A resistência boliviana mostra o caminho para a esquerda em 2021

03/01/2021

Por
Olivia Arigho-Stiles

Tradução
Caue Seignemartin Ameni

Em 2020, os movimentos sociais da Bolívia confrontaram um brutal regime golpista de direita. Em vez de recuar, eles reconstruíram suas alianças e reorganizar suas bases – e venceram a luta pela democracia contra todas as probabilidades.

Apoiadores do ex-presidente boliviano Evo Morales participam de uma passeata em frente ao Congresso em La Paz. Aizar Raldes / Getty Images

A pandemia garantiu que 2020 fosse uma espécie de annus horribilis para o mundo todo. No entanto, embora este ano também tenha trazido enormes pressões para a Bolívia, por ser o país mais pobre da América Latina, também foi o prenúncio da heróica reconquista do poder por movimentos populares após uma ditadura de curta duração. No momento em que 2021 acena no horizonte, os movimentos sociais da Bolívia se destacam mais uma vez como uma inspiração para a esquerda internacional.

A crise política começou em novembro de 2019, quando o ex-presidente Evo Morales foi deposto em um golpe de Estado promovido por manifestantes urbanos de direita auxiliados pela polícia e militares. Um governo “transitório” foi instalado e chefiado pela evangélica direitista Jeanine Áñez. Imediatamente infligiu dois massacres de 21 manifestantes anti-golpe em Senkata e Sacaba e foi envolvida em escândalos de corrupção, incluindo a alegada compra fraudulenta de milhões de dólares de ventiladores inadequados no auge da pandemia da Covid-19. Naquela época, a Bolívia tinha um dos maiores índices de mortalidade por coronavírus do mundo.

No novo cenário fascista, mandados de prisão foram emitidos contra jornalistas críticos e membros do Movimento ao Socialismo (MAS) que apoiavam sindicalistas e políticos. Os adeptos do MAS foram tachados de “selvagens”, invocando na mídia velhos medos racializados de turbas indígenas insurrecionais. O escrutínio da imprensa desapareceu quando jornalistas anti-golpe se viram perseguidos impiedosamente. Notavelmente, o famoso cartunista do jornal La Razon, Alejandro Salazar, mais conhecido como Al-Azar, foi forçado a renunciar em dezembro de 2019 após uma enxurrada de ameaças de milicianos pró-golpe.

Derrubando o golpe

Como as eleições foram repetidamente adiadas de forma ostensiva devido à pandemia, os movimentos sociais bolivianos se reagruparam em condições altamente desafiadoras para desafiar o regime. Em agosto de 2020, a principal federação sindical, o Centro dos Trabalhadores Bolivianos (COB) e sindicatos filiados convocaram uma greve geral, com protestos, marchas e bloqueios de estradas que paralisaram o país para exigir novas eleições e a renúncia de Áñez.

À COB juntou-se ao proeminente sindicato dos trabalhadores rurais, a Confederação Sindical Unificada dos Trabalhadores Camponeses da Bolívia (CSUTCB) e a sua ala feminista, a Bartolina Sisas, que iniciou uma “mobilização permanente” em protesto contra o repetido adiamento das eleições e contra um governo que continuou a infligir o caos econômico e a repressão política impunimente.

Em outubro de 2020, as eleições presidenciais finalmente ocorreram, um ano após as disputadas eleições do ano anterior. Eles viram uma vitória inesperada do candidato do MAS, Luis Arce, sobre o direitista Carlos Mesa, e uma participação eleitoral recorde de 88,4% da população. As eleições representaram uma retumbante reivindicação do projeto político progressista do MAS (o “processo de cambio”) e encerraram um ano de governo oligarca marcado por uma ganância voraz na economia e uma gestão pública caótica.

De volta às bases

O teórico gramsciano boliviano René Zavaleta Mercado descreveu, em 1977, as elites da Bolívia como “rançosas”, existindo em um mundo social distante das massas indígenas e populares. Eles não podiam se identificar com um projeto político nacional porque estavam inseridos em redes privadas de enriquecimento. As palavras de Zavaleta continuam pungentes e reais ainda hoje.

Acusações anteriores de corrupção de masistas empalideceram rapidamente em comparação com a pilhagem de recursos estatais iniciada pelo regime em 2020. De acordo com a ONG Fundación Tierra, mais de 2.000 títulos de terra foram misteriosamente entregues pela Anez a particulares não identificados. O simpatizante fascista Branko Marinkovic serviu como ministro de Anez e recebeu 33.000 hectares de terras destinadas à reforma agrária para si mesmo e membros de sua família.

Em dezembro, a Fundación Tierra apresentou uma petição ao Senado e aos tribunais bolivianos para contestar a venda ilegal. Marinkovic, o filho milionário de migrantes croatas, esteve envolvido em uma tentativa de assassinar Morales em 2009, mas foi para o exílio nos Estados Unidos antes de enfrentar as acusações.

No entanto, o ressurgimento dos movimentos sociais neste ano revela muito sobre o que deu errado para o MAS em 2019, quando os protestos reacionários nos centros urbanos encontraram insuficiente resistência das bases do partido. Nos anos anteriores ao golpe, muito poucos rostos novos foram capazes de subir na hierarquia do MAS. À medida que o partido se desligou de sua base, suas relações com grupos sociais aliados derivaram para o clientelismo e a burocratização sufocante.

Em contraste, 2020 trouxe novos números à tona; o carismático cocaleiro dirigente sindical Andrónico Rodríguez, agora chefe do Senado; Eva Copa, que assumiu a liderança do Senado durante a ditadura pós-golpe (embora atualmente esteja envolvida em um conflito com o partido por causa das eleições locais); e o novo vice-ministro do Esporte, com 19 anos, Cielo Veizaga Arteaga. Assim, a crise política abriu espaço onde as forças populares indígenas de esquerda foram capazes de recriar alianças para desafiar um novo conjunto de autoridades, incluindo dentro do MAS como seu instrumento político.

História radical

Há uma longa história de resistência às políticas neoliberais por parte de camponeses, mineiros e trabalhadores na Bolívia, mas nem todos bem-sucedidos. Em 1974, exacerbando as adversidades causadas pela desvalorização da moeda boliviana em 1972 e o congelamento de seus salários, o ditador de direita Hugo Banzer Suárez introduziu um decreto que levou a uma alta paralisante nos preços dos alimentos. Milhares de camponeses indígenas de língua aimará e quíchua surgiram nos vales e nas montanhas e bloquearam estradas em protesto. Seus esforços para derrubar o regime foram brutalmente esmagados quando as forças policiais do Estado massacraram pelo menos 100 camponeses de língua quíchua em Cochabamba, no que ficou conhecido como o Massacre do Vale.

Mais recentemente, um ciclo de mobilizações que começou com a “Guerra da Água” em Cochabamba em 2000 e culminou na “Guerra do Gás” de 2003 levou à queda do neoliberal Gonzalo “Goni” Sánchez de Lozada. Sánchez de Lozada está atualmente envolvido em um processo movido por advogados de direitos humanos por seu papel na morte de pelo menos 50 indígenas desarmados em um massacre conhecido como “Outubro Negro” em 2003. Esta série de conflitos foi ferozmente contestada por movimentos sociais que lutam contra políticas de privatização neoliberais e exigem maior controle público sobre os recursos naturais do país.

Por trás dessa agitação social, EvoMorales foi eleito em 2005 como o primeiro presidente indígena da Bolívia, um país historicamente estruturado e organizado em torno da raça. Seu governo socialista foi elogiado internacionalmente por implementar programas de bem-estar social, redistribuição de riqueza e nacionalização parcial do lucrativo setor de gás, uma justificativa dos anos mais intensos de protesto.


Depois da vitória de outubro, o MAS e sua base de apoio agora miram para as eleições locais e regionais que se aproximam em março de 2021. Elas podem apresentar um quadro diferente do nacional, é claro, já que historicamente o eleitorado tende a votar em candidatos individualmente ao invés de seguirem linhas partidárias. Em 2015, o MAS saiu vitorioso, mas sofreu um revés em relação aos anos anteriores, pois os partidos de oposição garantiram vários cargos importantes de prefeito e governador.

O coronavírus continua a ceifar vidas, embora os números sejam muito menores do que durante o pico de julho. Em dezembro, Arce anunciou que o governo irá adquirir 5,2 milhões de doses da vacina russa. Arce, cuja reputação de tecnocrata prudente foi importante para torná-lo querido entre os eleitores, também anunciou um novo imposto sobre os super-ricos.

Mas, embora o futuro seja incerto, está claro que a Bolívia em 2020 forneceu um horizonte para inspirar a esquerda internacional. Para o povo da Bolívia, a memória da luta passada, sem dúvida, serve como uma poderosa força mobilizadora no presente. A reeleição do MAS destaca como a resistência efetiva em uma crise vem através da organização permanente dos setores sociais progressistas e um compromisso com a democracia interna dentro das estruturas partidárias. Acima de tudo, a Bolívia mostra que a democracia é feita – e refeita – através da luta de baixo para cima.

Sobre os autores

é doutoranda que pesquisa movimentos indígenas do século XX na Bolívia. Ela é editora colaboradora da Alborada.

Sobre o autor

Olivia Arigho-Stiles é doutoranda que pesquisa movimentos indígenas do século XX na Bolívia. Ela é editora colaboradora da Alborada.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux