A luta para abolir o Colégio Eleitoral nos EUA e tornar a eleição mais popular

06/11/2020

Uma entrevista com
Alexander Keyssar

Tradução
Deborah Almeida e David Guapindaia

Desde a sua criação, o Colégio Eleitoral tem se destacado como uma das instituições políticas mais impopulares. A longa história de tentativas de reforma fracassadas não tornou esta instituição antiquada menos antidemocrática – é hora de finalmente abolirmos esse poder oligárquico que vem beneficiando o Partido Republicano há décadas.

"Washington como estadista na Convenção Constitucional", 1856, por Junius Brutus Steams. Virginia Museum of Fine Arts.

Em 2012, Donald Trump tweetou “O Colégio Eleitoral é um desastre para a democracia”. Depois de ganhar a maioria do Colégio Eleitoral em 2016, ele cantou uma nova melodia: “O Colégio Eleitoral é realmente genial porque traz todos os Estados, incluindo os menores, para o jogo. Fazer campanha é muito diferente!”

O Colégio Eleitoral não é realmente genial, e absolutamente não traz todos os Estados pro jogo nas eleições presidenciais. Incentiva os candidatos a concentrarem seu tempo, energia e recursos no punhado de Estados cujos votos eleitorais decidem o resultado – o que é ótimo para eleitores em Estados indecisos e oscilantes como Flórida ou Ohio, mas terrível para eleitores em Estados onde o resultado já é sabido.

Desde o seu início, o Colégio Eleitoral tem sido a instituição política menos popular nos EUA. Seus críticos há muito o condenam como antidemocrático, complicado e potencialmente perigoso – um vestígio arcaico do século XVIII que pertence ao lixo da história. No entanto, o Colégio Eleitoral tem se mostrado notavelmente resistente há 200 anos de campanhas para alterá-lo ou aboli-lo.

Por que uma instituição tão impopular e antiquada persistiu por tanto tempo? Essa é a pergunta que o historiador da Universidade de Harvard, Alexander Keyssar, busca responder em seu livro, Por que ainda temos o Colégio Eleitoral? (Why Do We Still Have the Electoral College?). Chris Maisano, da Jacobin, falou recentemente com Keyssar sobre a história da instituição, as tentativas fracassadas de mudá-la (muitas vezes devido à influência dos reacionários do sul) e as possibilidades de substituí-la por um voto popular nacional. A conversa deles foi resumida e ligeiramente editada para maior clareza.

Como o Colégio Eleitoral surgiu

CM

O termo “Colégio Eleitoral” tornou-se uma abreviatura para descrever todo o sistema que usamos para eleger o presidente. Mas esse sistema, na verdade, tem várias partes além do próprio Colégio Eleitoral. Você pode desempacotar este termo, da forma como o entendemos, e descrever os vários aspectos desse sistema de eleição presidencial?

AK

O termo “Colégio Eleitoral” não era usado na Constituição e raramente era usado como um termo sistêmico no século XIX. No século XIX, o que você vê são referências aos “colégios eleitorais”, ou seja, as reuniões dos eleitores de cada Estado após a eleição. O termo referente a todo o sistema tornou-se lugar-comum apenas no século XX.

O sistema que agora é conhecido como Colégio Eleitoral tem várias partes essenciais. As primeiras noções são que cada Estado é concedido um certo número de votos eleitorais que é igual ao número de deputados que o Estado possui na Câmara dos Representantes dos EUA, mais dois votos representando cada um de seus dois senadores.

Cada legislatura estadual tem autoridade para decidir como os eleitores que se reunirão após a eleição serão escolhidos. Não há garantia embutida de voto popular para os eleitores, e muitos Estados nas primeiras décadas do país não usaram eleições populares. Só a legislatura estadual escolheu os eleitores. Isso evoluiu no sentido de ter votos populares em cada Estado. Também evoluiu no sentido de que o Estado alocasse os eleitores na base do “o vencedor leva tudo”, o que também não está na Constituição. Os Estados podem decidir distribuir os eleitores por distrito, como fazem agora Nebraska e Maine, ou proporcionalmente de alguma forma.

Então, o primeiro passo é o número de votos eleitorais que cada Estado obtém. A segunda etapa é como cada Estado os aloca. O terceiro passo na maioria dos Estados é que haja uma eleição popular, o que neste ano ocorreu no dia 3 de novembro. Após essa eleição popular, os eleitores de cada Estado se reunirão na capital do Estado, supondo que não haja disputas sobre quem os eleitores são. Mas eles são os eleitores que estão comprometidos com um determinado partido e candidato.

Esses eleitores depositam seus votos eleitorais nas capitais dos Estados. Esses votos são enviados ao Congresso, onde são contados em janeiro, e o Congresso decide oficialmente quem é o vencedor da eleição. Mas há uma ressalva aqui: não está claro quem decide no Congresso. Os votos são contados em sessão conjunta do Congresso, e há espaço para divergências sobre quem no Congresso pode decidir se há disputas sobre a legitimidade das chapas de eleitores.

A última desvantagem é que se nenhum candidato obtiver a maioria dos votos eleitorais – e tem que ser a maioria; um vencedor plural não é permitido – então a eleição é direcionada imediatamente para a Câmara. E na Câmara, cada delegação estadual como um todo – não cada representante individual – tem um voto. Nesse caso, os Estados menores teriam o mesmo poder que os Estados maiores. Esse é, em resumo, o sistema.

CM

Isso tudo é muito particular, não? Não consigo pensar em outro país do mundo que tenha um sistema semelhante de eleição de seu presidente executivo.

AK

É único e nunca foi replicado. O sistema como um todo tem sido uma exceção em termos de escolha de executivos-chefes por um século ou um século e meio, até mesmo dois séculos.

CM

Como conseguimos ficar com um sistema tão estranho e incomum?

AK

Vou dar um passo de cada vez. A primeira é como conseguimos essa instituição em primeiro lugar. Ela emergiu de uma convenção constitucional em 1787 que estava em um impasse e na qual os autores da lei realmente lutaram para escolher um chefe do Executivo em uma república. Eles não tinham modelos, eles discordavam uns dos outros e tiveram muitos problemas para resolver isso. A opinião dominante quando a convenção se reuniu era que o Congresso deveria escolher o presidente. Em vários momentos ao longo do verão, eles fizeram votações, e essa opção continuou recebendo mais apoio. Mas cada vez que isso acontecia, os delegados coçavam a cabeça depois e concluíam que não era uma boa ideia se o Congresso escolhesse o presidente. Isso minaria a verdadeira separação de poderes, que era parte do tipo de governo que estabeleceram em primeiro lugar e aumentaria a possibilidade de corrupção e intriga.

Então, eles discutiram outras idéias, incluindo um voto popular nacional. Houve algum apoio para isso, inclusive por James Madison, que foi bastante notável. Mas outros não tinham interesse em um voto popular nacional. O Sul tendia a se opor a um voto popular nacional e outros delegados achavam que o país era muito grande e as redes de comunicação eram muito lentas e incertas para que esse método funcionasse bem. Claro, era um dado adquirido na época que um voto popular nacional seria dado basicamente por homens brancos adultos que possuíam propriedades. Não era todo o povo em qualquer instância.

Outras ideias também surgiram, incluindo sistemas com eleitores de diferentes tipos ou fazendo com que os governadores escolhessem o presidente, mas por meses eles não chegaram a um acordo. No final do verão, eles haviam concluído a maior parte da Constituição. George Washington queria ir pescar e a maioria dos delegados saiu de férias por uma semana. Assim, eles delegaram o restante do trabalho à Comissão de Peças Adiadas, foi lá que surgiu a ideia do que hoje chamamos de Colégio Eleitoral.

Como e por que eles vieram com isso? Três coisas são dignas de nota. A primeira é que o Colégio Eleitoral era uma réplica do Congresso. O total de votos eleitorais de cada Estado é baseado em sua representação no Congresso, mas evita a separação de poderes e questões de corrupção pelo fato de que os colégios eleitorais se reúnem uma vez a cada quatro anos por uma manhã e se dissolvem, então eles nunca legislam.

A segunda coisa é que, ao criar esse modelo, eles importaram para o processo presidencial os difíceis compromissos que já haviam alcançado com relação à representação no Congresso. Houve um compromisso entre os grandes e os pequenos Estados, por isso temos uma legislatura bicameral. O Senado dá uma representação igual a todos os Estados, enquanto a Câmara é distribuída com base na população. E, é claro, havia um compromisso entre os Estados escravistas e os Estados livres, que assumiu a forma da bem notória “cláusula dos três quintos”, por meio da qual os Estados do sul obtiveram uma representação desproporcional no Congresso. Esses eram compromissos difíceis, mas haviam sido acertados, então era mais fácil importá-los para a estrutura de seleção presidencial em vez de reabrir essas questões novamente.

A terceira coisa é que os autores realmente não sabiam como isso iria funcionar. Eles não esperavam que partidos políticos existissem neste momento, razão pela qual o sistema teve que ser modificado pela Décima Segunda Emenda em 1804. Antes disso, cada eleitor votava duas vezes, e o candidato que recebia mais votos se tornava presidente, e o candidato que recebeu o segundo maior número de votos se tornava vice-presidente. Essa não é uma concepção de política partidária; isso é mais como uma eleição do conselho estudantil.

Muitos dos autores pensaram que as eleições presidenciais freqüentemente iriam para a Câmara. Outros esperavam que os colégios eleitorais resolvessem as eleições com mais frequência, mas eles realmente não sabiam como isso funcionaria ou como os candidatos fariam campanha para o cargo. O que eles sabiam era que George Washington seria o primeiro presidente, então não se preocuparam muito com isso e pensaram que isso iria evoluir com o tempo.

A história das tentativas de reforma

CM

O Colégio Eleitoral nunca foi muito popular, certo?

AK

Certo. Entre 1800 e hoje, o número de emendas constitucionais introduzidas no Congresso para alterar ou abolir significativamente o Colégio Eleitoral totaliza algo próximo a mil. Mais emendas foram propostas sobre este assunto do que sobre qualquer outro na história dos EUA.

As resoluções de emenda tendem a vir em ciclos. Não é apenas no período moderno que a insatisfação com o Colégio Eleitoral aumentou. Entre 1815 e 1825, o Senado aprovou quatro emendas constitucionais por uma maioria de dois terços para impedir os Estados de usar o princípio do “vencedor leva tudo” e exigir que eles usem as eleições distritais para os eleitores.

Algumas dessas emendas também visavam mudar o sistema de eleições contingentes, de modo que, se nenhum candidato obtivesse a maioria do Colégio Eleitoral, cada membro da Câmara receberia um voto para determinar o vencedor.

As insatisfações são antigas e mudaram um pouco de ênfase com o tempo. Por exemplo, há relativamente pouca discussão na era moderna sobre o mau funcionamento do sistema eleitoral contingente, porque uma eleição não foi lançada para a Câmara desde 1824. Mas a instituição foi criticada e ridicularizada desde o início. As duas palavras usadas com mais frequência para descrever o Colégio Eleitoral nos séculos XIX e XX foram “arcaico” e “moroso”.

CM

Lembro-me de ter lido em seu livro que alguns críticos o compararam ao apêndice humano.

AK

Sim, exatamente. Na opinião deles, era na melhor das hipóteses inútil, mas também poderia ser uma fonte de inflamação.

CM

Se o Colégio Eleitoral foi impopular desde a sua criação, por que as tentativas de alterá-lo ou aboli-lo fracassaram? A última grande mudança nesse sistema foi a adoção generalizada do princípio do “vencedor leva tudo” no início do século XIX. Houve muito barulho e fúria, mas o Colégio Eleitoral ainda está de pé. Por que isso?

AK

Uma nota sobre o “vencedor leva tudo”. Foi amplamente adotado porque era do interesse das partes dominantes em cada Estado. E uma vez que um Estado seguiu por esse caminho, todos os outros tiveram um incentivo para fazê-lo também.

Eu apontaria alguns fatores que desempenham papéis importantes na prevenção ou bloqueio de mudanças. Uma é que a Constituição é difícil de alterar. É necessária uma votação de dois terços em cada câmara do Congresso, mais a ratificação de três quartos dos estados.

CM

Essa também é uma característica extremamente exclusiva da Constituição dos EUA. Esta deve ser a constituição mais difícil de alterar do mundo.

AK

Sim, é muito difícil alterar. Desde que a Declaração de Direitos foi aprovada mais ou menos simultaneamente com a Constituição, houve dezessete emendas em 230 anos. Essa não é uma alta taxa de alteração. Criamos uma Constituição que evoluiu graças principalmente aos tribunais, que lhes conferiram um enorme poder. Mas essa é outra história.

A segunda razão pela qual o Colégio Eleitoral ainda está de pé é que o sistema de eleição presidencial que descrevi antes é complexo e tem diferentes partes. É difícil reformar algumas das partes sem reformar outras. Por exemplo, você realmente não poderia se livrar do sistema contingente, que beneficia os pequenos Estados, a menos que você também implementasse uma exigência distrital para que os grandes Estados não pudessem depositar grandes blocos de votos eleitorais.

O terceiro fator, mais prevalente em alguns períodos do que em outros, é a proeminência do interesse partidário próprio. Surpresa: os partidos políticos tendem a julgar as reformas eleitorais não pelo que é melhor para o país ou pelo sistema mais democrático, mas pelo que lhes dará as melhores chances de ganhar a presidência.

Nem sempre foi fácil avaliar os benefícios de ficar com o Colégio Eleitoral, e os partidos às vezes calcularam mal. Além disso, houve muitos líderes políticos que votaram por princípio, de uma forma ou de outra. Mas o interesse partidário próprio, em diferentes períodos, desempenhou um papel fundamental no bloqueio das reformas. Um dos mais longos desses períodos foi nos últimos 40 anos. Desde 1980, o Partido Republicano está convencido de que o Colégio Eleitoral trabalha para eles e, portanto, se opõe a todos os esforços de reforma.

CM

Esse é um desenvolvimento relativamente novo, não é? A maioria dos republicanos apoiou historicamente a abolição do Colégio Eleitoral.

AK

Absolutamente. Um fato notável aqui é que a maior mudança na opinião pública sobre o Colégio Eleitoral ocorreu logo após as eleições de 2016. Antes da eleição de 2016, havia um apoio majoritário entre os republicanos para o voto popular nacional e, entre os democratas, havia uma grande maioria. Os democratas são favoráveis a um voto popular nacional desde o início das pesquisas sobre o tema, desde os anos 1940. Mas a maioria dos republicanos também eram favoráveis ao voto popular nacional durante quase todo esse período. Nas semanas após a eleição de 2016, o apoio republicano ao voto popular nacional caiu de mais de 50% para 19%.

Uma quarta razão pela qual tem sido difícil mudar é que o Colégio Eleitoral se torna um problema apenas a cada quatro anos, e nem mesmo se apresenta como um grande problema em todas as eleições. Portanto, há um senso agudo do problema focado em crises. Mas se uma grande crise não acontecer, o interesse se dissipará e as pessoas perderão o foco.

O último fator é que a alternativa de ter um voto popular nacional foi bloqueada durante a maior parte de nossa história por políticos do Sul com o interesse de manter a supremacia branca. Isso era claramente verdade enquanto havia escravidão. Quando a ideia de um voto popular nacional foi proposta pela primeira vez em 1816 no Congresso, os senadores do sul acabaram com a ideia. Eles argumentaram que, se mudássemos para o voto popular nacional, o Sul perderia toda a influência que exercia.

Também é importante notar que o voto popular nacional nem sempre foi a ideia de reforma mais evidente ou proeminente. Alocar eleitores por distrito ou por voto proporcional dentro dos Estados foi a ideia dominante de 1800 até o início dos anos 1960.

CM

Os sulistas também temiam que esse fosse o primeiro passo em direção ao controle federal da cidadania, elegibilidade do eleitor e assim por diante.

AK

Exatamente. Se houver voto popular nacional, quem será o responsável por essas eleições? Se não for mais em uma base Estado por Estado, o que vem a seguir? O que mais o governo federal pode mudar? Escravidão? Portanto, o Sul deixou claro que isso não estaria em discussão antes da Guerra Civil. Depois da Guerra Civil, houve uma explosão de interesse pela reforma, em grande parte, mas não inteiramente, pelos mesmos republicanos radicais que pressionaram pela guerra e apoiaram firmemente a Reconstrução.

Mas o que aconteceu no Sul após a derrota da Reconstrução é profundamente perturbador e uma parte menos conhecida da história. A décima quinta emenda disse que nenhum Estado pode negar ou restringir o direito de voto com base na raça, cor ou condição anterior de servidão. Assim, os negros do Sul tornaram-se cidadãos plenos e, portanto, contavam 100% para a representação. A representação do Sul no Congresso e nos votos eleitorais aumentou após a Guerra Civil, mas no final do século XIX os negros foram novamente privados de direitos, embora fossem totalmente contados para fins de representação. Os sulistas brancos, portanto, se beneficiaram do que equivalia a uma cláusula de “cinco quintos”.

Portanto, o Sul não quis participar de um voto popular nacional entre 1890 e 1970. O mais perto que chegamos de abolir o Colégio Eleitoral foi em 1969-1970, quando a Câmara aprovou uma emenda constitucional por 82% dos votos. Teve o apoio da maioria no Senado, mas foi derrotado por um obstrucionista sulista.

CM

Aquele esforço de 1969-1970 liderado pelo senador Birch Bayh falhou, mas houve outra tentativa de adotar um voto popular nacional sob Jimmy Carter. Ele falhou novamente com praticamente o mesmo tipo de formação de alguns anos antes, mas com algumas diferenças interessantes também. O que foi diferente entre as falhas de 1969-1970 e 1979?

AK

Sim, os argumentos a favor e contra o Colégio Eleitoral deram algumas voltas incomuns nos anos 70. O apoio à reforma do Colégio Eleitoral não desapareceu apenas após a derrota em 1970. Muitas pessoas no Congresso ainda queriam que isso acontecesse, e o interesse aumentou novamente após a eleição de 1976 entre Jimmy Carter e Gerald Ford.

Foi uma eleição muito acirrada. Se alguns Estados adotassem um caminho diferente, Ford teria sido eleito presidente, embora Carter tivesse ganhado o voto popular. Isso realmente perturbou muitas pessoas, incluindo, devo observar, o próprio Ford e seu companheiro de chapa, Robert Dole, republicano do Kansas. Ambos estavam assustados com o que poderia acontecer ao país no caso de uma eleição de “vencedor errado” e ambos apoiavam o voto popular nacional.

Após a eleição de 1976, os reformadores liderados por Birch Bayh novamente fizeram campanha pelo voto popular nacional. Os tradicionais oponentes da mudança, senadores do sul e alguns conservadores do meio-oeste, engajaram-se nas táticas de adiamento usuais, e levou três anos para que a emenda fosse submetida a votação. Perdeu impulso durante esse período. Enquanto isso, os republicanos eleitos para o Senado nessa época estavam se tornando mais conservadores. Agora havia uma divisão no Partido Republicano entre suas alas conservadoras e mais liberais, com os conservadores em ascensão. O que se tornou a ala Reagan do partido se opôs firmemente às reformas.

Houve também uma divisão pública entre os líderes negros sobre esta questão. Havia vários negros eleitos que eram reformadores dedicados que queriam se livrar do Colégio Eleitoral. John Conyers, que foi um dos fundadores do Congressional Black Caucus, foi um deles. John Lewis, que ainda não era um funcionário público, mas já era uma lenda, era outro. Muitos funcionários públicos negros queriam abolir o Colégio Eleitoral.

Mas havia outras figuras negras, principalmente Vernon Jordan, que argumentou que os eleitores negros seriam desempoderados por um voto popular nacional. Ele argumentou que os negros podiam exercer o poder nas eleições presidenciais precisamente por causa do Colégio Eleitoral, porque muitos negros naquela época eram eleitores indecisos nos principais Estados do Norte, com muitos votos eleitorais; seu status como eleitores indecisos deu-lhes influência. As divergências entre as figuras políticas negras eram agudas, e isso teve um impacto na votação no Senado, porque os oponentes negros do voto popular nacional convenceram alguns liberais a votarem contra.

A derrota do voto popular nacional em 1979 foi politicamente mais decisiva do que a de seu antecessor em 1970. Depois dessa derrota, houve poucos pedidos de retomada. Uma nota de rodapé valiosa para esta história é que, nos anos subsequentes, a divisão entre os líderes políticos e jornalistas negros sobre o voto popular nacional praticamente desapareceu. No início dos anos 2000, os negros politicamente ativos eram mais ou menos uniformemente a favor da abolição do Colégio Eleitoral

CM

Este parece ser um daqueles casos em que os cálculos eleitorais imediatos deram errado. Este foi precisamente o momento em que Estados como Nova York, Califórnia e Illinois, com as maiores cidades e grandes populações afro-americanas, começaram a entrar firmemente na coluna democrata. Qualquer influência desproporcional que os residentes das grandes cidades pudessem ter sobre os resultados das eleições desapareceu.

AK

Está certo. Jordan e outros estavam projetando que os Estados indecisos na década de 1970, e particularmente em 1976, continuariam sendo Estados indecisos. Eles também presumiram que um número substancial de negros seriam eleitores indecisos, abertos à votação para o Partido Republicano, mas nas últimas décadas do século XX isso havia deixado de ser verdade, e os negros estavam confiantes na coluna democrata.

Perspectivas de reforma

CM

Existem perspectivas realistas de reforma no ambiente turbulento de hoje? Certamente existem algumas propostas por aí, como o Pacto Interestadual do Voto Popular Nacional (NPVIC), que ganhou força. Mas isso também está fadado ao fracasso, junto com todas as outras tentativas?

AK

Eu gostaria de pensar que há possibilidades de mudar isso. Seria estranho para mim escrever um livro sobre duzentos anos de tentativas fracassadas e depois me virar e dizer: “Ok, podemos fazer isso, deixe-me apenas girar este pequeno botão e isso vai acontecer.” Mas acho que há alguns sinais de esperança.

O NPVIC ganhou muita força. Agora tem o apoio de Estados ou jurisdições com 196 votos eleitorais. Precisa chegar a 270 votos eleitorais e pode fazer mais progressos. Na verdade, trata-se de uma tentativa de mudar o sistema eleitoral sem emendar a Constituição, porque isso é muito difícil. Na minha opinião, tem sido uma organização muito impressionante e fez um excelente trabalho ao mobilizar apoio para a ideia de mudança.

Mas há outros obstáculos que os apoiadores do NPVIC precisariam superar para implementar o compacto. As brigas legais que estourarão se o pacto chegar a 270 votos eleitorais serão enormes. Haverá trabalho para advogados por muitos meses, senão anos, tentando lidar com isso. Alguns críticos também apontaram que o projeto permite a eleição de um vencedor plural, mas não necessariamente um vencedor da maioria – o que é um problema.

Eu mesmo critiquei o projeto, porque acho que é inerentemente instável. Suponha que você obtenha 270 votos eleitorais e elimine todos os obstáculos legais. Agora você concorreria à próxima eleição de acordo com o pacto. Mas então suponha que um ano após a eleição ou seis meses após a eleição, algumas legislaturas estaduais decidam que não gostaram do que aconteceu, então se retiraram do pacto. De acordo com os termos do pacto, os Estados não podem se retirar nos seis meses anteriores à eleição presidencial, mas podem se retirar a qualquer momento. Então você estaria em uma situação em que as regras estão mudando de uma eleição para a outra, e isso simplesmente não parece ser uma boa maneira de administrar uma ferrovia.

Não acho provável que ganhemos a reforma, mas há grandes possibilidades. Certamente há interesse no Congresso. Dentro do Partido Democrata, foi liderado por Elizabeth Warren durante a campanha das primárias. E acho que muito também vai depender do resultado das próximas eleições, tanto em geral quanto em Estados específicos como Texas ou Geórgia. Se eles ficarem azuis ou mesmo significativamente roxos, acho que alguns republicanos podem começar a repensar as virtudes do vencedor leva tudo e começar a pensar em outros sistemas. Essas coisas podem mudar rapidamente no Congresso. Um fato que gosto de ressaltar é que uma emenda constitucional para o voto popular nacional foi apresentada no Senado em 1956 e obteve dezessete votos “sim”. Quatorze anos depois, chegou a cinquenta e quatro. Essa é uma grande mudança.

Também animo, talvez perversamente, o fato de que a oposição à reforma já começou a aumentar. A conservadora Heritage Foundation acaba de fazer e lançar um filme de propaganda em defesa do Colégio Eleitoral. Em um recente debate no Senado na Carolina do Sul, Lindsey Graham fez a afirmação de que os democratas acabariam com o Colégio Eleitoral se ganhassem o controle do Senado e da presidência. Eu não sei a quem ele pensou que isso atrairia. Percebo uma preocupação entre os defensores do Colégio Eleitoral de que as possibilidades de reforma estejam se abrindo.

CM

Particularmente porque parece haver uma possibilidade de que no próximo mês possamos ter a terceira eleição de “vencedor errado” nos últimos vinte anos, com um republicano vencendo sem uma maioria de votos populares novamente. Concordo que os republicanos, em particular, sentem a necessidade de defender o Colégio Eleitoral, porque não querem que ele seja deslegitimado porque tende a beneficiar os candidatos republicanos.

AK

Exatamente. Então fique ligado.

CM

Como a política norte- americana seria diferente se tivéssemos um voto popular nacional para presidente?

AK

Preciso começar minha resposta dizendo que seria diferente de maneiras que ninguém pode imaginar, porque as reformas sempre têm consequências imprevistas.

Posso estar muito influenciado pela atual campanha presidencial, mas suspeito que diminuiria as brigas partidárias. Isso é contrário à imagem que muitos defensores do Colégio Eleitoral apresentaram, de que um voto popular nacional seria uma grande bagunça com os candidatos fazendo todo o possível para aumentar seus totais. E talvez isso acontecesse. Mas eu acho que “o vencedor leva tudo” aguça as tensões partidárias porque, como disseram os reformadores do início do século XIX, não há um lugar de descanso intermediário. Você consegue tudo ou não ganha nada, então você luta ferozmente por qualquer Estado que possa vencer.

As campanhas certamente se tornariam mais nacionais. Não concordo com a noção de que as campanhas ocorreriam apenas nos principais regiões da mídia. Eu não acho que isso seja verdade. Os candidatos buscariam votos onde quer que os conseguissem. As campanhas abordariam questões de maior destaque nacional e acho que, de certa forma, a cultura política seria mais nacionalizada. Os partidos e candidatos teriam que tomar decisões sobre a alocação de recursos diferentes daquelas que estão tomando agora.

Pode haver coisas sobre o voto popular nacional que não gostaríamos, mas, no geral, acho que seria uma grande melhoria.

Sobre os autores

Alexander Keyssar é professor de história e política social de Matthew W. Stirling Jr na Universidade de Harvard. Seu livro mais recente é "Why Do We Still Have the Electoral College?"

Chris Maisano é um editor contribuinte da Jacobin e membro do Democratic Socialists of America (DSA).

Sobre os autores

Alexander Keyssar Alexander Keyssar é professor de história e política social de Matthew W. Stirling Jr na Universidade de Harvard. Seu livro mais recente é "Why Do We Still Have the Electoral College?"

Chris Maisano Chris Maisano é um editor contribuinte da Jacobin e membro do Democratic Socialists of America (DSA).

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux