É preciso valorizar, mas ir além do progressismo latino-americano

11/04/2021

Uma entrevista com
Verónika Mendoza

Tradução
Guilherme Ziggy

Verónika Mendoza, candidata presidencial de esquerda no Peru, fala à Jacobin sobre o delicado quadro do seu país às vésperas de uma eleição acirradíssima. Entender o que se aproveita e o que se deve ir além das experiências progressistas da região é um passo fundamental para seguir adiante.

Ilustração de Juan Dellacha.

Entrevista por
Jacobin América Latina

Verónika Mendoza é a principal candidata presidencial da esquerda peruana.  Às vésperas das eleições presidenciais deste ano, o Coletivo Editorial de Jacobin América Latina teve a oportunidade de conversar com ela, que se projeta com chances de passar ao Segundo Turno de uma eleição altamente disputada e fragmentada — o que expressa a verdadeira “colcha de retalhos” peruana, para usar uma expressão dela. 

Não é a primeira vez que Verónika disputa a presidência do seu país. Antes, em 2016, ela ficou em terceiro lugar e, por muito pouco, não disputou com Keiko Fujimori o que seria uma batalha final polarizada. Se por um lado sua candidatura em 2016 marcou o renascimento da esquerda peruana, por outro lado, o resultado final foi amargo, pois a vitória do liberal Pedro Pablo Kuczynski, embora tenha afastado a ultradireita fujimorista do poder, apenas deu seguimento à longa crise política do seu país.

Kuczynski caiu com menos de dois anos de mandato, mas depois dele mais dois presidentes foram derrubados. Francisco Sagasti, o atual mandatário, é altamente contestado e a isso se somam o legado ambíguo da “Lava Jato do Peru” — como literalmente é conhecida a grande campanha anticorrupção levada a cabo nos últimos anos — e a péssima gestão da pandemia de Covid-19, comparável à tragédia brasileira.

A exemplo da maior parte dos países latino-americanos, o Peru conviveu com uma sucessão de golpes e regimes militares  no século XX, mas sua redemocratização foi particularmente mal-sucedida. O legado do Fujimorismo, que introduziu o neoliberalismo no país por um viés autoritário em plena década de 1990, está enfraquecido, mas segue na disputa. Algumas tentativas progressistas chegaram à presidência, mas decepcionaram.

Para o pleito deste domingo, 11 de abril, sete candidatos chegam com chances de passar à próxima etapa. O futuro próximo do Peru é uma incógnita, mas olhar para dentro dele, ouvindo uma de suas principais figuras é tentar decifrar os demônios que todos os nossos países têm em comum.


JAL

Desde que você foi candidata à presidência em 2015, a mídia não se cansa de descrever você como a representante peruana do ciclo progressista latino-americano. No entanto, poucos perguntaram se você se sente pertencente a esse ciclo. Qual sua posição a em relação ao progressismo latino-americano?

VM

No Peru, sempre nos sentimos um tanto afastados dos processos progressistas da América Latina. Às vezes olhamos com admiração, às vezes com críticas, mas sempre com distância. Valorizamos o seu horizonte anti-imperialista, que continua vigente e deve ser reforçado a cada passo para construir margens cada vez maiores de autonomia regional e continental. Também valorizamos a tendência redistributiva que, em maior ou menor grau, todos compartilhavam. A intenção de construir um Estado comprometido com o bem-estar das maiorias, que por meio de iniciativas várias, busque garantir direitos e permita o acesso a recursos e bens públicos, é sempre uma política saudável. Seu componente democratizante, que teve efeitos concretos na ampliação dos direitos e da dignidade dos setores populares, é outro ponto a se destacar.

As raízes históricas transformadoras que possuíam também são valiosas — e elas estão associadas ao questionamento de elementos estruturais como os de identidade ou nação. Ter como objetivo remover o substrato conservador-colonial-dependente de nossas sociedades é fundamental. Nesse sentido, o caso boliviano, com o acesso dos setores indígenas ao governo e a implementação de uma série de mecanismos democráticos, além dos tradicionais, constitui um exemplo a ser seguido. Assim foi com a tentativa venezuelana de gerar outro tipo de participação, de construir o poder a partir de outras bases, como se observou durante o governo de Hugo Chávez.

Definitivamente, no Peru nos sentimos unidos a essas experiências, passadas e recentes. É inegável que há uma identidade e uma cultura que compartilhamos com as diversas experiências populares, principalmente no que diz respeito à marca plebeia de desafiar o neoliberalismo e denunciá-lo em todas as suas versões.

Mas também há lacunas, e a possibilidade de tirar lições a partir disso depende de sermos capazes de identificá-las e discuti-las. É preciso ter clareza sobre o que podemos e não podemos fazer e o que devemos e não devemos fazer, tanto no Peru como em toda a América Latina.

JAL

Quais são, do seu ponto de vista, essas deficiências dos governos progressistas e as lições que tiramos delas?

VM

De onde estamos, à esquerda no mapa político peruano, temos sido críticos em vários aspectos. Temos desenvolvido, desde a década de 1990, algumas ideias mais radicais ligadas ao movimento antiglobalização, ao Zapatismo, aos Fóruns Sociais. Trabalhar juntos com todo um movimento que ousou desafiar a ordem no momento em que ela estava mais consolidada e que buscou montar uma plataforma que fosse muito além da crítica antineoliberal.

Quando vimos o surgimento de governos progressistas em nossa região, embora os tenhamos recebido como uma boa notícia em relação ao que havia, os percebemos em outra frequência, com outros códigos. Alguns projetos sem muito compromisso com a superação do capitalismo, sem vocação alguma para ir mais longe na busca por alternativas.

O progressismo tem uma limitação muito desenvolvimentista, que se expressa na vontade de gerir o que está estabelecido, principalmente em tudo o que tem a ver com o modelo econômico extrativista. Vimos como países com governos progressistas mantinham uma dependência crescente de suas matérias-primas, mineração, petróleo ou soja, sem realmente tentar superar o modelo extrativista exportador primário. Ao contrário, muitos acabaram se exacerbando. Esse, acreditamos, é o primeiro déficit com o qual se deve aprender: não se pode realmente transformar um país mantendo uma política econômica meramente rentista e principalmente exportadora.

Um segundo déficit importante gira em torno do fato de que, apesar dos esforços e de um certo radicalismo exibido em alguns países, a estrutura dos Estados não pode ser desmontada tal como foi construída ao longo de todos esses séculos. Na Venezuela se fala em Quinta República, mas vale a pena perguntar quantos defeitos das repúblicas anteriores pesam nesta Quinta. O Estado mudou de mãos, mas não houve uma reforma profunda. A forma de organizar o poder, apesar de tudo, parece persistir inalterada.

Não se pode negar que, embora coincida com as demandas de mudanças exigidas pelos movimentos sociais e setores da cidadania, [a forma de organizar o poder] acabou por se enquadrar em uma dinâmica bastante estatal. Com isso, surge um terceiro aspecto instrutivo: a complexa relação com os movimentos sociais, muitas vezes tensa e ambivalente, transformando organizações que não se encaixavam nessa lógica em oponentes, o que acaba por colocar um manto de suspeita sobre sua autonomia. Uma experiência dramática, nesse sentido, é a do Brasil, onde todo o acúmulo do PT e sua relação com os movimentos sociais ficou tensa, o que o levou a fechar em si próprio frente às forças conservadoras que conduziram Bolsonaro ao governo. Outro exemplo é o Equador: a tensa relação de Rafael Correa com uma parte importante do movimento indígena e ambiental continua até hoje.

A dinâmica histórica das últimas décadas no Peru não pode ser comparada com nenhuma das experiências anteriores. Meu país é uma verdadeira colcha de retalhos. Pode ser que um setor da sociedade – especialmente no sul – se identifique com o progresso da mudança na Bolívia. Mas há também um outro setor que não o faz e que se identifica mais com o que está acontecendo na Argentina, onde existe um bloco nacionalista mais amplo com forte presença de uma camada tecnocrática moderna. Já entre os jovens peruanos, a identificação mais forte se dá por meio do movimento chileno e da mobilização social por uma nova constituição.

JAL

Você começou sua militância política no início dos anos 2000, nas fileiras do que já foi – fugazmente – aclamado como o veículo do progressismo peruano: o Partido Nacionalista Peruano de Ollanta Humala. Agora, como candidata à presidência do Juntos pelo Peru em 2021, como você avalia a transformação da esquerda peruana nas últimas décadas?

VM

No Peru, foi o nacionalismo de Ollanta Humala que, por volta de 2011, tentou cavalgar na onda latino-americana de governos progressistas. Mas, apesar das expectativas de grande parte da população, o Partido Nacionalista nunca foi bem-sucedido. Humala nunca foi um revolucionário, longe disso. Não tinha uma cultura de esquerda, nem mesmo um tom nacional-popular. Seu projeto foi limitado desde suas origens. A correlação de forças na época de sua ascensão ao governo foi o fator que mais impôs condições, e o poder econômico – em meio a um boom geral – rapidamente se tornou dominante. Além do implemento de alguns programas sociais e do desenvolvimento incipiente da vertente social da gestão estatal, Humala acabou sendo profundamente conservador.

E é que, em nosso país, a correlação de forças herdada por Fujimori se manteve até hoje. A herança que recebemos em sua queda legou-nos todo o seu andaime de poder, inclusive a Constituição promulgada de 1993. As reformas neoliberais no Peru foram extremamente profundas, como resultado do conflito armado e da crise política das décadas de 1980 e 1990. A grande conquista de Fujimori a longo prazo foi a rearticulação e consolidação de um bloco neoligárquico dominante, aliado das Forças Armadas e extremamente poderoso.

O retrato não estaria completo se não contemplássemos também nossas próprias fragilidades: a crise política e o pragmatismo dominante na esquerda. Sem calibrar de forma justa a profunda derrota sofrida pelo movimento popular durante o conflito armado e a consequente implementação do modelo neoliberal (não só como programa de governo, mas também no sentido ideológico), é impossível entender a crise no campo progressista no Peru. Sua versão mais deformada foi personificada pela figura de Humala, mas também se expressou na crise da esquerda, recuada em torno das ONGs e buscando atalhos para o governo se acomodar mais facilmente.

Mas hoje nossa realidade começa a mudar. As mobilizações desencadeadas após o afastamento de Vizcarra trouxeram à luz a necessidade de transformações de outra ordem e a disposição de amplos setores da população em promovê-las. A construção de um projeto fortemente enraizado em processos populares pode nos permitir reverter o caminho de resignação que a esquerda percorre há muito tempo. É o nosso próprio esforço, que só podemos fazer nós próprios, porque a procura de atalhos já se revelou infrutífera no passado. Não se trata de chegar mais rápido, mas de chegar melhor, com mais chances de sucesso. As experiências progressistas em nossa região representam uma referência a partir da qual podemos tirar lições positivas e negativas. Mas as forças das nossas raízes populares vão depender da originalidade do caminho que vamos traçar: nem decalque nem cópia, mas sim criação heróica, uma aposta para avançar mais.

Sobre os autores

Sobre o autor

Verónika Mendonza

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux