Press "Enter" to skip to content
Historiador marxista de Trinidad C. L. R. James (1901–1989).

Como C. L. R. James escreveu a história definitiva da Revolução Haitiana

POR
Tradução
Guilherme Ziggy

O historiador socialista C. L. R. James faleceu neste dia em 1989. Sua obra mais importante, Os Jacobinos Negros, é um relato majestoso da Revolução Haitiana e ainda é a história oficial de uma luta heróica pela liberdade e dignidade.

UMA ENTREVISTA DE

Viviane Magno

Entrevista por
Viviane Magno

Em uma entrevista de 1980, C.L.R. James disse que queria ser lembrado acima de tudo por suas contribuições ao marxismo. Em Making the Black Jacobins: C. L. R. James and the Drama of History, Rachel Douglas explora as muitas facetas do autor de Trinidad e oferece uma nova interpretação de sua marca única no marxismo.

O livro de Douglas traça o desenvolvimento do pensamento de James ao longo de mais de 30 anos, desde suas atividades intelectuais como pan-africanista em Londres e Paris na década de 1930 até sua militância política como um dos fundadores da tendência Johnson–Forest na década de 1940 (nascida de uma cisão com a organização trotskista estadunidense, o Partido dos Trabalhadores). Douglas também revisita o envolvimento de James com os movimentos Black Power e dos Direitos Civis na década de 1960 e dá uma atenção especial ao seu trabalho como dramaturgo. O pensamento em constante transformação de James é explorado virtuosamente através do uso magistral que Douglas fez dos arquivos – suas principais obras, manuscritos, notas, bem como entrevistas e fontes secundárias são todas enlaçadas em um rico retrato intelectual do autor.

No centro do livro de Douglas está a obra mais renomada de James, Os Jacobinos Negros. Como mostra a autora, a evolução do pensamento político e de militância de James está profundamente ligada a um processo de 6 décadas de escrita e reescrita daquela obra clássica de análise histórica marxista. Na reconstrução do livro, Douglas também destaca as conexões entre os textos de James e a história emancipatória das Índias Ocidentais e de África.

Para revelar a criação de Os Jacobinos Negros, a autora oferece uma leitura única que conecta peças de James inspiradas na Revolução Haitiana (1934 e 1967) e sucessivas edições de Os Jacobinos Negros (1938 e 1963). Em cada ponto, Douglas reconstrói cuidadosamente o diálogo que ocorre entre os textos de James e seu contexto político e social circundante.

O argumento central de Douglas é que Os Jacobinos Negros devem ser entendidos como um palimpsesto – um texto que, nas palavras do autor, consiste em um “repositório em camadas de vestígios embutidos, o que significa que as inscrições anteriores permanecem e nunca são apagadas, porque ‘estas narrativas tornam-se parte de um todo’”. No caso de James, isso significava que a história da Revolução Haitiana foi reescrita por vários meios: como artigos, histórias e, talvez, o mais impressionante, por meio de peças de teatro. Como Douglas argumenta, ao recontar a história da Revolução Haitiana por meio da representação teatral, James foi capaz de dramatizar os conflitos políticos e trazê-los para um foco mais nítido.

Em um golpe de mestre, Douglas aplica o próprio método histórico pioneiro de James ao estudo dele próprio. Como explica a autora, essa abordagem ofereceu uma crítica única à historiografia imperialista, revigorou as categorias marxistas de análise e forneceu uma interpretação convincente das lutas anticoloniais do século XX.

Para rememorar a vida de James, Viviane Magno falou com a autora de Making the Black Jacobins para recordar o legado de C.L.R. James – não apenas o autor de Os Jacobinos Negros, mas um marxista gigante do século XX.


VM

Deixe-me começar dizendo o quanto eu amei Making the Black Jacobins. De alguma forma, seu livro ajuda os leitores a entender melhor certas questões que C.R.L James deixou em aberto ou que pareciam um pouco enigmáticas.

Por exemplo, no prefácio da edição de 1938, quando James escreve: “No entanto, Toussaint não fez a revolução. Foi a revolução que fez Toussaint. E mesmo isso não é toda a verdade.” Por que você acha que não é toda a verdade?

RD

Esta frase que você citou é típica de James. Suas sentenças muitas vezes se desdobram assim. Outro exemplo é “os grandes homens fazem história, mas apenas a história que lhes é possível fazer”. Aqui James ecoa a introdução d’O 18 de Brumário de Luís Bonaparte, de Karl Marx, sobre indivíduos fazendo história, mas apenas em certas circunstâncias. O que James faz é levar a correlação do indivíduo e das circunstâncias ao seu modelo biográfico. No entanto, o autor mostra que não podemos compreender a história por meio da personalidade de um grande homem, apesar dos retratos vívidos que ele desenhou de Toussaint Louverture. As reviravoltas no prefácio de James sinalizam que Os Jacobinos Negros será principalmente um retrato da revolução através da personalidade de Louverture, mas que as circunstâncias em evolução também são cruciais para seus desenvolvimentos históricos.

Acho que você está correta em afirmar que o prefácio é importante. Ele mantém seus escritos sobre a Revolução Haitiana em aberto, como um livro sempre aberto que é sua lápide em Tunapuna. Em Notes on Dialectics, James comentou que “um livro fechado” é uma “frase vil”. A reescrita de James age repetidamente contra formas fixas, estáticas e finitas – qualidade que ele associou a categorias stalinistas negativas e de falsificação. Em vez disso, a reescrita de James volta a si mesma como um círculo, que não tem começo nem fim. Um padrão emerge: os escritos de James sobre a Revolução Haitiana podem ser considerados – seguindo seu comentário em Notes on Dialectics – como círculos continuamente ampliados.

Sobre a importância do prefácio, fui influenciada pela noção de Umberto Eco na “Obra Aberta”. De particular relevância para James foram as ideias do dramaturgo e ativista político brasileiro Augusto Boal sobre a leitura de rascunhos inacabados de peças de teatro como o oposto radical do teatro burguês pronto. Podemos aplicar essa perspectiva sobre a abertura inacabada aos escritos de James sobre a Revolução Haitiana como um todo. O trabalho de James sobre este assunto – como a própria Revolução Haitiana – nunca pode terminar complacente com uma imagem do mundo burguês completo e finalizado. Em vez disso, está sempre voltando para si mesmo e sempre em estado de devir.

VM

Ainda sobre o processo de escrita: além de ser um estudioso, James foi um militante marxista ao longo da vida. Como você acha que isso influenciou sua abordagem ao escrever a história?

RD

Apenas uma pequena fração do que C.L.R. James realmente escreveu foi publicada, e seus métodos de trabalho eram frequentemente colaborativos. James mandava digitar os documentos, anotava-os e depois os despachava para camaradas ao redor do mundo para discussões políticas e devolutivas. Note on Dialectics – que mais tarde (em 1980) ele declararia ser seu trabalho mais importante – foi originalmente elaborado em 1948 em forma de cartas entre James e seus camaradas da tendência Johnson-Forest Raya Dunayevskaya e Grace Lee [Boggs].

Este tipo de trabalho também levou Os Jacobinos Negros para se tornar um “livro-texto underground” [Marty Glaberman] no contexto do apartheid na África do Sul. Lá, o livro foi copiado clandestinamente e distribuído em partes para os leitores. Grant Farred contou como ele se deparou com a história exatamente dessa maneira quando Richard Owen Dudley – um dos líderes do Movimento de Unidade Não-Europeia (NEUM) para o qual James foi uma figura importante – deu a ele aqueles capítulos mimeografados para comentar.

VM

Você poderia comentar sobre seu próprio processo para produzir Making the Black Jacobins? O que a atraiu para o método que você escolheu? A quais influências teóricas você recorreu?

RD

Tudo começou em Trinidad em 2007, quando participei do seminário “Haiti Agora! Artes, Cinema e Literatura”, organizado por Elizabeth Walcott-Hackshaw e Martin Munro. Enquanto eu estava na Universidade das Índias Ocidentais – no campus de São Agostinho, fiz algumas visitas aos arquivos de West Indiana e nas Coleções Especiais na biblioteca Alma Jordan. Encontrei um texto datilografado da primeira peça de James, Toussaint Louverture, de 1936, que havia sido completamente rabiscado. O que mais chamou minha atenção foi que um novo personagem foi adicionado pela trêmula caligrafia de James. Esse personagem era Moïse, sobrinho adotivo de Toussaint Louverture.

Pelo programa da montagem londrina de 1936 e de outros roteiros dessa peça, sabemos que Moïse não apareceu como personagem na primeira montagem da peça. Nas mudanças manuscritas, Moïse passou de completamente ausente a principal interlocutor de Louverture. Essa grande mudança chamou minha atenção e eu queria descobrir por que James havia mudado alguns dos principais personagens. Eu também queria saber mais sobre a história do livro Os Jacobinos Negros. É um livro muito famoso e ainda é considerado o maior clássico da história da Revolução Haitiana até hoje, o que é uma façanha, considerando que foi publicado há mais de 80 anos. Queria conhecê-lo melhor e, em particular, saber mais sobre as duas peças de teatro que marcam a história mais conhecida. Foi fascinante descobrir mais sobre o papel de Paul Robeson e suas contribuições para a primeira peça, que só foi encenada duas vezes em Londres em 1936.

O que descobri foi que os escritos de James sobre a Revolução Haitiana estão em constante movimento e mudança, e isso influenciou meu próprio processo de elaboração do livro. Para James, reescrever é um método dialético. Os próprios comentários do autor sobre os escritos de Marx n’O Capital podem ser adaptados a seus escritos sobre a Revolução Haitiana. Vemos como James escreveu um rascunho, reorganizou-o completamente e, em seguida, o reorganizou novamente. Tentei seguir o processo de desenvolvimento do próprio Os Jacobinos Negros e seu movimento dialético essencial refletido na forma. A reescrita liga sua teoria e prática.

Para abordar a história em Os Jacobinos Negros, recorri ao método da crítica genética, que é uma metodologia jovem, principalmente francesa, para ler e ordenar de forma inteligível todos os rascunhos de uma obra literária. Este foi um modelo útil para abordar a dinâmica da longa gênese e evolução das peças e da história de James com base na Revolução Haitiana. A crítica genética me ofereceu um guia prático com o qual pude documentar o manuseio das caixas de arquivo, pastas e seu conteúdo empoeirado, manuscritos frágeis e páginas datilografadas em papel de seda, o rastro de suas marcas.

Alguns aspectos da crítica genética pareciam um tanto estranhos ao projeto do livro Os Jacobinos Negros, incluindo a aplicação de um método franco-francófono que geralmente é restrito – uma metodologia de abordar a genética textual que não viajou tão bem para outros países fora da França. O modelo franco-francófono da crítica genética precisa ser descolonizado e politizado para confrontar obras como essa. Minha abordagem teve que levar em conta que os escritos de James relacionados à Revolução Haitiana são escritos de um ponto de vista fortemente marxista e guiados por idéias políticas, pelas próprias lutas políticas e pela respostas de James aos acontecimentos mais significativos do século XX.

VM

Sobre o processo de reescrita de James, você se baseia no conceito de palimpsesto em todo o livro. Qual é a relevância desse método para escrever sobre os processos revolucionários?

Como aponta James sobre o novo apêndice de Os Jacobinos Negros em uma carta citada no livro: “Pretendo mostrar o que todos os comentaristas anteriores ignoraram, que o passado e o futuro das ilhas só podem ser estudados seriamente à luz do desenvolvimento haitiano durante a revolução e depois… as Índias Ocidentais são um território que não pode ser considerado até o ponto que se aproximam ou se afastam dos padrões ocidentais. São territórios com uma história própria e única, uma história das Índias Ocidentais”.

RD

Sim, acho que a ideia de palimpsestos e camadas de escrita é a chave porque o livro tenta ver como James tece as múltiplas relações entre o passado, presente e futuro. Os Jacobinos Negros pode ser visto como um objeto editorial palimpséstico e confuso, que é como O Capital de Marx foi descrito. Podemos usar o modelo do palimpsesto para conectar as múltiplas versões de Os Jacobinos Negros em jogo na forma de história com os memoriais associados a James. Os locais de memória pós-coloniais podem ser considerados palimpsestos embutidos em locais físicos.

A escrita de James sobre a Revolução Haitiana pode ser vista como um palimpsesto, com novas camadas adicionais sobre os vestígios dos escritos anteriores. James disse que sua “fundação permaneceria imperecível” em 1938 com a história substancialmente se mantendo a mesma para as novas edições subsequentes e os vestígios embutidos se tornando parte do novo todo. A nova escrita é colocada sobre a anterior, deixando rastros visíveis da reescrita e transformando a obra como um todo. Essas camadas sucessivas de reescrita e os vestígios originais podem ser vistos como um palimpsesto ou repositório em camadas dos passados, presentes e futuros caribenhos que James construiu ao longo de um período de quase 60 anos, enquanto escrevia sobre a Revolução Haitiana. O que ele produziu foi uma rede multicamadas de textos que pode ser reativada para mudar de acordo com o novo “futuro no presente”.

Acho que esse método foi uma ferramenta útil para James escrever sobre processos revolucionários e a história da independência, em relação à história nacional dos países pós-coloniais. Essa citação é o que James sempre dizia sobre as Índias Ocidentais: que elas eram exclusivamente “sui generis” e “sem paralelo em nenhum outro lugar”. Na verdade, quando James estava investigando essa qualidade “peculiar” da identidade caribenha, ele até cunhou sua própria expressão dupla “o índio ocidental das Índias Ocidentais”.

Particularmente, a versão de 1963 de Os Jacobinos Negros reescreve a história através de uma lente caribenha, onde a ênfase está em transformar os objetos passivos da história de outras pessoas e a escrita de viagens no sujeito e agente ativo da própria história de cultura do Caribe, se concentrando nos próprios heróis caribenhos, sua história e cultura. É por isso que o foco em se auto-modelar e se tornar visível na própria imagem do Caribe é tão crucial para a reescrita de Os Jacobinos Negros.

VM

Os historiadores notoriamente têm uma dificuldade em lidar com fontes de países pós-coloniais. Você acha que C.L.R. James desenvolveu um método para escrever a história mais adequada à realidade desses países?

RD

Sim, acho que James desenvolveu um método para escrever a história mais adequada às realidades dos países pós-coloniais. Ele leu muitas fontes anti-coloniais e escreveu de volta relatos de imigrantes da Revolução Haitiana. Ele também tinha uma fonte viva haitiana que foi muito importante para sua pesquisa entre as guerras na Paris negra na década 1930: Alfred Auguste Nemours (1883-1955) que foi um general haitiano, diplomata e historiador militar. James lembrou no prefácio de 1980 de Allison e Busby de Os Jacobinos Negros que Nemours usava xícaras de cafés e livros nos cafés de Paris para dar vida às histórias militares dos revolucionários haitianos.

Como Stuart Hall nos lembra, as habilidades linguísticas francesas de James eram incomuns naquela época para alguém educado no Caribe anglófono. A história de James refere-se aos pilares da historiografia da Revolução Haitiana em língua francesa. Léon-Gontran Damas, um dos escritores da Negritude, mostrou a James os locais de encontro da Paris negra.

Entre as décadas de 1930 a 1970, James teve um grande repensar sobre o tipo de fontes que queria usar. Em uma palestra de 1971 com um título tentador, “Como eu posso reescrever Os Jacobinos Negros”, proferida no Institute of the Black World em Atlanta, James indicou que, se escrevesse sua história do zero, ele se concentraria em diferentes tipos de fontes de arquivo mais próximas da maioria dos ex-escravos, em vez de fontes externas. James disse sobre essas fontes alternativas: “Eu sei que elas estão lá se você olhar com atenção”.

VM

Acho que um dos elementos que você explora tão bem em seu livro é o método imperialista de historiografia contra o qual James também lutou. Afinal, Hegel disse certa vez que a África não era um continente histórico.

Você poderia comentar um pouco sobre esse método historiográfico anti-imperialista e o uso de fontes que James, de certa forma, inaugura?

RD

Sim, responder aos historiadores imperialistas é um dos principais eixos de Os Jacobinos Negros. James escreve em sua bibliografia sobre “supressio veri” e “sugestio falsi”, e a história de James é escrita para se opor a atos deliberados de manipulação, supressão e falsificação em algumas narrativas históricas da Revolução Haitiana. Contornar deturpações históricas é um dos principais objetivos da história que James conta no livro, onde ele se opõe diretamente aos “whitewashers profissionais” da história e aos “historiadores conservadores, professores régios e sentimentalistas”.

Um dos alvos é o livro de história racialista de T. Lothrop Stoddard. A Revolução Francesa em São Domingos (1914). Outro é o notório diário de viagem de James Anthony Froude, The English in the West Indies: Or, the Bow of Ulysses (1888). Uma fonte crucial foi claramente a famosa refutação do mestre-professor de Trinidad Jacob Thomas ao notório diário de viagem de 1888 do historiador inglês Froude, apropriadamente intitulada Froudacity: West Indian Fables Explained (1889). Na verdade, o próprio James escreveria mais tarde, em 1969, uma introdução a Froudacity, corrigindo longamente a fraude de Froude. Lá, James literalmente reescreveria cada frase racista sobre o Haiti, transformando cada uma das vozes passivas em ativas.

Já em 1938, a história de James está voltando para gente como Froude e Stoddard. Não apenas isso, a primeira publicação de James destacando o líder revolucionário Toussaint Louverture foi seu artigo de 1931 “A Inteligência do Negro: Algumas Palavras para Dr. Harland”. Este artigo foi uma resposta ao Dr. Sidney C. Harland, um cientista inglês da Imperial College of Tropical Agriculture em Trinidad, e seu artigo “Mistura de Raças”. Aqui, James já esboça um retrato biográfico de Toussaint para mostrar que não havia nada inatamente inferior nas Índias Ocidentais.

VM

Uma questão presente em todo o seu livro é a do “sujeito da história”. Em um ponto no Capítulo 1, você afirma: “A ação, portanto, não é apenas o assunto da passagem biográfica, é também uma característica constitutiva fundamental dos meios de representação.”

Seguindo esse argumento, você parece sugerir que James desenvolveu uma teoria de agenciamento inovadora…

RD

Sim, eu argumento que o protagonista de Os Jacobinos Negros em suas diferentes formas não é um sujeito, tanto quanto uma ação. O esboço biográfico que James faz no início de 1931 apresenta Louverture como o sujeito ativo em quase todos os verbos ativos. Toussaint Louverture é aqui a ação personificada: o homem de ação definitivo.

James lista as muitas realizações de seu herói no artigo de 1931, acumulando ações sem fôlego por meio de parataxes de disparo rápido em frases curtas. As harmonias de verbos ativos representam o revolucionário saltando de uma ação para a próxima em uma velocidade vertiginosa. A ação é o assunto da passagem biográfica, mas também é uma característica constitutiva fundamental dos meios de representação ao esboçar o esqueleto da biografia de Toussaint. Desde os primeiros textos de James, vemos esse claro foco na ação e no agenciamento, como na capacidade de exercer poder e de lutar.

VM

O agenciamento parece um ponto de transição adequado para discutir o marxismo de James. Obviamente, falar do método de James já é falar de seu método histórico-materialista. Mais especificamente, Os Jacobinos Negros é considerado pioneiro na abordagem da história dos vindo de baixo.

Você escreve: “Já na década de 1930, James imaginou ex-escravos negros funcionando como um coro grego em sua peça Toussaint Louverture, de 1936, e sua história em 1938 já constitui uma história marxista pioneira avant la lettre dos anos 1960 nas obras de Albert Soboul, George Rudé, E.P. Thompson, Eric Hobsbawm e outros”.

Aceitando que a abordagem de James da história dos de baixo foi pioneira, você não acha que ela também tem suas peculiaridades?

RD

Sim, eu concordaria com isso: sua abordagem da história dos de baixo não era apenas pioneira, mas também tinha suas peculiaridades. Ela se concentra nas multidões da Revolução Haitiana, embora represente apenas alguns rostos na multidão. Ela também chama a atenção para protagonistas alternativos, incluindo Moïse (sobrinho de Louverture). Sua protegida Carolyn Fick, cuja dissertação James supervisionou ao lado do especialista francês em multidões revolucionárias George Rudé, iria se aprofundar ainda mais em líderes populares alternativos.

A abordagem da história dos de baixo de James é marcada com as ideias-chave da tendência Johnson-Forest, que incluem: a rejeição do conceito marxista-leninista ortodoxo de partido de vanguarda e um foco na auto atividade, auto-organização e mobilização das massas. O que a segunda montagem da peça de James nos mostra em particular é que houve revoluções haitianas dentro da revolução.

VM

Falando de divisões internas dentro da colônia, há duas questões que parecem inter-relacionadas: a denúncia que James faz de “revolucionários negros” autoritários se comportando como governantes brancos e a questão da independência real do Haiti.

Em outras palavras, você acha que, pensando no contexto colonial, James chega a uma teoria mais complexa de uma divisão da sociedade de classes?

RD

Sim, acho que James chega a uma teoria mais complexa de uma divisão social dialética marxista. No contexto colonial, James nos mostra que as relações de classe são importantes, mas também como as relações de poder entre colonizador e colonizado têm a ver com a raça. James fez isso muito antes de Albert Memmi, Frantz Fanon e Jean-Paul Sartre.

VM

Eric Williams recebe o crédito por traçar a conexão entre capitalismo e escravidão em seu Capitalism and Slavery (1944). Seu livro mostra que James – mentor não oficial de Williams – já estava investigando essa ideia em Os Jacobinos Negros.

Você concordaria que a hipótese de James foi pioneira não apenas em mostrar que o comércio de escravos foi a base econômica para a ascensão do capitalismo, mas que o modo de produção de plantações era uma instituição essencialmente moderna de exploração capitalista? Me lembro de W.E.B. Du Bois, em Black Reconstruction in America (1935): “Os escravos negros na América experimentavam as piores e mais baixas condições entre todos os trabalhadores modernos…”

RD

Sim, essas palavras de Du Bois são muito adequadas. Em junho de 1971, James deu outra palestra no Institute of the Black World, que era uma análise comparativa de Os Jacobinos Negros e Black Reconstruction de Du Bois. Ambas as obras nasceram quase no mesmo momento.

Concordo com a hipótese de que James foi pioneiro porque ele deixou claro que o modo de produção escravista das plantações no Caribe era uma instituição essencialmente moderna de exploração capitalista. James traçou a conexão entre capitalismo e escravidão antes de Eric Williams, que publicaria Capitalism and Slavery em 1944. De acordo com James, sua pesquisa para Os Jacobinos Negros gerou diretamente a tese central da dissertação de doutorado de Williams e o livro de história subsequente. Em sua autobiografia inédita, James se apresenta “[escrevendo] com [suas] mãos” e “[escrevendo] em 2/3 páginas” o assunto da tese de doutorado de Williams.

As lembranças de James são claramente coloridas por seu subsequente rompimento com Williams, que é apresentado como um escriba fiel que copia palavra por palavra a tese de seu mentor. Williams acompanhou James em algumas das viagens de pesquisa a Paris nos anos 1930, e James discute como Williams escreveu certas notas de rodapés que apareceram em Os Jacobinos Negros, enquanto James escreveu certas linhas em Capitalism and Slavery. Ambos os trabalhos publicados se encaixam.

No entanto, também poderíamos falar sobre um caso de Os Jacobinos Negros versus Capitalism and Slavery. O Capítulo 12 “The Slaves and Slavery” [Os Escravos e a Escravidão] do livro de Williams é onde as duas obras claramente se sobrepõem. Mas questões foram levantadas se esse Capítulo 12 se encaixava no resto do livro, especialmente por Michael Craton. Na gênese do capítulo de Williams, Selwyn Ryan observa que, depois de receber as provas, James disse que Williams havia deixado os escravos completamente de fora. O que está claro é que Williams tem uma dívida particular com James pela formulação de sua tese central. Dois mestres da música calipso de Trinidad – Black Sage (Phillip Murray) e Short Pants (Llewellyn McIntosh) ­­– são conhecidos por seus riffs sobre C.L.R. James contra Eric Williams.

VM

Você aponta que um modelo importante para a narrativa histórica marxista de James foi O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. Você também sinaliza que James deriva muito de seu método e estilo de História da Revolução Russa, de Trotsky e suas duas teorias principais – desenvolvimento desigual e combinado e revolução permanente. No entanto, você mostra como na década de 1960 James começou a trabalhar com novas fontes que o levaram a reformular seu próprio marxismo, enfatizando as massas sobre a liderança.

Você poderia falar sobre essas mudanças, particularmente em referência ao influente livro de Henri Lefebvre sobre a Revolução Francesa? Você afirma que com essa mudança de ênfase – da liderança para as massas – o livro de James seria melhor intitulado “Black Sansculottes”.

RD

Sim, as duas obras são ambas modelos-chave para James. Quanto às ideias veiculadas – revolução permanente e desenvolvimento desigual e combinado – elas também são essenciais para a história que James narrou em 1938, onde encontraram os contextos coloniais da sociedade escravista de plantações em São Domingos e da revolução anticolonial na África e no Caribe, muito além da Rússia e da China usada como exemplo por Trotsky.

A revolução permanente é usada em Os Jacobinos Negros como um modelo para explicar o desenvolvimento da Revolução Haitiana como a única revolta de escravos bem-sucedida na história. No passado mais distante da Revolução Haitiana, esses escravos sofreram, de acordo com James, com as “opressões concentradas da escravidão” e responderam como “revolucionários por completo […] irmão dos Cordeliers em Paris e dos trabalhadores de Vyborg em Petrogrado.”

Mais tarde, após seu distanciamento de Trotsky, James atacaria ferozmente a noção de revolução permanente, tornando-a um de seus alvos em Notes on Dialectics (1948), onde a descreveu como “precisamente carente de vida, espírito, cor, contéudo” e como a ideia que sempre impulsionou Trotsky em direção aos mencheviques e contra o leninismo (isso é citado na introdução de Paul Le Blanc ao seu livro de 1994 com Scott McLemmee intitulado C.L.R. James e o Marxismo Revolucionário). A crítica de James à revolução permanente é menos dura em algumas obras posteriores. No entanto, James chegaria ao ponto de criticar a teoria de partido revolucionário de Trotsky como “erro permanente” ou “uma ficção”, como observado pela coleção de seus discursos de Martin Glaberman, Marxismo para o Nosso Tempo (1999).

Nos anos 1950, 60 e 70, James começou a trabalhar com novas fontes, especialmente no que diz respeito à historiografia da Revolução Francesa. James comprou as palestras mimeografadas de Lefebvre em 1956 de um dos bouquinistes ao longo das margens do Sena. Os Jacobinos Negros não é apenas um texto da década de 1930, ele novamente se torna um texto ativo na década de 1960. James se baseia no trabalho de Lefebvre, um dos pioneiros da abordagem da Revolução Francesa a partir da história dos de baixo. A edição revisada de Os Jacobinos Negros foi publicada em 1963, quando as histórias definidoras dos de baixo estavam começando a ser publicadas por E.P. Thompson, Albert Soboul e George Rudé, entre outros.

Nas novas notas de rodapé, James esboça como uma história de uma Revolução Haitiana vista pela perspectiva dos de baixo poderia ser. As duas notas de rodapé gigantescas da edição revisada de Os Jacobinos Negros fazem referência à análise de Lefebvre dos sans-culottes. Em meu livro, sugiro que James atualizou sua declaração de 1938/1963 sobre o Haiti e Os Jacobinos Negros com seu ensaio de 1964, “Black Sansculottes”: “This is now!”, foi escrito por James em 1964. Em suas palestras de 1971 sobre Os Jacobinos Negros em Atlanta no Institute of the Black World, o autor faz um comentário sobre as notas de rodapé de Lefebvre, indicando: “Se eu escrevesse este livro novamente, teria algo a dizer sobre aqueles dois mil líderes. Mencionei alguns aqui e ali, mas não o fiz com isso em mente”. Nestas palestras, James inclui verbalmente Albert Soboul – principal historiador dos sans-culottes – indicando ainda mais o deslocamento de sua atenção para esse assunto.

VM

Uma das questões centrais do seu livro é a representação e o drama. Como você cita James: “Não há melhor drama como o drama da história”, e como você acrescenta: “Se não há melhor drama como o drama da história, de acordo com o próprio C.L.R. James, qual foi o papel do drama real na formação de seus próprios relatos da Revolução Haitiana nas diversas versões de Os Jacobinos Negros?”

Uma resposta que você oferece é: “O drama é usado como um meio de dar voz àqueles que não têm nenhuma, ou quase nenhuma, no arquivo imperial, e de tornar as multidões de escravos mais audíveis e visíveis”. Como mostra seu livro, os ex-escravos e suas vozes de oposição são representados como “princípios fundamentais do coro no teatro radical: conflito, contradição, choque e combate”.

Pensando na relação entre política, história e drama, como você entende a vocação do teatro para dramatizar a política?

RD

James é uma pessoa fundamentalmente política que se apresenta inclusive como um “não-dramaturgo” nas notas do programa da segunda montagem de Os Jacobinos Negros, apresentada pela primeira vez em 1967. A razão pela qual ele se volta para o teatro é para dar vida no palco à política. Relativamente poucas pessoas perceberam que Os Jacobinos Negros começou e terminou como duas peças muito diferentes. Toussaint Louverture: A história da única revolta de escravos bem-sucedida da história só foi apresentada duas vezes no Teatro Westminster em março de 1936, com Paul Robeson como protagonista.

Essas duas performances foram notáveis pela presença considerável de pessoas negras no elenco. Em ambas as peças, James explora os recursos do drama para mostrar o passado da Revolução Haitiana. Ele claramente foi influenciado por teatros de esquerda e movimentos teatrais na Grã-Bretanha e na América. Quanto às duas edições do livro Os Jacobinos Negros em 1938 e 1963, há páginas e páginas de diálogos dramáticos, o que nos dá a impressão que estamos lendo uma peça de teatro.

Foi interessante pensar nas qualidades especiais do teatro. David Scott invocou brilhantemente algumas das revisões da história de James para contrastar dois modos de narrativas históricas: o romance da primeira edição de 1938 versus a tragédia da segunda edição de 1963. A tragédia está, no entanto, também na primeira edição, e a segunda edição não é desprovida de esperança. Vários analistas se referem ao sentimento literário de Os Jacobinos Negros. O que procuro fazer é analisar a trajetória da obra como drama factual e como obra literária.

A relação entre o teatro e a política é tão estreita que muitas vezes ambos são apresentados como primos de segundo grau. O teatro tem sido descrito como a “mais pública das artes” e como uma das artes da apresentação/representação que, tal como a fotografia, tem um acesso privilegiado à verdade. Este papel intrinsecamente político do teatro como uma máquina de representação também o conecta fortemente com a ação, já que personagens mortos e eventos históricos de muito tempo atrás podem ser trazidos à vida por atores de carne e osso que realizam esses feitos no palco, como se estivesse acontecendo agora.

As peças de teatro político, como Toussaint Louverture (1936) e Os Jacobinos Negros (1967), tem o objetivo de encenar a política e a revolução (com a peça representando a situação dos escravos/oprimidos que alimentam a economia capitalista e sua revolução que pode mudar o mundo), para provocar o público a fazer política e revolução por sua vez, resistindo a um estado de coisas semelhante ao apresentado na peça. Na história versus a peça, é o caso de contar versus mostrar. Transformar o passado em drama permite que James mostre povos negros “agindo em larga escala” – uma de suas motivações-chave, como ele próprio afirma em seu prefácio de 1980 para Os Jacobinos Negros.

VM

Sobre o Apêndice “De Toussaint Louverture a Fidel Castro”, você escreve, “por meio da adição do Apêndice, a rede de argumentação de Os Jacobinos Negros se torna mais do que a soma de todas as suas partes (…) o desenvolvimento dialético criativo do livro como um todo – o processo de mudança total de sua reescrita – é decretado neste Apêndice.”

Você poderia comentar mais amplamente este trecho? Em um ponto, você destaca que James sentiu que o que liga Louverture a Castro não é o mais óbvio – que ambos lideraram revoluções nas Índias Ocidentais – mas, como você diz, “eles usam esses amparos na literatura para mapear a busca por uma identidade nacional…”

RD

O apêndice tem apenas 30 páginas, mas este ensaio telescópico consegue abranger o estilo dos panfletos políticos de James, seu comentário social composto e estilo de jornalismo, a crítica literária da literatura das Índias Ocidentais, incluindo a dissolução da Federação das Índias Ocidentais e movimentos de independência. O hibridismo realmente marca a forma e o conteúdo final em Os Jacobinos Negros.

Esse hibridismo é apropriado para apresentar a visão consolidada ideal de James na federação caribenha. Isso seria muito mais inclusivo do que a união política de curta duração da atual Federação Britânica das Índias Ocidentais, que durou de 3 de janeiro de 1958 a 31 de maio de 1962. A federação caribenha ideal de James abrangeria Martinica, Guadalupe, Haiti, Cuba e os antigos territórios caribenhos holandeses, bem como as ilhas anglófonas da região. É realmente no Apêndice que James muda as coordenadas do espaço-tempo em Os Jacobinos Negros, conforme caminhamos da África da década de 1930 para as Índias Ocidentais na década de 1960 em busca de uma identidade. Em última análise, James sublinha o hibridismo da identidade das Índias Ocidentais, que possui uma qualidade inacabada e provisória, como Os Jacobinos Negros é em si um projeto de história.

VM

Uma das grandes passagens de seu livro trata da tradução que James faz, no apêndice, do famoso poema de Aimé Césaire, “Cahier d’un retour au pays natal” [Diário de retorno ao país natal], de 1939. Para encerrar, você poderia dizer algumas palavras sobre essa tradução?

RD

O Cahier, de Césaire, e Os Jacobinos Negros, de James, foram publicados nas vésperas da Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, foram rescritos várias vezes. Pouca atenção foi dada à importância fundamental da tradução que James faz do Cahier, publicada na edição de 1963. Bem no centro do apêndice está a tradução do próprio James e uma análise estendida do poema. A tradução criativa de James torna o poema de Césaire como se fosse seu. Ele reformulou o título como “Declaração de retorno ao país onde nasci”.

Em grande parte, o apêndice nos fornece a própria declaração de James e as perspectivas de seu próprio retorno à Trinidad para participar da política de lá. “Declaração” traz à mente uma comunicação como seu próprio panfleto político, Party Politics in the West Indies (1962), lidando com seu rompimento com Williams e o People’s National Movement, bem como seu agudo senso de decepção sobre a dissolução da Federação das Índias Ocidentais. Estas são, assim como o Cahier de Césaire, as placas de sinalização que marcam o apêndice. Ele incorpora parte do poema, de modo que ele literalmente se torna parte de Os Jacobinos Negros.

Quando comparamos a versão de James para o poema de Césaire, é então que a extensão da má leitura e da má tradução criativa de James emerge fortemente como uma reescrita criativa do original. O que James transforma completamente é o sentido do poema original, criando para ele um novo significado. Para tornar o poema seu, James inicia e termina sua tradução em pontos distintos de Césaire. James dialoga com Césaire. Os pronomes dos oradores costumam mudar à medida que James apresenta todos se reunindo no “encontro da vitória”, que é para ele o clímax do poema de Césaire. A reescrita envolve quebrar as longas linhas de prosa de Césaire em um arranjo de versos poéticos mais tradicionais. Desta forma, o Cahier é reescrito de forma que as linhas mais curtas agora se pareçam mais com versos, fazendo com que a forma do poema se destaque mais contra a prosa de James no resto do texto. Quando James reorganiza o poema, o que ele identifica como sendo seu centro e onde termina sua tradução está, na verdade, bem no meio de uma linha no meio de um estrofe.

James termina traduzindo “et il est place pour tous au rendez-vous de la conquête” como “e há um lugar para todos no encontro da vitória”. Em francês e inglês, as palavras equivalentes são “conquête” para “conquista” e “victoire” para “vitória”. Se James tivesse procurado traduzir isso mais de perto, ele poderia ter proposto “no encontro da conquista”. Essa mudança de apenas uma palavra é muito significativa. Enquanto “conquista” está ligada a conotações mais negativas, “vitória” é mais positiva: se refere aos vencedores, enquanto a conquista se refere aos perdedores. Assim, James muda o final do poema de Césaire, que não é o final real de Cahier, reescrevendo-o.

Isso – a própria reescrita de Césaire por James – mais tarde se tornaria um marco importante em seu trabalho. Subsequentemente, No Encontro da Vitória se tornaria o título de todo um volume de escritos de selecionados de James em 1984. C.L.R. James sempre citava sua própria tradução de Cahier, dizendo, “prefiro isso a qualquer outra, simplesmente porque eu o fiz”.

Sobre os autores

é professora de francês na Universidade de Glasgow. Ela é a autora de "Making the Black Jacobins: C. L. R. James and the Drama of History".

é professora de filosofia do direito na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Suas áreas de pesquisa são filosofia política e história.

Cierre

Arquivado como

Published in América Central, Entrevista, Livros and Revoluções

One Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux