Por que mataram Patrice Lumumba?

14/04/2020

Uma entrevista com
Georges Nzongola-Ntalaja

Tradução
José Carlos Ruy

Patrice Lumumba foi um dos principais líderes do movimento de independência do Congo contra o colonialismo belga e os interesses empresariais. Por isso foi assassinado em uma ação apoiada pelos EUA.

Patrice Lumumba, líder congolês, em Bruxelas, Bélgica, em janeiro de 1960. Wikimedia Commons

Nascido em 1925, Patrice Émery Lumumba foi um líder anticolonial que, aos 35 anos, se tornou o primeiro primeiro ministro do recém-independente Congo. Sete meses após o seu mandato, foi assassinado, em 17 de janeiro de 1961.

Lumumba tornou-se opositor ao racismo belga depois de ser preso em 1957 por acusações falsas pelas autoridades coloniais. Após 12 meses de prisão, conseguiu um emprego como vendedor de cerveja, durante o qual desenvolveu suas habilidades de oratória e ficou cada vez mais convencido de que a vasta riqueza mineral do Congo deveria beneficiar o povo e não os interesses empresariais estrangeiros.

Os horizontes políticos de Lumumba se estendiam muito além do Congo. Logo foi influenciado pela onda mais ampla de nacionalismo africano que varria o continente. Em dezembro de 1958, o presidente de Gana, Kwame Nkrumah, o convidou para participar da Conferência Anti-colonial do Povo Africano, que atraiu associações cívicas, sindicatos e outras organizações populares.

Dois anos depois, seguindo as demandas de eleições democráticas, o Movimento Nacional Congolês, liderado por Lumumba, venceu a primeira disputa parlamentar no Congo recém independente. O líder nacionalista de esquerda assumiu o cargo em junho de 1960.

Mas as propostas progressistas de Lumumba e sua oposição ao movimento separatista de Katanga (liderado pelos estados coloniais governados por brancos no sul da África e proclamou sua independência do Congo em 11 de julho de 1960) irritaram uma série de interesses estrangeiros e locais: o estado colonial belga, empresas que extraem os recursos minerais do Congo e, é claro, os líderes dos estados do sul da África governados por brancos. À medida que as tensões aumentavam, a ONU rejeitou o pedido de apoio feito por Lumumba. Ele pediu então ajuda militar soviética para conter a crescente crise provocada pelos separatistas belgas. Foi a gota d’água.

Lumumba foi preso, torturado e executado em um golpe apoiado pelas autoridades belgas, pelos Estados Unidos e pelas ONU. Com o assassinato de Lumumba, morreu parte do sonho de um Congo unido, democrático, etnicamente pluralista e pan-africanista.

O assassinato de Lumumba e sua substituição pelo ditador Mobutu, apoiado pelos EUA, lançou as bases para as décadas de conflitos internos, ditadura e declínio econômico que marcaram o Congo pós-colonial. A desestabilização social sob o governo brutal de Mobutu – que durou de 1965 a 1997 – culminou em uma série de conflitos devastadores, conhecidos como a primeira e a segunda guerra do Congo (ou “guerras mundiais da África”). Esses conflitos não apenas fragmentaram a sociedade congolesa, mas também envolveram quase todos os vizinhos do país – nove nações africanas, e cerca de vinte e cinco grupos armados. No final formal do conflito, por volta de 2003, quase 5,4 milhões de pessoas haviam morrido devido aos combates e suas consequências, tornando a guerra o segundo conflito mais mortal do mundo desde a Segunda Guerra Mundial.

Particularmente à luz da trajetória turbulenta do Congo após seu assassinato, Lumumba continua sendo uma fonte de debate e inspiração entre movimentos e pensadores radicais em toda a África. O colaborador da Jacobin, Sa’eed Husaini, falou recentemente com Georges Nzongola-Ntalaja, um importante intelectual congolês e autor de uma biografia de Lumumba, que trata da vida, morte e da política do líder nacionalista radical.

SH

Provavelmente o evento mais conhecido da vida de Lumumba continua sendo seu fim trágico. Embora tenha havido pelo menos algum reconhecimento simbólico do papel da Bélgica no assassinato de Lumumba, esse acerto de contas não ocorreu sem os Estados Unidos. Na sua perspectiva, como seria uma restituição completa pelo assassinato de Lumumba?

GNN

Não pode haver restituição total do assassinato de Lumumba. Nenhuma quantia em dinheiro ou outra forma de compensação faria justiça aos danos sofridos pelo Congo ao perder um líder de grande visão, de 35 anos, que poderia ter ajudado a construir um grande país. Nenhuma quantia de dinheiro faria justiça a seus filhos depois de crescer sem um pai e apoio para guiá-lo na infância, adolescência e idade adulta. E o mesmo vale para sua esposa e outros parentes, cuja perda não pode ser mitigada por aquisições materiais.

O que é preciso é que todos os cúmplices no assassinato de Lumumba, antes de tudo, reconheçam o crime que cometeram contra ele, sua família, o Congo e a África; um pedido de desculpas pelo dano causado a esse respeito; e um esforço para honrar o primeiro líder democraticamente eleito do Congo, promovendo seu legado por meio de escolas, educação pública e eventos culturais em todos os países cujos líderes participaram do desaparecimento, começando pelo próprio Congo.

SH

Apesar de ter crescido em sua terra natal etno-cultural, Lumumba ficou conhecido por sua visão de mundo ardentemente multiétnica e pan-africana. Houve aspectos de sua educação inicial, em Sankuru, que predispuseram Lumumba a valorizar a unidade congolesa e a diversidade étnica?

GNN

Embora a região de Sankuru, na RDC (República Democrática do Congo) seja mais conhecida como o lar do povo Tetela, ao qual pertence Lumumba, ela é habitada por pessoas de outros grupos étnicos que acabaram lá por causa do atividades dos comerciantes de escravos árabe-suaíli ou dos colonialistas belgas. Esses grupos incluem os Kusu de Maniema, os Luba, os Songye e outros da região de Kasai, bem como o Mongo.

Além de crescer em um ambiente multiétnico, os anos de formação de Lumumba como funcionário público de classe média ocorreram entre 1944 e 1956 em Kisangani (então Stanleyville), uma das principais cidades do Congo e uma área de diversidade étnica.

SH

Você escreve que, como funcionário postal no serviço colonial belga, Lumumba ficou inicialmente apaixonado pela possibilidade de “matricular” ou abandonar seu status de congolês “nativo” em favor do status de europeu honorário. Em que ponto Lumumba abandonou essa esperança de alcançar o status de elite na sociedade colonial em favor de uma oposição radical ao projeto colonial belga?

GNN

Lumumba adquiriu o cartão de mérito cívico e o status de matrícula em Kisangani, mas essas conquistas da mobilidade superior na situação colonial eram uma farsa porque o racismo continuou a elevar a cabeça feia através da barra de cor/salário.

Embora tenha tido um emprego normalmente reservado aos europeus, como gerente do serviço de ordens de pagamento, o salário de Lumumba foi determinado por sua raça, não por suas funções. Ele ganhava o equivalente a 100 dólares em 1956, algo que valia algo como um décimo quinto do salário de um funcionário europeu fazendo o mesmo trabalho. Seus colegas europeus também recebiam moradia grátis, um carro, e férias de seis meses a cada três anos, totalmente pagas, na Bélgica.

Essas e outras realidades da situação colonial o fizeram abandonar sua esperança ingênua de ver brancos e negros trabalhando de mãos dadas para elevar as “massas ignorantes” em uma comunidade belgo-congolesa, e o empurraram na direção do nacionalismo africano e congolês .

SH

Como os nacionalistas congoleses encaram a violência como meio de alcançar a independência política, e como Lumumba se posicionou nessa questão?

GNN

Em geral, os líderes nacionalistas congoleses acreditavam fortemente na não-violência e Lumumba não foi exceção. É por isso que todos ficaram chocados com o levante em massa pela independência em 4 de janeiro de 1959 [que eclodiu em Leopoldville, atual Kinshasa, depois que membros de um partido anticolonial foram impedidos de se reunir. Celebrado hoje como o Dia dos Mártires, foi o primeiro grande surto de violência no movimento de independência e marcou um ponto de virada para a luta anticolonial].

Mais tarde, esses líderes entenderam que a violência em massa era uma moeda de troca em seus confrontos com os senhores coloniais, pois estes consideravam difícil manter a lei e a ordem no vasto Congo, uma vez que as massas rejeitavam a autoridade colonial e não estavam dispostas a obedecer à ordem administrativa colonial.

SH

Qual o papel das empresas de mineração estrangeiras no incentivo à província de Katanga para se separar do Congo e como isso contribuiu para a origem da crise no Congo?

GNN

Com seu império mineral indo de Katanga ao Cabo, as empresas de mineração estrangeiras não gostavam da ideia de ter um governo nacionalista radical no Congo – que provavelmente reduziria suas margens de lucro com impostos e royalties mais altos, a fim de melhorar a subsistência de congoleses comuns. É por isso que essas empresas, que rejeitaram os esforços dos colonos brancos para obter um pedaço da torta como suas contrapartes na África do Sul, Rodésia (Zimbábue) e Sudoeste da África (Namíbia), formaram uma aliança com os racistas, colonos brancos e lobbies de direita nos EUA e no Reino Unido.

Essa aliança não apenas endossou o sonho de longo prazo dos colonos brancos de obter poder político em Katanga, mas também forneceu os fundos necessários para sustentar o impulso separatista em Katanga, com a ajuda da Bélgica, Grã-Bretanha e França.

SH

Pode-se dizer que as origens da crise do Congo estão em uma aliança entre colonos e empresas belgas, e com os interesses empresariais e estatais dos estados governados por brancos no sul da África. Você descreve essa aliança como uma “contra-revolução contra a libertação nacional”, uma vez que foi formada para se opor ao nacionalismo radical. Você poderia dizer mais sobre essa aliança?

GNN

A Crise do Congo não pode ser entendida sem referência à secessão Katanga, de engenharia belga, em colaboração com empresas de mineração estrangeiras, que recrutaram mercenários brancos para se juntar às tropas belgas. A recusa da ONU em usar a força para expulsar tropas belgas e os mercenários levou à disputa entre o primeiro-ministro Lumumba e o secretário-geral da ONU Dag Hammarskjöld, que compartilhavam a mesma visão de mundo que as principais potências ocidentais e eram muito hostis a Lumumba.

SH

Então, por que essa combinação de atores estrangeiros e locais anteriormente concorrentes acabou por concordar que o assassinato de Lumumba era necessário?

GNN

Ele foi o obstáculo mais importante ao esquema deles de estabelecer o neocolonialismo no Congo, quando começaram em 11 de julho de 1960 em Katanga.

SH

Lumumba fez muitos discursos memoráveis e também escreveu muitas cartas emocionantes. Em 1960, ele escreveu da prisão para a esposa : “Chegará o dia em que a história falará. Mas não será a história ensinada em Bruxelas, Paris, Washington ou nas Nações Unidas. Será a história ensinada nos países que conquistaram a liberdade do colonialismo e de seus fantoches. A África escreverá sua própria história e, no norte e no sul, será uma história de glória e dignidade.” Lumumba também conseguiu articular uma visão específica de como ele pretendia transformar o estado e a sociedade congolesa durante o breve período em que ele serviu como primeiro ministro?

GNN

Temos um vislumbre de sua visão do Congo pós-colonial em vários de seus principais discursos e cartas. Embora preocupado com a unidade, independência e soberania do Congo, devido à situação contra-revolucionária que o país enfrenta de 10 a 11 de julho de 1960 (a invasão militar belga e o separatismo de Katanga), sua principal preocupação era como transformar as estruturas herdadas do estado e da economia, a fim de melhorar a qualidade de vida dos congoleses comuns.

SH

Como Amílcar Cabral, Thomas Sankara e Steve Biko, o martírio de Lumumba o transformou em uma poderosa força simbólica que continua a inspirar movimentos radicais em toda a África. No seu prefácio, você descreve brevemente a inspiração e a repentina decepção que sentiu na época como estudante do ensino médio (que foi expulso por atividades anticoloniais) testemunhando a ascensão meteórica de Lumumba e o trágico assassinato. Como africanos, nós realmente vivemos o trauma histórico ao testemunhar o assassinato de alguns dos líderes mais promissores do continente?

GNN

Como todos os líderes assassinados que você mencionou foram vítimas de potências mundiais e/ou seus aliados na África, como Portugal fascista e o apartheid na África do Sul, não vejo por que as potências mundiais responsáveis por eliminar os líderes africanos que não aceitam deveriam estar preocupadas com o impacto desses assassinatos na África.

Cabe a nós, africanos, garantir que sigamos os ensinamentos de Amílcar Cabral sobre conhecer nossas próprias fraquezas e encontrar maneiras de superá-las, e os de Kwame Nkrumah sobre segurança continental coletiva por meio de um alto comando militar africano. Precisamos de nosso próprio equivalente à OTAN para garantir a segurança de nosso povo e de nossos líderes progressistas ameaçados.

Sobre os autores

é professor de estudos africanos, afro-americanos e da diáspora na Universidade da Carolina do Norte e autor de muitos livros, incluindo “O Congo de Leopold a Kabila: História do Povo e Patrice Lumumba”.

é ativista socialista e estudante de desenvolvimento internacional na Universidade de Oxford.

Sobre os autores

Georges Nzongola-Ntalaja é professor de estudos africanos, afro-americanos e da diáspora na Universidade da Carolina do Norte e autor de muitos livros, incluindo “O Congo de Leopold a Kabila: História do Povo e Patrice Lumumba”.

Sa'eed Husaini é ativista socialista e estudante de desenvolvimento internacional na Universidade de Oxford.