O colapso econômico do coronavírus

13/03/2020

Por
Grace Blakeley

Tradução
José Carlos Ruy

A crise do coronavírus expôs a fragilidade do capitalismo global. Apenas investimentos públicos significativos na escala de um Green New Deal podem impedir um aprofundamento ainda maior da crise econômica.

Patrick Beek / Flickr

O pânico do investidor induzido por coronavírus continuou toda semana, derrubando a NYSE (Bolsa de Valores de Nova York), o FTSE e o índice Stoxx 600, das principais ações da União Europeia. Temendo o pior, os investidores estão fugindo de ações e títulos de curto prazo para a segurança do ouro, títulos de longo prazo e, em alguns casos, dinheiro.

O declínio vertiginoso dos preços das ações nos EUA vem do “maior período de alta da história” – os doze anos desde a crise financeira de 2008 foram um período quase ininterrupto de aumento dos preços das ações nos EUA. No Reino Unido e na Europa, os preços das ações foram impactados pelos movimentos do Brexit e da moeda, mas nas economias mais avançadas, os preços das ações permaneceram muito altos em relação às tendências prováveis ​​de rentabilidade das empresas nos próximos anos.

Enquanto isso, as rendimentos dos títulos do governo caíram para mínimas históricas com base em uma política monetária extraordinariamente frouxa. Alguns governos – principalmente na Alemanha – se beneficiaram de taxas de juros negativas, o que significa que os investidores pagam ao governo alemão pelo privilégio de manter sua dívida. A Alemanha, no entanto, manteve sua política de schwartze null, ou “zero preto”, que exige que o governo mantenha um superávit orçamentário.

Ao mesmo tempo, a dívida das empresas cresceu. Com as taxas de juros baixas, as empresas conseguiram tomar grandes empréstimos a taxas muito baixas desde a crise financeira de 2008. E, à medida que os investidores “alcançam o rendimento” – buscam investimentos que proporcionam altos retornos – eles se reuniram em títulos empresariais de risco, o que significa que empresas com menos crédito têm se beneficiado com custos relativamente baixos dos empréstimos. Alguns analistas argumentam que há uma bolha na dívida empresarial nos EUA – o crédito total para as empresas americanas atingiu 75,3% do PIB no terceiro trimestre de 2019. No Reino Unido, o número é de 81,5%.

Enquanto isso, a economia real tem um desempenho ruim. Essa não é uma tendência recente induzida por coronavírus, mas uma estagnação de longa data evidente nas economias avançadas desde 2009. Após um fraco desempenho desde 2009, a produtividade nos EUA caiu 0,3% entre o segundo e o terceiro trimestres de 2019. O crescimento da produtividade na zona do euro não aumentou acima de 1,5% desde 2012. Enquanto isso, o Reino Unido passou pelo período mais longo de estagnação da produtividade desde a invenção da lâmpada.

A produtividade é o fator mais significativo para o crescimento do PIB per capita a longo prazo. Não admira que o crescimento econômico na maioria das grandes economias tenha sido tão fraco. A zona do euro, restringida por regras fiscais rígidas e prejudicada pela crise da dívida (ainda não resolvida), teve um desempenho particularmente fraco nas estimativas de crescimento desde a crise financeira, embora o crescimento no Reino Unido desde a votação para deixar a União Européia também tenha diminuído. Foi decepcionante. Os salários, que estão ligados à produtividade, estagnaram no Reino Unido e o trabalhador médio dos EUA não está muito melhor do que em 1979.

O que explica o enorme abismo entre as bolsas de valores e os fundamentos econômicos das economias avançadas? Duas palavras: flexibilização quantitativa.

Os quatro maiores bancos centrais do mundo investiram mais de 10 trilhões de dólares em dinheiro novo no sistema financeiro global desde 2010, e uma grande parte desse dinheiro encontrou seu caminho em ações e títulos. Parte dela entrou no mercado imobiliário, principalmente em Londres, contribuindo para a crise imobiliária.

A política monetária extremamente frouxa sustentou os preços dos ativos para os ricos, mesmo quando a economia real estagnou. Esta situação nunca foi sustentável a longo prazo. Por fim, os valores dos ativos devem basear-se em fundamentos econômicos – se todos desejam possuir uma determinada ação, deve ser porque esperam que a empresa tenha lucros altos no futuro. Os preços das moradias não devem divergir da renda a longo prazo. A flexibilização quantitativa inverteu essa lógica, elevando os preços dos ativos, mesmo quando os investidores esperam que a economia melhore no futuro próximo.

O pânico com o coronavírus catalisou uma correção há muito esperada nos preços dos ativos. A velocidade com que o vírus se espalhará é, neste ponto, desconhecida e a incerteza é o inimigo número um do investimento. Quando não tem certeza do futuro, as empresas e os investidores têm muito mais probabilidade de manter seu capital em dinheiro ou ativos seguros como ouro do que investir em ações, cujos retornos estão ligados ao crescimento econômico ou a títulos de curto prazo do governo, cujos rendimentos estão atrelados às taxas de juros.

É improvável que o colapso nos preços dos ativos tenha impacto no trabalhador comum, a não ser pela redução do valor de sua pensão, para aqueles que a recebem. Mas a volatilidade do mercado de ações simplesmente fornece uma amostra do provável impacto econômico a longo prazo do vírus. Se, como agora parece provável, o vírus se espalhar mais rápido fora da China do que dentro, o impacto no crescimento global será grande. Quarentena generalizada, cancelamento de grandes eventos e incerteza em curso – para não mencionar milhares de mortes – significarão um colapso na produção.

Os governos estão sem poder de fogo monetário. Se eles responderem, deve ser com a política fiscal. Programas coordenados de estímulo das principais economias do mundo podem ser suficientes para evitar uma desaceleração significativa – e os empréstimos estão agora mais baratos do que nunca. Dado que o vírus poderá ter um impacto maior nos países mais pobres e nos indivíduos mais vulneráveis, a resposta deve ser direcionada para proteger os menos favorecidos. E, como a crise climática representa uma ameaça à humanidade a longo prazo muito maior que o coronavírus, também deve promover a descarbonização.

Em outras palavras, agora é o momento perfeito para o Green New Deal. Resta ver se os governos liderados por Donald Trump, Boris Johnson e Angela Merkel aproveitarão a oportunidade

Sobre os autores

pesquisadora do Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas (IPPR).

Sobre o autor

Grace Blakeley pesquisadora do Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas (IPPR).

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux