Mesmo travados em uma pandemia, os trabalhadores podem reagir

25/04/2020

Por
Nick French

Tradução
Marco Tulio Vieira

Durante a Grande Depressão em 1929, comunistas e ativistas radicais tiveram um papel chave mobilizando os trabalhadores que levaram as políticas trabalhistas do New Deal. Podemos fazer o mesmo hoje para lutar contra a miséria econômica e condições insalubres de trabalho durante a pandemia do coronavírus.

Legenda da foto: manifestantes organizados pelo Conselho dos Desempregados se reúnem em frente à Casa Branca antes de um enorme protesto no Dia Internacional do Desemprego, em 6 de março de 1930 (Arquivo do PCEUA).

O desemprego nos Estados Unidos cresceu enormemente no último mês. Quase dez milhões de estadunidenses fizeram o pedido de seguro desemprego entre os dias 14 e 28 de março, a medida que empresas não essenciais foram fechadas indefinidamente e outros empregadores reduziram as jornadas e dispensaram trabalhadores em resposta a pandemia do coronavírus. O Federal Reserve Bank de St. Louis [um dos bancos que compõe o FED, o Banco Central dos EUA] previu que a taxa de desemprego pode chegar a 32%, superando o auge da Grande Depressão.

Nossas instituições não estão preparadas para responder a essa crise. Os benefícios do bem-estar social e o seguro desemprego existentes são insuficientes, e milhões de pessoas vão perder seu plano de saúde privado fornecido pelos empregadores. Sem uma intensa pressão vinda de baixo que faça o governo mudar rapidamente sua política, a recessão induzida pelo coronavírus vai resultar em miséria para a grande maioria dos estadunidenses.

Ainda bem que a esquerda estadunidense pode olhar para um momento anterior de crise, no qual movimentos massivos conquistaram amplos ganhos materiais para a classe trabalhadora em tempos de miséria crescente. Pouco depois da Grande Depressão, em 1929, movimentos de protesto em massa de desempregados explodiram. E depois de viver uma década de derrotas nos anos 1920, o movimento sindical voltou à ativa nos anos de 1930 com greves de massa e ações nos locais de trabalho, incluindo greves gerais em três grandes cidades em 1934.

Assim começou uma onda de lutas nos locais de trabalho que aterrorizou parte da classe capitalista, levando-os a fazerem grandes concessões a classe trabalhadora na forma do New Deal de Franklin Delano Roosevelt (FDR), presidente estadunidense, que estabeleceu as bases da seguridade social; ofereceu empregos e seguro desemprego a milhões, consagrando os direitos de negociação coletiva na lei.

A última depressão oferece inspiração para os organizadores no movimento sindical e para os socialistas que estão buscando formas de se organizar durante o desdobramento da crise. Aquele momento, mesmo tão diferente do nosso, mostra a importância de se organizar de forma radical e de construir redes de solidariedade através de toda a classe trabalhadora.

O Movimento dos Desempregados

A Grande Depressão trouxe pobreza para a grande maioria e deixou milhões sem emprego. A taxa de desemprego subiu de 3,2% em 1929 para 8,7% em 1930 e continuou a subir, alcançando cerca de 25% em 1933.

Enquanto o número de sindicalizados continuava a cair durante a década de 1930, um movimento de massas de trabalhadores desempregados surgiu. As organizações dos desempregados, muitas vezes formadas ou dirigidas por radicais de esquerda, pipocaram pelo país. Essas organizações incluíam os Conselhos de Desempregados liderados pelos comunistas, assim como os grupos liderados pelo Partido Socialista e pelo Partido dos Trabalhadores Americanos de A. J. Muste.

Grupos de desempregados realizaram protestos de massa e ações diretas para evitar desepejos e corte de serviços, procurar casas para os desalojados e reivindicar apoio para os mais necessitados. As organizações de desempregados contavam seus membros nas dezenas de milhares. No livro Auge do Comunismo Estadunidense, Harvey Klehr relata que, em um dia de março em 1930, o Partido Comunista levou mais de um milhão de pessoas a protestar nacionalmente contra o desemprego.

Protestos e manifestações com frequência se tornavam embates violentos com a polícia. Klehr relata que as marchas funerárias conduzidas pelos comunistas para membros do partido mortos pela polícia em manifestações dos desempregados em Nova Iorque, Detroit e Chicago; estas marchas atraíam dezenas de milhares de apoiadores.

As organizações dirigidas por radicais tiveram conquistas materiais significativas. Além de bem-sucedidos em exigir auxílio para pessoas ameaçadas de despejo ou que tiveram seus benefícios negados, a atividade transformadora destes grupos fez pressão para que FDR implementasse o seguro desemprego nacional com o Ato de Seguridade Social de 1935. Como o historiador Roy Rosenzweig apontou:

“A batalha pelo seguro desemprego teve uma longa história, remontando ao início do século XX, mas o movimento radical dos desempregados pode receber o credito por ter ajudado a trazer o tema à tona durante a Grande Depressão.”

Talvez a maior realização dos organizadores radicais dos desempregos tenha sido o seu sucesso em construir solidariedade entre trabalhadores desempregados e empregados. A tentação era grande para que os trabalhadores furassem greves ou agissem como capangas quando aqueles que estivessem empregados entrassem em greve, principalmente devido a miséria disseminada na sociedade e as poucas oportunidades de trabalho. Mas os desempregados muitas vezes estavam ombro a ombro com os grevistas – algumas vezes sendo a diferença entra a vitória e a derrota.

In 1934, a militância dos trabalhadores explodiu. Trabalhadores têxteis na Costa Leste entraram em uma greve longa e sangrenta, que foi encerrada com o reconhecimento do sindicato dos Trabalhadores Têxteis Unidos [United Textile Workers]. São Francisco, Minneapolis e Toledo assistiram a conflitos nos locais de trabalho se tornarem greves de massas. Estas batalhas marcaram o início de uma onda nacional de greves que continuou até o final da década.

Os radicais tiveram um papel de liderança nestas greves de massa. Em São Francisco, por exemplo, os comunistas formavam grande parte do movimento de base dos estivadores que começaram a greve. A greve geral de Minneapolis foi iniciada pelos esforços dos trotskystas em organizar a indústria de transportes. Em Toledo, os membros do Partido dos Trabalhadores Estadunidenses [American Workers Party] transformaram uma greve hesitante em uma montadora em uma batalha na cidade.

As greves em Minneapolis e Toledo claramente ilustram a importância dos esforços por parte dos radicais para unificar a luta dos trabalhadores empregados e os desempregados. Depois que os motoristas de caminhão de Minneapolis votaram por uma greve de massa para conquistar o reconhecimento do sindicato, os lideres trotskistas do sindicato deliberadamente foram atrás dos desempregados e ganharam o apoio dos grupos de trabalhadores desempregados, assim como dos fazendeiros e trabalhadores empregados em outras indústrias. O apoio de toda a classe trabalhadora de Minneapolis foi crucial para a eventual vitória dos motoristas de caminhão.

O organizador socialista James Cannon escreveu que, quando a polícia e os patrões tentaram acabar com a greve abrindo o mercado central da cidade para a entrada de caminhões, a polícia “deu de cara com uma massa de piquetes organizados e sólidos feitos pelos membros do sindicato com a ajuda de sindicalistas simpáticos a causa e membros das organizações de desempregados.” Conhecido como a “Batalha de Deputies Run”, os grevistas e seus aliados forçaram a polícia a recuar e frustaram a sua tentativa de acabar com a greve.

Os radicais em Minneapolis pegaram a ideia de construir alianças com os desempregados da greve de Toledo naquele mesmo ano. Esta greve começou na planta da fábrica de autopeças Auto-Lite, mas menos da metade dos trabalhadores pararam de trabalhar e a fábrica continuava funcionando com fura-greves. A greve só foi salva quando milhares de desempregados (incluindo muitos membros das organizações comunistas, socialistas e lideradas por Muste) se juntaram aos trabalhadores nos piquetes na Auto-Lite. A multidão de trabalhadores empregados e desempregados lutou contra a polícia e a Guarda Nacional, chegando a um impasse e forçando a Auto-Lite a aceitar as suas demandas.

Organização radical, militância sindical e o segundo New Deal

As vitórias dos trabalhadores nas greves de massa de 1934 tiveram efeitos duradouros. O cientista politico Michael Goldfield escreve:

Essas grandes batalhas estimularam e encorajaram trabalhadores por todo o país, tanto direta quanto indiretamente, muito depois que as greves bem-sucedidas se encerraram. Depois da greve geral de 1934 em São Francisco a militância continuou pegando fogo nas indústrias marítimas e portuárias em toda a Costa Oeste, na maioria das vezes sob liderança dos comunistas.  O triunfo alcançado pelos trotskystas em Minneapolis assentou as bases para a bem-sucedida organização dos motoristas nas rodovias do Centro Oeste. E a organização no ramo automobilístico fora de Detroit pelos grupos de empresa comunistas e em Detroit pela radical Associação de Educação Mecânica da América [Mechanics Education Association of America] foi acelerada enormemente.

Goldfield argumenta que a combinação de conflitos trabalhistas e organização radical – disseminados entre trabalhadores desempregados e empregados, várias indústrias e raças – assustou a classe capitalista, levando-a a fazer grandes concessões a favor dos trabalhadores na forma da legislação do New Deal de FDR em 1935. As declarações públicas de legisladores na época mostravam que o espectro de greves de massa radicais fez o New Deal ser possível.

Por exemplo, quando greves de massa estouraram em 1934, o senador Robert La Follette expressou sua preocupação com a possibilidade de “guerra industrial aberta”. O deputado William Connery, defendendo a legislação que estabelecia diretos de negociação coletiva em abril de 1935, disse: “Eu acredito que as grandes empresas [que se opõem a lei]… são míopes… o que nós estamos tentando fazer é salvar estas empresas do comunismo e do derramamento de sangue.” Goldfield documenta declarações similares de muitos outros políticos da época.

Depois que o “segundo New Deal” foi aprovado após essa explosão da militância, socialistas e comunistas ingressaram nas agências do New Deal em massa, para ajudar a implementar o programa que com o qual concordavam largamente. A legislação incluía o Ato de Seguridade Social, assim como o estabelecimento da Administração para o Progresso dos Trabalhadores e o Ato das Relações Nacionais de Trabalho. O Ato de Seguridade Social estabelecia pensões universais de aposentadoria e seguro desempregado pago pelos empregadores; a Administração para o Progresso dos Trabalhadores ofereceu empregos para milhões de estadunidenses desempregados; e o Ato das Relações Nacionais de Trabalho garantia aos trabalhadores direitos de negociação coletiva e estabelecia o Conselho Nacional de Relações de Trabalho para fazer cumprir esses direitos. 

Estas reformas ficaram aquém das demandas de muitos radicais, e alguns pensadores argumentam que o New Deal salvou um capitalismo liberal ameaçado. Ainda assim, as leis do New Deal significaram ganhos materiais para os trabalhadores em um era de pobreza desesperadora. E protestos em massa e militância dos trabalhadores, muitas vezes lideradas pela esquerda, foram essenciais oara esses ganhos.

Organizando na depressão vindoura

Nossas circunstâncias são bem diferentes daquelas da era do New Deal. Nós agora enfrentamos desemprego massivo – não por causa da explosão de uma bolha especulativa, mas porque as pessoas estão ficando em casa para evitar a disseminação de um vírus mortal. A necessidade de distanciamento social significa que protestos lotados e piquetes são perigosos para a nossa saúde. Os radicais não têm mais uma presença significativa na classe trabalhadora. E, diferente da era do New Deal, nem o presidente nem os líderes dos dois maiores partidos parecem considerar seriamente a necessidade de transformar a nossa economia para lidar com a crise.

Ainda assim nós podemos tirar lições das experiências durante a Depressão. Elas nos mostram o papel central que radicais podem ter, tanto para organizar os trabalhadores no local de trabalho quanto para organizar os desempregados.

O sucesso dos radicais veio primeiramente do fato de que eles eram os organizadores mais dedicados. Mas comunistas e outros na esquerda também ajudaram a alcançar vitórias significativas porque eles entendiam a importância de construir solidariedade entre os diferentes segmentos da classe trabalhadora. Ao invés de deixar que os desempregados sejam jogados contra os trabalhadores empregados, os militantes de esquerda uniram os dois grupos em uma luta comum.

Radicais também lutaram, pela mesma razão, para superar as divisões raciais que normalmente atrapalhavam as organizações da classe trabalhadora. O Partido Comunista, em particular, teve um papel de destaque na luta contra o racismo neste período. Comunistas, trotskystas e outros romperam com o sindicalismo de ofício da AFL [American Federation of Labor – federação sindical estadunidense] (que efetivamente estratificava os trabalhadores por raça e nação de origem), ajudando a criar as organizações baseadas nas indústrias que incluíam todos os trabalhadores.

Organizar em condições de pandemia vai requerer táticas inovadoras. Reuniões massivas de pessoas estão fora de questão, mas nós podemos encontrar, pensar estratégias e deliberar remotamente através de plataformas de mensagem e de vídeo. Trabalhadores já estão substituindo manifestações lotadas e piquetes por protestos que mantém o distanciamento social, nos quais cada pessoa mantém uma distância de 2 metros da outra. Enquanto a necessidade de manter a distância social pode ser sentida como uma perda, ela também sugere novas possibilidades estéticas interessantes para manifestantes.

Trabalhadores em greve na Amazon de Chicago mostraram uma nova tática quanto uma caravana de apoiadores em seus carros se juntou ao piquete, tocando suas buzinas em apoio às demandas dos grevistas. Enquanto protestos ficam mais difíceis, nós talvez tenhamos que depender mais de pressionar publicamente os patões e políticos através das mídias sociais. John Pearson, enfermeiro de Oakland, por exemplo, está usando suas mídias sócias para reivindicar de donos de hospitais negligentes e políticos mais equipamentos de proteção e um número adequado de trabalhadores. Christian Smalls, trabalhador da Amazon que foi demitido por se organizar junto dos seus colegas, também usou o Twitter para espalhar as notícias sobre as condições perigosas no armazém de Nova Iorque onde trabalhava.

Sem dúvida nós vamos ver mais inovações nas táticas a medida em que organizadores se adaptam à nova realidade. Radicais são especialmente bem preparados para terem um papel na elaboração de táticas efetivas. Por causa do nosso compromisso com o avanço da luta de classes, radicais podem buscar inspiração na longa história de militância da classe trabalhadora, procurando aplicar as lições do passado na situação atual. Nós também estamos em uma boa posição para aprender com as lutas atuais que estão acontecendo ao redor do mundo, ao observar e analisar os eventos recentes através das lentes da luta de classes. E radicais podem ficar a par das mais recentes inovações nas táticas fazendo uso de seu contato pessoal e através de suas organizações com outros militantes.

Quaisquer que sejam as novas táticas que vamos elaborar, a indicação que levou a organização radical durante a Depressão – que devemos construir solidariedade da forma mais ampla possível – permanece relevante hoje.

Sementes de solidariedade

A pandemia de coronavírus já está gerando um aumento na militância dos trabalhadores. Trabalhadores de diferentes setores ao redor do país se organizaram para fechar seus locais de trabalho durante a pandemia (incluindo trabalhadores nas montadoras e educadores em escolas públicas). Trabalhadores na Verizon conquistaram auxílio-doença durante a pandemia; trabalhadores nos serviços de alimentação e entrega em várias companhias entraram em greve para reivindicar auxílio-doença e medidas de proteção.

Ao lutar para fechar locais de trabalho não essenciais, ganhar auxílio-doença e estabelecer medidas adequadas de proteção, estes trabalhadores não estão lutando apenas por sua própria saúde. Ao forçar trabalhadores doentes a irem trabalhar, ou ao expor pessoas aos trabalhadores e clientes que podem estar contaminados, os patrões estão acelerando a disseminação do coronavírus e colocando todos em risco. Isto significa que todos os trabalhadores, empregados e desempregados, tem um interesse comum em garantir que estes trabalhadores conquistem suas reivindicações.

A situação dos trabalhadores na saúde que estão na linha de frente faz com que nossas interconexões sejam ainda mais óbvias. Primeiro, as condições perigosas em que muitos deles estão sendo forçados a trabalhar não são apenas um problema deles. Pessoal insuficiente e falta do equipamento médico necessário faz com que seja mais difícil tratar os pacientes, e que seja mais provável que trabalhadores na saúde espalhem o vírus para pacientes não infectados.

Segundo, falhar em fazer tudo o que podemos fazer fora dos hospitais para diminuir a transmissão do coronavírus aumenta o risco enfrentado por trabalhadores dentro do hospital. Deixar que a doença se espalhe mais rapidamente significa que é mais provável que trabalhadores hospitalares vão ficar sobrecarregados e recursos vão ficar escassos, fazendo com que o seu trabalho se torne ainda mais perigoso.

Reconhecendo os nossos interesses em comum, trabalhadores na saúde estão começando a fazer reivindicações a favor de um público maior. Uma coalizão de trabalhadores na saúde e serviço social na Califórnia lançou uma petição reivindicando que o governador Gavin Newsom tome atitudes imediatas em relação a pandemia. Além de exigir a rápida produção dos equipamentos médicos necessários e a reabertura de hospitais, trabalhadores na saúde estão reivindicando várias medidas não diretamente relacionadas ao seu trabalho: auxílio saúde para todos os californianos, uma suspensão estadual de todos os despejos e do pagamento de aluguéis, e o cancelamento de todas as dívidas estudantis.

Outros trabalhadores também começaram a agir em nome do bem maior. Depois da General Electric anunciar demissões em massa, trabalhadores na fábrica de Lynn, no estado de Massachusetts, protestaram e reivindicaram que a fábrica de motores para avião seja convertida para a produção dos tão procurados respiradores. No dia 8 de abril, o protesto se espalhou para as fabricas de Nova Iorque, Texas e Virginia.

Um amplo, porém, atomizado movimento da classe trabalhadora parece estar começando. Socialistas podem tem um papel chave em ajudar a conectar as aparentemente distantes lutas da classe trabalhadora. Isto significa ampliar as lutas destes trabalhadores; clarear as conexões entre as diferentes lutas; articular demandas comunas a todos os trabalhadores, desempregados ou não; e unir os trabalhadores e suas organizações para colaborarem em torno destas demandas comuns.

Labor Notes já está fazendo isso, assim como Bernie Sanders antes de suspender sua campanha presidencial. Aonde quer que trabalhadores estejam sendo forçados a trabalhar em condições perigosas, nós podemos organizar nossos colegas de trabalho para lutar por nosssa saúde e segurança. Socialistas que estão desempregados ou trabalhando em casa também podem ajudar os trabalhadores a se organizarem – por exemplo, participando do projeto de organização durante o COVID-19 do sindicato dos Trabalhadores Eletricitários, em Comunicação e Máquinas [United Electrical, Radio and Machine Workers] e dos Socialistas democráticos da América [Democratic Socialists of America]. Este projeto está conectando pessoas que estão tentando organizar seu local de trabalho com organizadores experientes, que providenciam ajuda e conselhos a distância.O New Deal beneficiou materialmente e fortaleceu os trabalhadores, mas ele não desafiou a tirania capitalista. Nós estamos lutando, no fundo, por transformações sociais mais estruturais. Mas o caminho para uma sociedade socialista democrática passas pelas lutas nos locais de trabalho e exatamente pelo tipo de reformas a favor dos trabalhadores que são necessárias hoje.

Sobre os autores

é um candidato a PhD em filosofia na Universidade de Califórnia – Berkeley e membro dos Socialistas Democráticos da América na Costa Leste.

Sobre o autor

Nick French é um candidato a PhD em filosofia na Universidade de Califórnia – Berkeley e membro dos Socialistas Democráticos da América na Costa Leste.