Veja como podemos parar o próximo coronavírus

10/03/2020

Por
Hanna Ehrlich

Tradução
Cauê Seigner Ameni

A resposta ao coronavírus mostra que nem as maiores potenciais mundiais estão preparadas para uma epidemia global. Precisamos desesperadamente de um sistema de saúde pública que rejeite o filantrocapitalismo e priorize a saúde preventiva sobre a ganância e os lucros das empresas farmacêuticas.

Homens chineses usam máscaras protetoras enquanto jogam tênis de mesa em um parque em Pequim, na China. (Kevin Frayer / Getty Images)

Nos primeiros meses de 2020, o pânico da pandemia global se espalhou mais rapidamente do que o coronavírus. As comunidades rurais da China construíram bloqueios ilegais para o auto-isolamento. Cingapura proibiu todas as viagens de e para a China. Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) emitiram a primeira quarentena em mais de cinquenta anos, e o governo chinês e italiano estão realizando a maior quarentena da história da humanidade. Os epidemiologistas estão prevendo que mais pessoas irão contrair o COVID-19 do que o inicialmente estimado, e ainda não temos certeza da rapidez com que o vírus se espalha ou sofre mutação.

Apenas uma coisa parece clara: não estaríamos nessa situação se estivéssemos melhor preparados. O ex-diretor do CDC, Tom Frieden, e outros alertaram que nem os EUA nem o mundo estão prontos para uma pandemia global. Os alarmes foram tocados antes, e outra vezes, mas o status quo permanece em vigor. Por quê? Porque os investimentos em a saúde são motivados por interesses míopes e por uma fé equivocada no mercado livre. Os interesses privados são privilegiados sobre o bem público.

A preparação para a pandemia é a ideia de que os profissionais de saúde possam tomar medidas para prevenir, identificar rapidamente e conter um novo patógeno perigoso em sua fonte. Países ricos como os EUA tendem a concentrar seus esforços de preparação, equivocadamente, em agentes bioquímicos relevantes para a segurança nacional. Há poucos anos, membros selecionados do governo dos EUA participam de uma simulação de bioterrorismo. O original, “Dark Winter“, de 2001, representou o curso rápido e devastador dos eventos após uma liberação de varíola em aerossol.

Juntamente com essas simulações e esforços para combater o terrorismo de maneira mais ampla, os EUA investiram bilhões de dólares em biossegurança e biodefesa nas últimas duas décadas. O governo federal agora armazena 300 milhões de doses de vacinas contra varíola, o suficiente para vacinar quase todas as pessoas nos EUA. (A Organização Mundial da Saúde, em comparação, reserva apenas 35 milhões de vacinas contra a varíola para implantação discricionária em caso de emergência.) Essa militarização da saúde pública vincula seus gastos a interesses de segurança nacional – negligenciando todas as maneiras pelas quais a saúde nacional e internacional tem mais a ver com a imprevisibilidade de patógenos do que a do estado de segurança nacional.

Os países do Sul Global, enquanto isso, ainda dependem da filantropia para responder a surtos – e a generosidade geralmente vem com restrições. Após o contágio do Ebola de 2014-16, o Banco Mundial desenvolveu o Mecanismo de Financiamento de Emergência Pandêmico (PFE) para financiar uma resposta rápida a surtos. Sob o novo mecanismo de financiamento, os investidores compraram títulos de epidemia a altas taxas de juros anuais que, em seguida, criariam pagamentos de seguros comuns para combater certas doenças epidêmicas. Doenças de “maior risco”, como o Ebola, ofereciam retornos mais altos sobre os investimentos.

Alguns elogiaram o PFE como uma maneira criativa de envolver o setor privado, um caso de “filantrocapitalismo” fazendo o bem. Mas, em resposta à atual pandemia de Ebola, a segunda maior da história, o Banco Mundial não aplicou nenhum desses fundos – porque a doença não cumpriu critérios específicos, incluindo matar pessoas suficientes em lugares suficientes. Os investidores, no entanto, estão lucrando, mesmo com a escassez de recursos na República Democrática do Congo e pouca autonomia, enquanto continua tentando combater uma pandemia mortal em meio a um conflito violento.

A crescente dependência de atores privados com fins lucrativos para prestar serviços públicos não está funcionando. Países como os EUA também não são um modelo: os investimentos militaristas em biossegurança não podem trazer uma verdadeira preparação para uma pandemia.

Um sistema melhor incluiria alguns elementos-chave.

Primeiro, a preparação envolve prevenção. Na saúde pública, diferentemente do mercado, os melhores retornos possíveis são aqueles que nunca se materializarão. Em outras palavras, as pessoas não ficam doentes. A prevenção requer fortes sistemas de saúde do setor público focados na atenção primária. Somente o atendimento universal à saúde pode garantir que mesmo os mais marginalizados possam acessar o atendimento e, durante as pandemias de doenças, ninguém ficará à margem.

Segundo, a preparação envolve a rápida identificação de doenças emergentes – e isso exige investimentos públicos em educação e capacidade de pesquisa. A identificação de doenças emergentes depende da capacidade dos profissionais da saúde de reconhecer sintomas incomuns, dos laboratórios para detectar novos patógenos e dos epidemiologistas para identificar aberrações em dados confiáveis. Tudo isso significa um setor público mais forte e robusto.

Por último, a preparação envolve a contenção de doenças. Com financiamento coletivo, as parcerias multilaterais podem formar equipes fortes de resposta a emergências para executar estratégias de isolamento, distribuir suprimentos e promover a educação em saúde pública. São necessárias parcerias não apenas para garantir estoques globais de suprimentos, mas também a capacidade para aumentar a produção desses bens públicos globais. Para fazer isso de forma equitativa e eficiente, as estratégias de entrega devem ser transparentes e predeterminadas, com todas as partes interessadas afetadas na mesa. Os países em desenvolvimento não podem ser colocados em uma função subordinada.

Se queremos estar preparados para a próxima grande pandemia, devemos nos concentrar em melhorar os bens e serviços públicos, especialmente nos locais onde os patógenos emergem primeiro e a infraestrutura de saúde é mais necessária.

O atual regime de saúde global, que se baseia no filantrocapitalismo e no investimento militarizado, está falindo. É hora de uma mudança radical desse tipo de regime.

Sobre os autores

é uma candidata a PhD em epidemiologia na Escola de Saúde Pública de Yale.

Sobre o autor

Hanna Ehrlich é uma candidata a PhD em epidemiologia na Escola de Saúde Pública de Yale.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux