A distopia tecnológica na sala de aula

13/10/2021

Por
Megan Erickson

Tradução
Lenna Nascimento e Everton Lourenço

A educação não é um problema estrutural esperando por uma solução técnica; é um projeto social e político do qual os neoliberais querem se livrar por meio de inovações e sucateamento.

Carteira digital. Jacobin Mag, ed. 17

O artigo abaixo foi escrito em 2015 e portanto é anterior à adoção forçada de várias ferramentas tecnológicas na mediação das aulas durante a pandemia da Covid-19, com suas consequências e contradições.


Em um treinamento de desenvolvimento profissional em 2015, me disseram para imaginar o tipo de escola que eu construiria se tivesse 5 milhões de dólares. Rascunhei algumas ideias, as compartilhei com o grupo e então me pediram para considerar como poderia implementá-las agora, sem o dinheiro.

O ponto era esse: esqueça a grana. Esqueça que nos EUA os professores gastam uma média de 500 dólares por ano suprindo suas salas de aula com materiais. Tudo é possível, se você colocar sua mente naquilo que quer fazer.

De forma similar, o Design Thinking para Educadores, a “caixa de ferramentas para projetos” de 81 páginas disponibilizada para professores como um download gratuito  pela empresa sediada em Nova Iorque IDEO – que já projetou cafeterias para o Distrito Escolar Unificado de São Francisco; transformou bibliotecas em “laboratórios de aprendizado” para a Fundação Gates; e desenvolveu um plano de marketing para a Universidade Capella,  que oferece Educação à Distância e é orientada ao lucro – não contém ferramentas físicas. Problemas variando desde “não consigo fazer meus estudantes prestarem atenção” até “os estudantes vêm para a escola com fome e não conseguem se focar no trabalho” são definidos pela organização como oportunidades para disfarçadamente exercitar a prática de pensar em projetos.

Tim Brown, o CEO da IDEO e figura costumeira em Davos e em TED talks, descreveu o “design thinking” como uma forma de injetar planejamento “local, colaborativo e participativo” no desenvolvimento de produtos, processos organizacionais – e agora, em escolas.

O Design Thinking para Educadores está cheio de gráficos e esquemas muito bem desenhados e de questões como “de que forma podemos criar uma experiência de aprendizado do século XXI na escola?”, com respostas de parágrafo único. A palavra “responsabilidade” é usada três vezes no texto, sempre em referência à necessidade dos professores de realizar “brainstorms” para juntos consertarem os problemas e desenvolverem “uma perspectiva evoluída.” (A palavra “financiamento” simplesmente não é usada – nem a palavra “exigir”.)

Nós ficamos sabendo que o corpo docente de uma escola embarcou em uma “jornada de design” e chegou a uma abordagem que chamam de “aprendizado investigativo”, que vê os alunos “não como receptores de informações, mas como os construtores do conhecimento,” sem detalhes mais profundos sobre como exatamente isso foi alcançado.

É claro, a ideia de envolver os estudantes como co-professores em sua própria educação não é nenhuma novidade, e nem se trata de uma inovação que brotou de um único grupo de professores usando organizadores gráficos para fazer brainstorms e mapear soluções.

O educador marxista Paulo Freire desenvolveu sua crítica ao “modelo bancário” de educação – em que as mentes dos estudantes são tratadas como receptáculos passivos para professores enfiarem fatos da mesma forma que se coloca moedas em um cofre – enquanto ensinava brasileiros adultos e pobres a ler nos anos 60 e 70. Seu livro “Pedagogia do Oprimido” ajudou a reacender o movimento de educação progressista daquela era, e sua abordagem colaborativa para o aprendizado permanece influente nas faculdades de pedagogia estadunidenses ainda hoje.

Peter McLaren, que lecionou no ensino fundamental e médio em complexos de moradia pública por cinco anos antes de se tornar professor universitário e pesquisador em Educação, tem desenvolvido as ideias de Freire em um corpo extensivo de pedagogia crítica revolucionária, o qual conheci em minha primeira aula como mestranda em educação. O projeto “Matemática Radical” (“Radical Math”), lançado em meados da década de 2000 por um professor de ensino médio no Brooklyn cuja escola estava localizada a cerca de trezentos metros de uma instalação de despejo de lixo tóxico, bebe fortemente da perspectiva de Freire em seu currículo pela integração da justiça econômica e social na Matemática.

E ainda assim, aí estão os EUA, uma “nação em risco” (para usar uma expressão já utilizada em relatórios oficiais sobre a educação no país), com notas mais baixas em testes do que seus pares internacionais e crianças ainda chegando na escola todos os dias sem tomar o café da manhã.

Como todas as filosofias gerenciais modernas que escoram seus nomes em inovação, o “design thinking” foi concebido por acólitos da classe-criativa como um novo caminho para resolver velhos e persistentes desafios – mas suas ideias não são novas de verdade.

De acordo com Tim Brown, os “design thinkers” começam com uma necessidade humana e avançam no aprendizado por meio da construção, “ao invés de pensar sobre o que construir, construindo para pensar.” Seus protótipos, ele diz, “aceleram o processo de inovação, porque é apenas quando nós colocamos nossas ideias no mundo que começamos a entender suas forças e fraquezas. E quanto mais rápido fizermos isso, mais rápido nossas ideias evoluem.”

O que o “design thinking” oferece, em última análise, não é uma evolução, mas a aparência e a sensação de progresso – gráficos legais, configurações esteticamente interessantes de espaço e mobília – lado a lado com a familiar e gratificante ilusão de eficiência. Se problemas institucionais e estruturais puderem ser solucionados através de nada mais que reuniões de brainstorm, então é possível que as entradas num nível macro (livros didáticos, salários dos professores) permaneçam as mesmas, enquanto os resultados (desempenho em testes, serviços ao cliente) melhorem. Da perspectiva capitalista, essa é a única alquimia que importa.

O Design Thinking para Educadores insta os professores a serem otimistas sem dizer porquê, e a simplesmente acreditar que o futuro será melhor. A “caixa de ferramentas” instrui os professores a terem uma “mentalidade abundante”, como se a solução de problemas fosse um hábito mental. “Por que não começar com ‘E se?’ ao invés de ‘O que há de errado?’”.

Há muitas razões para começar com “O que há de errado?” Essa questão é, no fim das contas, a base do pensamento crítico. A crença num futuro melhor dá uma sensação maravilhosa se for uma bandeira que você consegue agitar – mas é passiva, irrelevante e inerte sem uma análise sobre como chegar lá. As únicas pessoas que se beneficiam da estratégia de “construir agora, pensar depois” são aqueles empoderados pelas relações sociais do presente.

As mesmas pessoas se beneficiam quando a análise é abandonada em nome de soluções técnicas – quando é ignorada a longa história da educação para a libertação, de Paulo Freire às Escolas da Liberdade SNCC (sigla de Comitês de Coordenação Estudantil Não-Violenta), passando pelas escolas dos Panteras Negras e chegando nos projetos de Matemática e Álgebra Radicais (nenhum deles perfeito, mas todos instrutivos).

Não é surpreendente, então, que quando Carlos Rodríguez-Pastor Persivale, o bilionário filho de uma família de banqueiros da elite peruana,  decidiu expandir seu império de restaurantes e cinemas através da compra de uma rede de escolas primárias de língua inglesa com fins lucrativos, o seu  primeiro passo foi entrar em contato com a IDEO e contratá-la para projetar tudo: os edifícios, o orçamento, o currículo, as oportunidades de desenvolvimento profissional para os professores. A rede é chamada Innova, e está a caminho de se tornar o maior sistema de escolas privadas no Peru.

De acordo com a “comunidade de tecnologia educacional” edSurge, a Innova é “mais do que apenas um exemplo de como as idéias do primeiro mundo sobre aprendizado combinado e design thinking podem ser adaptadas em um país em desenvolvimento”. Ela pretende fechar a lacuna de realizações, construir a próxima geração de líderes do Peru, “e obter lucros enquanto faz isso”.

Os alunos da Innova usam programas de tutoria computadorizada projetados pela Pearson e por Sal Khan, um queridinho da Fundação Gates. (Até agora, a história de Khan é canônica entre os leitores da Revista de Administração de Harvard: em 2005, o antigo analista de fundos de cobertura no mercado financeiro resolveu criar um programa de computador simples para praticar problemas de matemática e alguns vídeos de instrução para ajudar seus primos com uma tutoria à distância. O material viralizou no YouTube entre os pais que procuravam atividades de aprimoramento pós-escola para seus filhos, incluindo o próprio Bill Gates.)

Em uma fotografia de um local postado no site da IDEO, os alunos se sentam em grupos de seis, cada um deles concentrado em seu próprio laptop. As paredes modulares da escola desmoronam para permitir que as classes de trinta alunos sejam unidas em um grande grupo de sessenta estudantes em vários momentos ao longo do dia.

Depois de uma visita, Khan observou: “Fiquei deslumbrado quando visitei a Innova. Era lindo, aberto e moderno. Foi inspirador ver uma escola acessível proporcionar uma educação que rivalizaria com as escolas nos países mais ricos.” A questão que fica é “acessível para quem?”

A mensalidade em uma escola da Innova em 2015 era de 130 dólares – uma quantia consideravelmente menor do que o custo de uma escola particular média nos EUA, mas que exigiria o desembolsar de mais de um quarto da renda mensal de uma família vivendo com a renda familiar média peruana na época, de 430 dólares por mês. Metade das famílias cujos filhos frequentam a Innova são chefiadas por casais de profissionais liberais e  – contadores, engenheiros, etc – ou empresários. Para ser justo, Rodríguez-Pastor deixou claro que as escolas são direcionadas especificamente para a classe média peruana emergente, mas os reformadores educacionais estadunidenses possuem uma percepção diferente do que essas escolas representam.

A IDEO promove o fato de que os alunos da Innova em média apresentam um desempenho superior à média nacional em testes de matemática e comunicação como prova de que eles conseguem entregar o que prometem em seu mantra para o projeto: “acessibilidade, escalabilidade e excelência”.

Mas se os resultados nos testes são superiores aos das escolas públicas, não é por causa de professores/designers em uma missão profunda; é, isso sim, porque o custo do ensino é cerca de um quarto da renda média nacional. No fim das contas, um padrão consistente verificado na pesquisa em educação durante o último meio século é que o status socioeconômico dos pais de uma criança é um dos fatores mais fortes para se prever o seu sucesso acadêmico.

“Normalmente no Peru, nossas escolas são como uma prisão”, diz o fundador da Innova, Yzusqui Chessman. “Mas as escolas [da Innova] […] possuem muita transparência, muitas cores e banda larga em todos os lugares.” Transparência e Wi-Fi para a classe média, enquanto todos os outros frequentam escolas semelhantes a prisões?

Considerando os dados, talvez fosse mais revolucionário, mais inovador – mais “fora-da-caixa” – se, ao invés de “kits de ferramentas” gratuitos para “novas ideias”, a IDEO criasse um sistema que garantisse que todas as crianças, ricas ou pobres, tivessem acesso a essas lindas novas escolas. Existe uma solução simples e elegante: torná-las gratuitas e públicas, e taxar com impostos os empresários ricos como Rodríguez-Pastor para pagar por elas.

Por outro lado, o historiador da educação estadunidense Larry Cuban observou que mesmo quando as inovações de fato são bem financiadas para uso em massa nas escolas públicas – durante o “Baby Boom” no pós-segunda guerra mundial, por exemplo, mais de 100 milhões de dólares foram investidos pelo governo federal e pela Fundação Ford para promover o uso de televisores nas salas de aula para aliviar a falta de professores -, essas inovações raramente mudam a natureza fundamental da educação escolar.

Quando pensamos em como poderão ser nas salas de aula do futuro, temos de nos perguntar, como Marshall McLuhan,  sobre o que tecnologias como o rádio e a televisão podem fazer que a sala de aula atual não possa. Isso significa perguntar: o que há de futurista no futuro? E, igualmente importante, de quem será esse futuro? Para quem?

Máquinas de ensino

A tecnologia oferece possibilidades reais para de fato mudar a maneira como nos relacionamos uns com os outros como seres humanos. Por exemplo, a tecnologia adaptativa para crianças com necessidades especiais nos dá o potencial de integrar até crianças com deficiências severas nas salas de aula de educação geral.

Só que ter um laptop por criança na escola não vai tirar as comunidades da pobreza, porque a tecnologia não é uma alternativa à redistribuição da riqueza do 1% no  topo para os 99% abaixo. Há uma distância entre o que imaginamos que a tecnologia e a educação podem fazer e o que elas fazem de verdade.

Os gurus da administração e seus seguidores na indústria da tecnologia insistem que, se somos capazes de sonhar com algo, podemos fazê-lo; que em vez de “jogar mais dinheiro sobre o problema”, devemos usar nossa criatividade para fazer um reuniões de brainstorm para reunir ideias sobre as melhores práticas para a educação e torná-las factíveis e escaláveis. Clayton Christensen, Professor da Harvard Business School, acredita que, no futuro, a instrução baseada nos computadores substituirá totalmente o modelo atual, trazendo um maior retorno sobre o investimento para o sistema educacional da nação.

Os reformadores corporativos da educação atual expressam frustração com a continuidade dos métodos tradicionais de escolarização – embora a maioria deles não reconheça a história à qual eles estão intimamente ligados, uma vez que consideram a inovação tecnológica tão a-histórica quanto apolítica. Em uma live no Google+/HangOuts em 2013, a Secretária de Educação dos EUA, Arne Duncan, disse a Sal Khan:

“Temos de continuar acelerando. O fato de que ainda estamos ensinando com base em um modelo do século XIX não faz nenhum sentido, com 25 ou 30 crianças sentadas em filas aprendendo a mesma coisa, ao mesmo tempo, no mesmo ritmo. Soa uma coisa Neanderthal, é um absurdo. Essa ideia com a tecnologia é uma ótima coisa para empoderar a transição do tempo sentado na carteira para a competência: eu não quero saber por quanto tempo você ficou sentado na carteira, quero saber se você sabe as matérias. Você sabe Álgebra, Biologia, Química ou Física? Se você souber, não deve ter que ficar sentado ali.”

Edward Thorndike, o psicólogo comportamental conhecido por introduzir métodos científicos no campo da educação, compartilhou essa frustração quando teorizou pela primeira vez sobre a possibilidade de uma máquina de ensino. Os livros didáticos, observou ele em 1912, estimulam o aluno a raciocinar, mas são incapazes de administrar o processo de elucidação o suficiente para ajudá-lo a chegar às suas próprias conclusões.

Descrito por colegas como um prodígio na eficiência de leitura, que gostava de ler livros inteiros de uma vez, só parando para fumar cigarros entre os capítulos, ao longo de toda a sua carreira Thorndike se preocupava com a quantificação da inteligência humana – ele chegou a criar um teste de aptidão usado pelos militares estadunidenses durante a Primeira Guerra Mundial, bem como exames de admissão à faculdade – mas sua objeção contra o uso de livros didáticos nas salas de aula era um argumento contra a padronização, ou pelo menos, contra a aprendizagem em um único ritmo padrão mediado por um professor.

Thorndike imaginava um futuro em que os textos fossem capazes de oferecer uma experiência de aprendizagem autodirigida para as crianças em idade escolar: se, “por um milagre da engenhosidade mecânica”, escreveu ele, um livro pudesse ser organizado para ocultar informações e exibi-las passo a passo, de forma que a página dois só estivesse acessível após o domínio da página um, “grande parte do que agora exige instrução pessoal poderia ser gerenciado na própria impressão” – tornando efetivamente obsoleta a figura do professor-como-guia.

Quatro décadas depois, B. F. Skinner,- um homem que não acreditava no livre arbítrio nem tinha esperança de que o mundo tivesse salvação – permanecia em pé diante de um novo tipo de sala de aula e anunciava que o futuro estava ali. Skinner fora influenciado pelo trabalho de Sidney Pressey, um psicólogo que, seguindo a pesquisa de Thorndike sobre a retenção de informações por meio da prática, desenvolveu uma máquina que ele acreditava que viria a gerar uma revolução industrial na educação (Pressey em si foi dissuadido pela Grande Depressão de avançar com essa ideia).

“Eu sou B. F. Skinner, Professor de Psicologia na Universidade de Harvard. Eu gostaria de discutir algumas das razões pelas quais estudar com uma máquina de ensino costuma ser dramaticamente eficaz ”, anuncia ele em um vídeo de 1954.

Na tela, vemos um enorme grupo de adolescentes sentados cotovelo a cotovelo em mesas compridas, inserindo respostas  rápida e silenciosamente em um dispositivo que parece uma mistura de máquina de escrever e toca-discos. Na janela da máquina de cada jovem está uma frase incompleta ou uma equação em que falta um elemento. Depois que o aluno preenche os espaços em branco, a máquina confirma ou corrige a resposta. Cada criança trabalha sozinha.

“A máquina que vocês acabaram de ver em uso […] é uma grande melhoria em relação ao sistema em que os papéis são corrigidos por um professor, onde o aluno precisa esperar talvez até outro dia para saber se o que ele escreveu está certo ou não. Um conhecimento tão imediato […] [leva] mais rapidamente à formação do comportamento correto ”, reflete Skinner.

Skinner não estava preocupado apenas em aumentar a eficiência da absorção do conhecimento para o aluno individual, mas também para o grupo. Ele nos deixa essa frase: “com técnicas em que uma classe inteira é forçada a avançar junto, o aluno brilhante perde tempo esperando que os outros o alcancem, e o aluno lento, que pode não ser inferior em nenhum outro aspecto, é forçado a seguir rápido demais […] Um aluno que está aprendendo por meio de máquinas segue na taxa que for mais eficaz para ele. ”

Para Skinner, assim como para os reformadores educacionais das corporações, o conhecimento é estático e os alunos são recipientes passivos; a transmissão eficiente de informações é o objetivo da educação. Além disso, a tecnologia seria o meio pelo qual tornamos esse processo de transmissão mais rápido, mais barato e mais inteligente. As crianças superdotadas seriam melhor atendidas movendo-se individualmente no seu próprio ritmo, enquanto os “alunos lentos” se movem no seu, cada um deles de maneira isolada.

Essa forma de conceituar o aprendizado é perfeitamente adequada ao nosso sistema econômico atual, no qual os indivíduos se destacariam ou ficariam para trás de acordo com seus próprios méritos, mas não é capaz de lidar com – e na prática, oculta – o que há de duvidoso e conflituoso na realidade.

A nova sala de aula de Skinner passou por muitas iterações ao longo das décadas que se seguiram. Uma versão mais sofisticada, conhecida como Instrução Prescrita Individualmente (IPI), foi usada em 1965 pelos alunos da Escola Fundamental Oakleaf, de Pittsburgh, e foi descrita por uma publicação contemporânea de pedagogia como “a primeira operação bem-sucedida no país de instrução individualizada de forma sistemática, passo a passo. ” Sua máquina de ensino, entretanto, nunca chegou a ser adotada em grande escala nas escolas públicas estadunidenses.

Parte da resistência à tecnologia vinha dos educadores. Recém profissionalizados, eles se opunham terminantemente à transformação de seu papel como professores em um tipo de coordenador. Rodney Tillman, Reitor da Escola de Pedagogia da Universidade George Washington, escreveu em um ensaio intitulado simplesmente “As escolas precisam de IPI? Não!” que as funções de um professor que usa esse sistema se limitam a “redigir prescrições de percursos para o estudo, diagnosticar as dificuldades do aluno e dar suporte como um tutor […] Isso eu não posso aceitar. ”

Tillman não estava sendo hostil ao uso da tecnologia nas escolas, mas sim à visão específica de educação implícita nas máquinas de ensino, que recompensava o aprendizado por meio de repetição mecânica, ao mesmo tempo em que avaliava o desempenho dos alunos isoladamente. As habilidades necessárias para preparar as crianças para o futuro não eram habilidades didáticas, argumentava ele, mas interpessoais.

E até mesmo nos neuróticos EUA pós-Sputnik, os pais tendiam a compartilhar da crença no modelo largamente humanista de educação. Em 1960, a Associação Nacional de Educação (NEA) achou necessário divulgar uma declaração tranquilizando as mães preocupadas de que, ainda que aparelhos mecânicos fizessem então parte de uma sala de aula moderna, eles nunca seriam o modo de instrução. “A NEA acalma os temores dos pais sobre professores-robôs” foi a manchete do jornal Tribuna de Oakland.

A ansiedade sobre a tecnologia nas salas de aula, ou sobre robôs criando os filhos, foi cristalizada na cultura pop. Os Jetsons, que estreou em 1962, é a história de uma família nuclear típica no ano de 2062. George Jetson trabalha algumas horas por semana na Rodas Dentadas Espaciais do Spacely; Jane Jetson é uma dona de casa e a professora do jovem Elroy Jetson é um robô chamado Senhorita Brainmocker (ou “Zombacérebros”).

Em 1981, no final de sua vida, Skinner havia repudiado sua crença de que a tecnologia poderia resolver os problemas do mundo, observando amargamente que ninguém tinha a inclinação de usar as ferramentas que ele havia criado. Skinner não estava sozinho em seu desejo de transformar radicalmente a educação para um novo século, ou em sua eventual desilusão com esse projeto. Poucas décadas antes do desenvolvimento da máquina de ensino de Skinner, Thomas Edison declarou que os livros estavam obsoletos e que o cinema iria iniciar uma revolução no sistema escolar dentro de dez anos – um processo que, cem anos depois, ainda está dramaticamente incompleto.

As possibilidades da tecnologia educacional permanecem ambíguas. As ferramentas com as quais aprendemos não são nem intrinsecamente empoderadoras, como assumia Skinner e como Arne Duncan continua a assumir, e nem são intrinsecamente ameaçadoras. Elas podem ser usadas de maneiras que libertam ou oprimem. No entanto, a ideia popular de que a inovação tecnológica seria cruel (a Sra. Brainmocker/”Zombacérebros”) não é totalmente irracional.

A palavra “inovação” é quase sempre invocada por membros das elites para ignorar o conflito de classes, a tal ponto que algumas pessoas na esquerda passaram – erroneamente, mas de maneira compreensível – a suspeitar da ideia de modernização como um todo.  Desde Thomas Edison experts vem defendendo com entusiasmo a incorporação do filme e do rádio nas salas de aula, sem levar em conta o fato de que, como aponta o historiador David Tyack, havia ainda dezenas de milhares de escolas estadunidenses sem eletricidade até a década de 1960. Evidentemente, essas escolas não estavam distribuídas uniformemente por todo o país, e eram frequentadas por crianças da classe trabalhadora, principalmente em comunidades negras e imigrantes.

O otimismo dos bilionários

Em 1966, um professor do MIT lamentou que tivesse sido mais fácil colocar um homem na lua do que reformar as escolas públicas. Hoje, o CEO da SpaceX, Elon Musk, quer substituir o programa dos ônibus espaciais dos EUA e botar pelos ares o sistema educacional, o transformando num jogo e adicionando efeitos especiais.

“Vamos dar às crianças uma chance de voar”, disse Duncan a Khan na sua live. “As deixe encontrar sua paixão e elas chegarão até a lua com ela.” Por que dois conceitos tão díspares quanto educação e viagens espaciais estão tão intimamente ligados em nosso discurso público? A educação e o espaço representam metonímias para o futuro.

Quando as crianças de hoje crescerem e se tornarem os adultos de amanhã, realizando reuniões em holodecks e se transportando num feixe de energia pela galáxia vestidos em golas altas marrons, elas terão nos substituído. Quando a ficção científica se tornar realidade, estaremos todos mortos, a menos que possamos descobrir uma maneira de realizar o impossível.

Do ponto de vista da indústria de tecnologia, a educação e as viagens espaciais são semelhantes porque são problemas em busca de respostas racionais e personalizadas do século XXI, como aquelas às quais chega o design thinking. A expectativa é que essas respostas obliterem as limitações materiais, a luta de classes – a história, o passado e o presente.

O design thinking, adotado por figuras-chave nos negócios e especialmente na indústria de tecnologia, insiste que os educadores adotem uma atitude perpetuamente otimista, porque isso é o que é preciso para se acreditar que tudo vai ficar bem se simplesmente trabalharmos juntos para dar uma direção aos nossos esforços. Isso é o que é preciso para se acreditar que a melhor ideia é aquela que sobrevive à discussão em grupo e que por isso ela é adotada. O otimismo raivoso do vernáculo tecno-utópico, com suas metáforas que não são mais registradas como metáforas, obscurece os imperativos do mercado por trás da visão da indústria para o futuro.

Isso é intencional. A confusão da ideia de futuro com um progresso universal sem ambiguidades nos coloca a todos em pé de igualdade. Participar como cidadão neste quadro consiste em doar o seu dólar, tweetar o seu apoio, usar a sua pulseira, jurar não ser complacente.

Criticar a solução só impediria a eventual descoberta da solução. E por que fazer exigências por poder se você mesmo for empoderado? O empoderamento, como utilizado por Duncan, é um eufemismo. A raiva empodera, a frustração empodera, a crítica empodera. A competência não empodera.

O fato é que a educação não é um problema de design com uma solução técnica. Não tem nada a ver com construir uma nave espacial. É um projeto social e político que o imaginário neoliberal insiste em tentar fazer deixar de existir por meio da inovação. Os desafios mais significativos enfrentados hoje na educação não são obstáculos naturais a serem superados pelo aumento da produtividade – são disputas criadas pelos seres humanos sobre como os recursos são alocados.

Em um relatório de recomendações políticas frequentemente citado sobre o desempenho acadêmico e os gastos nos últimos quarenta anos, Andrew J. Coulson, do think tank neoliberal Cato Institute, chega à conclusão de que aumentos dramáticos no financiamento da educação não resultaram em melhorias no desempenho dos alunos.

“Em praticamente todos os outros campos”, observa Coulson, “a produtividade aumentou ao longo desse período graças à adoção de inúmeros avanços tecnológicos – avanços que, em muitos casos, pareceriam idealmente adequados para facilitar o aprendizado. E, no entanto, mesmo cercada por essa torrente de progressos, a educação permaneceu ancorada no leito do rio, observando o resto do mundo passar por ela.” O que Coulson e outros que repetem esse mito ignoram é quem especificamente é deixado de fora do êxtase da marcha do mundo tecnológico rumo ao progresso e como e por que eles são deixados de fora.

Os EUA são um dos poucos países da OCDE onde as escolas que atendem as famílias ricas possuem mais recursos do que as escolas que atendem as famílias pobres. Um relatório da OCDE de 2010 observou:

Em 16 países da OCDE, mais professores são alocados em escolas desfavorecidas para reduzir a proporção aluno-professor, com o objetivo de moderar a desvantagem (OCDE, 2010). Este é particularmente o caso de Bélgica, Itália, Irlanda, Espanha, Estônia, Islândia, Portugal, Japão, Holanda e Coréia. Apenas na Turquia, Eslovênia, Israel e Estados Unidos as escolas desfavorecidas são caracterizadas por uma proporção maior de alunos por professor.

Em 2013, Andreas Schleicher, que dirige as avaliações educacionais internacionais da OCDE, disse ao jornal New York Times: “o resultado final é que a grande maioria dos países da OCDE investe igualmente em todos os alunos ou desproporcionalmente mais nos alunos desfavorecidos. Os EUA são um dos poucos países que fazem o oposto. ”

Em um país onde os 20% mais ricos da população ganham oito vezes mais que os 20% mais pobres, isso inevitavelmente leva a dois sistemas de educação distintos e paralelos, um para os ricos e outro para os pobres. Não é que o “dinheiro não importa” para reformar o sistema educacional, ou que a tecnologia possa ser um substituto para ele, e sim que crianças de famílias da classe trabalhadora e pobre têm notas mais baixas em testes padronizados do que seus pares ricos – e os EUA têm muito mais famílias pobres do que ricas.

O cinismo dos gestores

A Khan Academy de Sal Khan, financiada por generosas doações da Fundação Gates, é o milagre de engenhosidade mecânica com o qual Thorndike sonhava um século atrás.

Quando entrei pela primeira vez na Khan Academy, fiquei surpresa ao descobrir que, apesar de todo o apoio da indústria de tecnologia, não era atraente, simples ou intuitiva. Os usuários passam o mouse sobre a barra de temas e escolhem entre Matemática, Ciências, Economia e Finanças, Artes e Humanidades, Computação, Preparação para Testes ou Conteúdo de Parceiros. Clicando em uma “missão” de Matemática te leva a uma página com exercícios básicos. Nos vídeos instrutivos, Khan é esquisito – um “ex-atleta” da matemática com um leve sotaque e a exuberância afetada de alguém que sofreu provocações, mas que no final foi recompensado por ser ele mesmo.

O site é interativo no sentido mais mecanicista da palavra: ele fornece avaliações individuais. Após dez respostas corretas, o usuário pode passar para o próximo conceito. Dez respostas corretas são aplicadas uniformemente em todo o site como uma métrica, embora não fique nítido por que o sucesso nesta métrica indica o domínio de um tema, assim como os 85% de respostas corretas exigidos pelo sistema do IPI pareciam ter sido selecionados arbitrariamente para permitir que a máquina de ensino funcionasse. Medalhas, que devem servir como incentivos, são exatamente o tipo de coisa que um adulto “descaradamente geek” pensaria que uma criança deveria achar interessante.

É uma versão portátil e baseada na nuvem da máquina de ensino de Skinner. Seu ponto forte é que ela é autoguiada: os exercícios permitem a repetição e fornecem aos alunos uma avaliação imediata à medida que praticam.

O desempenho da memória melhora com a prática, e a prática leva à automaticidade, o que libera a memória de trabalho e permite que nos concentremos na compreensão. É por isso que é impossível obter uma visão complexa dos conceitos abstratos de literatura ou álgebra até que possamos ler palavras e equações fluentemente. A prática passiva na verdade não melhora nossa capacidade de recordar informações, e Thorndike, que via a mente como um grupo de hábitos, foi o primeiro a identificar o uso de avaliações e devolutivas  como essencial para o aprendizado bem-sucedido.

Mas cadê a tal revolução? Khan é rápido em dizer que seus vídeos não substituem os professores, uma afirmação que parece não ser sincera, visto que a missão de seu projeto é “fornecer uma educação gratuita de nível mundial para qualquer pessoa, em qualquer lugar”. Pedagogicamente, os vídeos não são muito ambiciosos. Mesmo com um livro didático de papel, o aluno pode avançar no seu próprio ritmo e receber avaliações ao verificar as respostas no final do livro. Por que uma versão digitalizada deveria criar um resultado significativamente diferente?

A Khan Academy é uma boa maneira de praticar problemas matemáticos ou de aprender uma habilidade didática. Agora, com certeza não se trata de uma inovação pedagógica ou em design. Como sistema educacional, é um fracasso, degradando tanto o aluno quanto o professor, ao depreciar a importância da interpretação e da crítica na educação, assim como faz o design thinking.

Um exemplo da importância desse tipo de prática flexível e evolutiva – especialmente para crianças de famílias de baixa renda – vem de Lisa Delpit, educadora e autora do livro Other People’s Children (“Crianças dos Outros Povos”). Em palestras, Delpit usa uma situação que ela testemunhou em uma pré-escola na qual uma professora distribuiu uma bandeja de doces e instruiu as crianças para que cada uma pegasse um pedaço e passasse a bandeja. Algumas das crianças pegaram vários doces e não houve o suficiente para chegar em todos.

Um professor que avaliasse as crianças sem interpretar o contexto, como uma máquina, concluiria que as crianças não tiveram sucesso na conclusão da tarefa e que precisariam de mais prática de compartilhamento. Na verdade, depois de perguntar por que as crianças pegaram doces a mais, a professora humana descobriu que elas estavam simplesmente se engajando em um tipo diferente de economia criativa, guardando alguns doces para mais tarde levar para os seus irmãos em casa.

Suspeito que a inovação na qual Gates está investindo não é tecnológica, mas gerencial. A única coisa verdadeiramente nova que Sal Khan fez foi produzir uma maneira barata e popular de distribuir palestras e exercícios básicos para um grande número de pessoas que gostam deles.

É possível que aquilo que Gates mais admira nele seja o fato de que um mesmo homem é capaz de ensinar tantas matérias diferentes em diferentes níveis, desde matemática de jardim de infância até biologia celular e mercados financeiros. No festival Aspen Ideas, Gates elogiou Khan por mover “cerca de 160 pontos de QI da categoria dos fundos de cobertura para a categoria de ensino-de-muitas-pessoas-de-maneira-alavancada”. Ele parece estar dizendo “olha só todo o valor que se pode extrair de um único funcionário!”

Em uma entrevista de 2012, Gates disse a Fareed Zakaria: “quando você revoluciona a educação, você está pegando o próprio mecanismo de como as pessoas se tornam mais inteligentes e fazem coisas novas e você está canalizando o dinheiro para estimular o caminho para tantas coisas incríveis. Durante a próxima década, em todos os níveis e em todos os países, isso vai mudar de maneira dramática.” A tecnologia “vai ocupar esse espaço nos níveis atuais de investimento e vai nos permitir fazer um trabalho muito melhor”.

Em outro lugar, Gates defendeu a austeridade na educação pública, repetindo o conhecido argumento de que, por 30 anos, os EUA têm gasto dinheiro, enquanto o desempenho das crianças permanece o mesmo. O que é preciso fazer, diz ele, é aumentar o desempenho sem gastar mais, por meio de mudanças na maneira como o dinheiro é gasto. Para tanto, Arne Duncan perguntou a uma sala cheia de empreendedores e investidores do Vale do Silício no ano passado: “Será que podemos encontrar maneiras de aumentar a escala dos professores incríveis que temos?” Os sistemas que são propícios ao “aumento de escala” são aqueles que mantêm a qualidade mesmo sob uma carga de trabalho maior. Modificar os professores para “aumentar a escala” significaria substituí-los por robôs ou computadores.

Os gerentes são incentivados a terceirizar empregos e tarefas redundantes, mas nos últimos trinta anos tem havido um foco especial na redução da segurança e da estima dos professores e do sistema escolar nos EUA. Certamente isso tem a ver com dinheiro, como sempre, mas o apoio financeiro da Fundação Gates é astronômico o suficiente para que a questão seja menos sobre uma verdadeira escassez e mais sobre como esse financiamento será gasto.

A demissão e disciplinamento de professores também é uma escolha ideológica: os professores são uma ameaça à classe dominante. Embora sejam atomizados como trabalhadores em salas de aula separadas em distritos que nos EUA concorrem entre si, como afirma Beverly Silver,  os professores estão em uma localização estratégica na divisão social do trabalho. Se eles não forem para o trabalho, ninguém vai – ou pelo menos ninguém que tenha filhos para cuidar. Como cuidadores, os professores são, por definição, figuras importantes e que recebem a confiança da comunidade, são funcionários públicos capazes de interromper a produção privada.

Nos Estados Unidos, onde a vasta maioria das famílias continua a dar uma alta classificação aos professores de seus próprios filhos, mesmo acreditando no mantra político de que o sistema educacional do país estaria se deteriorando rapidamente – proteções de trabalho únicas, como estabilidade de emprego, servem para fortalecer ainda mais a capacidade dos professores de resistir às reformas neoliberais.

Na mesma linha, as escolas são espaços públicos em que as crianças e adolescentes podem largar seus lápis, laptops ou tablets e se organizar contra a violência e a coerção do Estado, como vimos após o assassinato de Michael Brown. As possibilidades de enfrentamento às injustiças são tão poderosas que as crianças (especialmente as crianças negras e pardas, mas cada vez mais, todas as crianças) são literalmente policiadas e consideradas suspeitas em seus próprios edifícios escolares.

Os professores que incentivam a resistência são fontes essenciais de apoio e orientação para os jovens. As pessoas não aprendem a pensar criticamente e a construir significados isoladamente – que é a premissa por trás da tendência dos livros didáticos que respondem individualmente a cada aluno e que permitem que eles se movam no seu próprio ritmo. As pessoas discutem, discutem, brincam, experimentam e conversam. E, como Delpit escreve:

Apenas aqueles que são autêntica e criticamente alfabetizados podem se tornar os cidadãos de pensamento independente necessários para a evolução de qualquer sociedade. A oportunidade de atingir esses níveis de alfabetização é ainda mais crítica para aqueles que a sociedade em geral estigmatiza […] Quando as pessoas não-brancas são ensinadas a aceitar acriticamente textos e histórias que reforçam sua posição marginalizada na sociedade, elas facilmente aprendem a nunca questionar sua posição.

Aprender em grupo não é um processo indolor. Um bom professor conhece bem seus alunos, os respeita e ganha seu respeito em troca, além de os desafiar a mirar naquilo que Vygotsky chamava de “zona de desenvolvimento proximal” – seu potencial.

Como Katherine McKittrick apontou em resposta à ideia de avisos de gatilho colocados nos programas de estudos das faculdades: a sala de aula não é segura, ela não deve ser um lugar seguro. Para McKittrick, ensinar é uma “escaramuça diária”, e os professores devem trabalhar duro para criar diálogos em sala de aula “que lidem com a maneira como o conhecimento está ligado a uma luta contínua para acabar com a violência”, para se envolver com a história que os alunos trazem com eles para a sala de aula e para resistir de maneiras práticas à reificação do pensamento opressor.

Em 2015, durante o evento da “Hora do Código”, patrocinada pela indústria de tecnologia e apoiada pelo Departamento de Educação dos EUA, Susan DuFresne, uma professora de jardim de infância e ex-professora auxiliar com 40 anos de experiência me disse: “As crianças não seguem um padrão. Elas precisam de brincadeiras não estruturadas dentro e fora de casa para desenvolver habilidades”, como compartilhar, ouvir, cooperar e se autorregular.

A Hora do Código é uma manobra publicitária em que crianças de escolas públicas desde a pré-escola recebem laptops e estudam programação. DuFresne tem sido veementemente contra. As crianças “têm estilos de aprendizagem diferentes”, disse ela. “Alguns aprendem mais rápido com a tecnologia. Mas agora as crianças já na terceira série serão obrigadas a digitar respostas escritas em caixas de texto, clicar e arrastar e usar várias ferramentas de software de tecnologia nos testes do ‘Common Core”. Todavia, sua resistência tinha pouco a ver com o medo de novas ferramentas e tudo a ver com a conceituação do papel da tecnologia na sala de aula.

Outra professora do ensino médio, Brooke Carey, que trabalha há mais de uma década no sistema escolar municipal de Nova York, concorda que a tecnologia é frequentemente usada em salas de aula de escolas públicas de “uma forma bastante tradicional”, com tablets servindo como uma versão mais sofisticada de caneta e papel e com as “Smartboards” funcionando como uma lousa ou quadro branco computadorizado. Nas escolas públicas estadunidenses, as ferramentas de ensino foram digitalizadas e otimizadas para eficiência, mas o conteúdo e a filosofia permanecem os mesmos.

Até mesmo os engenheiros do Google sabem disso. Uma reportagem no jornal New York Times apontou a popularidade do modelo Waldorf de educação no Vale do Silício como se fosse uma contradição: “uma escola do Vale do Silício que não é sobre computação”.

As escolas Waldorf incorporam no currículo experiências e ferramentas criativas e táteis, incluindo martelos e pregos, facas, agulhas de tricô e lama – mas não computadores. O envolvimento vem da conexão entre as crianças e seus professores, que enfatizam o pensamento crítico e buscam criar planos de aula interessantes, baseados na investigação e no questionamento.

De acordo com o jornal, funcionários do Google, Apple, Yahoo, Hewlett-Packard e eBay mandam seus filhos para a Escola Waldorf da Península. “A ideia de que um aplicativo em um iPad posse ensinar melhor meus filhos a ler ou fazer cálculos, isso é ridículo”, disse ao jornal Alan Eagle, executivo de comunicações do Google que já escreveu discursos para o CEO da empresa, Eric Schmidt.

A grande ironia é que os próprios reformadores do Vale do Silício, que promovem e financiam modelos tecno-utópicos para as crianças estadunidenses, se recusam a submeter seus próprios filhos a algo parecido, escolhendo modelos pedagógicos inovadores em vez de novas telas sensíveis ao toque.

A sala de aula do futuro

Um dos momentos mais marcantes para mim, como professora iniciante, foi assistir ao vídeo de uma aula que dei. A gravação me permitiu transcender a biologia: sair da minha própria cabeça e me ver como meus alunos viam, perceber e interpretar sussurros e correntes ocultas que, de outra forma, teriam me escapado inteiramente devido a limitações puramente físicas.

Em uma hora, aprendi mais sobre minha prática do que durante meses de avaliações de supervisores. Os iPads são mais do que painéis caros e exaltados, que podem ser apagados a seco. Eles poderiam ser usados para conectar os professores (que tradicionalmente operam dentro dos limites de suas próprias salas de aula individuais) uns aos outros para fins de desenvolvimento e crescimento. Por que não filmar as aulas de professores experientes e compilar uma biblioteca nacional ou global de como pode ser uma aula envolvente, imediatamente acessível aos novos professores?

O que o debate atual sobre o desenho das salas de aula do século XXI deixa passar é o fato de que as inovações não ocorrem fora da economia política; são parte dela. O que chamamos de tecnologia e o que criamos com ela é determinado pela paisagem social e política na qual criamos. Como escreveu Marcuse em O Homem Unidimensional: “Não existe algo como uma ordem científica puramente racional. O processo de racionalidade tecnológica é um processo político. ”

Para a camada gerencial na elite, o propósito que dá ânimo à tecnologia nas salas de aula é desenvolver o capital humano com mais eficiência, tornar algumas pessoas mais inteligentes e mais rápidas e separar o resto delas na pilha de descarte do capitalismo: o trabalho de baixa remuneração. Como o capitalismo industrial torna a todos nós, trabalhadores e capitalistas, dependentes do mercado para a aquisição das necessidades básicas da vida, nossas vidas são dominadas pelos imperativos do mercado.

O sistema educacional dos EUA é moldado por esses imperativos do mercado – pelo menos para crianças nas escolas públicas. Os ricos sabem que JavaScript pode ser aprendido em questão de meses. A educação para o empoderamento exige o demorado cultivo de uma compreensão complexa da história e do lugar que ocupamos nela, bem como sobre a maneira com que ela continua a moldar nossos relacionamentos e economia política.

Quando imaginamos o ensino bem-sucedido como sendo a instrução de um número X de pessoas atingindo o nível Y de fluência, nós o redefinimos – seja ele realizado por humanos ou por máquina – de um ato social (e potencialmente político) para um ato meramente técnico.

Os professores devem continuar tendo a capacidade de ajudar as crianças a pensar criticamente sobre as maneiras como a realidade é remodelada pela tecnologia e pelas mudanças no modo de produção. Como as crianças que assumem o Google como algo simplesmente dado entenderão a pesquisa e a investigação? Como será a amizade para as crianças da era eletrônica, que têm a opção de nunca perder o contato com os amigos de infância graças ao Facebook? Quem ganha e quem perde com a adoção de tecnologias específicas?

É impossível dizer hoje como devemos ensinar e aprender sobre as relações sociais mediadas pela tecnologia, já que isso é algo que deve ser moldado pela práxis – por professores e alunos trabalhando juntos. Mas simplesmente imaginar a evolução da educação dessa forma é fazer perguntas radicais, começando com a pergunta proibida, “o que há de errado com a educação atual?” Essa pergunta inevitavelmente leva a outra ainda maior e mais perigosa – o que há de errado com a sociedade?

Em 1922, um jornalista descreveu como a tecnologia muda nossa relação com o mundo: “Para o aluno do ano de 1995, a História não será apenas algo a ser memorizado a partir de livros. Ela será visualizada e tornada real para ele pelas imagens em movimento que estão sendo feitas agora. As pessoas de nosso tempo não serão meros fantasmas de livros de história para este menino, mas criaturas vivas que sorriam para ele, que caminham, brincam, amam e odeiam, que trabalham e que comem.”

Só que não é assim que enxergamos a História em 2015. Hoje, vemos a História como um campo agonizante, em uma esfera separada da educação em relação às ciências exatas e tecnológicas; seus praticantes são comparados aos últimos falantes de uma língua perdida, empenhados em preservá-la e sendo desvalorizados da mesma forma que o trabalho das mulheres: com baixa remuneração. O humanismo é considerado inerentemente oposto às máquinas; ainda assim, como o jornalista de 1922 sugeriu, a tecnologia nos oferece a capacidade de formar conexões e experimentar intimidade com mais pessoas, com outras pessoas, vivas e mortas, através do tempo e do espaço.

Em um romance contemporâneo sobre a Inglaterra vitoriana, Sarah Waters faz sua protagonista notar que a coisa mais interessante sobre o rádio como uma invenção não é o choque inicial de se ouvir vozes no espaço. “Era ainda mais estranho tirar os fones de ouvido e perceber que o sussurro ainda prosseguia – e pensar que ele continuaria, tão apaixonadamente como sempre, quer a pessoa ouvisse ou não.”

Ao longo dos tempos, a tecnologia tem transformado a maneira como nos relacionamos uns com os outros e os próprios fundamentos epistemológicos da sociedade – a maneira como percebemos a realidade coletivamente. Esta é uma abertura verdadeiramente radical para os socialistas, dentro e fora da sala de aula. O que faremos com ela?


Do giz à lousa digital

Por mais de três séculos, o campo da educação tem sido o cenário de inovações tecnológicas, algumas mais úteis do que outras.

1650: Pás de madeira com lições estampadas chamadas de “cartilhas” são populares em toda a época colonial.

1793: O líder espírita Paul Philidor é preso em Paris por usar uma das primeiras versões da lanterna magica – a predecessora da máquina de slides – para retratar Robespierre como o diabo e a ascensão
de Luís XVI ao o céu.

1890: As lousas de giz se popularizam.

1905: A Keystone View Company começa a vender para escolas estereoscópios com conjuntos educacionais contendo centenas de imagens.

1925: O Conselho de Educação de Nova York começa a usaro rádio para transmitir aulas para as escolas, começando uma tradição de duas décadas de “escolas do ar”, que chegaria a milhões de alunos estadunidenses.

1930: O projetor de teto é usado primeiro pelos militares dos EUA para treinamentos na segunda guerra mundial, e acaba se espalhando para as escolas.

1940: O mimeógrafo possibilita cópias produzidas através de um mecanismo de manivela.

1950: Fones de ouvido dos laboratórios de idiomas – escolas começam a instalar cubículos com fones de ouvido e fitas de áudio.

1960: A secretária Bette Nesmith Graham inventa o “corretor” (ou “branquinho”) em resposta à introdução e máquinas de escrever elétricas em seu local de trabalho. Em 1977 sua empresa produzia o fluido em massa e vendia 500 garrafas por minuto. Mais tarde ela venderia a Liquid Paper para a Gillette por quase US $ 50 milhões.

1965: o visualizador de película de filme fotográfico é popularizado.

1972: A Scantron começa a produzir uma máquina para agilizar a correção e classificação de exames de múltipla escolha. De 2010 a 2012, a empresa era membro do Conselho Legislativo Americano de Comércio (ALEC). A Força-tarefa da ALEC para a Educação incluia instituições conectadas aos irmãos Koch e think tanks conservadores.

1977: A Apple apresenta seu computador de 8 bits, que rapidamente se torna popular nas escolas dos EUA.

1985-1987: Jogos de computador educativos passam a ser usados para instrução em sala de aula.


1990: A Texas Instruments apresenta a TI-81, iniciando uma mania por calculadoras gráficas.

1994: Escolas públicas começam a instalar acesso à internet nos EUA. Mesmo assim ainda em 2013, menos de 20% dos educadores relatavam que suas salas de aula tinham acesso à Internet e menos de 39% das escolas públicas possuiam Wi-Fi acessível para os alunos.

1998: A SMART apresenta o primeiro quadro branco interativo, e conquista grande sucesso.

2008: a Poll Everywhere permite avaliações online em tempo real aos alunos via mensagens de texto.

2009: A Universidade do Sul da Califórnia torna-se a primeira das grandes universidades em pesquisa a oferecer um programa de mestrado totalmente online.

2010: É introduzido o iPad. Logo depois distritos escolares público em todos os EUA começam a fornecer tablets aos alunos.

2011: É apresentado o “Skype na Sala de Aula”.

Sobre os autores

é editora da Jacobin e autora de Class War: The Privatization of Childhood ("Guerra de Classes: A Privatização da Infância").

Sobre o autor

Megan Erickson é editora da Jacobin e autora de Class War: The Privatization of Childhood ("Guerra de Classes: A Privatização da Infância").

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux