Press "Enter" to skip to content
Foi somente quando o presidente de tendência esquerdista do Peru, Juan Velasco Alvarado, chegou ao poder em 1968 que Túpac Amaru foi resgatado do relativo esquecimento. Foto: Jesús Ruiz Durand.

A rebelião de Túpac Amaru continua viva

POR
Tradução
César Locatelli

Neste dia, em 1780, Túpac Amaru II liderou um levante indígena contra o controle espanhol no Peru. Séculos depois, ele e sua esposa e coorganizadora, Micaela Bastidas, ainda são poderosos símbolos na luta pela libertação dos povos andinos.

A tensão se espalhava pelos Andes no século XVIII. As autoridades coloniais aumentavam os impostos, exigiam mais mão de obra gratuita da população rural e minavam a autonomia das comunidades indígenas. Dezenas de revoltas eclodiram. Nenhuma, no entanto, se aproximou da escala, violência ou impacto da rebelião de Túpac Amaru, que ocorreu entre 1780 e 1783.

Em 4 de novembro de 1780, José Gabriel Condorcanqui Noguera, que cada vez mais usava seu nome real inca, Túpac Amaru, almoçou com Antonio Arriaga, uma autoridade local espanhola. Eles se encontraram em Yanaoca, uma cidade predominantemente indígena (Quechua) a 80 quilômetros ao sul de Cusco, a antiga capital dos Incas. Túpac Amaru era o kuraka ou cacique, a autoridade étnica encarregada de coletar o imposto das pessoas e manter a ordem em três cidades próximas. Como corregedor, Arriaga arrecadava receitas fiscais, organizava a odiada minuta trabalhista de Potosí (mita) e supervisionava a região. Os dois homens se conheciam bem e mesmo que discutissem dívidas e outros assuntos desagradáveis, provavelmente compartilharam uma boa refeição e uma boa conversa. Eles começaram a jornada para casa juntos, mas Túpac Amaru se separou ao longo do caminho.

Túpac Amaru e seus aliados correram à frente para um esconderijo na rota de Arriaga. Eles pularam no caminho do corregedor e seu grupo e, depois de muita confusão e uma tentativa de fuga, os levaram acorrentados para Tungasuca. Túpac Amaru forçou Arriaga a solicitar dinheiro e armas de seu tesoureiro e expropriou mosquetes, balas, pólvora, ouro, prata, mulas e outros bens. Túpac Amaru convidou proprietários regionais e figuras militares para Tungasuca e instruiu os kurakas a enviar seus homens.

Em 9 de novembro, grandes multidões se reuniram em Tungasuca. Túpac Amaru e seus auxiliares tinham aprisionado alguns dos espanhóis, mas instruiu europeus, mestiços e índios a se alinharem em uma coluna militar. Ele estava vestido elegantemente, combinando moda europeia aveludada com padrões florais incas, como a túnica, uma uncu, e uma corrente de ouro com o sol inca ou inti. No dia seguinte, ele reuniu a multidão novamente, estimada em milhares.

Nestes dias de grande drama, quando ninguém tinha certeza do que estava acontecendo, a esposa de Túpac Amaru, Micaela Bastidas, o acompanhava. Muitos notaram que tomavam decisões juntos. Em uma performance coreografada, Túpac Amaru e sua comitiva trouxeram Arriaga para uma forca apressadamente armada. Túpac Amaru alegou que o rei havia abolido o alcabala ou imposto sobre vendas e acusou Arriaga de aplicar injustamente este e outros impostos e exigências detestáveis sobre os povos indígenas. Ele disse repetidamente que estava agindo em nome do rei e aboliu não só o imposto sobre vendas, mas também as aduanas, a venda forçada de mercadorias (reparto), e a mita. Ele falava em Quechua, a língua dos incas e a da grande maioria dos habitantes da região. Carrascos forçaram Arriaga a mudar de seu uniforme militar para um hábito franciscano simples. O próprio escravo negro de Arriaga, Antonio Oblitas, realizou o enforcamento. A multidão espantada testemunhou uma autoridade indígena executar um espanhol e prometer um mundo mais justo.

A rebelião de Túpac Amaru tinha começado.

A estrada para Cusco

Túpac Amaru levou suas tropas rapidamente reunidas para o sul. Eles saquearam propriedades e fábricas têxteis ou obrajes (muitas vezes usadas como prisões), perseguiram autoridades espanholas e recrutaram soldados. Túpac Amaru fez discursos em praças, instando todos a se juntarem a ele para combater as injustiças impostas pelos alcaides. Sua ideologia combinou o reavivamento inca com várias cepas de tradições espanholas contestatórias. Ele buscou um movimento multiétnico, convidando espanhóis “bons”, crioulos, mestiços e indígenas para se juntarem. Como católico devoto, ele era acompanhado por um padre. Seus seguidores aumentavam rapidamente enquanto ele pressionava em direção à área do Lago Titicaca. A estação chuvosa tinha acabado de começar, e os camponeses indígenas tinham vários meses antes da cosecha ou colheita. Testemunhas descrevem o galante Túpac Amaru e seus soldados mal armados, mas altamente motivados, movendo-se impetuosamente pelos Andes.

Micaela Bastidas ficou em Tungasuca, mas teve um papel fundamental na rebelião. Ela era responsável pela logística, especialmente organizando armas e alimentos improvisados. Ela também se comunicava com outras cidades e destacamentos rebeldes, buscando aumentar o número de rebeldes, manter a disciplina e rastrear o que as autoridades estavam fazendo em Cusco. Finalmente, ela seguiu o progresso de seu marido quando ele rumava para o sul, alertando-o de uma variedade de perigos e da necessidade de atacar Cusco antes que reforços espanhóis viessem de Lima ou de outro lugar.

As autoridades de Cusco acharam a execução de Arriaga chocante, mas a entenderam como uma revolta local, comum nos Andes do século XVIII. Eles relataram o evento a Lima e enviaram a milícia. Os rebeldes, no entanto, os esmagaram na batalha de Sangarará em 18 de novembro. Relatos afirmavam que quinhentos morreram, incluindo vinte europeus; os rebeldes libertaram 28 Crioulos feridos, pessoas de ascendência europeia nascidas nas Américas. A majestosa igreja de Sangarará foi incendiada, provavelmente por pólvora monarquista. As autoridades, no entanto, culparam os rebeldes e iniciaram uma campanha eficaz contra eles como hereges queimadores de igreja. O bispo de Cusco, Juan Manuel Moscoso y Peralta, excomungou Túpac Amaru.

Respondendo à recomendação de Micaela, Tupac Amaru retornou a Tungasuca em meados de dezembro. Pouco antes do ano novo, dezenas de milhares de rebeldes marcharam em direção à capital inca. Ambos os lados confiavam em espiões e sentinelas. Escaramuças diminuíram o ritmo dos rebeldes. Nos últimos dias de dezembro, o número de rebeldes que cercou a cidade chegou a quarenta mil. Os habitantes de Cusco esperavam um confronto épico e talvez um longo cerco. No entanto, os rebeldes hesitaram. Alguns afirmam que Túpac Amaru temia que ele teria que matar milhares de índios que os espanhóis tinham colocado na linha de frente. As autoridades organizaram bem a cidade, e suas tropas fustigavam as linhas de frente e o acampamento rebeldes. Eles lutaram na periferia por mais de uma semana, e em 10 de janeiro de 1781, Tupac Amaru e suas tropas recuaram para o sul.

A execução de Túpac Amaru

Historiadores há muito debatem esse fracasso dos rebeldes em tomar Cusco. Alguns disseram que foi o desejo humanitário de Túpac Amaru de salvar vidas que o impediu de fazer o ataque. Outros afirmam que ele se preocupava que uma vez que ele tivesse tomado a cidade, os rebeldes estariam vulneráveis a um ataque de Lima. Talvez ele tenha reconhecido que não tinha o apoio na cidade que esperava.

Apenas uma semana após a retirada rebelde, mais de quinze mil soldados chegaram de Lima. Eles contavam com cavalos, armas e suprimentos aparentemente ilimitados. Os oficiais eram espanhóis, enquanto a maioria dos soldados eram mulatos e outros membros das classes baixas mestiças de Lima. Eles se beneficiaram do apoio do kuraka Chinchero, Mateo Pumacahua, que liderava centenas de guerreiros indígenas. Depois de apenas alguns dias de descanso, os monarquistas saíram em perseguição aos rebeldes no sul.

Túpac Amaru coordenava com suas tropas enquanto Micaela supervisionava a construção de fortificações. Os rebeldes usavam a topografia íngreme da região a seu favor, empurrando rochas dos picos, cortando passagens, e se engajando em táticas de atacar e fugir, correndo em seguida por colinas íngremes. Os monarquistas ajustaram-se, mantendo sua cavalaria nos vales e usando seus mosquetes e canhões, bem como soldados indígenas estrategicamente. Ambos os lados reivindicavam a vitória e reclamavam que o outro fugiu em vez de de se engajar na luta. Os rebeldes lutavam com divisões internas, na medida que alguns criticavam o fracasso em tomar Cusco. Mais importante, em março, os rebeldes precisavam voltar para suas casas para a agitada temporada de colheita. Centenas, se não milhares, fugiram.

No início de abril, os monarquistas atraíram os rebeldes para uma armadilha, matando centenas, apreendendo seus canhões rústicos e demolindo suas fortificações. Em 7 de abril, eles capturaram Bastidas, dois de seus filhos, e outros membros da família enquanto fugiam para o sul. Eles esperaram por Túpac Amaru por muito tempo. O líder rebelde seguiu seu plano de fuga pré-arranjado e chegou à cidade de Langui. Dois de seus seguidores o encorajaram a descansar antes de continuar. Ele percebeu tarde demais que era uma armadilha. Eles o contiveram até que dois membros da milícia entraram para amarrá-lo, ansiosos para ganhar a recompensa por sua captura. Um batalhão bem armado levou os prisioneiros para Cusco. Antes de partir, os monarquistas mataram centenas e talvez milhares na área central dos rebeldes.

As autoridades coloniais realizaram julgamentos rápidos dos prisioneiros. Eles buscavam informações sobre quem apoiou a rebelião, particularmente nas cidades de Cusco e Lima. A potência da rebelião chocou as autoridades. Quando ele se recusou a dar nomes, as autoridades torturaram Túpac Amaru com o sistema de garrucha ou polé. O juiz José Antonio de Areche sentenciou Túpac Amaru, Micaela Bastidas e membros de seu círculo íntimo à morte.

Em 18 de maio, os carrascos escoltaram os dois líderes rebeldes, um de seus filhos (seu filho Fernando de treze anos era muito jovem para a pena de morte, mas foi forçado a assistir), e outros sete para a forca na praça principal de Cusco. Eles enforcaram os homens e usaram o garrote para asfixiar Tomasa Tito Condemayta, uma kuraka e chefe rebelde. Bastidas e José Gabriel ficaram por último. Carrascos cortaram a língua de Bastidas e, em seguida, aplicaram o garrote. Não funcionou, então a estrangularam com uma corda. Os carrascos cortaram a língua de Túpac Amaru e amarraram seus membros a quatro cavalos para serem esquartejados. Nem isso conseguiu matá-lo, então Areche ordenou sua decapitação. As autoridades mostraram partes do corpo do grupo em território rebelde.

A Rebelião está esmagada

Os espanhóis acreditavam que esta terrível execução marcaria o fim da rebelião e livraria os Andes dw Quechua, a cultura indígena e a memória dos incas, mas eles estavam errados em ambas as suposições. O filho mais velho de Túpac Amaru e Micaela, Mariano; o primo de Túpac Amaru, Diego Cristóbal; e Andres Mendigure, um parente de Micaela, tinha escapado da captura e lideraram uma segunda fase da rebelião. Eles eram chocantemente jovens: dezoito, vinte e seis, e dezessete, respectivamente. Eles empurraram a rebelião para o sul, em direção ao Lago Titicaca, e ao contrário de Túpac Amaru, eles estavam muito mais dispostos a atacar espanhóis, crioulos e padres. Os monarquistas reagiram com brutalidade, e a guerra tornou-se uma guerra total; ninguém foi feito prisioneiro e houve muitos relatos de atrocidades em ambos os lados na segunda metade de 1781 e 1782. Os monarquistas sofreram com a falta de suprimentos no vasto planalto e picos de montanhas do sul dos Andes, os soldados de Lima que combatiam a pé penaram com a altitude (grande parte dos combates ocorreu acima de quatro mil metros), frio e fome.

Os rebeldes Túpac Amaru coordenaram com os insurgentes kataristas que controlavam grande parte de Charcas, que foi o que mais tarde se tornou a Bolívia. Eles compartilhavam informações com Túpac Katari, que organizou o extenuante cerco de La Paz. Ele escolheram este nome para homenagear Túpac Amaru e os irmãos Katari que haviam iniciado a rebelião. No final de 1781, os monarquistas olhavam com angústia enquanto os rebeldes controlavam grande parte do território que se estendia das minas de Potosí até Cusco. A rebelião tinha entrado em sua fase mais violenta e poderosa.

Os espanhóis estavam divididos e divergiam sobre como proceder. Líderes moderados reconheciam suas perspectivas ruins e procuravam negociar com os rebeldes. Os linha-dura se ausentaram e queriam uma vitória militar. No final, os moderados prevaleceram e abriram linhas de comunicação. Os líderes rebeldes exaustos lembraram muito bem do destino de Túpac Amaru e Micaela Bastidas e também perceberam que a guerra contínua provocaria a fome nas terras altas. Eles aceitaram um cessar-fogo; a segunda fase chegou ao fim graças às negociações em vez de batalha.

Nos meses seguintes, no entanto, os linha-dura entre os monarquistas conspiraram para quebrar a trégua, acusando os líderes rebeldes de continuar em sua luta. Em fevereiro de 1783, as autoridades prenderam os três jovens líderes e outros participantes sob acusações falsas de subversão. Após um julgamento que mais uma vez procurou desmascarar os seguidores da rebelião, Diego Cristóbal e os outros dois líderes foram executados de forma ainda mais sangrenta do que os eventos de 18 de maio de 1781. Carrascos usaram pinças em brasa para arrancar a pele de Diego Cristóbal e depois enforcá-lo. As autoridades locais mais uma vez mostraram partes do corpo em toda a região. A rebelião tinha acabado. As mortes chegam a cem mil.

Uma memória de resistência

Os espanhóis procuraram sufocar a memória da rebelião e impedi-la de se converter em um símbolo de resistência. Eles tiveram sucesso a curto prazo. Ao contrário da Revolução Haitiana, a história de Túpac Amaru não se tornou uma história do outro lado do Atlântico. Uma razão, os rebeldes andinos tinham perdido, e eles não tinham ameaçado nem o açúcar nem a economia escravista. No entanto, o nome Túpac Amaru apareceu em lugares curiosos. No próprio Haiti, o general Jean-Jacques Dessalines chamou suas forças rebeldes de “Exército dos Incas” e durante as guerras de independência, as forças patriotas, no que se tornou o Uruguai ,tomou o nome Tupamaros. No início do século XIX, autores começaram a escrever sobre a rebelião. Rio de la Plata, que se tornou a Argentina, considerou nomear Juan Bautista Tupac Amaru – meio-irmão do líder rebelde que passou mais de trinta anos preso em Ceuta – como rei. Os líderes das forças patriotas nas guerras de independência do Peru, no entanto, não invocaram a rebelião, e Túpac Amaru não se tornou um herói na república nascente.

Foi nos séculos XIX e XX que o interesse pela rebelião realmente cresceu, com Túpac Amaru tornando-se um símbolo de esquerda. No entanto, ele nunca foi um herói nacional, e sua história foi largamente excluída dos livros didáticos peruanos.

Foi somente quando o presidente de tendência esquerdista do Peru, Juan Velasco Alvarado, chegou ao poder em 1968 que Túpac Amaru foi resgatado do relativo esquecimento. Assim como Fidel Castro ressaltou que a Revolução Cubana terminaria a Guerra de 1898, Velasco prometeu que seu governo daria aos camponeses (o termo usado no período) a dignidade e as oportunidades prometidas por Túpac Amaru. A imagem do líder rebelde, remodelada por artistas talentosos, apareceu em banners, cartazes, notas, moedas, selos e publicações. Micaela, sua esposa, no entanto, não teve um papel tão proeminente. Na verdade, ela continuou a ser falsamente apresentada como magra e branca, não a mulher andina (talvez com linhagem afro-peruana) que ela era.

Desde então, a fama de Tupac Amaru cresceu. Um grupo guerrilheiro uruguaio adotou seu nome, os Tupamaros. Eles não seriam os últimos guerrilleros a fazê-lo. Logo, o nome Túpac Amaru adquiriu significado global. Em 1972, Afeni Shakur, um membro dos Panteras Negras, mudou o filho de seu bebê de Lesane Parish Crooks para Tupac Amaru Shakur em homenagem ao revolucionário peruano.

“Eu serei milhões”

No meio século desde o regime de Velasco, Túpac Amaru floresceu como símbolo ou ícone no Peru e além. Temos muitos Tupacs: mais comumente o revolucionário musculoso, rabo de cavalo popularizado no século XX, mas também interpretações artísticas que vão do hiper-radical a um Tupac feminizado batom. Não gostando da noção de um herói revolucionário andino (eles preferem-nos de ascendência europeia e moderada), os conservadores começaram a questionar a legitimidade e relevância de Túpac Amaru. Eles alegam que ele era realmente um membro da elite ou que ele se levantou apenas por interesse próprio.

Túpac Amaru e Micaela Bastidas tornaram-se símbolos potentes para o povo andino. Suas imagens enfeitam faixas e cartazes em uma variedade de movimentos políticos, do norte da Argentina e do Chile ao Equador, e em todo o Peru. Organizações que exigem direitos iguais para os quechuas, mobilizando-se contra minas que prejudicam as comunidades indígenas e questionando práticas coloniais quase invariavelmente invocam os dois líderes revolucionários. Na Bolívia, o movimento katarista – em homenagem a Tupac Katari, cujo nome era homenagem a Túpac Amaru – reforçou a vitória esmagadora de Luis Arce em 18 de outubro de 2020, anunciando o retorno à democracia. É seguro dizer que os esforços dos espanhóis e outros para apagar a memória da rebelião de Túpac Amaru falharam.

Sobre os autores

é professor de História na Universidade da Califórnia, Davis. Seus livros incluem "The Tupac Amaru Rebellion" (Harvard University Press, editado em espanhol pelo IEP) e "Witness to the Age of Revolution: The Odyssey of Juan Bautista Tupac Amaru" (Oxford University Press).

Cierre

Arquivado como

Published in América do Sul, Análise, Política and Revoluções

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux