Clubes sob controle dos torcedores podem ajudar a democratizar o futebol

25/04/2021

Por
Dave Braneck

Tradução
Guilherme Ziggy

O fiasco da Superliga Europeia gerou um acalorado debate sobre a ganancia e a intervenção do dinheiro no futebol, com muitos apontando o modelo alemão como uma alternativa. A propriedade de torcedores é uma etapa importante – mas só funcionará se eles forem organizados internacionalmente e pensarem politicamente.

Torcedores do Bayern fazem manifestação a favor da regra 50 + 1. Foto retirada do Twitter.

Aparentemente descontentes com suas receitas exorbitantes e influência grosseiramente exagerada, doze dos maiores clubes de futebol da Europa tentaram materializar seus planos de formar uma Super Liga Europeia (ESL). O plano parece já ter falhado – com a oposição quase unânime que os forçou a recuar. No entanto, mais do que apenas uma anedota humorística sobre a megalomania de bilionários incompetentes, essa experiência deve servir como um chamado às armas.

A rejeição de torcedores, jogadores, treinadores, times rivais, ligas domésticas e órgãos internacionais como a FIFA e a UEFA – junto com a falta de um plano real dos membros da ESL – impediram essa tentativa de submeter o futebol a mais domínio comercial. Mesmo para os padrões do futebol europeu, a mudança para a ESL foi um golpe de caixa mais descarado do que o normal. E, no entanto, está claro que o retorno ao injusto status quo não é uma opção.

À medida que o mundo do futebol contempla soluções potenciais, uma onda de olhares invejosos foi lançada em direção à Alemanha, que é frequentemente vista como uma exceção para seu modelo mais democrático com “torcedores proprietários”. Ainda assim, aqueles que anseiam pelo modelo do futebol alemão muitas vezes não se dão conta, é que ter as estruturas de propriedade dos clubes não cria automaticamente um paraíso esportivo progressista.

A propriedade de fãs é um elemento-chave nesta equação: mas sua existência contínua depende de mobilização constante e a resistência alemã ao ESL e à comercialização em geral está enraizada em décadas de militância dos torcedores. Isso ajudou a criar uma compreensão da cultura do futebol como enraizada na participação democrática, muitas vezes em antagonismo direto aos maiores clubes e ligas da Alemanha. Se quisermos ser salvos da comercialização do esporte que amamos, não será apenas por meio de diferentes modelos de propriedade – deve vir da luta ativa e da participação dos torcedores.

50 + 1 e modelo alemão

Torcedores têm invejado o futebol alemão muito antes do fiasco da ESL. Embora não seja imune à comercialização que hoje é tão desenfreada, a versão alemã do esporte é pelo menos um parente vagamente reconhecível do que antes era o jogo do povo. Antes da pandemia, a Bundesliga era sua liga mais concorrida do mundo, os ingressos e as concessões continuam acessíveis para as massas e os jogos começam em horários acessíveis aos torcedores.

Os estados barulhentos e lotados da Alemanha são atribuídos tipicamente ao mecanismo de propriedade de torcedores do país, chamado de regra 50 + 1. A regra decreta que pelo menos 51% dos clubes devem pertencer a seus membros, os torcedores. Isso significa que estruturalmente os clubes estão em dívida com seus torcedores, ao contrário da maioria das equipes nas maiores ligas da Europa. Mudanças no clube e na liga que não são aprovadas não são inerentemente difíceis de passar.

Embora seja um fator importante, dando o crédito ao modelo estrutural alemão, eles deixam passar o ponto mais amplo: o futebol alemão está mais próximo de sua base porque seus torcedores entendem que a sua relação com seus times é democrática e participativa, que exige responsabilidade a todo custo, não porque a burocracia do futebol alemão tenha cláusulas rígidas sobre quem pode ser dono de um clube.

Os jogadores do FC St Pauli comemoram após marcar durante uma partida da Bundesliga em Hamburgo, Alemanha, em 2020. (Cathrin Mueller / Getty Images)

Infelizmente, há muitas evidências de que a propriedade de fãs não transforma automaticamente um clube de futebol em um bastião do anticapitalismo. O Real Madrid e o FC Barcelona, forças motrizes por trás da estratégia da ESL e dois dos clubes mais comercializados do mundo, são ambos geridos pelo sistema de propriedade de fãs, com torcedores que elegem presidentes a cada quatro anos. E não é preciso ser um especialista em futebol alemão para saber que, apesar de todos os seus aspectos positivos, a regra 50+1 está repleta de lacunas.

Considerado o time mais odiado da Alemanha, o RB Leipzig, de propriedade da Red Bull. Não tem permissão para dar ao clube o nome de uma corporação? Não tem problema, tecnicamente o RB significa RasenBallsport, que se traduz “jogo de bola de gramado” e é tão estranho em alemão quanto soa em qualquer outro idioma. A regra 50+1 estabelece a propriedade de torcedores? Excelente! A RB tem um número colossal de vinte e um membros votantes, todos eles são, por acaso, funcionários da Red Bull. Um clube pequeno da Bundesliga tem mais de dez mil membros.

Dietmar Hopp, bilionário fundador da empresa de software SAP e outra figura desprezada no futebol alemão, possui 96% do Hoffenheim. Sua compra de uma participação majoritária no clube foi permitida como uma isenção à regra 50+1 porque ele passou vinte anos investindo no time. A tentativa fracassada de Martin Kind de assumir o controle d do time Hannover 96 por motivos semelhantes foi fracassada, destacando a interpretação frequentemente arbitrária das regras.

E enquanto a maioria dos clubes alemães adere à carta dos 50 + 1, 49,9% dos clubes tendem a se transformar em entidades corporativas que não parecem diferentes das operações modernas do mercado futebolístico em qualquer outro lugar do mundo. O Bayern de Munique, atual campeão da UEFA Champions League, pode pertencer a um torcedor, mas ainda assim precisa ser competitivo no futebol global. Como outras grandes equipes, o Bayern vai gastar 80 milhões de euros em um jogador e arrecadar dinheiro com operações desagradáveis como a lavagem de dinheiro.

Agora membro do Comitê Executivo da UEFA, o CEO do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, pode rejeitar a ESL e pedir que “todos os clubes da Europa trabalhem em solidariedade” – mas ele ainda apóia as reformas da Liga dos Campeões da UEFA, que são uma versão mais soft da tentativa da ESL de garantir a permanente qualificação para os grandes clubes. As mesmas reformas da Liga dos Campeões que tantos torcedores alemães, incluindo torcedores do Bayern, se opõem. O Dortmund, por sua vez, é o único time esportivo de capital aberto da Alemanha. E o mercado financeiro não é exatamente um jogo do povo.

Fãs em guerra

Se as estruturas do futebol alemão por si só não são um modelo para combater a comercialização, elas ajudam a destacar o que mantém o esporte relativamente estável: um segmento engajado e antagônico de torcedores que se entendem como participantes e partes interessadas, ou seja, não se veem meros como consumidores.

Os estádios alemães podem ser conhecidos por impressionantes exibições da torcida com total apoio aos seus clubes e os torcedores que estão atrás de seus times nunca prejudicam os princípios que dão poder aos torcedores. Lá, apoiadores radicais e ultras estão em conflito constante contra estruturas e atores que eles veem como uma ameaça ao seu time. E é isso, e não um único conjunto de regras ou regulamentos, que pode fornecer lições para o resto de nós na luta contra propostas como a ESL e a redução do futebol em uma vaca leiteira para poucos.

A regra 50 + 1 só é eficaz por causa do protesto tenaz por parte dos torcedores em toda a Alemanha. Esses torcedores declararam uma guerra contínua contra a Federação Alemã e ligas domésticas pela comercialização desenfreada, ajudaram a pressionar a liga a rejeitar a aquisição de Hannover por Kind e, na vitória mais recente, impedir as partidas de noite na segunda-feira (ótimo para adicionar outro horário nobre para a receita da TV, mas péssimas para fãs que viajam para jogos fora de casa), que foram descartadas quase imediatamente após sua implementação.

A recepção dos torcedores ao RB Leipzig e ao Hoffenheim, devido à propriedade de torcedores, tem sido tão hostil que em um dos momentos mais embaraçosos da história recente da Bundesliga, uma partida foi interrompida usando o protocolo anti-racismo da liga para proteger um velho bilionário branco em Hopp contra gritos dos torcedores. Infelizmente, isso foi mais bem feito do que os esforços da liga para lidar com o racismo, onde o protocolo é frequentemente ignorado.

Não é que os fãs alemães sejam um bloco homogêneo ou todos compartilhem da mesma política, e confundi-los como ativistas anticapitalistas também seria tolice. Mas o que os unifica é a compreensão de que seu papel no futebol é participativo, e isso lhes dá poder.

Quando o CEO do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, se posiciona contra a comercialização e o ESL, ele não está fazendo isso apenas porque está preocupado com a reunião anual dos membros de seus clubes. Ele está fazendo isso porque, como a maioria dos dirigentes de clubes na Alemanha, ele teme os torcedores e seu poder, que pode ser expressado formalmente por meio de sua propriedade ou informalmente no estádio.

É disso que se trata. A Inglaterra pode adotar a regra 50 + 1 se quiser, o que certamente seria um upgrade em relação ao clubes bilionários da Premier League. Mas o que realmente salvará o futebol europeu é a conceituação estrutural que dá força aos torcedores. Caso contrário, os clubes simplesmente se parecerão cada vez mais com um Real Madrid.

Terminando nossas chances

A hilária dissolução do ESL poucas horas depois de ser cinicamente anunciada deve ser saudada como uma vitória. Mas deve ser o primeiro passo para um movimento que vise arrancar o controle do futebol das mãos de gananciosos burocratas e colocá-lo de volta nas mãos dos torcedores.

Sem uma mudança real, aqueles que torcem pelo colapso da Super League estão brindando um retorno a um status quo sombrio, onde os torcedores não pagam pelos jogos mas assistem pela TV, os clubes ricos acumulam recursos às custas dos menores e da integridade competitiva e o futebol é transformado numa plataforma de marketing e meios para que bilionários e países petrolíferos lavem dinheiro.

Com a maioria dos fãs tem pouco recurso, devido à comercialização e alienação do jogo, muitos de nós fomos forçados a buscar ajuda nas horríveis instituições que ajudaram a promover esse ambiente. A FIFA, que não piscará diante da morte de milhares de trabalhadores nas preparações da Copa do Mundo de 2022, não defenderá repentinamente os valores democráticos no esporte. A UEFA aproveitou este momento de caos para forçar as polêmicas e reformas anticompetitivas da Liga dos Campeões. As ligas nacionais são dominadas pelos mesmos grandes clubes que ameaçaram abandonar o navio. A Premier League foi literalmente fundada em 1992 como uma liga separatista em nome da receita provinda da comercialização da TV. Apesar de todo o discurso sobre a solidariedade e a santidade do esporte nos últimos dias, a resistência dos corretores do futebol global foi baseada em uma ameaça aos seus cofres e nada mais.

Não podemos depender das instituições podres do futebol para nos salvar. Esta é uma oportunidade de demonstrar que não apenas a ganância descarada de uma proposta como a ESL é inaceitável, mas as condições que a criaram devem ser destruídas. É aqui que as aulas de futebol alemão são úteis.

As reivindicações para adotar a propriedade de torcedores no estilo 50 + 1 nas grandes ligas europeias só ficaram mais altas depois do desastre da ESL. Os grandes clubes viram seu blefe e agora está claro que suas ameaças perenes de sair das ligas, se não receberem tudo que desejam, são vazias. Ter torcedores proprietários nos clubes certamente seria um começo (mesmo os clubes alemães mais gananciosos, como Dortmund e Bayern, foram rápidos em denunciar a ESL), mas não pode, por si só, conter a comercialização generalizada.

Em vez disso, a propriedade do torcedor deve ser vista como uma estrutura na qual o futebol democrático de baixo para cima pode florescer, desde que os torcedores estejam dispostos a exercer seu poder, tanto formalmente quanto nas arquibancadas. Torcedores mais engajados na Alemanha têm usado protestos para proteger a estrutura de propriedade dos torcedores, ao mesmo tempo que dão a ela a força que muitas vezes falta em outros países.

Mas, assim como o socialismo, a propriedade e o empoderamento de torcedores em um país só não vão nos salvar. Um internacionalismo lastrado com torcedores que enfatiza a propriedade participativa e o engajamento democrático é a única solução para barrar projetos como o ESL e uma comercialização desenfreada que já está transformando o futebol.

Sobre os autores

é jornalista em Berlim, cobrindo esportes e política.

Sobre o autor

Dave Braneck é jornalista em Berlim, cobrindo esportes e política.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux