Acumular papel higiênico não nos ajudará a combater o coronavírus

16/03/2020

Por
Liza Featherstone, Matt Stoller e Zephyr Teachout

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Todos nós merecemos um Estado funcional que possa prover a todos, e uma sociedade que valorize a solidariedade acima de tudo. É a única coisa que pode nos levar a superar a pandemia de coronavírus.

As prateleiras de um supermercado estão vazias de papel higiênico, pois os compradores estão estocando suprimentos essenciais em 15 de março de 2020 em Washington, DC. Mandel Ngan / AFP via Getty

Desde que ficou claro que a disseminação do coronavírus estava se movendo rapidamente do pesadelo para a realidade, fomos informados de que depende de nós – como indivíduos – decidir a melhor forma de manter-nos em segurança. A decisão é sua. Tudo o que você se sentir confortável. É assim que o neoliberalismo atua: mesmo em uma pandemia que potencialmente afeta a todos, você está por sua conta e risco.

Os EUA, uma nação altamente ansiosa sintonizou-se para ouvir o presidente na semana passada. Um dos homens mais rico e poderoso do mundo tinha isso a oferecer: “Lave as mãos”.

No nível local e estadual, os governos estão finalmente tratando o coronavírus como uma grave crise social. Mais estados e cidades estão proibindo grandes reuniões. Nova York, Los Angeles, Atlanta e outros já fecharam escolas; Nova York só tomou a decisão esta semana após uma extensa pressão pública, incluindo ameaças de um adoecimento por parte dos professores. A cidade de Nova York finalmente fechou bares, restaurantes e cinemas no domingo.

Mas a epidemia já era uma realidade há semanas. Durante esse período, todos os dias traziam um novo dilema para cada cidadão. Alguns de nós tivemos que decidir por nós mesmos se iríamos para um trabalho que colocasse comida na mesa, mesmo que tenhamos medo de infecção ou nos sintamos mal. Alguns tiveram que ponderar sobre a possibilidade de deixar um bebê possivelmente infectado com os avós idosos vulneráveis ​​(a maioria dos trabalhadores com baixos salários não tem licença médica).

Nossos filhos devem continuar a frequentar a escola se a cidade não fechou o sistema público? Devemos manter os planos de viagem? Quanto devemos incomodar os pais idosos que provavelmente não estão fazendo o suficiente para se manterem seguros? Eu me perguntei quinta-feira – como a Major League Baseball anunciou uma suspensão de sua temporada – se meu filho deveria continuar praticando beisebol, já que os entusiastas de Trump que treinam sua equipe provavelmente têm mais chances de fugir.

Mesmo durante toda a semana passada, os dilemas foram se acumulando. Os nova-iorquinos deveriam andar de metrô? Você deve marcar uma consulta? Você deve continuar cortando cabelo e indo ao seu trabalho? Você deveria sair com sua paquera? Quem começa a fazer sexo na era do “distanciamento social”? E as tarefas que precisamos fazer para criar um mundo mais equipado para lidar com a próxima pandemia? Devemos investigar? Alguém ainda deveria estar participando de reuniões políticas ou aglomerações urbanas?

Algumas decisões foram bens de luxo. Muitos não têm voz na quantidade de risco que estão assumindo. Muitos trabalhadores não têm possibilidade de trabalhar remotamente, nem creche para deixar seus filhos se as escolas forem fechadas. Outros (enfermeiros, paramédicos, motoristas de metrô) desempenham tarefas tão cruciais para a nossa sociedade que não têm escolha a não ser continuar aparecendo – apesar dos riscos de exposição ao vírus. Mas mesmo essas pessoas devem, como todos nós, tomar decisões pequenas e geralmente desinformadas todos os dias sobre como limitar sua exposição.

Nenhuma dessas questões deveria depender de nós puramente como indivíduos, por tanto tempo, uma vez que todas as decisões tinham conseqüências sociais amplas. Por um lado, como uma amiga observou sobre suas próprias opiniões sobre como se comportar durante o coronavírus, elas são baseadas no “meu doutorado em epidemiologia pela Universidade bla bla bla”. A maioria de nós está nessa situação.

De acordo com aqueles com credenciais mais impressionantes, a resposta para “eu deveria ir a algum lugar e estar perto de outras pessoas agora” sempre era “não”. E esse tem sido o caso há semanas. Mas até o final da semana passada, quase não havia uma política do governo apoiando essa decisão. E até o final da semana passada, ainda havia pouca política para garantir que um grande número de pessoas seria capaz de seguir tais conselhos (na sexta-feira, Trump e os democratas concordaram com um pacote de medidas de emergência, incluindo pagamento de casos emergências pelo Estado, que, com o apoio do presidente, deve passar no Senado nesta semana.)

Deixar menos decisões para o indivíduo e agir rapidamente em nome do coletivo funciona. China, Hong Kong, Cingapura e Coréia do Sul – todos os países onde o coronavírus está em declínio – fizeram exatamente isso. A China trancou grandes cidades. Todos esses países proibiram as pessoas de se reunir em grupos. A China adotou medidas repressivas que alguns especialistas em saúde pública acham que podem ter saído pela culatra, mas pelo menos não deixaram cada cidadão decidir por si próprio se seus filhos deveriam ir à escola.

Nada sobre esta situação deve ser deixado para nós como indivíduos. Não apenas porque, como indivíduos, não somos especialistas em doenças infecciosas e nem sempre tomamos grandes decisões – embora seja verdade que alguns de nós somos totais idiotas, continuando a fazer cruzeiros e a tirar proveito de viagens aéreas baratas. E não porque decidir por nós mesmos possa ser estressante e oneroso – mas porque uma pandemia é um problema que afeta toda a humanidade.

Margaret Thatcher disse: “Não existe sociedade”, mas mesmo seus herdeiros ideológicos podem pegar o coronavírus; participantes do CPAC (Conferência de Ação Política Conservadora) foram expostos Donald Trump e Jair Bolsonaro. Ambos dizem ter tido resultados negativos, apesar de alguns relatos da mídia dizendo o contrário no caso do Bolsonaro.

Por conta própria, há semanas, muitos de nós têm administrado nossas ansiedades por meio de uma prática que a escritora Tracy Quan chamou de “acumulação neoliberal”. As prateleiras estão vazias em lojas localizadas em bairros onde as pessoas podem se dar ao luxo de estocar. A deriva anti-social dessa preparação é particularmente perturbadora quando se trata de suprimentos vitais, como máscaras faciais; a maioria das pessoas não precisa delas, mas, ao estocá-las, causaram uma escassez, deixando os profissionais de saúde desequipados para realizar seus trabalhos com segurança. Mas o estoque de outros itens – principalmente alimentos, mas também com uma analidade neurótica que Freud explicaria, papel higiênico – também é preocupante.

Fico pensando em um livro infantil, The Long Winter, de Laura Ingalls Wilder. Os irmãos Wilder têm todo o trigo da cidade. Por causa de uma nevasca de inverno, os trens não conseguem entrar, de modo que ninguém mais consegue sair também. Seus vizinhos estão começando a morrer de fome.

Almanzo Wilder não quer compartilhar sua semente de trigo, ou ele não terá nada para plantar na primavera (sendo agricultor, ele não teria meios de subsistência). Ele arrisca sua vida para partir para a nevasca em busca de um fazendeiro distante em algum lugar com rumores de trigo, para que ele possa salvar seus vizinhos sem sacrificar seu próprio suprimento.

É um cenário fascinante, mas o livro foi usado como propaganda liberal: a filha de Laura Ingalls Wilder, Rose Wilder Lane, uma fanática anti-New Deal, forçou a mão pesada nos processos de escrita e edição de sua mãe. Assim, o livro glorifica o individualismo acidentado da família. A biografia da autora revela que, devido à edição de Lane, houve um encobrimento da intrincada dependência da família em relação às políticas e subsídios do governo.

No entanto, o dilema de trigo e sementes de Almanzo é um dos muitos momentos em que, apesar da ideologia de Lane, a complexidade da realidade aparece. Mesmo o individualista mais raivoso não pode ignorar o fato de que temos responsabilidades coletivas e, se deixadas por conta própria, especialmente em uma crise, muitos de nós morrerão.

Durante essa crise, acumular dinheiro parece ser a melhor maneira de administrar nossos medos, não apenas de contrair o coronavírus e enfrentar suas perturbações. Esses medos são racionais em uma sociedade cujos líderes, em resposta a uma ameaça mortal, só podem nos dizer: “Lave as mãos”. Todos nós merecemos um estado de funcionamento que possa proporcionar a todos uma sociedade que coloca os cuidados um do outro em seu coração, não em suas vantagens individuais. Para chegar lá, precisamos de mais solidariedade e muito menos ganância.

Sobre os autores

é colunista da Jacobin, jornalista freelancer e autora de "Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart".

é autor do livro "Goliath: The 100-Year War Between Monopoly Power and Democracy".

é professor associado da Fordham Law e autor do próximo livro "Break ‘Em Up".

Sobre os autores

Liza Featherstone é colunista da Jacobin, jornalista freelancer e autora de "Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart".

Matt Stoller é autor do livro "Goliath: The 100-Year War Between Monopoly Power and Democracy".

Zephyr Teachout é professor associado da Fordham Law e autor do próximo livro "Break ‘Em Up".