Como um jogador palestino da Cisjordânia foi parar na elite do futebol

29/09/2021

Por
Kieron Monks

Tradução
Gercyane Oliveira

Oday Dabbagh tornou-se o primeiro jogador de futebol de origem palestina a jogar nas principais ligas da Europa. A sua história é um símbolo da resistência palestina contra décadas de ocupação brutal feita por Israel.

Oday Dabbagh depois de assinar pela equipa portuguesa Arouca este verão. (Futebol Clube de Arouca)

Aos 80 minutos de uma vitória em casa, em Porto, no final de agosto, o time visitante faz uma substituição.

Arouca, o time visitante, estava numa desvantagem de 3-0, mas Oday Dabbagh desfruta do animado espetáculo na sua estreia. Ele acerta o único chute do time no alvo, enfrenta o tricampeão da Liga dos Campeões, e recebe um cartão amarelo por puxar um adversário. Minutos após o apito final, os vídeos estão no YouTube e a página do Instagram do Arouca é inundada com anúncios sobre a nova contratação.

O primeiro palestino nascido em território palestino numa liga europeia de elite foi um momento único a ser saboreado.

Nas semanas que antecederam o anúncio oficial da transferência de Dabbagh do campeão kuwaitiano Al-Arabi, os seus dedicados fãs suportaram com ansiedade a espera da aprovação do seu visto, e pentelharam o rei das fofocas sobre transferências no futebol, Fabrizio Romano, para trazer mais atualizações.

Um grupo de palestinos da diáspora fez algo semelhante, com o argentino Daniel Mustafá, nascido no Belenenses. Mas Dabbagh é o primeiro produto do futebol nacional palestino. Alguns dias após o lançamento do novo atacante do Arouca, a Primeira Liga subiu para quinto lugar no ranking da UEFA (o “efeito Dabbagh”), acima da Ligue 1 na França. A inteligência aguçada dos meios de comunicação notou que isto significava que o Dabbagh estaria jogando a um nível superior ao de Lionel Messi.

A crença fervorosa dentro do futebol palestino, e do próprio jogador, é que a sua estrela vai continuar subindo.

“Pelo Meu Povo”

Dabbagh reconhece o impacto do sucesso na sua terra natal, e isso o inspira. “Claro, isto é um grande sentimento e uma fonte de orgulho não só para mim mas para todos os palestinos”, diz ele, respondendo a algumas perguntas. “Eu espero poder jogar bem e ser um embaixador dos jogadores palestinos”.

Descobriu o futebol quando era criança e cresceu na Velha Cidade de Jerusalém, onde praticava os dribles nas antigas pedras de paralelepípedos copiando Robin van Persie. Alguns vestígios desta influência podem permanecer no toque instintivo de Dabbagh, embora ele marque mais do que o mestre holandês.

Aos 16 anos, já jogava pela equipe Hilal al-Quds da Divisão de Primeira Liga da Cisjordânia (WBPL) e marcou três gols na sua estreia.

“Via-se que tinha capacidades e qualidades acima do resto dos seus colegas de equipe”, diz Roberto Kettlun, um chileno-palestino que jogou ao lado do Dabbagh nessa época. “Ele tinha a mentalidade para competição de alto nível… e a humildade para continuar melhorando”.

Hilal al-Quds continuou a ganhar o título em cada uma das três temporadas seguintes, com Dabbagh cada vez mais próspero. Terminou 2018-19 como artilheiro da liga com 16, e alcançou a maior pontuação para um palestino na Taça AFC – equivalente da Ásia à Liga Europa. Dabbagh tinha também entrado na seleção nacional e marcou o seu primeiro gol pela Palestina aos 19 anos de idade. O futebol sob ocupação não era fácil. Os jogos eram adiados enquanto uma equipe se encontrava num local de controle. O Estádio Faisal Al-Husseini, lar tanto de Hilal al-Quds como da equipe nacional, teve de ser abandonado várias vezes quando foi atingido por gás lacrimogêneo pelo exército israelense. Aos jogadores foi negada autorização para viajar ao estrangeiro, e equipes de outros países árabes recusaram-se a jogar fora da Palestina para evitar a normalização com Israel.

O companheiro de equipe de Dabbagh, Sameh Maraaba, faltou a jogos importantes enquanto ficou detido durante 8 meses numa prisão israelense sob “detenção administrativa” – uma situação que permite uma prisão indefinida sem acusações -. Ele foi apenas o último de uma longa fila de jogadores palestinos que sofreram o mesmo destino. Enquanto os grupos de linchamento patrulhavam as cidades israelenses à procura de Árabes durante o mês de maio, os jogadores que viviam dentro da Linha Verde não puderam viajar para um campo de treino, e dois jogadores perderam as suas casas durante o bombardeio de Gaza.

“Todos os atletas palestinos enfrentam desafios por causa da ocupação”, diz Dabbagh. “Mas com perseverança, concentração, e encarando os desafios de frente, é possível alcançar os seus objetivos e sonhos”.

No verão de 2019, o jovem atacante estava ansioso para jogar num nível mais elevado. Dabbagh negociou a sua partida com a relutante Associação de Futebol Palestino e assinou com o time Al-Salmiya do Kuwait em Julho. A sua primeira temporada foi uma prova difícil, na qual partiu uma clavícula, pegou COVID-19 e lutou para se estabelecer. Mas prosperou no Al-Arabi em 2020-21, onde ganhou o título da liga e a Bota de Ouro.

Al-Arabi recebeu o troféu em maio, na mesma época que uma onda violência mortal varreu a pátria de Dabbagh. Ele publicou uma dedicatória: “Ao meu país, a Palestina, que é difícil de destruir. Para o meu povo, que se recusa a sucumbir à humilhação, que não sabe o significado da rendição ou da derrota”.

Sucesso e sabotagem

O sucesso de Dabbagh é sem precedentes, diz Bassil Mikdadi, operador do FootballPalestine.com, o veículo que melhor cobre o futebol na Palestina.

“Os jogadores palestinos que são produzidos pelo sistema da liga de futebol da Cisjordânia e Gaza não vão para a Europa”, diz ele.

Mikdadi cobre o futebol palestino desde 2008, e diz que Dabbagh é o jogador mais fascinante que já viu “de longe. Mas há mais jogadores na equipe nacional atual que poderiam jogar na Europa”.

Entretanto, Dabbagh é outra coisa. A velocidade da sua passagem pelas laterais distingue-o, e a sua mudança para Portugal aos 22 anos de idade é um timing perfeito. Deve melhorar técnica e fisicamente, e Mikdadi espera que ele se junte a um clube maior dentro de uma ou duas temporadas.

Esta é uma visão de consenso entre aqueles que têm trabalhado com a Dabbagh. O seu empresário no Al-Arabi, Ante Miše, o compara com outro dos seus antigos jogadores, Mario Mandžukić, uma estrela na Juventus e Bayern Munich.

O sucesso de Dabbagh é simultaneamente um crédito ao futebol nacional palestino e, apesar disso, diz Mikdadi. Existe finalmente uma estabilidade para a WBPL que vê cada temporada começar e terminar sem interrupção, ao contrário do período caótico que antecede o final da Segunda Intifada. Se Dabbagh tivesse nascido 10 anos antes, provavelmente teria desaparecido sem deixar qualquer rastro. Agora, ele é um dos vários talentos emergentes, e o seu sucesso poderia levar a propostas da Europa para outros palestinos.

Mas os jogadores estão decepcionados pela administração fraca, acrescenta Mikdadi. Os jogadores de futebol passam frequentemente meses sem receberem o seu salário. A liga e os clubes não estão gerando receitas sustentáveis, como exemplifica Hilal al-Quds, que não consegue negociar qualquer porcentagem das taxas de transferência futuras para a Dabbagh. Num país obcecado pelo futebol, a assistência é fraca, o que Mikdadi atribui a locais bizarros para construir estádios e um marketing letárgico.

A dinâmica é semelhante a nível nacional. A Palestina viveu recentemente uma era dourada, qualificando-se para duas taças asiáticas sucessivas, registrando uma série de bonitas vitórias, e subindo acima de Israel no ranking mundial pela primeira vez.

Mas Mikdadi sente que a equipe tem sido frequentemente sabotada. O popular e bem sucedido treinador Abdel Nasser Barakat foi subitamente substituído pelo boliviano Julio Baldivieso em 2017, sob um acordo que envolveu o pagamento dos salários pela Associação de Futebol Saudita, antes de trazer de volta a equipa de Barakat – sem o Barakat – quando os resultados sofreram uma queda. Em março, a Associação de Futebol da Palestina voluntariou-se para jogar um jogo decisivo das eliminatórias do Campeonato do Mundo com a Arábia Saudita, apesar de a maioria dos seus jogadores não poder viajar, e perdeu por 5-0.

Mas os resultados melhoraram desde o retorno da equipe de Barakat, e, com a atribuição da Ásia sediar a Copa do Mundo em 2026, há um otimismo de que a Palestina poderia fazer a sua estreia na competição.

Expressão de identidade

O sucesso de Dabbagh é mais do que o futebol, diz Ramzy Baroud, um autor que passou uma vida inteira escrevendo sobre a luta pela libertação da Palestina.

“O futebol faz parte da luta palestina pela liberdade”, diz ele, observando que os clubes têm o nome de mártires, enquanto a equipe nacional é conhecida como “o Fida’i”, em homenagem aos combatentes do Fedayeen.

“Quando a seleção nacional palestina foi admitida na FIFA em 1995, esse único evento teve um significado profundo para os palestinos”, diz Baroud. “Não foi apenas mais uma notícia de futebol, mas um símbolo da nossa auto afirmação coletiva como uma nação que luta pelo reconhecimento, liberdade e, o mais importante, contra todas as tentativas que visam o nosso apagamento”.

Oday Dabbagh posa depois de assinar pela seleção portuguesa Arouca neste verão. (Futebol Clube de Arouca)

O futebol é um terreno favorável para os palestinos, diz o jornalista veterano Daoud Kuttab, apontando a solidariedade demonstrada pelos futebolistas durante o bombardeio de Gaza e a recepção nos estádios de todo o mundo.

“O fato de Dabbagh ser palestino vai ser uma fonte de atenção e, espera-se, de apoio, pois muita gente no futebol tem apoiado a causa palestina”, diz ele.

Kuttab observa que as grandes figuras da FIFA têm visitado frequentemente a Palestina, não por sua vontade própria, mas devido aos desejos dos países membros da entidade. Kuttab espera que a causa palestina seja altamente visível no Campeonato do Mundo no Qatar, no próximo ano.

Dabbagh pode também contrariar a desumanização coletiva dos palestinos, acrescenta Kuttab, minando a propaganda israelenses que diz que Palestina é uma nação de terroristas. “Um jogador de futebol palestino bem sucedido percorre um longo caminho no sentido de quebrar esta estigmatização”.

Dabbagh não esconde a sua ambição. “Quero atingir o auge do esporte e jogar nas maiores ligas do mundo”, diz ele. Sua nação estará com ele a cada passo neste caminho.

Sobre os autores

é jornalista em Londres e escreve sobre questões sociais e movimentos políticos. Ele escreve para CNN Digital, Guardian, Prospect e Middle East Eye.

Sobre o autor

Kieron Monks é jornalista em Londres e escreve sobre questões sociais e movimentos políticos. Ele escreve para CNN Digital, Guardian, Prospect e Middle East Eye.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux