A passagem de Vladimir Lenin pela Inglaterra o moldaria para sempre

22/04/2020

Por
David Broder

Tradução
Manuela Beloni

Depois de deixar a Sibéria em 1900, Lenin passaria grande parte da década seguinte em Londres. Ele não gostava muito da comida – mas seu tempo entre os imigrantes o ajudaria a ser o revolucionário que ele foi.

Vladimir Lenin e os outros delegados ao Terceiro Congresso do Partido Social-Democrata da Rússia, realizado em Londres, 1905.

Cento e cinquenta anos após seu nascimento, parece que os biógrafos estão prestando cada vez mais atenção a Vladimir Ilyich Ulyanov. Embora o revolucionário e estadista conhecido como Lênin seja objeto de uma imensa literatura, nas últimas duas décadas, a atenção voltou seus olhos para o próprio homem – sua biografia pré-revolucionária à sua vida pessoal.

Em parte, isso foi motivado pela abertura dos arquivos soviéticos dos anos 90, que antes proibia os pesquisadores de mergulharem profundamente na dimensão mais humana de um ícone de estado. Também poderíamos citar uma certa “difamação” do líder bolchevique, combinado com uma virada acadêmica para perguntas antes consideradas triviais: talvez o mais emblemático seja o divertido ensaio de Carter Elwood, What Lenin Ate [O que Lenin comeu].

Essa mudança no que Elwood (citando Nikolai Valentinov) chama de “Lenin não geométrico” não significa rebaixar sua estatura histórica. Em vez disso, desmontá-lo e olhar mais de perto sua existência pessoal pode lançar luz sobre o mundo contra o qual ele se revoltou – e como suas noções particulares de ação e organização política se formaram.

Vemos isso no novo livro de Robert Henderson, The Spark That Lit the Revolution [A centelha que acendeu a revolução], um estudo sobre o período em que Lenin viveu em Londres, entre 1902 e 1911. Um ex-curador da coleção russa da Biblioteca Britânica, Henderson retrata de maneira rica a vida intelectual em torno de um dos visitantes mais famosos da biblioteca – e o partido revolucionário que começou a tomar forma durante o exílio.

Russos livres

O título de Henderson é um jogo de palavras, ainda que um pouco enganador: a Inglaterra não foi muito bem um gatilho para o outubro de 1917, embora Londres tenha sido um dos primeiros centros do Iskra (“a Centelha”), órgão no exílio do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR). Em 1902–3, o Iskra foi produzido em Londres com a ajuda de Harry Quelch, da Federação Social Democrata (SDF), na 37a Clerkenwell Green, hoje sede da Biblioteca Memorial Marx.

Ulyanov chegou a Londres em abril de 1902, junto com sua esposa Nadezhda Krupskaya, depois de três anos de exílio na Sibéria e depois de curtos períodos na Suíça e em Munique. Além dos interesses com as organizações de exilados, o casal não tinha nenhuma conexão particular com a Grã-Bretanha: nenhum contato e nem um dom para o inglês; sua tradução para o russo da Democracia Industrial, de Beatrice e Sidney Webb, foi baseada em uma edição alemã e não na original.

Henderson floreia um pouco a realidade dos círculos de imigrantes em Londres. Havia social-revolucionários, herdeiros da tradição terrorista-populista, anarquistas e membros do POSDR, que se reuniram em locais de reunião como a Biblioteca Russa Livre. Sediada perto de Brick Lane, em Whitechapel, era o lar da “Sociedade Socialista de Professores do East End” – e um importante centro social do meio revolucionário judeu e russo.

Figura central aqui era Apollinariya Yakubova, uma revolucionária de trinta e poucos anos que havia sido pioneira socialista em Petrogrado, ao lado de Lenin e Julius Martov. Professora e entusiasta das “escolas dominicais” socialistas, a Sociedade de Yakubova organizou palestras no Liberty Hall sobre tudo, desde o amor livre à história do inglês. Isso foi combinado com eventos sociais, como um sarau de três partes que contou com palestras em russo e ídiche, uma apresentação de slides da cena da Revolução Francesa e danças até as três da manhã.

Essa “Pequena Ilha Russa” no leste de Londres era, principalmente, um espaço para organização política – e foi certamente assim que Lenin a viu. Juntamente com seu trabalho no Iskra, ele proferiu uma palestra no Liberty Hall em novembro de 1902, onde protestou “contra os social-revolucionários por duas horas, sem fazer uma pausa e sem olhar para os rostos da platéia”. Seu estilo polêmico e severo também foi observado por um deputado liberal que ele confrontou em uma palestra sobre imperialismo: “Suas roupas surradas ajudaram a prejudicar sua aparência, mas ele era evidentemente um intelectual”.

Curador da biblioteca, Henderson está naturalmente interessado nos aspectos materiais dos estudos de Lenin em Londres – incluindo suas repetidas solicitações fracassadas de carteirinhas da biblioteca, sob uma variedade de pseudônimos. Lenin nunca pareceu mais feliz do que quando fala de livros: ele falava não só sobre suas horas na biblioteca do Museu Britânico, mas também ofereceu uma análise materialista de suas maravilhas: “a burguesia britânica não poupa dinheiro em relação a essa instituição e isso é como deveria ser . . . afinal, os britânicos são comerciantes: eles precisam negociar com a Rússia e precisam saber tudo sobre ela.”

Além de seu tempo na biblioteca – e contatos com londrinos como Quelch – Lenin continuava resistente à cultura britânica. Ele parece ter compartilhado o desdém de Krupskaya pela “inanidade sem fundo da vida pequeno-burguesa inglesa”; ele estava “interessado nos bolos ingleses, que nunca havia provado”, mas por outro lado era russo em seus gostos.

Talvez surpreendentemente, a falta dessa imagem de desinteresse por todas as coisas britânicas seja a questão de saber se Lênin falava inglês com sotaque londrino – ou possivelmente com sotaque de Dublin. Em suas “Memórias de Lenin”, Krupskaya se refere tentadoramente a como cada um deles achou mais fácil entender o povo irlandês do que os londrinos – pelo menos antes de começarem as aulas com um professor inglês.

Monsieur Farce

Mesmo no enclave de East London, os imigrantes russos eram marcados pelo mundo ao seu redor. Primeiro  pela crescente pressão contra os estrangeiros – o humor anti-“alienígena” que levou, em 1905, à primeira legislação anti-imigração. Assim como o antissemitismo, o clima xenofóbico teve um impulso antirrusso devido à tragédia de Dogger Bank, em outubro de 1904, onde a marinha do czar disparou contra os pescadores de Hull, matando dois. À isso pode se somar a crescente esperança – e depois a sensação de derrota – que se seguiu à revolução da Rússia em 1905, quando o czar concedeu pequenas reformas para, logo em seguida, esmagar a oposição.

A época de Lenin em Londres foi, de fato, uma fase chave no desenvolvimento do POSDR, com a crescente divisão entre suas facções bolchevique e menchevique. Se às vezes centrada em disputas organizacionais aparentemente misteriosas, essa divisão passou a representar duas idéias diferentes de social-democracia: por um lado, a busca dos mencheviques pela aliança com os liberais e, por outro lado, o desejo de Lenin e seus camaradas em direção a um partido revolucionário mais rígido à frente de uma aliança entre trabalhadores e camponeses.

A Grã-Bretanha estava mais aberta aos imigrantes do que outras democracias liberais: os congressos da POSDR de 1903 e 1907 (cada um envolvendo as duas facções) foram transferidos para Londres depois de serem discutidos em Bruxelas e Copenhague, respectivamente. Essa repressão deveu-se às forças combinadas da pressão diplomática czarista, bem como às autoridades domésticas cautelosas. Mas durante todo o tempo de Lenin em Londres, a “Pequena Ilha Russa” – e os congressos da POSDR – estavam sendo observados pela polícia britânica e russa.

Isso não significava que eles entendessem bem o que estavam assistindo. Isso é evidente nos relatos dos policiais do “congresso de conspiradores”, dominado pelos bolcheviques em abril de 1905, que se seguiu à derrota militar da Rússia no Japão e ao início da revolução. O porta voz do czar em Londres, Jean Edgar Farce, descreveu um participante, um “homem de 35 anos, bastante pequeno, pele amarelada, sardas, cabelos castanhos, barba loira, terno preto, chapéu de feltro preto” – sem saber quem ele era.

A polícia britânica tinha um pouco mais de noção. Um oficial do ramo especial alegou que, graças a uma denúncia do proprietário do bar onde o congresso foi realizado, ele conseguiu escutar o congresso de dentro de um armário. Os relatos variam quanto ao fato da capacidade de o policial (assim escondido, no Pub Crown and Woolpack) entender realmente o russo: sua apresentação da próxima sessão do congresso, em um pub diferente, relatou fracamente que o voto “pela revolução” havia passado.

O fato de o agente czarista não conseguir identificar o homem de chapéu de feltro – o suntuosamente chamado Monsieur Farce – mostra uma figura bastante trágica neste livro, lamentando para sempre o desinteresse de seus superiores de Okhrana ao financiar um esforço adequado para seguir os iskraitas em Londres. Nesse contexto da virada do século, o fantasma do “anarquista que atira bombas” – ou seu análogo populista russo – incomodou mais o regime do que os círculos mais teóricos em torno de Lênin.

Essa perspectiva também coloriu as tentativas dos tabloides britânicos de dramatizar a encenação do Congresso do POSDR de 1907 – combinando o Red Scare com um certo fascínio por esses revolucionários emigrados. Por isso, o Penny Illustrated Paper de 25 de maio de 1907 retratou de maneira lúgubre o congresso com uma fotomontagem intitulada “Conspiradores contra o trono” – uma imagem do local despretensioso foi lançada contra o pano de fundo de uma bomba em forma de bola com um pavio serpenteante.

A imprensa de Londres estava particularmente fascinada pelas mulheres membros do POSDR – a quem chamava de “sufragistas”, por falta de qualquer outro análogo britânico. O The Mirror apresentou de maneira atrevida uma “jovem delegada” que pedia “guerra a qualquer preço” falando de “barricadas e bombas, da mesma forma que uma garota inglesa comum falaria sobre Bridge ou jogos de tênis”. Em uma era de crescentes restrições aos imigrantes após a Lei de Estrangeiros de 1905, a imprensa considerou os revolucionários russos violentos e de outro mundo.

Lenin humanizado

Em contraste com essa demonização, Henderson nos permite ver um Lenin humano. Os entusiastas de suas intervenções no Iskra ficaram impressionados com o fato de o homem real ser muito mais jovem do que seus escritos o faziam parecer – e com mais senso de humor. Verificando o estenógrafo de uma de suas intervenções no congresso de 1907, Lenin é incapaz de falar, dominado por “risos felizes, altos, cheios e irrestritos” quando é citado como condenando um “pato impotente” (bessil’naia utka) quando, de fato, ele disse “subterfúgio fraco” (bessil’naia uteka).

Outro foco particular no relato de Henderson é a vida amorosa de Lenin – e seu relacionamento íntimo com Yakubova, professora no coração da Sociedade de Professores Socialistas de East London. Onde as contas soviéticas se abstiveram de retratar Lenin como mais que marido para Krupskaya – até o filme de Lenin em Paris, de 1981, era tímido sobre seu relacionamento com Inessa Armand – Henderson fala de outro “amor” que continuou da Rússia a Londres, antes de uma divisão política com conseqüências pessoais dolorosas.

Começamos observando uma reviravolta na história, afastando o Lenin retratado pela hagiografia soviética e seus oponentes – o Lenin despersonalizado, que reproduziu suas próprias obsessões pelo marxismo como “ciência” e disputa programática. Com a demolição literal das estátuas de Lenin pela antiga URSS, o interesse em uma versão mais “de carne e osso” do homem parece óbvio – um entendimento que pode refletir sobre sua existência material e vida interior, enquanto se abstém da mera psicologia pop.

Esta não é a melhor pista. Os Encontros de Valentinov com Lenin e seu chamado para descobrir o “Lenin não-geométrico” remontam à década de 1960. Da mesma forma, poderíamos olhar para um texto como o relato de Karl Radek, de 1924, da fatídica viagem de trem de Zurique a Petrogrado, que narra caprichosamente a invenção do líder bolchevique de um sistema de bilhetes para o banheiro do trem – bem como sua satisfação secreta de ser recebido por simpatizantes. O cadáver embalsamado na Praça Vermelha não é o único Lênin que conhecemos.

Mas com seus papéis para Leon Trotsky, Maxim Gorky e Peter Kropotkin, The Spark That Lit the Revolution consegue especialmente evocar a vida de Lenin dentro do ambiente emigrado – uma cena aparentemente marginal cuja atividade se mostrou decisiva para moldar a revolução de 1917. Agitado, confrontador e obcecado por livros e estudos, Lenin também fazia parte deste mundo. Ele era um exilado, o irmão mais novo de um revolucionário executado e o líder de uma facção cujo sucesso parecia tudo menos provável.

Cento e cinquenta anos após o nascimento de Lenin, o livro de Henderson faz algo para trazê-lo de volta à vida. Feliz aniversário, Lenin – estamos felizes por Monsieur Farce não ter conversado com você.

Sobre os autores

é historiador do comunismo francês e italiano. Ele está atualmente escrevendo um livro sobre a crise da democracia italiana no período pós-Guerra Fria.

Sobre o autor

David é historiador do comunismo francês e italiano. Ele está atualmente escrevendo um livro sobre a crise da democracia italiana no período pós-Guerra Fria.