O ciclo golpista da direita boliviana

01/08/2020

Por
Oliver Vargas

Tradução
Marianna Braghini e Caue Ameni

Na Bolívia, o governo “interino” que se formou após o golpe suspendeu as eleições pela terceira vez. É mais um lembrete de que liberais e conservadores não se importam com a democracia – eles querem apenas instituir políticas neoliberais e reprimir o partido de esquerda de Evo Morales, que eles sabem que ganhariam uma eleição livre e justa.

A presidente interina Jeanine Áñez assina um projeto de lei para convocar novas eleições no Palácio do Governo boliviano em 24 de novembro de 2019 em La Paz, Bolívia. Gaston Brito Miserocchi / Getty.

Quando as autoridades eleitorais do governo boliviano anunciaram estranhamente à nação que as eleições seriam suspensas pela terceira vez em quatro meses, o medo provocado em muitos parecia desaparecer repentinamente. Foi substituída pela fúria de um país cujos distritos operários e áreas rurais foram levados a acreditar que eleições livres e justas, em 6 de setembro, proporcionariam uma rota pacífica para sair do dramático colapso econômico que se encontra o país.

A esperança era que essas eleições marcassem o fim do regime autoritário nas mãos de um governo que não foi eleito, e que é a prova de como os EUA governam seu “quintal”, abrindo caminho para que o neoliberalismo dispense seus supostos valores ao enfrentar aqueles que clamam por soberania nacional e controle público dos recursos naturais.

Quando as eleições foram suspensas na semana passada, os líderes indígenas e sindicais da Bolívia – a maioria com acusações pendentes – anunciaram mobilizações em uma escala muito superior à resistência desorganizada ao golpe feito em novembro de 2019. Na próxima semana, esses movimentos sociais lançarão o que provavelmente é uma luta final pela democracia; se eles forem derrotados, uma perseguição brutal os aguarda nos próximos tempos.

O adiamento interminável das eleições presidenciais não recebeu muitas críticas da mídia corporativa e ONGs de língua inglesa, muitos dos quais elogiaram o golpe como um triunfo da democracia que daria início a eleições justas. Certamente, até o New York Times agora admite que as alegações iniciais de fraude que legitimavam a expulsão de Evo Morales eram falsas.

Na época, jornalistas liberais como Yascha Mounk escreveram na Atlantic sobre a “perspectiva real de eleições livres”, e o diretor executivo da Human Rights Watch, Ken Roth, falou ingenuamente sobre como “a coisa mais importante agora, neste momento de transição para a Bolívia, está assegurado… direitos fundamentais, inclusive protestar pacificamente e votar com eleições transparentes, competitivas e justas”.

Quem está ciente do que realmente aconteceu em novembro de 2019 sempre soube que o regime atual nunca teve a intenção de instituir a democracia. O governo, liderado pela autodeclarada presidente Jeanine Áñez, nasceu de um golpe militar que celebrou seu triunfo queimando a bandeira indígena de Wiphala em praças públicas, seguido pelos assassinatos de manifestantes pró-democracia indígenas em Sacaba, Cochabamba e Senkata, El Alto, que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos rotulou como massacres.

A perseguição que se seguiu à repressão inicial foi igualmente feroz. O candidato à presidência do Movimento Rumo ao Socialismo (MAS), Luis Arce, foi perseguido com acusações com clara motivação política, e agora o regime está pressionando o conselho eleitoral a proibi-lo de permanecer de pé. Quase todos os líderes sindicais e indígenas têm acusações semelhantes sendo apresentadas contra eles, principalmente por “insubordinação”.

A estação em que trabalho – Radio Kawsachun Coca – teve que trabalhar nesse clima. Meu colega Landert Marca foi preso há alguns meses enquanto relatava um evento realizado pelos sindicatos do tropico de Cochabamba. Nosso sinal de rádio foi congestionado ou capturado completamente em várias áreas, e nossos escritórios na cidade de Cochabamba foram incendiados por gangues de extrema-direita um dia antes do golpe.

O governo de Jeanine Áñez se declarou “interino”, cuja única tarefa era organizar eleições. Mas eles tinham outras prioridades. Suas primeiras mudanças foram na política externa, rasgando a abordagem integracionista e anticolonial de Evo Morales e imediatamente restabelecendo os laços diplomáticos com os EUA e Israel, além de dar as costas à integração latino-americana através de instituições como a União das Nações Sul-Americanas (UNASUL).

O Departamento de Estado dos EUA levou seu delegado ao palácio presidencial para ajudar a gerenciar essa interminável “transição”. Erick Foronda, conselheiro-chefe da embaixada dos EUA na Bolívia por 25 anos, foi nomeado secretário particular do presidente Áñez. O papel de liderança de Foronda no governo do país pode ser visto no fato de os próprios ministros de Áñez lamentarem a maneira pela qual ele anulou os departamentos do governo e cortou o acesso a presidência.

O governo também priorizou “reformas” econômicas em vez de promover eleições. O FMI voltou ao país com um empréstimo gigantesco de US$ 327 milhões. Para acomodar isso, o regime paralisou os grandes projetos estatais de desenvolvimento anunciados por Evo Morales. Os planos de processar as reservas de lítio do país dentro da própria Bolívia foram suspensos. O contrato com a empresa alemã ACISA, que concedeu à estatal boliviana participação majoritária, foi rapidamente destruído após o golpe. As plantas industriais de processamento, que Morales inaugurou, também foram fechadas desde sua destituição.

A enorme planta de ureia e amônia instalada na região de Cochabamba, a unidade de maior prestígio da companhia estatal de gás, sofreu o mesmo destino. A novo sistema de bondes elétricos da cidade de Cochabamba estava quase completo; todas as estações e trilhos foram construídos e os bondes fabricados. Faltava apenas pagar a agência aduaneira chilena para liberá-los da alfândega e transportá-los até a cidade. O regime se recusou a pagar, agora a agência chilena está colocando os vagões à venda em leilão.

A sabotagem deliberada ao desenvolvimento econômico da Bolívia tem sido um alicerce do novo governo. Esta política teve consequências dramáticas na habilidade do país em resistir ao impacto econômico da COVID-19. No país, 38% da população perdeu integralmente sua renda, enquanto 52% perdeu uma parte de sua renda. O recuo deliberado do Estado fez com que 90% dos que estão sofrendo durante a quarentena não recebam nenhum suporte de renda; o único gesto foi um pagamento universal único de US$ 70 em abril, para durar quatro meses de lockdown. 

Diante dessa situação de desespero, eleitores estavam ansiosos para dar fim ao experimento golpista, que já dura 8 meses, nas urnas em setembro.  Pesquisas mostram que o MAS está rumo à uma vitória de primeiro turno, com Áñez, ficando para trás no distante terceiro lugar. Poderia ser um final pacífico para um período violento. Entretanto, determinado em se agarrar ao poder a qualquer custo, o regime está usando a COVID-19 como uma justificativa para adiar as eleições. Alegando que as eleições iriam disseminar o vírus, mesmo com a reabertura do transporte público e parte da economia, eles têm pressionado por seu adiamento. 

A nova data é 18 de outubro. Mas a sociedade civil perdeu a fé de que isso será respeitado. De forma muito organizada, sindicatos, grupos indígenas e associações de bairro nos distritos da classe trabalhadora, anunciaram formalmente mobilizações por período indeterminado para demandar o direito ao voto. 

Em novembro, grupos indígenas filiados ao MAS se mobilizaram, bloqueando vias em áreas rurais e se juntando aos protestos nas cidades. Mas agora o movimento é muito mais amplo. A Federação Nacional dos Sindicatos (COB) está mobilizando todos seus membros associados em nível nacional para um massivo protesto terça-feira, no qual mais ações serão anunciadas. Eles não se mobilizaram em novembro do ano passado durante o golpe. Na cidade indígena de El Alto, vizinha de La Paz, a Federação dos Conselhos de Bairro (FEJUVE) está mobilizando todos os distritos. Em novembro, os líderes da federação foram presos e forçados a se esconder, o que significa que os protestos anti-golpe foram, em grande medida, espontâneos. Agora eles têm uma abordagem sistemática.

O movimento também se fortalece com o fato de que as demandas não são apenas sobre democracia, mas também contra as medidas econômicas neoliberais que afetaram toda a sociedade. Ao anunciar os protestos, o líder da COB, Juan Carlos Huarachi, explicou: “Precisamos de um governo eleito democraticamente para discutir novas políticas, não apenas de questões sociais, mas também de problemas econômicos… em oito meses nós vimos o colapso do país. Infelizmente, essa é a realidade, com receitas do FMI, chantagens contra a população, chantagens contra o legislativo.”

O movimento boliviano de resistência é poderoso, mas não há garantia de vitória. Os dois massacres em novembro são prova de que o governo está preparado para ver sangue nas ruas e o apoio de potências ocidentais tem sido fundamental para escorar um regime que definha com 16% nas pesquisas eleitorais.

A Bolívia mostra como ideólogos do livre mercado ficam mais do que felizes em jogar fora qualquer semblante de regras democráticas, caso se sintam ameaçados. Também expõe a verdadeira face de intervenções em assuntos internacionais por parte de governos como os EUA e Reino Unido para “promover democracia.”

Se o restante de nós quer assegurar que o golpe na Bolívia não resulte no fim da democracia para sempre, àqueles que demandam eleições livres, justas e imediatas, irão precisar de nossa solidariedade. 


Reproduzido do Tribune

Sobre os autores

é colaborador na Rádio Kawsachun, da Bolívia, e jornalista.

Sobre o autor

Oliver Vargas é colaborador na Rádio Kawsachun, da Bolívia, e jornalista.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux