Uma batalha pela alma da Índia

14/03/2020

Por
V. P. Sanu

Tradução
Choldraboldra

O movimento estudantil indiano é uma das principais forças que desafiam o governo de extrema-direita de Narendra Modi. Mas o movimento contra o nacionalismo hindu precisa se enraizar ainda mais na sociedade civil se quiser arrancar resultados concretos.

Estudantes da Universidade Jamia Millia Islamia enfrentam forças de segurança enquanto marcham em direçãoao parlamento para protestar contra a Lei de Emenda à Cidadania (CAA) e o Registro Nacional de Cidadãos (NRC) em Delhi, Índia, em 10 de fevereiro de 2020. (Javed Sultan / Getty Images).

Nos últimos meses, os principais meios de comunicação da Índia ficaram acampados nas proximidades das principais universidades do país, da Aligarh Muslim University a Jamia Millia Islamia ou Jawaharlal Nehru University em Delhi. Os estudantes têm ganhado as manchetes com os punhos levantados e os corpos machucados, inspirando muitos outros a participar de protestos em solidariedade às suas demandas. Mas alguns indianos perguntam por que esses jovens, que estudam às custas dos contribuintes, estão protestando quando deveriam estar ocupados na biblioteca. Este artigo é uma tentativa de responder a essas perguntas de parentes mais velhos dos estudantes combativos da Índia.

Educação como libertação

O ideal humboldtiano de uma universidade moderna a distanciava do estado e do mercado. Seria uma instituição que produziria melhores cidadãos, ciente de seus deveres, responsabilidades e (crucialmente) direitos. A ideia de libertar a educação de uma camisa de força religiosa, nutrindo uma visão científica e os valores do secularismo, tinha o potencial de aprofundar a democracia.

Se realizado, daria aos alunos os atributos necessários de um cidadão engajado, capaz de questionar formas estabelecidas de opressão e desigualdade. As universidades deveriam ser espaços que permitiriam aos alunos se desenvolver como seres humanos autônomos, aprimorando suas idéias e habilidades críticas em um ambiente de liberdade acadêmica.
Em uma sociedade de castas como a Índia, a educação fora anteriormente o privilégio de poucos. A hierarquia de castas graduada assegurava que o conhecimento fosse o monopólio dos chamados nascidos duas vezes. As comunidades até então marginalizadas conquistaram uma posição de destaque na educação, graças às intervenções ativas de Savitribai Phule, Fátima Shaikh, Jyotiba Phule, Ishwar Chandra Vidyasagar, Begum Rokeya, Ayyankali, Babasaheb Ambedkar e outros reformadores sociais, e os esforços dos líderes comunistas para educar a analfabeta classe trabalhadora.

Daí surgiu a ideia de um sistema universal de educação. Lutas ousadas por participação igual moldaram a imaginação da Índia moderna, a ser guiada pelos princípios de liberdade, igualdade, fraternidade e justiça. A constituição deveria proibir a exclusão baseada em classe, casta, religião ou gênero, oferecendo garantias mínimas para uma vida digna. Para seções marginalizadas, a educação mantém a promessa de mobilidade social e transmite uma nova consciência aos seus beneficiários.

Observando os protestos nacionais contra a Lei de Emenda à Cidadania (CAA), o Registro Nacional de População (NPR) e o Registro Nacional de Cidadãos (NRC), o papel desempenhado por estudantes de universidades públicas em defesa dos valores constitucionais é um reflexo orgânico de seu espírito público. A ideia de uma universidade pública decorre da crença no conhecimento universal, na igualdade de oportunidades e no rompimento das barreiras de castas que perduram há séculos.

Quando os alunos dizem que desejam educação acessível para todos, estão simplesmente ecoando o Artigo 21-A da constituição e lembrando ao estado que a educação deve ser uma de suas principais responsabilidades, não uma mercadoria. Quando condenam a natureza discriminatória da CAA, podem obter apoio do artigo 14 sobre igualdade perante a lei. É por isso que a Federação dos Estudantes da Índia contestou a legitimidade constitucional da CAA no Supremo Tribunal.

Lesão a todos

Os partidários do Hindutva gostam de enfatizar que o ato não afetará a população nascida na Índia, apenas aqueles que vêm de países vizinhos. Mas a ideia básica de cidadania na Índia independente se desenvolveu sem qualquer fundamento na religião. Ao contrário do Paquistão, a Índia não era um país teocrático identificado com um credo específico. A Assembléia Constituinte da Índia independente rejeitou a ideia de “cidadania racial”, escolhendo o princípio da cidadania moderna, civilizada e democrática.
Durante o debate sobre cidadania, Vallabhbhai Patel, primeiro vice-primeiro-ministro da Índia, lembrou à Assembléia Constituinte que sua disposição em relação à cidadania “será examinada em todo o mundo”.

Os legisladores da Índia moderna fizeram um esforço consciente para definir a cidadania em termos seculares e não religiosos. Não poderia haver um contraste maior entre suas aspirações e o comportamento do parlamento indiano de hoje, pois ele aprova uma lei que discrimina os muçulmanos e prejudica seu direito de se tornarem cidadãos indianos.

O CAA não é uma medida independente: vem com o NRC e o NPR. Se você não puder provar que é cidadão indiano, será jogado em um campo de detenção, como já aconteceu no estado de Assam, onde aproximadamente dois milhões de pessoas foram marcadas como estrangeiras. Se você é muçulmano, pode se tornar um “imigrante ilegal” a qualquer momento.
O estado está preparando um teste decisivo para todos que moram no país. A única maneira de passar é comprovando a ancestralidade com documentação, como listas de registro de eleitores, documentos de propriedade da terra ou permissões de refugiados.

Pessoas pobres e sem-teto, ou membros das castas oprimidas de Dalit-Bahujan, muitas vezes não conseguem satisfazer esses requisitos. Tradicionalmente, os dalits e castas inferiores eram proibidos de possuir terras, e a principal força de trabalho rural consistia em trabalhadores agrícolas sem terra. Até hoje, os indígenas são frequentemente deslocados ou mortos tentando proteger suas terras. Há mais de dois milhões de famílias Adivasi foram negadas os Direitos Florestais, sob o pretexto de que não tinham provas de gerações passadas vivendo na floresta.

Em um país onde calamidades naturais como inundações e ciclones expulsam inúmeras pessoas de suas casas todos os anos, é desumano pedir que mostrem documentos ancestrais para manter seu status de cidadãos. Afinal, o primeiro-ministro Narendra Modi e muitos de seus companheiros políticos não conseguem nem apresentar seus diplomas!

Muitos outros grupos de pessoas serão afetados: órfãos que foram abandonados por seus pais biológicos e não conseguiram encontrar uma nova família; filhos nascidos e criados em distritos da luz vermelha; pessoas trans, muitas das quais são abandonadas e deixadas com poucas evidências de sua ascendência. Se o pacote combinado NPR-NRC-CAA for promulgado, as pessoas nas margens da sociedade indiana terão que passar pelo teste de cidadania. A CAA não é dirigida apenas contra muçulmanos, mas contra a classe trabalhadora em geral, povos indígenas e comunidades atrasadas.

O ataque da Hindutva contra universidades indianas

Os estudantes estão protestando por três razões principais. Em primeiro lugar, como cidadãos conscientes, eles entendem que é seu dever lutar em defesa da constituição – um documento que lhes deu o direito à educação, a um debate livre e a protestar contra toda forma de injustiça.

Os líderes estudantis também atuam como parte de uma comunidade mais ampla. Eles podem ser a primeira geração de sua família capaz de frequentar a escola graças à educação pública, ou a primeira pessoa de sua aldeia a frequentar a universidade, ou a primeira mulher que emergiu dos limites da casa da família e sonhou em fazer um PhD. Todos eles entendem que, para mudar o destino das pessoas e da sociedade com as quais se preocupam, a igualdade de oportunidades e a existência de uma democracia secular são indispensáveis.

Finalmente, a agressiva agenda política de Hindutva e a economia neoliberal promovida pelo Partido Bharatiya Janata (BJP) tiveram conseqüências profundas para estudantes e jovens indianos. O ataque Hindutva ao ensino superior é duplo. Por um lado, os orçamentos da educação foram reduzidos, enquanto a privatização e a comercialização do setor da educação avançam. Por outro lado, estudantes e campi têm enfrentado um ataque agressivo e fascista contra seu direito democrático à dissidência.

No final do primeiro mandato de Narendra Modi como primeiro-ministro, a parcela da educação no orçamento da União já havia caído significativamente, de 4,6 para 3,5%. Desde então, caiu ainda mais, para 3,26%.

Não apenas o financiamento para a educação é inadequado, como também não está sendo gasto adequadamente. O relatório de 2017-18 da Controladoria e Auditoria Geral da Índia constatou que 94.036 milhões de rupias – aproximadamente 13 bilhões de dólares – arrecadados sob um imposto especial para o ensino médio e superior não foram gastos adequadamente. Todo o orçamento alocado para a educação em 2020–21 é apenas um pouco maior: 99.300 milhões de rupias!

O governo também reformulou o sistema de alocação de recursos para instituições de ensino superior. A mudança de ênfase, de doações concedidas pela Comissão de Subsídios da Universidade, a empréstimos disponibilizados pela Agência de Financiamento do Ensino Superior, é uma declaração aberta pelo regime neoliberal-Hindutva de que a educação não é mais considerada um direito; pelo contrário, é uma mercadoria a ser comprada no mercado livre.

A Política Nacional de Educação de 2019 estabeleceu um novo sistema centralizado de financiamento com base no desempenho e monitoramento da pesquisa sob a supervisão do primeiro-ministro. A primeira dessas medidas exacerbará as desigualdades estruturais no setor, promovendo uma hierarquia graduada de instituições de ensino superior em vez de uma educação de massa de qualidade. O segundo subordinará as atividades de ensino superior e pesquisa indianas às restrições disciplinares do Hindutva.

Uma luta pelo futuro da Índia

A Federação dos Estudantes da Índia exigiu que pelo menos 10% do orçamento da União e 6% do PIB sejam reservados à educação. As tentativas de centralizar o controle das universidades e minar a pesquisa independente devem ser retiradas.

Os estudantes foram às ruas em oposição à Política Nacional de Educação e seu esforço em direção a uma maior privatização e comunalização do setor educacional. Estudantes da Universidade Jawaharlal Nehru (JNU), Andhra Pradesh, Pondicherry University e várias outras instituições lançaram o movimento “as taxas devem cair” principalmente em resposta à nova doutrina de empréstimos a instituições públicas, com o ônus do reembolso a ser pago pelos alunos.

No caso da JNU, os estudantes que protestam contra uma enorme alta nas taxas foram confrontados pelo punho de ferro da Hindutva, com uma multidão de criminosos mascarados dando rédea livre para desencadear terror contra os estudantes e seus professores, enquanto a força policial e a administração da universidade viraram os olhos. Na Universidade Muçulmana de Aligarh, a polícia usou balas de borracha, gás lacrimogêneo e granadas de choque contra manifestantes anti-CAA, deixando muitos gravemente feridos.

A brutal repressão estatal desatada contra os estudantes dessas e de outras universidades é sem precedentes. Isso reflete a escala do desafio que eles representam para as políticas do governo Modi e seus esforços para polarizar o país em bases comunitárias. Juntamente com as demandas específicas do ensino superior, a Federação de Estudantes também pediu a revogação do CAA e a demolição dos registros de população e cidadania.

Os alunos entendem que sua própria existência depende da luta para sustentar um ethos democrático contra os perigos da Hindutva e do capitalismo neoliberal. Os estudantes estão lutando por sua sobrevivência, falando destemidamente a verdade diante do poder bruto. Eles também estão lutando pela alma da Índia moderna, para realizar os sonhos inacabados de Bhagat Singh e Ashfaqulla Khan.

Sobre os autores

é o presidente nacional da Federação de Estudantes da Índia.

Sobre o autor

V. P. Sanu é o presidente nacional da Federação de Estudantes da Índia.