Os falcões de Washington que querem guerra com o Irã estão fazendo hora extra

16/04/2021

Por
Ariel Gold e Medea Benjamin

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

O ataque cibernético da semana passada a uma instalação nuclear iraniana é a última jogada da coalizão de líderes israelenses, fundamentalistas cristãos e neoconservadores para sabotar o retorno dos EUA ao acordo nuclear com o Irã. Se tiverem sucesso, milhões de iranianos comuns que sofrem com sanções draconianas pagarão o preço.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fez um discurso em Washington DC em 2015, no qual tentou convencer o Congresso a desmontar as negociações nucleares iranianas lideradas pelos EUA. (Christy Bowe / ImageCatcher News via Getty Images) Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu gives his controversial speech to Congress . Netanyahu’s address, his third to a joint meeting of Congress, has rankled congressional Democrats, many of whom will not attend. photos by: Christy Bowe- ImageCatcher News

No momento em que as negociações entre os Estados Unidos e o Irã estavam ocorrendo na semana passada em Viena, um ataque cibernético foi realizado na instalação nuclear iraniana de Natanz. Os relatos indicam que a Mossad, a agência de inteligência de Israel, estava por trás do ataque que travou a instalação apenas um dia depois que Teerã anunciou mais enriquecimento de urânio com as novas centrífugas, e como o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, estava em Israel falando sobre a “resistência dos Estados Unidos” e o compromisso com o Estado judeu.

Este é o último de uma série de ataques israelenses ao Irã com o objetivo de atrapalhar as negociações. No verão passado, várias explosões atribuídas a Israel estouraram em todo o Irã, incluindo um incêndio no local de Natanz. Isso ocorreu enquanto as eleições nos EUA estavam em pleno andamento e Joe Biden prometia que, se eleito, retornaria os Estados Unidos ao acordo nuclear com o Irã de 2015 (formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Global ou JCPOA), do qual Donald Trump se retirou em 2018. Em novembro de 2020, agentes israelenses assassinaram Mohsen Fakhrizadeh, o principal cientista nuclear do Irã na cidade de Absard, nos arredores de Teerã. Se o Irã tivesse respondido, os Estados Unidos poderiam ter sido arrastados para mais uma guerra.

Autoridades israelenses também pressionaram diretamente o Congresso dos EUA para anular o acordo. Em 2015, Netanyahu viajou para Washington para discursar em uma sessão conjunta do Congresso na tentativa de encerrar as negociações originais de Obama. Desta vez, o chefe do Mossad, Yossi Cohen, viajará a Washington para se encontrar com altos funcionários da Casa Branca e da inteligência dos EUA, e espera encontrar-se com Biden, para convencer o governo de que o Irã tem ocultado detalhes sobre seu programa nuclear e, portanto, não pode ser confiável. Isso é realmente irônico vindo de um país que, ao contrário do Irã, realmente possui armas nucleares e se recusa a divulgar qualquer informação sobre seu programa.

Como Israel, o poderoso lobby do Comitê de Assuntos Públicos de Israel (AIPAC) nos EUA está tentando convencer Biden a não voltar para o JCPOA. No mês passado, eles organizaram campanhas bipartidárias na Câmara e no Senado, instando o governo Biden a insistir em um acordo ampliado que incluísse mísseis, direitos humanos e atividades do Irã na região. Uma vez que Teerã deixou claro que um acordo ampliado ou emendado é um impedimento, tal “conselho” foi uma tentativa de anular as negociações.

O think tank neoconservador Fundação para a Defesa das Democracias (FDD), que trabalhou dentro da administração Trump durante e depois que Trump saiu do JCPOA, tem pressionado implacavelmente pela guerra com o Irã. Após os EUA terem assassinado de forma imprudente o principal general do Irã, Qassem Soleimani, o CEO do FDD, Mark Dubowitz, regozijou-se, tweetando que a morte de Soleimani foi “mais consequente do que a morte de [Osama] #BinLaden”; e em 11 de abril, o mesmo dia do blecaute de Natanz, o ex-oficial da CIA e companheiro da FDD, Reuel Marc Gerecht, falando na CNN, expressou sua decepção por Trump não ter colocado os EUA em uma guerra contra o Irã.

Outro grupo que trabalha contra um acordo com o Irã é o Cristãos Unidos por Israel (CUFI), uma das vozes pró-Israel mais poderosas nos EUA. Em março de 2021, CUFI exortou o Senado a não confirmar Colin Kahl para uma posição política superior no Pentágono, alegando: “Kahl é um apaziguador do Irã” que “ajudou a avançar o desastroso acordo nuclear com o Irã”. Em resposta ao blecaute em Natanz, eles aplaudiram Netanyahu, tweetando “‘Lutar contra o Irã é uma missão colossal ’, disse Netanyahu após o blecaute na usina nuclear iraniana”.

O Mujahedin do Povo do Irã, ou MEK, que os EUA haviam designado anteriormente como uma organização terrorista e é conhecido pelos assassinatos e bombardeios que perpetrou, é virulentamente contra a diplomacia EUA-Irã. Em março de 2021, vários senadores dos EUA participaram de um evento virtual organizado pela Organização das Comunidades Irã-Americanas (OIAC) alinhada ao MEK, pedindo a continuação das sanções dos EUA para “derrubar o regime”. O senador Bob Menendez, o poderoso presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, estava entre os vários democratas presentes.

Os oponentes do acordo com o Irã estão tentando manter a barreira draconiana de sanções que o governo Trump impôs justamente para dificultar o retorno de um futuro governo dos EUA ao JCPOA. Mas essas sanções estão causando imenso sofrimento para os iranianos comuns, incluindo inflação galopante que fez disparar os preços de alimentos e remédios. De acordo com a ONU, elas contribuíram para a resposta “inadequada e opaca” do governo à pandemia COVID-19 que atingiu o Irã de forma particularmente forte.

Embora tenham sido “bem-sucedidas” em infligir danos ao povo iraniano, as sanções não conseguiram ampliar os termos das negociações, levaram o país a aumentar seu enriquecimento de urânio, impactaram negativamente a situação dos direitos humanos e colocaram os EUA e o Irã no limite de uma guerra em várias ocasiões.

É por isso que tantas pessoas no Irã, e aqueles que se preocupam com eles, foram encorajados por esta nova rodada de engajamento diplomático. Mas Israel, AIPAC, CUFI, FDD, MEK, Menendez e semelhantes estão esperando que o Irã realize a vingança que as autoridades iranianas pediram em resposta ao apagão de Natanz. Mas como os sabotadores da diplomacia esperam uma escalada violenta, vamos ter em mente – e esperar que o Irã concorde – que a melhor vingança seria reviver a JCPOA.

Sobre os autores

é codiretor nacional e analista de política sênior para o Oriente Médio da CODEPINK for Peace.

é cofundadora do Global Exchange e do CODEPINK: Women for Peace.

Sobre os autores

Ariel Gold é codiretor nacional e analista de política sênior para o Oriente Médio da CODEPINK for Peace.

Medea Benjamin é cofundadora do Global Exchange e do CODEPINK: Women for Peace.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux