A farsa dos “fundos pandêmicos” para lucrar com o sofrimento do Sul Global

05/04/2020

Por
Nicole M. Aschoff

Tradução
Victor Alexander

Os “títulos pandêmicos” do Banco Mundial demonstram como o capital global tem uma capacidade extraordinária de lucrar com problemas sociais. Até agora, os investidores ganharam cerca de US$ 96 milhões em juros, enquanto os países em desenvolvimento ainda não receberam um centavo.

Os cambojanos sentam-se ao longo do oceano assistindo o navio de cruzeiro MS Westerdam atracado em Sihanoukville, Camboja, em 17 de fevereiro de 2020. Paula Bronstein / Getty.

O surto de Ebola de 2013-2014 devastou o oeste africano, matando aproximadamente 11 mil pessoas, em maior número na Guiné, Libéria e Serra Leoa. Se esses países tivessem acesso ao financiamento no início, argumentaram os especialistas, eles estariam melhor equipados para conter a crise, podendo salvar milhares de vidas.

Prometendo dar um salto em futuros surtos, o Banco Mundial lançou seus inéditos “títulos pandêmicos” em 2017 que poderiam ser usados para financiar e desenvolver nações no caso de uma nova pandemia. Este momento é agora. Mas o banco ainda precisa desembolsar o dinheiro.

“Investimentos sustentáveis” é a palavra do dia nos dias atuais. Os títulos pandêmicos são apenas um item de um menu crescente de produtos de investimento ambiental, social e de governança (ESG, sigla em inglês). Diante de mudanças climáticas catastróficas e da disparidade global crescendo vertiginosamente, os gestores de ativos e os bancos de investimento insistem que a melhor maneira de combater a pobreza, as doenças e a destruição ambiental, é colocar os mercados em funcionamento.

Os títulos pandêmicos, que arrecadaram US$ 320 milhões, pareciam um exemplo perfeito de incentivos econômicos fazendo sua mágica. Os investidores podem escolher entre duas classes de títulos, um para doenças como SARS (e COVID-19) e outro, um pouco mais arriscado (com pagamento mais alto) para doenças como o Ebola. Se esses títulos atingissem o vencimento (o que deve acontecer em julho), os investidores recuperariam seu dinheiro e, nesse meio tempo, ganhariam juros. Se uma pandemia fosse revelada antes dos títulos chegarem à maturidade, os investidores poderiam perder parte de seu investimento original, mas os países em desenvolvimento receberiam fundos necessários para combater o surto da doença. Vantajoso para as duas partes.

Bem, um grupo ganhou. Até agora, os investidores ganharam cerca de US$ 96 milhões em juros sobre os títulos pandêmicos. No entanto, conseguir dinheiro para combater realmente os surtos de doenças se mostrou difícil para os países em desenvolvimento, provavelmente devido às condições rigorosas (que aparentemente levaram 386 páginas para serem explicadas) que devem ser atendidas para que o pagamento ocorra.

No ano passado, por exemplo, o Ebola invadiu a República Democrática do Congo (RDC) e muitos esperavam que os títulos de pandemia fossem usados ​​para fornecer assistência financeira. Mas o Banco Mundial insistiu que o surto não atingia o limite para o pagamento, porque não haviam morrido um número suficiente de pessoas em outros países além da RDC. Os investidores conseguiram manter seu capital e continuar ganhando juros.

A crise do COVID-19 parece atender aos critérios macabros do Banco. Mas os países em desenvolvimento à beira da catástrofe ainda não viram um centavo do dinheiro dos títulos pandêmicos. Aparentemente, o coronavírus precisou se espalhar por doze semanas em vários países, incluindo países em desenvolvimento, antes que as partes pagassem seu valor direcionado ao Fundo de Financiamento para Emergências Pandêmicas do Banco Mundial. Os países elegíveis para financiamento do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento e que atingiram um limite de mortes por coronavírus podem então solicitar o recebimento do dinheiro.

Doze semanas se passaram até final de março e a morte está pipocando em países ricos e pobres. Mais de 770.000 casos de coronavírus foram relatados em todo o mundo e, em alguns lugares, infecções e mortes dobram a cada poucos dias. No entanto, o Banco Mundial diz que os países elegíveis – até agora Afeganistão, Paquistão, Nigéria, Camboja, Senegal e Nepal – não saberão se conseguirão algum dinheiro até 9 de abril, no mínimo.

Isso é desprezível. Até países ricos não estão conseguindo conter o vírus mortal. Os países pobres que, durante séculos, viram sua riqueza e recursos roubados e saqueados por nações ricas, enfrentam uma onda de infecções e mortes sem suprimentos e instalações médicas adequadas. Milhões de pessoas nesses países comprometeram o sistema imunológico devido à desnutrição, vivem em habitações e comunidades que precárias que impossibilitam o distanciamento social e carecem das necessidades mais básicas de prevenção de doenças, como acesso a água e sabão para lavar as mãos.

No entanto, neste momento de crise, quando cada segundo conta, o capital global espera sentado de braços cruzados, mantendo reféns desesperadamente carentes, enquanto os investidores decidem se são obrigados a honrar o acordo.

Os títulos pandêmicos foram anunciados pelo Banco Mundial como uma ótima maneira de “combater os males sociais por meio do investimento privado”. Em vez disso, os títulos são mais um exemplo de quão oco é o chamado investimento em ESG. Eles demonstram como os investidores privados têm uma capacidade extraordinária de lucrar com os males sociais – e como, mesmo em épocas em que a solidariedade global é desesperadamente necessária, o capital global parece não olhar para além do resultado final.

Sobre os autores

faz parte do conselho editorial da Jacobin. Ela é autora dos livros "The New Prophets of Capital e The Smartphone Society: Technology, Power" e "Resistance in the New Gilded Age", prestes a ser publicado.

Sobre o autor

Nicole faz parte do conselho editorial da Jacobin. Ela é autora dos livros "The New Prophets of Capital e The Smartphone Society: Technology, Power" e "Resistance in the New Gilded Age", prestes a ser publicado.