Se Iowa fosse a Bolívia, os EUA já teriam intervindo

05/02/2020

Por
Kevin Cashman

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Ainda estamos esperando os resultados completos das primárias do Partido Democrata em Iowa. Na Bolívia, os Estados Unidos apoiaram um golpe violento contra Evo Morales por menos que isso.

O morador local Wallace Mazon tem uma placa com a inscrição "Abolir as prévias de Iowa" do lado de fora da sede do Partido Democrata de Iowa em 4 de fevereiro de 2020 em Des Moines, Iowa. (Alex Wong / Getty Images)

Em outubro do ano passado, a Bolívia realizou uma eleição presidencial que colocou Evo Morales, o ex-presidente em exercício, contra o ex-presidente Carlos Mesa. Morales, um socialista que estava no poder desde 2006, era popular e bem-sucedido, embora sua proposta de reeleição tenha sido prejudicada por uma decisão contenciosa de descartar os limites do mandato presidencial. Muitos na oposição prometeram que não reconheceriam os resultados se Morales vencesse.

No dia das eleições, à medida que as contas chegavam e a comissão eleitoral relatava os resultados da “contagem rápida” não oficial, Mesa declarou preventivamente a vitória, alegando que ele havia forçado um segunda turno. (Os candidatos presidenciais na Bolívia devem capturar 50% dos votos ou devem receber pelo menos 40% dos votos e estar em segundo lugar com pelo menos dez pontos percentuais, caso contrário o primeiro colocado ganha de imediato.) De forma totalmente controversa, a comissão eleitoral parou de relatar os votos na noite daquele dia e o resultado ficou parado no ar.

Essa manobra soa familiar?

Juntamente com a suspensão dos resultados, tanto os conselhos presidenciais democratas em Iowa quanto as eleições presidenciais na Bolívia enfrentaram desafios geográficos (havia mais de 1.600 distritos em Iowa e 5.300 na Bolívia, muitos deles rurais), bem como obstáculos tecnológicos (usando aplicativos de smartphones para registrar resultados requer familiaridade técnica e acesso à internet). As preocupações de segurança em cada eleição causaram atrasos administrativos, embora na Bolívia o atraso tenha sido mais curto e a contagem oficial – totalmente separada da contagem rápida e tabulada pessoalmente – não tenha sido afetada pela suspensão.

Uma coisa, porém, é totalmente diferente: Morales foi derrubado em um golpe violento, com o total apoio dos Estados Unidos. Já o pior que poderia acontecer em Iowa é o Estado perder seu status de primeira-primária-da-nação – e até isso é improvável.

Na Bolívia, as autoridades eleitorais recomeçaram sua contagem rápida no dia seguinte às eleições, mostrando que a liderança de Morales estava aumentando para mais de dez pontos percentuais. O salto estava de acordo com as tendências das pesquisas anteriores aos resultados, mas a Organização dos Estados Americanos (OEA), que estava observando a eleição, criticou a mudança de tendência “drástica”, implicando que uma fraude havia ocorrido. Embora Morales, o vencedor absoluto segundo a contagem oficial, tenha concordado com uma eleição no segundo turno, ele acabou sendo forçado a deixar o cargo por ordem dos militares.

Os Estados Unidos tiveram um papel significativo na legitimação do golpe. Embora a OEA ainda não tenha apresentado evidências de fraude, os políticos dos EUA parabenizaram a OEA por seu trabalho e rapidamente normalizaram as relações com o governo golpista. Liderado por Jeanine Áñez, o novo governo reprimiu os partidários de Morales e seu partido nas vésperas de novas eleições.

É claro que as elites norte-americanas têm padrões duplos para as eleições de acordo onde elas ocorrem e quem está ganhando. Se o país é Venezuela, Haiti ou Bolívia, e candidatos indesejáveis estão à frente, os Estados Unidos sempre desprezam os resultados eleitorais ou declaram quem eles querem como presidente com pouca justificativa. Se um aliado dos EUA rouba uma eleição, como aconteceu em 2017 em Honduras, o “vencedor” pode permanecer o vencedor.

E o que dizer dos próprios Estados Unidos, um país que se declara defensor da democracia no exterior? O menosprezo ao eleitor comum e regras antidemocráticas são agora elementos comuns no cenário eleitoral. Derrubar um resultado eleitoral, como aconteceu na Flórida em 2000, não é inédito. Em 2016, o candidato que ficou em segundo lugar na votação popular virou presidente. E, embora esses problemas geralmente sejam contra os democratas, as elites democratas não parecem estar muito interessadas em resolvê-los, mesmo que seja para seu próprio processo de indicação eleitoral (o foco mais recente tem se concentrado em impedir uma suposta interferência russa nas eleições, por exemplo).

O desastre em andamento nas prévias de Iowa ilustra algumas coisas: a corrupção e o desperdício dentro do Partido Democrata, a arrogância em torno dos sistemas de votação e segurança e o atraso político do processo de indicação presidencial nos EUA. Mas talvez, acima de tudo, mostre como a votação é armada seletivamente pelas elites: sobretudo contra candidatos de esquerda, contra eleitores pobres e da classe trabalhadora.

Em Iowa, os líderes do partido se recusam a abandonar um sistema que funciona de maneira abominável e deu o centro do palco a um “vencedor” que não merecia. Enquanto isso, na Bolívia e em outros alvos do imperialismo, as elites norte-americanas ficam felizes em aproveitar os engasgos eleitorais – e usá-los para instalar um pano mais favorável aos governos pró-EUA.

Sobre os autores

é associado sênior do "Center for Economic and Policy Research" em Washington, DC.

Sobre o autor

Kevin Cashman é associado sênior do "Center for Economic and Policy Research" em Washington, DC.