércio eletrônico como a Amazon se tornaram cada vez mais vitais para os moradores rurais, muitos dos quais mal podiam pagar gasolina e o tempo necessários para percorrer longas distâncias para fazer compras.

Para agravar o mal-estar, desde meados da década de 2000, as grandes empresas sobreviventes montaram frequentemente “processos em lojas sombrias”, alegando que sua avaliação tributária deveria se basear na venda de propriedades comparáveis ​​desocupadas. Isso força as pequenas cidades a dedicar fundos escassos a custos legais e corrói ainda mais as bases tributárias locais.

Algumas das poucas lojas de varejo que ainda existem nesse ambiente sombrio são as lojas de um dólar, que afastam os mantimentos estabelecidos do mercado. O número de lojas de um dólar aumentou de 20 mim para 30 mil desde 2011. Cadeias como a Dollar General – cujos proprietários incluem BlackRock e Vanguard e que atendem a clientes que um analista de mercado descreve como “uma subclasse permanente” – podem gastar até US$ 250 mil em uma nova loja; em comparação, um Walmart pode custar mais de US$ 15 milhões. 

Os lucros de uma mercearia local costumavam voltar para a comunidade ou para um proprietário que morava nas proximidades. Os lucros da Dollar General vão direto para o escritório empresarial.

Vitrines e shoppings vazios, jornais desaparecidos e pontos de venda crescentes não são apenas sinais de perda de emprego e precariedade econômica. As pessoas do campo as veem como lembretes severos e dolorosos de abandono e um tecido social esgarçado.

Serviços sociais

Nas últimas décadas, os governos federal e estaduais reduziram o financiamento para serviços sociais, diminuindo a força de trabalho do setor público e corroendo suas condições de trabalho. O fechamento de hospitais rurais dobrou entre 2011 e 2013 e 2013 e 14. Muitos tiveram dificuldades devido à falta de pacientes com seguros patrocinados pelo empregador, que geralmente oferecem reembolsos mais altos do que o Medicaid e o Medicare. Os serviços obstétricos estão agora indisponíveis em mais da metade dos municípios rurais. Diante de longas e dispendiosas solicitações aos profissionais, muitas mulheres recebem atendimento pré-natal inadequado, resultando em maiores taxas de mortalidade materna e infantil.

Entre 1990 e 2015, o número de mortes maternas por mil nos EUA subiu para 26,4; na Louisiana, alcançou 58,1 chocantes, a mesma taxa da Jordânia, e um pouco pior do que a encontrada em El Salvador e no Iraque. Durante o mesmo período, as mortes maternas caíram abaixo de 10 por mil na Alemanha, França, Japão, Canadá e Reino Unido. Mais de 440 lares de idosos rurais fecharam ou se fundiram na última década, geralmente porque os pagamentos do Medicaid não são suficientes para cobrir seus custos; quando os residentes precisam se mudar para instalações distantes, ficam afastados de amigos ou de cônjuges idosos que não conseguem fazer a viagem. 

As disparidades na saúde se tornam ainda maiores quando as autoridades locais, sem dinheiro, vendem parques públicos para aumentar a receita, privando os moradores de espaço para exercícios e recreação.

As agências dos correios há muito são essenciais para as pessoas nas áreas rurais, que dependem delas para obter informações, medicamentos e contato humano básico. Em 2012, cerca de 3.000 agências postais rurais escaparam por pouco do fechamento, mas um desgaste lento está diminuindo suas fileiras de qualquer maneira. A crescente importância da Amazon nas áreas rurais levou o Serviço Postal dos EUA (USPS) subfinanciado a um ponto de ruptura, uma vez que correios particulares como FedEx e UPS não operam em muitas áreas rurais. Estão trabalhando em turnos mais longos, muitas vezes sem pagamento de horas extras, e estão com falta de pessoal. 

Essas condições estão sendo usadas como pretextos para a privatização – junto com o mandato do congresso de 2006 que fazia exigências muito altas ao USPS, fazendo com que seu déficit subisse.

A força-tarefa de Trump para “reformar” o USPS foi parcialmente inspirada pela hostilidade ideológica da direita ao setor público e pela fome de aumentar os lucros dos serviços de correios privados. O fato de a Amazon ser o maior cliente do USPS também foi importante.

Como os impostos sobre a propriedade são uma fonte importante de financiamento para a educação, quando as populações e as bases tributárias diminuem, as escolas fecham, mudam para horários de quatro dias ou consolidam-se com os distritos vizinhos. Isso afasta outro foco vital da vida social das cidades pequenas e da identidade coletiva. Trinta por cento de todos os fechamentos de escolas em todo o país em 2011–12 foram em distritos rurais, prendendo estudantes em áreas isoladas e forçando-os a fazer longas viagens de ônibus que prejudicam seu desempenho escolar.
As bibliotecas públicas rurais são “centros comunitários de fato”, geralmente fornecendo os únicos espaços públicos para reuniões. 

Para aqueles incapazes de comprar computadores ou acessar a Internet, as bibliotecas fornecem um gateway essencial para recursos educacionais, informações médicas, serviços governamentais e pedidos de emprego. Embora o fechamento de bibliotecas em cidades devastadas como Detroit tenha recebido muita atenção após a crise de 2008, o mesmo quadro pode ser encontrado em todo o país, especialmente nas áreas rurais: horário de funcionamento reduzido, dificuldades em manter pessoal qualificado, instalações inadequadas e deterioradas e cortes de financiamento. Lobbies poderosos da direita, como o Americanos para a Prosperidade, dos irmãos Koch, também fizeram campanha contra iniciativas que buscavam financiar bibliotecas públicas.

Quando as escolas subfinanciadas caem na mediocridade, o pensamento crítico sofre e as pessoas se tornam mais suscetíveis à manipulação demagógica e aos truques das mídias sociais. Os cortes na biblioteca pública têm o mesmo efeito. Como o St. Louis Post-Dispatch publicou em 2016: “não financie bibliotecas. Crie uma nação de tolos”.

Opioides

A escala do problema dos opioides é impressionante. Em 2015, 92 milhões de pessoas – 38% dos adultos nos EUA – usavam opioides prescritos, com 11,5 milhões (quase 5%) relatando uso indevido. Os distribuidores farmacêuticos comercializavam agressivamente analgésicos como OxyContin e fentanil: em alguns estados, os médicos escreviam mais receitas do que o número de moradores. De 2008 a 2017, as empresas farmacêuticas enviaram quase 21 milhões de comprimidos de opioides para apenas duas farmácias em uma cidade rural da Virgínia Ocidental, com uma população de 2.900 habitantes. Não surpreende que as mortes por overdoses sejam maiores na Virgínia Ocidental do que em qualquer outro estado dos EUA.

De acordo com a Lei de Substâncias Controladas, os atacadistas são obrigados a relatar pedidos suspeitos à Administração de Repressão às Drogas. No entanto, de acordo com um relatório do Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado, os “três grandes” distribuidores – McKesson, AmerisourceBergen e Cardinal Health – “falharam consistentemente em cumprir essas obrigações nos últimos dez anos.” As empresas segmentavam regiões, médicos e até pacientes individuais para aumentar as vendas. Subestimaram sistematicamente os riscos do vício e até adquiriram patentes para tratamento do vício, para que pudessem se beneficiar do desastre que haviam feito tanto para criar.

Os médicos que atuam com “fábricas de comprimidos” se engajaram em esquemas para enganar o Medicaid e seguradoras privadas. Eles frequentemente aceitam propinas de fabricantes de medicamentos e palestras lucrativas, onde divulgam as virtudes e minimizam os perigos de opioides específicos. A Big Pharma gasta mais do que qualquer outro lobby em Washington.

A cada ano, mais cidadãos morrem de overdose de drogas do que nas guerras do Vietnã, Afeganistão e Iraque. Para piorar as coisas, o flagelo da metanfetamina, centrado nas áreas rurais, “voltou com força total” depois de ter desaparecido nos anos 2000. Em alguns estados, as mortes por metanfetamina superam em muito as dos opioides.

Encarceramento branco

As taxas de encarceramento de pessoas brancas – especialmente mulheres brancas – aumentaram desde 2000, provavelmente devido ao aumento da presença da polícia nas áreas rurais consumidoras de drogas. Os viciados em drogas também tornam familiares, vizinhos e funcionários não confiáveis, comprometendo ainda mais a coesão social e a vida econômica.
Muitos da classe trabalhadora que apoiam Trump experimentam estresse financeiro severo, agravado por altos níveis de diabetes, falta de exercício, bebida pesada e obesidade. Os pesquisadores consideram o estresse precursor e consequência dessas condições, e um elemento no desenvolvimento do medo, do ódio por grupos externos e da simpatia pelo autoritarismo. 

Em 2017, pelo terceiro ano consecutivo, a expectativa de vida nos EUA caiu, com overdoses de drogas e outras “mortes por desespero” desempenhando um papel significativo. De 1999 a 2016, as taxas de suicídio aumentaram em 49 dos 50 estados, com aumentos de mais de 30% em 25 estados mais rurais. Os agricultores, em particular, estão se matando em números recordes.

Trump aproveitou essa raiva e alienação. Seu racismo, autoritarismo casual, nacionalismo simplório e promessas exageradas atingiram comunidades despedaçadas. O enquadramento de Trump na crise econômica atraiu os instintos de uma audiência que há muito abrigava temores existenciais e profundos ressentimentos contra elites cosmopolitas, minorias raciais, imigrantes e parceiros comerciais estrangeiros inescrupulosos. Os discursos de Trump também apelaram para empresários ricos bem-intencionados, que lideram a retórica republicana sobre regulação “pesada”, “grande governo” e minorias “indignas”, imigrantes ou funcionários públicos. Os brancos que são intolerantes a “grupos externos” são menos favoráveis à democracia e mais propensos a ansiar por um “líder forte”.

Em 2016, as pessoas rurais tinham visto governos aparentemente incapazes ou relutantes em lidar com a convergência de múltiplas crises que afligem suas comunidades. Isso reviveu memórias passadas de promessas não cumpridas – especialmente as das administrações democratas neoliberais. O Partido Democrata não conseguia sequer perceber a existência de uma crise, muito menos apresentar soluções críveis – e necessariamente radicais – para ela. 

Ao nomear uma candidata, Hillary Clinton, que era amplamente vista e com precisão como um membro da classe política estabelecida, emprestou credibilidade à fala bombástica de Trump sobre a “carnificina americana”. Como em outros países onde populistas da direita demagógicos ganharam o poder, setores da população que sofriam maior marginalização econômica puniram os “moderados” e “centristas”. O sentimento de abandono e mobilidade para baixo tornou os moradores rurais brancos, nos EUA, mais receptivos a um candidato que falou sobre sua angústia em termos familiares.

O declínio rural não foi simplesmente produto da desindustrialização, do livre comércio, da crise agrícola ou da automação. Desde a década de 1980, o capital financeiro desenvolveu novas maneiras imaginativas de ganhar dinheiro e apreender uma ampla gama de ativos soa distritos rurais, desde fábricas até bancos de poupança mútua, lojas locais e jornais — ou até mesmo o sangue das pessoas. Uma agenda de austeridade, que priorizou cortes de impostos para os ricos, minou a capacidade das pequenas comunidades de financiar instituições vitais, como escolas, bibliotecas e asilos.

Políticas de desregulamentação dizimaram, corroeram as normas de saúde e segurança no local de trabalho e devastaram o meio ambiente. Os trabalhadores se viram presos em empregos precários, e com mais de um emprego de baixo salário, para poder pagar suas despesas, muitas vezes sem saber quais turnos seriam dadas até o último minuto ou privados de quaisquer direitos trabalhistas como os chamados “contratados independentes”. A maior parte da vasta riqueza produzida pelas zonas rurais acabou nos bolsos dos acionistas de empresas e instituições financeiras sediadas em centros urbanos distantes. 

Populismo de extrema-direita

Insistir na importância dessas crises para explicar a ascensão de Trump não é minimizar o racismo de muitos de seus apoiadores, que em 2016 incluíram a maioria dos eleitores brancos da classe trabalhadora e ricos, mulheres e homens. Os ultrajes diários da administração Trump parecem ter pouco ou nenhum impacto na devoção da base do presidente. Se o “trumpismo” é ou não “uma religião fundada no patriarcado e na supremacia branca” – como Charles M. Blow sugeriu no New York Times – ou um culto de carga milenar de pessoas desesperadas “implorando por fábricas”, nas palavras de Mike Davis, sua atração depende muito de apelos emocionais e gatilhos, assim como regimes populistas de direita em outros lugares.

Também serve de fachada protetora para um projeto de extrema-direita que invoca “valores familiares”, atitudes retrógradas sobre gênero e sexualidade, e uma visão excludente da nação para jogar sobre divisões sociais, reverter ganhos progressistas e intensificar a exploração dos seres humanos e do meio ambiente. 

A tarefa de reverter o ataque populista de direita não poderia ser mais urgente. No mínimo, deve envolver investimentos públicos maciços, financiados pela tributação progressiva, para criar uma sociedade mais estável, inclusiva e justa que ofereça oportunidades para todos – especialmente nas zonas que foram sacrificadas ao capital ao longo destes passados 30 anos.

Sobre os autores

é professor de Língua Alemã na Universidade de Wisconsin-Madison

Sobre o autor

Marc é professor de Língua Alemã na Universidade de Wisconsin-Madison

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux