A comunista Rossana Rossanda nos deixou – mas também deixou muitas lições

28/09/2020

Por
David Broder

Tradução
José Carlos Ruy

Rossana Rossanda, que faleceu este mês aos 96 anos, foi uma militante antifascista desde a Segunda Guerra Mundial. Ela fundou o jornal italiano comunista libertário il manifesto, que tinha como missão construir “uma ponte entre as ideias jovens que estavam surgindo e a sabedoria da velha esquerda, que teve suas horas de glória”.

Rossana Rossanda (il Fatto Quoditiano).

O título das memórias de Rossana Rossanda, publicadas em 2005, chamava Garota do século passado. Publicado em inglês com o título de The Comrade from Milan, o livro refletia a rápida queda da esquerda italiana. Não apenas seus dias de glória estavam muito distantes, mas seu caráter “glorioso” foi amplamente posto em dúvida, mesmo por ex-comunistas.

Rossanda, que morreu no domingo (20/09) aos 96 anos, era comunista desde a Segunda Guerra Mundial, quando, aos 19 anos, foi o partisan “Miranda”, em 1943, antes de se filiar ao Partido Comunista Italiano (PCI) em 1946.
Durante o pós-guerra ela assumiu papéis de liderança no trabalho cultural do PCI.

Nas décadas após a dissolução do PCI em 1991, Rossanda e seus companheiros do grupo il manifesto – criadores do jornal dissidente-comunista de mesmo nome, que hoje circula como diário – escreveriam as obras mais interessantes sobre o legado do comunismo do século XX, incluindo suas memórias e O alfaiate de ulm, de seu camarada Lucio Magri.

Rossanda não foi a última partisan ou a última testemunha do PCI em tempo de guerra. Mas sua perda é particularmente triste porque foi uma das últimas figuras do período da Resistência que continuou a intervir na vida pública. Mesmo em seus meses finais, ela serviu como um guia moral e político – refletindo um passado de grande heroísmo e grandes esperanças.

Tornando-se uma comunista

Rossana Rossanda nasceu em uma família de classe média em Pola (hoje Pula, Croácia) em 23 de abril de 1924, durante a consolidação inicial do regime fascista de Benito Mussolini. Em sua infância, ela se mudou várias vezes, primeiro para Veneza e depois para Milão.

Lá, fez a educação primária (terminando um ano antes) e depois estudou com Antonio Banfi, um comunista professor de filosofia. Foi um contato decisivo: se, como ela disse, não havia “comunismo em casa”, por meio de Banfi ela foi levada para a Resistência contra o fascismo; o filho de Banfi, Rodolfo, viria a ser seu primeiro marido.

Rossanda tinha apenas 19 anos em 8 de setembro de 1943, quando a Alemanha nazista invadiu a Itália; ao longo dos próximos vinte meses, ela e seus camaradas se juntaram à luta da Resistência, onde o PCI foi a maior força partidária. Rossanda não participou de combates armados, mas se envolveu como mensageira clandestina e de contrabando.

Como muitos jovens italianos de sua classe, esse trabalho na Resistência trouxe todo um despertar político. Significou não apenas a oportunidade de moldar ativamente o mundo em uma idade muito jovem, mas também um primeiro contato com a Itália operária e uma compreensão de seu poder potencial.

Após o fim da guerra, na primavera de 1945, Rossanda ingressou no Partido Comunista, e rapidamente subiu na hierarquia. Além de trabalhar na editora Hoepli de Milão (e promover laços culturais com a URSS), em 1948 ela foi encarregada de dirigir a “Casa da Cultura” do PCI na cidade.

Esta capital do Norte era, ao lado de Torino, o principal centro da indústria de massa, com “fortalezas vermelhas” como a siderúrgica Falck, Pirelli Tires e a empresa de engenharia Magneti Marelli – cada uma das quais sofreu grandes ataques durante os últimos anos da guerra, e houve o ressurgimento do proletariado de fábrica como força política.

Rossanda ficou impressionada com os batalhões de trabalho, no imediato pós-guerra. Foi também nesse período que a Democracia Cristã consolidou seu domínio político, na primavera de 1947, empurrando os socialistas e comunistas para fora do governo antifascista (no caso do PCI, para nunca retornar).

O PCI foi uma força de massa e enfrentou dura repressão, continuamente forçado a defender sua própria legitimidade e direitos democráticos básicos. Neste contexto de repressão, os esforços de Rossanda serviram ao propósito de construir uma espécie de contra-sociedade comunista – e mais especificamente, apresentar os grandes artistas, escritores e dramaturgos contemporâneos ao público da classe trabalhadora.

Em 1958, ela ingressou no comitê central do PCI e, encarregada da política cultural do partido, escreveu uma série de artigos na “Rinascita”, editada pelo secretário-geral Palmiro Togliatti. Embora em 1957 os líderes do partido resistissem à publicação do “Doutor Jivago” de Boris Pasternak (publicado em Milão pelo então membro do PCI Giangiacomo Feltrinelli, antes de aparecer em qualquer outra idioma), Togliatti geralmente concedia aos intelectuais alguma autonomia.

Isso deixou espaço para a colaboração de Rossanda com luminares como Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir e Louis Aragon, cada um dos quais encontrou no PCI um interlocutor muito mais interessante do que o Partido Comunista Francês (PCF).

A crise de Praga

No entanto, surgiram pontos de fulgor, com a desestalinização contraditória e limitada dos partidos comunistas. Tanto a ascensão de Nikita Khrushchev na URSS, como a morte de Togliatti em 1964 colocaram a questão de até onde esse processo iria – e que tipo de revolução, se houver, o PCI realmente previa.

Em 1962, houve uma conferência no Instituto Gramsci em que Pietro Ingrao, porta-voz da ala esquerda do PCI, desafiou a noção de longa data do partido de que suas tarefas eram uma questão de “modernizar” e “complementar a burguesia – a revolução democrática” em um país com uma classe dominante atrasada e ainda influenciada pelo fascismo. O direitista do partido, Giorgio Amendola, em vez disso, defendeu essas últimas posições, com um impulso implícito em direção a conclusões social-democratas.

Se a dissidência de Ingrao muitas vezes hesitava, Rossanda e militantes com ideias afins como Aldo Natoli, Luciana Castellina, Valentino Parlato, Luigi Pintor e Lucio Magri levaram a lógica de seus argumentos para uma crítica mais ampla da prática do PCI. Nesse sentido, foram estimulados pelos movimentos de chão de fábrica surgidos no início da década de 1960, mas também pela revolta estudantil mundial, que na Itália começou já no final de 1967.

Rossanda esteve em Paris em maio de 68, visitando uma Nanterre ocupada, onde ela se lembra de ter sido “embalada como sardinhas”. Ela via o PCI como uma reação de forma conservadora ao movimento, justamente pelo respeito que tanto almejava:

“Os comunistas eram os cidadãos mais justos de todos, dedicados ao estudo, ao trabalho e à família. Nosso credo era o oposto dos slogans de 1968, que denunciavam a função reguladora da ordem social atual… tudo o que não havíamos previsto, víamos como desordem.”

Na verdade, o PCI não era hostil aos estudantes da mesma maneira que o seu homólogo francês: o líder do partido em 1968 era Luigi Longo, um venerável mas pouco carismático veterano da Guerra Civil Espanhola e da Resistência antifascista, que fez um chamado para “entender” o que os estudantes queriam.

Mas a revolução internacional também afetou fortemente a mudança de percepção de Rossanda sobre o que um Partido Comunista deveria ser. Em 1962, ela fez uma visita para ajudar a resistência espanhola a Franco; em 1967 foi recebido em Cuba por Fidel Castro pessoalmente; e cada vez mais olhava para o Vietnã e a revolução cultural na China como novos faróis de esperança para os comunistas.

Decisiva, no entanto, foi a invasão soviética da Tchecoslováquia em agosto de 1968, que empurrou Rossanda e seus camaradas para uma postura de oposição mais aguda. O PCI não apoiou a ofensiva, como fez na invasão da Hungria em 1956, mas adotou o que Rossanda chamou de “eufemismos que beiravam ao silêncio”. Se Longo se referiu em uma reunião do comitê central ao “erro trágico” de Leonid Brezhnev, Rossana começou sua intervenção no 12º Congresso do PCI, em 1969, com a declaração direta: “Estamos reunidos aqui enquanto o exército de um país que se autodenomina socialista ocupa outro país socialista.”

Sabendo-se incapazes de vencer um Congresso do partido, mas sabendo o quão isolados poderiam se encontrar fora das fileiras do PCI, Rossanda e seus companheiros optaram por um caminho do meio – fundaram um jornal no qual pudessem expressar suas posições. Isso não era sem precedentes, especialmente quando se tratava de publicações mais intelectuais. Quando Rossanda relatou o plano de um jornal de pesquisa e análise, encabeçado por Lucio Magri, ao vice-líder Enrico Berlinguer, este garantiu que isso não significaria sua expulsão. O líder esquerdista Ingrao, contrário a este projeto, duvidou que eles seriam tolerados por muito tempo – e foi imediatamente provado que estava certo.

Em novembro de 1969, o grupo “manifesto” foi “radiato” – não tanto expulso em desgraça, mas “expulso” do PCI. Só em meados da década de 1980 essas feridas seriam curadas. Mas em seus primeiros anos, o “manifesto” foi encorajado por sinais de que não foi apenas empurrado para fora.

A primeira edição, em junho de 1969, superou as expectativas, e o jornal vendeu 80 mil exemplares. As lutas explosivas no chão de fábrica do “outono quente” na Itália foram um bom presságio para o projeto de construção do que Rossanda chamou de “uma ponte entre as ideias jovens que estavam surgindo e a sabedoria da velha esquerda, que teve suas horas de glória”. Em 1971, tornou-se um diário.

il manifesto

Rossanda continuaria, a partir de 1969, a ser uma das grandes figuras históricas associadas com il manifesto, separando-se apenas em 2012. Antes de seu declínio acentuado nos anos 2000, il manifesto foi sem dúvida a publicação mais animada da esquerda europeia, especialmente na década de 1970. Embora sua influência maoísta pudesse ser vista como algo típico entre partes da nova esquerda que buscavam uma alternativa a Moscou, o jornal se destacou pela seriedade de suas reportagens internacionais, como mostrado especialmente por suas entrevistas com figuras de Gabriel García Márquez a Deng Xiaoping. Seu espírito, franco, não sectário, é bem ilustrado por seu artigo sobre a visita ao Chile de Salvador Allende em 1971:

“Falei longamente com Allende durante o café da manhã no palácio presidencial. Fui convidado para lá junto com Paul Sweezy e Michel Gutelman, que as duas universidades de Santiago convidaram para participar de um seminário sobre ‘sociedades em transição’. Nossa presença irritou os comunistas chilenos, que abandonaram o seminário e nos atacaram de maneira extraordinariamente grosseira em seu jornal não oficial… eles nos chamaram de ‘gringos ignorantes’ e renegados ‘pró-Pequim’. Portanto, quando o presidente nos convidou – apesar de seus sólidos vínculos com o Partido Comunista – isso lhes ensinou uma lição e tanto. Ele sabia que nenhum de nós havia minimizado nossas dúvidas ou representado incorretamente nossas posições apenas por causa do convite. Poucos minutos depois de nos sentarmos, ele me perguntou: ‘Há algo neste país que você acha convincente, camarada?”

Além de uma forte defesa das lutas feministas dos anos 1970, il manifesto teve tons libertários, em particular no que se refere aos direitos das presidiárias. Rossanda foi uma crítica vocal da abordagem repressiva do PCI em relação aos grupos clandestinos armados como “Brigate Rosse” (BR). Em 2 de abril de 1978, durante o sequestro do democrata cristão Aldo Moro durante oito semanas, ela escreveu um famoso editorial sobre “o álbum de família da esquerda”, onde afirmava que qualquer pessoa que lesse a linguagem stalinista e jdanovita do BR dificilmente poderia alegar que tudo isso não refletia os “ingredientes” mais antigos da esquerda italiana.

Mas o terreno também estava sendo preparado para relações melhores, à medida que o fracasso do “compromisso histórico” de Berlinguer – uma tentativa de atrair o PCI para uma aliança governamental com os democratas-cristãos – o empurrou para uma posição mais oposicionista. Em meados da década de 1970, o grupo de il manifesto estabeleceu, com outras forças da Nova Esquerda, o Partido da Unidade Proletária pelo Comunismo, elegendo um punhado de parlamentares na eleição de 1976 (incluindo Magri, Castellina e Eliseo Milani, do “manifesto”). Rossanda sempre procurou aliar essas correntes da Nova Esquerda ao PCI e, em 1984, elas se fundiram.

Ironicamente, nos anos finais do PCI, conforme figuras como Achille Occhetto e Giorgio Napolitano o atraíam para a reforma como uma força “socialista europeia”, foram os militantes há muito expulsos do partido que mais fortemente defenderam sua identidade especificamente “comunista”.
Depois de 1991, foram Rossanda e Magri, do “manifesto”, que escreveram as reflexões mais inteligentes sobre o que deveria ser salvo da tradição do Partido, enquanto militantes de longa data que abraçaram a social-democracia ou mesmo o liberalismo abandonaram tudo, exceto as referências mais simbólicas a Gramsci, trocando Togliatti por Tony Blair e Bill Clinton.

Os comentários de Rossanda sobre o registro do PCI foram menos consensuais do que os de Magri – mais críticos do compromisso histórico e identificando sua podridão no início de sua história. Mas, durante as decepções dos anos 1990 e 2000, o lançamento da revista mensal do il manifesto e a doença do próprio parceiro de Rossanda, K. S. Karol – eles permaneceram firmes de amigos e camaradas. Quando Magri viajou para a Suíça em 2011 para tirar a própria vida, Rossanda estaria ao seu lado. Nos seus últimos anos, atingida por um derrame, ainda “viajaria o mundo na cabeça” graças à grande amiga Luciana Castellina.

Até o fim, Rossanda foi uma grande professora da esquerda italiana. Em uma carta de 2017 ao Congresso do pequeno partido de esquerda italiana, ela insistiu na necessidade de redescobrir a dimensão do conflito, não aceitar apenas chavões sobre o desaparecimento da classe trabalhadora – uma “rendição incondicional àqueles que antes eram chamados de ‘inimigo de classe’”. As grandes questões de trabalho, de classe, de subjetividade política levantadas no século XX e a história do PCI permaneceram sem solução – somente confrontando-as seriamente a esquerda poderia novamente se tornar uma força real na sociedade.

Para Rossanda, partisan e comunista até o último dia de seus 96 anos, o passado não devia ser glorificado nem tomado como velho – antes, devia ser compreendido em toda a sua profundidade, tendo em vista a dificuldade de escolhas reais e os motivos dos caminhos não percorridos.

Com a perda desta grande figura do comunismo italiano, aqueles dias de esperança e de grandes lutas parecem um pouco mais distantes, um pouco menos parte do nosso próprio presente. Mas com seu espírito crítico, sua vasta cultura e seu compromisso com os explorados e oprimidos, Rossana Rossanda não foi apenas uma “garota do século passado”.


Rossana Rossanda, comunista e cofundadora do il manifesto, morreu em Roma em 20 de setembro de 2020, aos 96 anos.

Sobre os autores

é historiador do comunismo francês e italiano. Ele está atualmente escrevendo um livro sobre a crise da democracia italiana no período pós-Guerra Fria.

Sobre o autor

David é historiador do comunismo francês e italiano. Ele está atualmente escrevendo um livro sobre a crise da democracia italiana no período pós-Guerra Fria.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux