Press "Enter" to skip to content
Jeff Bezos, CEO da Amazon, no National Press Club, em 19 de Setembro de 2019, em Washington, DC. Paul Morigi / Getty.

Os bilionários são os vilões da pandemia, não os heróis

[molongui_author_box]
Tradução
Melanie Castro Boehmer

Enquanto milhões de trabalhadores perderam os seus empregos durante a crise do coronavírus, os mais ricos viram a sua riqueza aumentar em centenas de bilhões de dólares. Não é uma coincidência e é por isso as pessoas estão revoltadas.

Nas últimas cinco semanas, mais de vinte e quatro milhões de trabalhadores norte-americanos candidataram-se ao seguro desemprego. Este número representa mais de um em cada sete trabalhadores. A título de comparação, no período pré-coronavírus, um milhão de trabalhadores candidatou-se num período de cinco semanas.

É necessário um congelamento da atividade econômica normal para manter o maior número possível de pessoas em casa e impedir a propagação do vírus. Mas a devastação econômica em massa não é um resultado inevitável.

Nos países da Europa Ocidental e do Norte da Europa, por exemplo, os governos tomaram medidas agressivas – frequentemente a pedido da esquerda e dos sindicatos – para proteger os empregos dos trabalhadores durante a crise, para que os empregos fiquem à espera deles quando for seguro regressar à atividade normal e para, até lá, proporcionar um alívio adequado. Os pesquisadores do Instituto de Política Econômica apelidam esta abordagem de “congelamento profundo da economia”, sendo a ideia que esta pode ser descongelada e rapidamente restaurada quando a pandemia acabar. Sim, custa dinheiro, mas o mesmo se pode dizer de uma recessão econômica interminável.

Os EUA optaram por não enveredar por esta via. O Congresso autorizou trilhões de despesas, mas, com uma exceção – a indústria aeronáutica, e mesmo assim só porque o sindicato dos comissários de bordo a pressionou -, não tomou quaisquer medidas de garantia salarial direta, permitindo, em vez disso, demissões em massa sem entraves. Esses postos de trabalho não estarão necessariamente disponíveis assim que a atividade econômica for retomada, o que provavelmente garantirá uma elevada taxa de desemprego durante muito tempo.

Cenário de austeridade

Entretanto, embora o Governo federal tenha expandido o seguro desemprego, os trabalhadores nos Estados Unidos sofrem com infra-estruturas sociais inadequadas. No verão passado, o Projeto Nacional de Direito do Trabalho (National Employment Law Project) publicou um artigo intitulado “Os sistemas estatais de desemprego ainda conseguem combater recessões?”. A resposta, concluíram, foi não: em vez disso, muitos sistemas estatais de desemprego eram intencionalmente disfuncionais, concebidos para dificultar a candidatura e o recebimento do auxílio, uma espécie de austeridade por meio de burocracia. Os autores do estudo recomendaram grandes revisões anti-Austeridade, a fim de se preparar para a inevitável próxima recessão.

Mas agora é tarde demais. Nos Estados em pior situação, como a Flórida e a Carolina do Norte, as infra-estruturas de desemprego quebradas “estão causando estragos com o funcionamento dos processos de solicitação. O resultado é que os trabalhadores que precisam de subsídios não têm acesso a eles”. Além destes, muitos outros Estados “que programaram os sistemas para falhar podem entrar em colapso sob o peso da nova onda de solicitações”.

Como resultado destes e de outros erros – nenhum deles acidental, todos cometidos pensando nos interesses dos contribuintes ricos – a classe trabalhadora norte-americana, ainda não recuperada desde a última crise econômica devastadora há pouco mais de uma década, está prestes a enfrentar uma enorme e desnecessária miséria. Muito deste sofrimento poderia ter sido evitado com gastos sociais adequados e a concepção de programas anti-austeridade, mas, em vez disso, os legisladores norte-americanos continuaram a destruir a rede de segurança social da nação, que já era fraca, enquanto a desigualdade disparou e a riqueza das pessoas mais ricas da nação deslanchou.

A bonanza dos bilionários

E então, como vão os mega-ricos nestes tempos difíceis? O relatório anual Bonanza dos Bilionários, do Instituto de Estudos Políticos, acaba de ser divulgado, e muitos deles estão melhor do que nunca. Trinta e quatro bilionários norte-americanos viram a sua riqueza aumentar em dezenas de milhões de dólares desde o início de 2020. Oito deles viram a sua riqueza aumentar em mais de um bilhão de dólares. A riqueza combinada de todos os bilionários nos Estados Unidos aumentou quase 10%.

“Esta Primavera, face a uma pandemia mundial, as manchetes dos jornais elogiam a bondade dos bilionários que doam o correspondente a apenas 0,00001% da sua fortuna para ajudar os necessitados”, escrevem os autores do relatório. Eles notam que a Forbes até publicou um artigo bajulador intitulado “Agentes da Mudança: Como os bilionários do mundo estão usando sua riqueza para reinventar seus negócios e fornecer ajuda em meio à pandemia de Coronavírus.”

Estas são as mesmas pessoas que fazem lobby, pressionam e balançam doações na cara dos políticos até derrubar qualquer projeto de impostos sobre riqueza. Como resultado dos seus esforços, os impostos a bilionários foram reduzidos em 79% nas últimas quatro décadas, e a soma total da riqueza bilionária dos EUA saltou de 240 bilhões de dólares em 1990 para quase 3 trilhões de dólares atualmente.

Tudo isso aconteceu, é claro, à custa da austeridade e dos programas públicos. Em outras palavras, estas são as mesmas pessoas que convenceram os políticos a elaborar programas de seguro desemprego para as pessoas da classe trabalhadora que as falham. Eles não são os heróis da crise – eles são os vilões.

O rei da evasão fiscal

O maior especulador pandêmico é Jeff Bezos. “O encerramento de centenas de milhares de pequenas empresas dá à Amazon a oportunidade de aumentar a sua fatia do mercado, reforçar o seu lugar na cadeia de abastecimento e ganhar mais poder de preço sobre os consumidores”, observam os autores do estudo.

Ao mesmo tempo que é verdade que a Amazon vende e envia mercadorias úteis durante o isolamento, também é verdade que Bezos sujeitou os seus empregados a condições de trabalho perigosas relacionadas com a pandemia, que eles não podem evitar a menos que queiram enfrentar perdas salariais. Por conta disso, os depósitos da Amazon em todo o país tornaram-se focos de COVID-19. Quando os trabalhadores se levantaram pela sua segurança e pela do público, enfrentaram represálias, incluindo desde serem despedidos e até difamados publicamente.

Ao longo da crise, a riqueza de Bezos aumentou 25 bilhões de dólares, mais do que o PIB anual de oitenta e oito países. Em demonstração da sua generosidade filantrópica, ele doou 100 milhões de dólares desse valor à instituição de caridade Feeding America.

Claro, Bezos é também o rei da evasão de impostos, o melhor exemplo do mega-rico que põe de joelhos o Estado de bem-estar social, agravando o sofrimento da classe trabalhadora em massa causado pela paralisação económica. Mas não deixe que isso te distraia.

Sobre os autores

faz parte da equipe de articulistas da Jacobin.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Capital, Economia and Saúde

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux