Gambito da Rainha criou uma grande jogadora fictícia – já a URSS criou dezenas de verdadeiras

11/10/2021

Por
Sopiko Japaridze

Tradução
Gercyane Oliveira

A grande enxadrista soviética, Nona Gaprindashvili, está processando a Netflix por menosprezar suas conquistas na série Gambito de Rainha. Sua carreira mostra que não precisamos de histórias fictícias de ascensão social, mas de Estados de bem-estar que nos permitam realizar nosso verdadeiro potencial.

A campeã georgiana soviética Nona Gaprindashvili, que está processando a Netflix, joga xadrez em 1975. (Hans Peters / Anefo)

Mês passado, a grande mestre de xadrez georgiana soviética Nona Gaprindashvili anunciou que está processando a Netflix, alegando que a minissérie de xadrez extremamente popular, O Gambito da Rainha, desvaloriza e mina as suas realizações. Num dos episódios, durante um torneio de xadrez realizado na URSS, a narradora, Beth Harmon, uma jogadora de xadrez americana fictícia, diz:

“realmente, é o seu sexo. E mesmo isso não é único na Rússia. Há a Nona Gaprindashvili, mas ela é a campeã mundial feminina e nunca enfrentou os homens.”

Embora a série tenha mantido a maior parte das personagens fictícias, deixa-se o nome real de Nona e que tinha sido mudado no livro e foi adaptado para a série. A razão pela qual esta linha desencadeou um processo judicial é simples – Gaprindashvili enfrentou dezenas de homens durante a sua condecorada carreira, foi premiada com o primeiro título de Grande Mestre da Federação Internacional de Xadrez (FIDE), e tornou-se Campeã do Mundo Feminina. A série apaga não só os incríveis feitos de Nona, mas também os das mulheres da URSS de forma mais ampla – desprezando de forma generalizada este país multiétnico como tantos “russos”.

Na verdade, a URSS desfrutou de um reinado de décadas no mundo do xadrez. Havia uma idade de ouro particular para as mulheres georgianas soviéticas, com a pequena república do Cáucaso produzindo campeãs mundiais há cerca de 30 anos. O primeiro título de mestre da FIDE foi atribuído a Nona Gaprindashvili, e o segundo título de mestre foi também atribuído a uma georgiana soviética, Maia Chiburdanidze. Nona manteve-se no campeonato FIDE durante 16 anos. A Maia manteve-o durante catorze anos e, até 2010, continuou a ser a jogadora mais jovem do mundo a receber este reconhecimento. Estes foram o segundo e terceiro reinos mais longos da história do xadrez feminino internacional; a mulher que mais tempo deteve o título, Vera Menchik, foi também da URSS. Para efeitos de comparação, existem apenas 39 mulheres em 1.600 grandes mestres, e os Estados Unidos não tiveram nenhuma mulher grandes mestras até 2013. A maioria das vencedoras até hoje são da URSS, de países ex-comunistas (incluindo outros da Geórgia), ou da China.

Assim, enquanto as mulheres soviéticas ganhavam torneios no palco global, o melhor que os Estados Unidos podiam fazer era produzir uma pequena série para o Netflix sobre uma mulher fictícia que ganhava dos melhores jogadores de xadrez masculinos. Enquanto na ficção não há limitações à imaginação da escritora, no mundo real os triunfos das mulheres soviéticas devem-se não ao acaso, mas a políticas sociais eficazes que eliminam barreiras do seu caminho.

Talento concretizado

O biólogo evolucionista Stephen Jay Gould entendeu uma vez a importância desta distinção, comentando que 

“Estou, de alguma forma, menos interessado no peso e nas complexidades do cérebro de Einstein do que na quase certeza de que pessoas de igual talento viveram e morreram nos campos de algodão e nas fábricas de roupa.”

O atual escritor (eu sou georgiano) sabe que a URSS estava longe de ser perfeita. Mas também deu às pessoas que trabalhavam em fábricas e campos melhores condições de trabalho, bem como uma série de clubes esportivos para o povo descobrir os seus talentos. Isto proporcionou aquilo que os liberais gostam de prometer mas nunca criar – “uma condição igualitária”.

O Gambito da Rainha pode ser convincente na televisão, mas em última análise ainda está interessado no “cérebro de Einstein”. Beth triunfa na série por causa da sua incrível genialidade. O seu maravilhoso talento dado por Deus é frequentemente referido na série, apesar das severas dificuldades como ter uma mãe morta, viver num orfanato, e não possuir um tabuleiro de xadrez. Mas o que é pior ainda é que o mundo de O Gambito da Rainha desvaloriza explicitamente a verdadeira mulher, Nona (e outras como ela), que tinha tanto o cérebro como o apoio social, econômico e moral para ajudá-la a tornar-se a melhor jogadora do mundo. Há uma razão pela qual uma é real e a outra é ficção.

Após a Revolução Russa em 1917, os sociais-democratas da Geórgia expropriaram o palácio mais magnífico de Tiflis (capital da Geórgia, agora chamada Tbilisi) na rua principal da cidade, Golovinskii Prospect. O palácio tinha sido construído no século XIX pelas autoridades czaristas e funcionou como sede de poder da Rússia imperial no Cáucaso até 1917. De 1921 a 1937, foi a sede do governo da Geórgia soviética, antes de ser transformado no Palácio dos Pioneiros para jovens. Assim, este edifício deixou de ser a sede do poder imperial russo e da subjugação no Cáucaso para produzir os mais extraordinários cientistas, esportistas, artistas, e mestres de xadrez do mundo. Mais palácios deste tipo foram construídos em toda a Geórgia soviética e noutros locais.

O Palácio da Juventude, como é agora chamado, tem hoje uma exposição dos seus estudantes do passado e do presente. Existe uma sala inteira dedicada ao xadrez, com um grande conjunto doado pela própria Nona Gaprindashvili. O palácio está cheio de minerais, rochas e artefactos extraídos por crianças e fotografias de excursões e viagens. Depois há obras de arte, esculturas e filmes feitos pelos antigos alunos. A maioria das obras expostas são da URSS, mas há também obras mais recentes. Quando comentei como as figuras soviéticas pareciam tão profissionais, a minha guia disse-me que era porque tinham materiais caros para trabalhar naquela época. O “talento é o mesmo, mas o orçamento são menores agora”. Pergunto-me mais sobre o que eles oferecem agora. Ela afirma que têm uma fração dos programas que costumavam oferecer – e os campos de férias ou viagens de verão não acontecem há algum tempo. À medida que ela fala, olho para as paredes despedaçadas e manchadas.

Desde o lançamento de O Gambito da Rainha, surgiram alguns artigos desenhando ligações com a carreira de Nona Gaprindashvili e o domínio das mulheres georgianas no xadrez soviético. No entanto, com um apagamento típico do passado soviético, a história é contada a partir do século XII, quando as noivas “georgianas” receberam conjuntos de xadrez como um dote. Mas as nobres origens destas noivas nunca são discutidas. Ao longo dos séculos XVIII e XIX, o xadrez existiu, tal como o teatro, os livros e as férias à beira-mar – mas estes luxos foram reservados para os nobres e a classe capitalista em ascensão nas cidades, não para os servos ou trabalhadores que constituíam a maior parte da população.

Foi um período posterior – quando a União Soviética forneceu o material, tempo, lugares e conhecimento para o xadrez decolar em massa entre a classe trabalhadora – que foi criada a plataforma para o sucesso destas mulheres. Houve uma inversão da hierarquia de quem estava no topo tanto moral como politicamente – já não estav mais as classes altas e o clero, mas as classes trabalhadoras. O amplo acesso à arte e ao esporte definiu o desenvolvimento social soviético desde o início. O próprio Lenin estava preocupado com estas tendências na juventude. Como ele escreveu a Clara Zetkin,

“Os jovens, em particular, precisam da alegria e da força da vida. Esporte saudável, natação, corridas, caminhadas, exercícios corporais de todo o tipo, e interesses intelectuais multifacetados. Aprendizagem, estudo, pesquisa, na medida do possível comum.”

Do lixo ao luxo

Assim, entre Netflix e a URSS, temos duas ideias contrastantes de política de classe: no primeiro caso, fictício, uma moça da classe trabalhadora “torna-se grande” através de trabalho duro contra as probabilidades e mesmo contra a oposição das elites; na realidade histórica soviética, é fornecida uma plataforma para que não tenha de ser uma luta individual.

Este contraste é fundamental para a história de se sentir bem que O Gambito da Rainha quer contar. A narrativa começa com a fictícia mudança de Beth para um orfanato cristão, onde ela implora a um zelador relutante num porão que a deixe jogar xadrez, contra a sua resistência inicial devido ao seu gênero. Quando este homem da classe trabalhadora percebe que a jovem tem talento, tenta ligá-la a alguém que possa desenvolver as suas capacidades como jogadora. Mas Beth é viciada em drogas psicotrópicas, com os orfanatos administrando rotineiramente as pílulas das crianças para as manter bem comportadas. Como castigo, a diretora – já desconfortável com a falta de boas maneiras de Beth – proíbe ela de jogar xadrez durante os próximos seis anos da sua estadia.

Quando Beth é finalmente adotada, a sua mãe não a apoia no início – é o zelador da classe trabalhadora que lhe envia o ingresso de entrada para o seu primeiro torneio de xadrez propriamente dito. A mãe só começa a apoiá-la quando ela percebe que está falida e precisa dela para ganhar dinheiro.

Esta história fictícia contrasta fortemente com a história de uma jogadora da vida real como Nona Gaprindashvili. Crescendo na Geórgia soviética, o xadrez era generalizado e comum. E há uma razão: um esforço concentrado do Estado soviético para divulgar amplamente o esporte e as artes. Os seus irmãos e ela jogavam o tempo todo, e um dia o seu irmão pediu-lhe para se juntar a ele num torneio porque faltava uma moça para a equipe.

Depois de ter mostrado grande talento, ela foi chamada pelo famoso mestre de xadrez Vakhtang Karsadze para vir a Tbilisi, onde ele a treinou no Palácio dos Pioneiros. Ela ganhou o Campeonato Mundial Feminino de Xadrez em 1961, perdendo o título apenas para outra jogadora soviética georgiana, Maia Chiburdanidze, em 1978. O sucesso de Nona e uma enorme concentração de recursos estatais inspiraram muitas mulheres a entrar no xadrez. Sim, havia machismo na União Soviética, e desde cedo Nona teve de navegar por problemas porque muitos homens se recusaram a renunciar honrosamente face a uma derrota iminente, forçando-a a jogar mais tempo. Mas ao contrário do sucesso da sua contraparte do Netflix, Beth, o dela não era coisa de ficção.

Tropas da Guerra Fria

Há ataques claros à União Soviética e aos seus cidadãos (referidos como russos) em O Gambito da Rainha, como quando ouvimos como “burocraticamente” o grande mestre soviético jogou contra Beth quando ele a derrotou pela primeira vez. Há também uma embaraçosa falta de atenção aos detalhes – como quando o jovem jogador russo se apresenta como “Jiorgi”, pronunciado com um som de “j” quando certo deveria ter sido um “g” duro.

Dito isto, há alguma divergência em relação ao anticomunismo de Hollywood – incluindo uma discussão sobre os “russos” serem bons no xadrez porque “trabalham em equipe, ao contrário dos americanos individualistas”. Em última análise, a Beth ganhar é o trabalho de um coletivo de mestres de xadrez que a ajudam. Ela não é uma típica mulher burguesa – ela sofria tragicamente. O seu sucesso assenta também num contínuo, numa jogadora de xadrez transformada em “Grocer”, e numa mulher negra que era órfã com ela, que não foi adotada e não era um prodígio. Tudo isto ajuda a estabelecer a autoridade moral quando Beth derrota o seu adversário soviético.

A política de classe, fundada numa idealização de fazer do lixo o luxo, também se assenta um pouco estranhamente com alguns dos troféus da Guerra Fria. Beth passa o tempo constantemente tentando encontrar fundos para participar de torneios, especialmente o de Moscovo. Apenas uma organização eclesiástica anticomunista está disposta a mandá-la para lá em troca do anúncio público das suas crenças cristãs e anticomunistas, enquanto que o Departamento de Estado não vai financiar, mas quer vigiá-la.

Em contraste, os jogadores de xadrez soviéticos não precisavam financiar a sua carreira. Eles são retratados como uma sociedade de enxadristas de fato que afiam o seu ofício em belos edifícios – também nos é dito que estes jogadores tinham aprendido desde os 4 anos de idade, enquadrando assim o xadrez como um passatempo de elite. Isto é contraposto a uma órfã queer americana que tinha lutado toda a sua vida para chegar a essa mesa. A série arma, assim, as identidades desprotegidas nos Estados Unidos para que os jogadores soviéticos tenham facilidade em jogar.

De certa forma, tiveram, mas apenas na medida em que o ambiente fantástico aqui exposto reflete a experiência original do “comunismo de luxo”. Longe dos jogadores soviéticos serem aristocráticos, aqui as mesmas coisas que a burguesia desfrutava na Rússia imperial foram dadas ao proletariado para serem desfrutadas também. A URSS também insistiu na importância de trazer alta cultura às massas – incluindo ópera, ballet, literatura, esportes, centros de saúde, xadrez, e assim por diante.

Um dos jogadores americanos de xadrez comenta a Beth: “Deviam ver onde jogam os russos, enquanto nós temos de jogar nesta pequena faculdade”. Bem, havia uma razão para isso. Aqueles belos edifícios utilizados para o xadrez eram palácios expropriados da nobreza ou salões recém-construídos.

Na cena final, a série nos diz que os verdadeiros trabalhadores estão lá fora jogando xadrez nas ruas – e o episódio final termina mesmo com Beth fugindo do seu acompanhante do Departamento de Estado para jogar com eles. Assim, parece que ela está desistindo da Guerra Fria, e juntando-se a jogadores de xadrez do lado de fora que se parecem muito com o seu amigo zelador, Shaibel.

No entanto, se Beth não estava disposta a fazer parte da Guerra Fria, em muitos aspectos toda a série a perpetua. Todos estes detalhes estabelecem a autoridade moral da moça americana sobre os soviéticos. Embora as farpas contra a União Soviética sejam normalmente mais ou menos sutis, o ataque a Nona Gaprindashvili como sendo uma jogadora de xadrez mulher que nunca enfrentou homens não o foi. Mais uma vez, o verdadeiro progresso das mulheres na União Soviética é simplesmente ignorado ou ridicularizado a favor do feminismo “girl boss” dos Estados Unidos. É verdade que não há mulheres russas ou georgianas na série, e mesmo a atriz que interpreta Nona Gaprindashvili é pouco visível. Para O Gambito da Rainha, a fascinante Beth americana é a primeira mulher “a vencer os russos no seu próprio jogo”.

Precisamos de mais do que histórias falsas que absolvam o sistema e culpem os indivíduos pela sua iniciativa ou falta dela. As mulheres e os trabalhadores precisam geralmente de programas e políticas sociais reais que os valorizem e lhes permitam realizar os seus talentos. Os criadores de O Gambito da Rainha afirmam que o interesse pelo xadrez aumentou após a série ter estreado – destacando a influência da série. No entanto, um documentário sobre as jogadoras de xadrez georgianas soviéticas que apareceu por volta da mesma época, Glory to the Queen‘, não terá uma fração das opiniões que a Netflix tem.

É angustiante que, quando a maioria das pessoas pensam em jogadoras vanguardistas de xadrez, pensem na fictícia Beth – e nunca conhecem Nona Gaprindashvili ou Maia Chiburdanidze, ou o fato de que elas, juntamente com duas outras jogadoras de xadrez georgianas, foram chamadas de Druzina, que significa “unidade de combate”. Estes espectadores conhecerão pouco das plataformas sociais que deram às mulheres uma oportunidade de sucesso, que não se baseavam apenas na sua luta contra as probabilidades. Só podemos esperar que Nona Gaprindashvili ganhe o seu processo judicial contra a Netflix – e use esse dinheiro a favor de mais mulheres como ela.

Sobre os autores

é cofundadora da Georgia’s Solidarity Network, um sindicato independente. Ela foi uma organizadora de trabalho e comunidade nos Estados Unidos e na Geórgia.

Sobre o autor

Sopiko Japaridze é cofundadora da Georgia’s Solidarity Network, um sindicato independente. Ela foi uma organizadora de trabalho e comunidade nos Estados Unidos e na Geórgia.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux