Press "Enter" to skip to content
Manifestações organizadas pelo Syriza, o sindicato dos funcionários públicos ADEDY e o sindicato PAME afiliado aos comunistas em Atenas, Grécia, julho de 2020. (Lefteris Partsalis / Xinhua via Getty)

Ainda desmoralizada pelo Syriza, a esquerda grega está lutando para se reconstruir

POR
Tradução
Gercyane Oliveira

Na Grécia, as medidas autoritárias do governo de direita desencadearam importantes lutas sociais. Mas depois da pelegagem de Alexis Tsipras no governo, a esquerda enfrenta uma batalha difícil para superar o legado do Syriza e mostrar que uma alternativa é possível.

“Águas cristalinas, sol constante, sabores locais explosivos e pores-do-sol sublimes”: assim prometeu o “verão grego sem fim“, a campanha oficial da Grécia em 2020 para promover o turismo. Um ano e um desastre ambiental depois, todos estão perguntando para onde este verão foi – e quem realmente gostou dele.

De acordo com uma pesquisa para o Ιnstitute da IELKA (Retail Consumer Goods), apenas um em cada três gregos disse que tiraria férias em 2021, com muitos incapazes de fazê-lo, dada sua situação financeira desastrosa. Aqueles que ficaram nas cidades tiveram que suportar o calor, a atmosfera tóxica, a falta de atividades criativas de qualidade para crianças e até mesmo cortes de energia, com o fornecimento esgotado tanto pelo uso excessivo quanto pela crise climática.

Neste contexto, a promessa de um “verão grego sem fim” soa como algo de uma era passada. Mas de uma perspectiva climática, também soa como uma ameaça. Neste último verão, a Grécia foi atingida por repetidas ondas de calor, a pior do país em mais de três décadas. As temperaturas subiram a um recorde de 47 graus Celsius. As condições extremas de calor facilitaram os incêndios que destruíram uma centena de hectares de terra – dez vezes a média ao longo da última década.

Este também foi um verão em que a Grécia “reabriu” suas portas para os clientes da indústria turística – uma “história de sucesso” que teve um custo elevado em termos de infecções e hospitalizações. Diante de um aumento alarmante dos casos da COVID-19 e dos índices de vacinação ainda fracos, os gregos estão se perguntando se o governo irá impor uma nova série de restrições neste outono.

Assim, nos últimos dois anos, a Grécia parece que está trocando entre dois trajes nacionais. O inverno consiste no aumento de mortes por coronavírus, dizimação de hospitais, desemprego, fechamento de empresas, restrições severas e autoritarismo. Depois de maio, a Grécia veste suas roupas de verão para receber os convidados estrangeiros. E a partir de outubro, voltamos às fábricas diabólicas, com o governo culpando os “irresponsáveis cidadãos” pela crise, como de costume.

Austeridade e a pandemia

O governo de direita da Nova Democracia de Kyriakos Mitsotakis lidou com a pandemia através de sucessivos lockdowns e restrições de circulação – com apenas uma compensação mínima para os setores da economia mais atingidos pela pandemia. As medidas para reforçar a capacidade e a eficiência dos serviços públicos da Grécia provaram ser escassas e insuficientes. Em vez disso, o governo usou o estado de emergência para promover leis contra o trabalho e medidas autoritárias, incluindo a abolição da jornada de trabalho de 8 horas e a criação de uma força policial especial nos campi universitários.

A crise sanitária da COVID-19 exacerbou todos os aspectos da austeridade. O desemprego ultrapassou 15% em maio de 2021 – 19,1% para as mulheres e 12,3% para os homens. Mais uma vez, a Grécia foi a pior da União Europeia (UE) em desemprego juvenil, com cerca de 38,2% dos jovens sem emprego em maio deste ano.

A pandemia expôs dramaticamente as vulnerabilidades de um sistema de saúde pública já duramente atingido por 10 anos de austeridade. As unidades de saúde com falta de trabalhadores simplesmente não dispunham de recursos para lidar com os efeitos devastadores da pandemia em termos de saúde e sociais. Desde 2009, os gastos com saúde diminuíram significativamente em comparação com outros Estados europeus. Atualmente, os gastos com saúde pública na Grécia estão de 5% do PIB, um terço abaixo da média na UE.

Estes cortes de gastos, combinados com mudanças estruturais no Sistema Nacional de Saúde e a introdução de formas precárias de emprego, têm corroído o acesso à saúde pública. As necessidades de saúde não atendidas entre a população de baixa renda e os desempregados aumentaram fortemente, com uma taxa de 21,5% entre os desempregados e 34,3% entre as camadas de baixa renda que necessitam de tratamento.

A violência de gênero (VBG) também aumentou durante a pandemia. De acordo com um relatório da Secretaria Geral de Demografia e Política Familiar e Igualdade de Gênero publicado em novembro passado, os bloqueios, medidas de quarentena e restrições de circulação “resultaram em violência doméstica mais frequente e mais grave para as mulheres e seus filhos”.

As chamadas para a linha telefônica de emergência dedicada à VBG aumentaram em 230% durante o primeiro bloqueio. Além disso, durante o primeiro e o segundo lockdowns (novembro de 2020 a maio de 2021), uma série de feminicídios brutais e perturbadores revelou a extensão do abuso doméstico e da violência de gênero na Grécia. No total, desde o início da pandemia, 11 mulheres foram assassinadas por seus maridos ou parceiros.

Apesar das claras consequências sociais da crise, o governo promoveu uma narrativa centrada na responsabilidade individual. O slogan “fique em casa, fique seguro” enfatizava a escolha pessoal em vez da solidariedade para minimizar a propagação da doença. Os cidadãos eram considerados como indivíduos isolados – de fato, infratores em potencial.

Neste contexto, não era surpreendente que muitos hesitassem em se juntar à campanha de vacinação, sobretudo devido ao fracasso das autoridades públicas em organizar uma campanha de comunicação adequada em lidar com a ansiedade do público explicando os resultados científicos da vacinação. O Ministério da Saúde e o Comitê Nacional de Vacinação expressaram abertamente dúvidas sobre se a vacina AstraZeneca era adequada para mulheres jovens e grávidas com menos de 39 anos de idade, mesmo quando esta era a única vacina disponível para esta faixa etária. Dada a falta generalizada de credibilidade das medidas do Estado, as abordagens irracionais e individualistas floresceram.

Entretanto, culpar os não vacinados não ajuda a entender a atual pandemia na Grécia. Até setembro, apenas 56% da população do país havia sido totalmente vacinada, com taxas ainda mais baixas entre os jovens de 18 a 24 anos (51%), de 25 a 49 anos (40%) e os gregos na faixa etária de 50 anos (28,5%). Aproximadamente 90% dos pacientes entubados com COVID-19 admitidos na UTI não são vacinados.

Em setembro, a Grécia também estava entre os três piores países da UE em mortes por milhão, ao lado da Bulgária e Lituânia. Estes números são a consequência de uma taxa insuficiente de vacinação entre as populações mais vulneráveis. Mas ao invés de um esforço direcionado para proteger esses grupos, o governo usa a campanha de vacinação como uma ferramenta para aumentar o autoritarismo, demissões, mudança de responsabilidades e ataques a agências estatais já dizimadas. O resultado é uma frustração crescente contra o governo, sem mencionar a resistência à vacina por parte da população.

Chamas como oportunidade de negócios

O primeiro ministro Kyriakos Mitsotakis reconheceu que os incêndios florestais deste ano foram um sinal da atual crise climática – mas também insistiu que a questão deveria ser tratada como “politicamente neutra”. A Grécia tem, de fato, uma longa história de incêndios florestais. Mas o país carece crucialmente de uma estrutura unificada para evitar esses incêndios e proteger suas florestas. O modelo de investimento privado promovido como o remédio único para as dificuldades econômicas da Grécia é, em si mesmo, uma ameaça significativa ao meio ambiente natural. Uma das primeiras leis aprovadas pelo governo no início da pandemia, a infame “multi-bilhar ambiental” desregulamentou ainda mais o setor energético e os investimentos em larga escala – ameaçando diretamente as áreas protegidas e a biodiversidade.

Em sua primeira coletiva de imprensa após o pico dos incêndios florestais de agosto, Mitsotakis afirmou ousadamente que prefere “atribuir projetos a empreiteiros privados”, porque os investidores do setor privado não estão vinculados a procedimentos burocráticos complicados. Com base nesta suposição, o governo planeja um extenso programa de reflorestamento que conta com o setor privado e parcerias público-privadas, como o reflorestamento patrocinado. O Estado é assim visto como um mero regulador que supervisiona as transações comerciais, ao mesmo tempo em que se retira gradualmente de sua responsabilidade de proteger a sociedade e o meio ambiente.

A única exceção a este princípio não-intervencionista é o papel disciplinar do Estado, como manifestado durante os protestos. O uso da violência policial em manifestações políticas, ataques provocados contra cidadãos e centenas de prisões injustificáveis aumentou a desconfiança pública em relação às instituições estatais e revelou o rosto de uma polícia punitiva e vingativa.

Neste sentido, um incidente de 7 de março em Nea Smyrni, um subúrbio de classe média de Atenas, onde policiais jogaram um jovem cidadão no chão e o atacaram com bastões, não foi uma ocorrência isolada. Durante os “lockdowns”, vários incidentes de abuso dos direitos humanos pelas autoridades policiais foram relatados, incluindo espancamentos, agressões sexuais e negação de assistência médica. O primeiro ministro, juntamente com o ex-ministro “de Proteção do Cidadão” (o equivalente grego do ministério responsável pela polícia e agências de segurança), Michalis Chrysochoidis, ignorou os pedidos públicos de responsabilização e alegou que a violência policial é uma questão do passado.

Todas essas expressões de autoritarismo e cumplicidade com a arbitrariedade da polícia aumentaram o sentimento de alienação das pessoas em relação às instituições do Estado. Elas se sentem cansadas, inseguras e necessitadas de uma proteção que não venha mais do Estado.

Defendendo a sociedade

Apesar do descontentamento social generalizado e das mobilizações sociais esporádicas, as críticas à política governamental ainda não se traduziram em um forte confronto social e político. As taxas de aprovação do governo estão diminuindo, e o Syriza, principal partido da oposição, espera transformar isto em uma vitória eleitoral futura. No entanto, seguindo seu encanto no governo, a contínua transformação do Syriza em um partido de “centro-esquerda” impede-o de manter uma conexão com a classe trabalhadora e as raízes populares do partido.

No período recente, houve uma onda de lutas contra a repressão, o florescimento de um novo movimento feminista, uma onda de protestos #MeToo no esporte e entretenimento, e um movimento estudantil reavivado pelo projeto de lei que cria forças policiais nas universidades. No entanto, as lutas sociais são fragmentadas e muitas vezes isoladas umas das outras. O legado radical do movimento anti-austeridade ainda existe, mas atualmente se apresenta como um marco controverso na memória da esquerda da Grécia e de seus movimentos sociais. Apesar da decepção generalizada, a recente greve vitoriosa e o protesto dos trabalhadores de entrega de alimentos, como o aplicativo do Efood, é um exemplo poderoso de uma luta trabalhista vívida e impactante. Seu protesto contra a chantagem da empresa desencadeou uma onda maciça de solidariedade e apoio social, com dezenas de milhares de clientes desinstalando o aplicativo, a fim de exercer pressão sobre a empresa. Esta combinação frutífera de organização sindical “tradicional”, “novos” métodos de ativismo digital e solidariedade popular aos trabalhadores essenciais, conseguiu superar as extraordinárias adversidades no difícil período pós-quarentena.

A questão é, se a esquerda está preparada para aprender com esta experiência positiva após os recentes contratempos. Com certeza, o resultado da última década não foi positivo para as forças radicais. Quando o colapso financeiro de 2008 e a subsequente crise grega eclodiram, camadas mais amplas da sociedade voltaram-se para a esquerda e para o movimento operário para defender seus direitos, e as ideias marxistas forneceram um ponto de referência para entender o mundo e um ideal para o futuro. Hoje, as coisas parecem bem diferentes. A sociedade não parece pronta para prever os próximos passos, desde que o medo da pandemia ainda pese sobre sua cabeça.

Ao mesmo tempo, estas circunstâncias excepcionais exigem um novo programa político radical. Em 2010-15, a presença do país na zona do euro e na UE esteve em discussão nos movimentos sociais. Hoje, ao lado das reivindicações ainda válidas de cancelamento da dívida e ruptura com a gaiola de ferro dos memorandos, a crise exige um programa próprio e abrangente.

A base óbvia para tal programa é apoiar e proteger os serviços públicos e bens comuns, a saúde pública e a educação. A vacinação universal deve ser a principal arma dentro de um plano de proteção abrangente, mas não concedida a governos e empresas capitalistas nem isolada como a única solução. A luta pela saúde pública também precisa ser combinada com uma defesa das liberdades civis e uma rejeição do uso da pandemia como desculpa para reforçar o autoritarismo estatal.

Há uma necessidade urgente de uma política social em favor das partes mais fracas da sociedade, baseada na tributação da riqueza, na proteção do trabalho, na redução do tempo de trabalho, na garantia de renda, no direito à moradia e similares. Uma reestruturação mais ampla da economia também exige a quebra da dependência destrutiva da Grécia do turismo e da obsessão neoliberal com as privatizações e os investimentos estrangeiros. Finalmente, a restauração das terras queimadas, o apoio aos atingidos pelo desastre e a proteção do meio ambiente são também de vital importância.

Tais demandas têm surgido constantemente em lutas recentes – e foram discutidas extensivamente neste verão. Mas o debate precisa ir mais longe, e precisa envolver-se com a visão de um futuro radicalmente diferente baseado nos princípios modernos dos socialistas e comunistas, mas também ecológicos e feministas.

Muitas esquerdas, nenhuma alternativa

Entretanto, mesmo o melhor programa não fornece o impulso para uma alternativa. Pois a condição fundamental para isso está nas forças políticas da esquerda e nas próprias estruturas coletivas dos movimentos.

É aqui que reside a maior dificuldade, pois a experiência contraditória da última década produziu múltiplos efeitos. Para alguns setores de esquerda dentro ou ao redor do Syriza, a experiência do partido no governo trouxe uma clara mudança em direção à busca de soluções mais “realistas”; uma mudança que continuou mesmo após o retorno da direita ao poder, com Alexis Tsipras procurando montar uma oposição mais “institucional”. Enquanto isso, para os partidos e as organizações da esquerda radical, a derrota produziu uma sensação de impotência em mudar o rumo da Grécia, ou mesmo inspirando e organizando uma resistência social em larga escala.

Apesar da transformação do Syriza – e sua intenção declarada de avançar em direção a uma força de centro esquerda social-democrata -, ele continua sendo o principal partido de oposição e uma referência para muitas pessoas de esquerda. Ele sustenta um discurso anti-governamental e articula demandas sociais, mas não é capaz nem está disposto a liderar uma luta social com o objetivo de derrubar as diretrizes e as medidas de austeridade da UE. Por esta razão, é evidente que não será capaz de reiterar o papel que desempenhou durante as mobilizações anti-austeridade de 2010-15.

O Partido Comunista da Grécia (KKE) continua sendo, pelos padrões atuais, um partido de massas. Como não participou substancialmente do movimento das praças de 2011, da batalha do referendo de 2015 e, naturalmente, do governo de Syriza, parece ter aumentado sua credibilidade e sua força organizacional. É a força política mais consistente no movimento trabalhista, mas sua atitude política geral permanece passiva, fechando a possibilidade de liderar uma nova agitação social com o objetivo de abalar o cenário político.

Em 2019, MeRA25 e seu líder Yanis Varoufakis conquistaram pouco mais de 3% na representação parlamentar, em parte “preenchendo a lacuna” à esquerda do Syriza. O MeRA25 mantém o legado radical de 2015 e um desejo de expressar novas demandas sociais na economia e nas questões ambientais e de gênero. No entanto, sua estrutura centrada no líder e a falta de qualquer conexão significativa com os movimentos sociais limita severamente seu potencial papel na reconstrução da esquerda grega.

Finalmente, embora as numerosas organizações de extrema esquerda da Grécia continuem a ter uma presença popular, especialmente dentro do movimento estudantil, em geral elas ainda estão num estado de fragmentação e estagnação, apesar de algumas tentativas recentes de reconstruir a esquerda radical.

No entanto, embora haja muitas forças de esquerda dentro e fora do parlamento, há um vazio em termos de construção de uma alternativa. Em vez disso, as pessoas de esquerda estão cada vez mais se distanciando da esquerda organizada, alienadas por sua fragmentação e desapontadas com a experiência de Syriza no governo. Neste sentido, o principal problema hoje não é a falta de críticas antigovernamentais ou mesmo anticapitalistas, mas o enfraquecimento severo dos movimentos e organizações políticas. Seus líderes raramente abordam a questão – o que necessariamente significaria discutir seus próprios erros e deficiências – e os militantes acompanham os acontecimentos à distância, às vezes participando de ações específicas, ao mesmo tempo em que se voltam, frequentemente, para a esfera privada.

Essas atitudes não podem preencher o vazio do diálogo teórico e da ação efetiva. Somente a busca coletiva de uma resposta e de um novo projeto radical, baseado na organização de base e em intervenções relevantes para as questões da vida cotidiana, pode fornecer respostas viáveis.

No entanto, enquanto as forças dominantes procuram reafirmar o dogma do TINA – “Não há alternativa” – a situação não está totalmente sem esperança. Embora enfraquecida, a esquerda continua sendo uma força relativamente massiva e eleitoralmente influente. Os movimentos sociais estão animados e novas mobilizações estão sempre surgindo. Novas gerações estão se aproximando da esquerda e ideias comunistas estão em ascensão. Mas o que permanece crucialmente ausente é a crença de que as lutas podem trazer mudanças políticas reais.

As consequências devastadoras do “governo de esquerda”, representado pelo Syriza entre 2015 e 2019, ainda estão sendo sentidas. Esta experiência tem gerado fadiga, frustração e, muitas vezes, atitudes agressivas dentro da esquerda, especialmente entre as gerações mais velhas. Mas a experiência da década anterior também é mais complexa do que isso. As pessoas também aprenderam que as lutas populares podem virar o cenário político de cabeça para baixo. Se isto aconteceu uma vez, mas parou no meio do caminho, por que não poderia acontecer novamente, de uma forma mais radical?

Um novo esforço coerente para reconstruir o movimento e a esquerda radical pode encontrar terreno fértil, especialmente entre os ativistas mais jovens. O que é necessário hoje é um esforço unificador e militante deste tipo. Depois de um verão sem fim, o inverno pode não ser tão escuro quanto tememos.

Sobre os autores

é PhD em ciência política e sociologia. Atualmente trabalha como pesquisadora social. Ela está engajada no movimento feminista como escritora e ativista.

é arquiteto e urbanista, envolvido nas lutas urbanas e ambientais como pesquisador e ativista.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Austeridade, Europa, FORMATO and Política

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux