Trabalho sexual é trabalho

26/08/2021

Por
Natalie Shure

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Trabalhadoras e trabalhadores do sexo não precisam ser salvos. Eles precisam, e estão demandando, o que todos os outros trabalhadores necessitam: a organização da sua categoria e o poder de ditar os termos de seu próprio trabalho.

A criminalização traz a polícia e agrava a situação, empurrando seu comércio para a clandestinidade, expondo-o a maior violência e exploração. Foto de Courtesy Danielle Blunt.

Resenha do livro Revolting Prostitutes: The Fight for Sex Workers’ Rights, by Juno Mac and Molly Smith (Verso, 2018).


A manifestação na Washington Square Park, em Manhattan, em 2 de junho de 2018 foi um divisor de águas: centenas de profissionais do sexo e seus aliados compareceram para comemorar o primeiro Dia Internacional das Prostitutas desde a aprovação do FOSTA / SESTA, uma lei federal que muitas profissionais do sexo dizem tornar seu trabalho menos seguros.

Foi a maior manifestação pelos direitos das trabalhadoras do sexo que Kaytlin Bailey, diretora de comunicações da Decriminalize Sex Work, já viu: “Havia centenas de pessoas lá em vez de dezenas”, lembrou ela. “Só de ver a energia e a massa de pessoas se reunindo no espaço público para se declarar como trabalhadoras do sexo e aliados parecia um momento transformador. E foi causado, eu acho, pelo impacto imediato do FOSTA / SESTA.”

O FOSTA / SESTA permite que o governo responsabilize as plataformas online por facilitar o comércio ilegal de sexo, incentivando os sites a reprimir uma ampla gama de conteúdo erótico dos usuários. Aprovada sob o pretexto de deter o tráfico sexual, os críticos dizem que a lei põe em perigo as trabalhadoras do sexo, impedindo-as de encontrar e rastrear clientes, bem como manter redes críticas com colegas que compartilham recursos, avisos e outras formas de apoio em uma indústria colocada frequentemente na clandestinidade. Como Bailey explicou, ao contrário das incursões localizadas em bordéis ou do policiamento do trabalho sexual nas ruas, o FOSTA / SESTA tinha como alvo todas as formas de trabalho sexual de uma só vez – inadvertidamente unindo as trabalhadoras do sexo ao tornar visível sua luta compartilhada.

Para Bailey, a solidariedade exibida no Washington Square Park naquele ano ecoou os acontecimentos de 1975 – que mais tarde deram o nome de Dia Internacional das Prostitutas e que as ativistas apontam como o advento do movimento moderno pelos direitos das trabalhadoras do sexo. Centenas de trabalhadoras do sexo em Lyon, França, ocuparam uma rede de igrejas para exigir o fim da criminalização brutal de seus meios de subsistência, protestando contra o assédio policial, estatutos anti-cafetinagem e fechamentos de hotéis que tornavam quase impossível construir vidas dignas e estáveis. Durante oito dias, as trabalhadoras do sexo em todo o país entraram em greve.

O fato de as ações lideradas por trabalhadoras do sexo em 1975 e 2018 terem surgido como ferozes protestos contra a criminalização não é surpresa, e como autores, ativistas e profissionais do sexo Juno Mac e Molly Smith expõem isso em seu livro Revolting Prostitutes: The Fight for Sex Workers’ Rights: descriminalizar esse trabalho é uma exigência essencial feita por pessoas que trabalham com isso no mundo todo. Não apenas as medidas carcerárias são ineficazes, argumentam elas, mas também opressoras, marginalizando e empobrecendo ainda mais as pessoas que pretendem proteger. Justiça não será encontrada na prisão das trabalhadoras do sexo, nem acabando com a demanda por sexo comercial ou “retirando” as trabalhadoras do sexo para empregos de baixa remuneração em lojas. Virá dos próprios trabalhadores se organizando e construindo poder para obter controle sobre suas condições de trabalho e desafiando o contexto econômico e político que leva muitos trabalhadores a vender sexo em primeiro lugar.

Um protesto no Melbourne Writers Festival em 2016. Foto: Arquivo de imagens do Vixen Collective

Mac e Smith fornecem uma análise econômica robusta do comércio do sexo, argumentando que as pessoas vendem sexo por um motivo muito simples: elas precisam de dinheiro ou recursos, e o trabalho sexual é a melhor opção que têm para obtê-lo. Se isso soa familiar, deveria – é a mesma razão que qualquer um vender seu trabalho para sobreviver sob o capitalismo. Para trabalhadoras de status mais elevado, o trabalho do sexo provavelmente não é a opção profissional mais atraente (embora para quem seja tende a promover o argumento burguês “Eu escolho ser uma acompanhante porque é empoderador!”, contra o qual Mac e Smith habilmente rebatem). Amar genuinamente o próprio trabalho é um privilégio raro, e a maioria das pessoas não tem essa opção.

Em vez disso, aqueles que vendem sexo normalmente o fazem porque as alternativas são piores. As horas e o pagamento podem ser melhores do que empregos com salário mínimo ou mais adequados para as despesas de casa, os salários vêm mais rápido e em dinheiro, e o dinheiro pode ser uma tábua de salvação para aqueles que podem enfrentar a discriminação formal na contratação, incluindo imigrantes sem documentos, usuários de drogas, ex-detidos ou LGBTQ.

Em outras palavras, as pessoas com maior probabilidade de vender sexo muitas vezes já estão à margem da sociedade e suas necessidades materiais não desaparecem repentinamente quando o trabalho sexual é criminalizado. Na verdade, trazer a polícia agrava a situação, empurrando seu comércio para a clandestinidade, expondo-o a maior violência e exploração.

Como ilustram Mac e Smith, essa dinâmica ocorre em vários regimes jurídicos diferentes. Em países como Estados Unidos, Quênia e África do Sul, onde comprar, vender ou apoiar o sexo comercial é ilegal, trabalhadoras do sexo são perseguidas, menos empregáveis ou sobrecarregam-nas com multas que podem ter dificuldade em pagar. Além disso, fichas criminais e períodos de encarceramento podem ameaçar o acesso das profissionais do sexo à moradia ou custódia de seus filhos.

Essas consequências tornam-se cada vez mais severas, desencadeando um ciclo vicioso em que é necessário vender mais sexo. A necessidade de ter que evitar a polícia cria um poderoso incentivo para as profissionais do sexo que trabalharem sozinhas e em áreas isoladas, onde estão sujeitas a roubos e violência. Isso leva alguns a buscar a proteção de um gerente, contra o qual não podem contestar roubo de salário, assédio sexual ou outras formas de exploração no local de trabalho. Finalmente, a criminalização aumenta os abusos da polícia, que pode facilmente alavancar a ameaça de acusações criminais ou deportação para coagir as trabalhadoras do sexo a praticar sexo ou suborno.

Dinâmicas semelhantes ocorrem em países com outras estruturas jurídicas. O chamado “modelo nórdico”, que descriminaliza a venda de sexo, mas criminaliza a compra e, de outra forma, a cumplicidade em sua venda, foi saudado por alguns como uma alternativa feminista compassiva à criminalização em larga escala. Mas Mac e Smith estouraram essa bolha, argumentando que o modelo replica muitos dos atributos prejudiciais de regimes mais punitivos.

Os clientes podem hesitar em fornecer informações pessoais para fins de triagem ou esperar encontrar-se em áreas isoladas e perigosas para minimizar o risco de serem pegos. As trabalhadoras do sexo podem se preocupar em ser despejadas por proprietários que não querem enfrentar acusações de abrigar bordéis, tornando mais difícil trabalhar em conjunto (e com mais segurança) ou em casa.

Mesmo em jurisdições legalizadas e regulamentadas como partes da Holanda e Nevada, duras penalidades criminais ameaçam aqueles que trabalham fora dos limites sancionados no trabalho sexual legalizado, afetando aqueles que não se qualificam para trabalhar em bordéis legais, como pessoas com antecedentes criminais, dependência de drogas ou HIV.

Finalmente, a imigração e a fiscalização das fronteiras criam uma situação em que os migrantes sem documentos incorrem em grandes dívidas ao viajar para o exterior e são excluídos da maioria dos locais de trabalho e enfrentam graves riscos, incluindo detenção e deportação. Este desequilíbrio de poder significa não apenas que o trabalho sexual está entre as poucas e limitadas opções para migrantes, mas que eles pagam um preço extraordinariamente alto quando são capturados pela polícia. Como tal, esses trabalhadores e trabalhadoras são particularmente mais vulneráveis a abusos por parte de manipuladores, clientes e agentes da lei.

Em suma, o comércio do sexo é desproporcionalmente composto de pessoas pobres e marginalizadas, e esses fatores são agravados pela criminalização. Ao defender sua posição, Mac e Smith se opõem aos pontos de discussão de organizações conhecida como “indústria de resgate” que tentam salvar as pessoas do trabalho sexual, bem como feministas carcerárias e punitivistas que clamam pelo “fim da demanda” ou implementação mais ampla do modelo Nórdico.

Ativistas pedem a descriminalização da prostituição na Escócia. Foto de Ian Rutherford

Intervenções que tentam punir legalmente o comércio do sexo, ou expulsar os indivíduos dele, deslocando-os para outros empregos de baixa remuneração, não fazem nada para desafiar a falta de poder social e econômico que leva as pessoas ao trabalho sexual em primeiro lugar. Como disse Bailey, “se você tem um problema com alguém fazendo algo que de outra forma não faria por dinheiro, você não tem problema com o trabalho sexual – você tem um problema com o capitalismo”.

Isso é uma questão perfeitamente razoável para ter um problema. Mas a maneira de lidar com isso não é proibindo os negócios mais estigmatizados da sociedade – é construindo e organizando o poder dos trabalhadores e trabalhadoras para ditar os termos de seu próprio trabalho. Ao se organizarem em solidariedade umas com as outras, as profissionais do sexo poderiam ter uma vida mais segura, estável e digna. Eles poderiam lutar contra os danos de clientes e gerentes exploradores e lutar para ganhar recursos que conferem um controle real sobre suas vidas, ampliando sua gama de opções além de “vender sexo ou passar fome”. A descriminalização do trabalho sexual é uma pré-condição para tudo isso e deve ser central como uma exigência socialista.

É uma exigência que as próprias profissionais do sexo vêm fazendo há muito tempo. Eles merecem alguma solidariedade.

Sobre os autores

Natalie Shure é uma produtora de TV e escritora cujo trabalho é publicado no Atlantic, Slate, Pacific Standard e em outros lugares.

Sobre o autor

Natalie Shure Natalie Shure é uma produtora de TV e escritora cujo trabalho é publicado no Atlantic, Slate, Pacific Standard e em outros lugares.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux