Press "Enter" to skip to content
Uma trabalhadora médica mostra uma dose da vacina cubana Soberana 2 para COVID-19 em uma escola em Havana, Cuba. (Joaquin Hernandez / Xinhua via Getty Images)

Vacina de Cuba salvará milhões de vidas

POR
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Graças ao seu setor estatal de biotecnologia e ao profundo compromisso de seu governo com a saúde pública, Cuba é o único país de baixa renda a ter feito sua própria vacina para COVID. Após vacinar sua população mais que os países ricos, a ilha socialista está prestes a ajudar outras milhões de pessoas mundo afora.

Grande parte da cobertura da imprensa sobre Cuba na semana passada se concentrou nos protestos antigovernamentais que não ocorreram. Menos coberto pela mídia tem sido algo com um significado global potencialmente maior: sua campanha de vacinação.

Depois de 12 meses terríveis, quando uma reabertura apressada causou um novo surto de pandemia, o pico de mortes e o país de volta a uma nova paralisação, um programa de vacinação bem-sucedido reverteu a pandemia no país. Cuba é agora um dos poucos países de renda mais baixa que não apenas vacinou a maioria de sua população, mas o único que o fez com uma vacina que desenvolveu por conta própria.

A saga sugere um caminho a ser seguida pelos países em desenvolvimento, à medida que continua lutando contra a pandemia em face do apartheid de vacinas impulsionado pelas corporações e aponta de forma mais ampla o que é possível fazer quando a ciência médica é dissociada do lucro privado.

Uma jogada segura

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, até o momento em que este artigo foi escrito, Cuba vacinou totalmente 78% de sua população, colocando-a em nono lugar no mundo, acima de países ricos como Dinamarca, China e Austrália (Estados Unidos, com pouco menos de 60% de sua população vacinada, está classificada em quinquagésimo sexto). A reviravolta desde o início da campanha de vacinação em maio reanimou a sorte do país frente o duplo choques da pandemia e uma intensificação do bloqueio dos EUA.

Após um pico de quase 10 mil infecções e quase 100 mortes por dia, ambos os números despencaram. Com 100% do país tendo tomado pelo menos uma dose de vacina até o final do mês passado, o país reabriu suas fronteiras em 15 de novembro para o turismo, que representa mais de um décimo de sua economia, e reabriu escolas. Isso torna Cuba uma exceção entre os países de baixa renda, que vacinaram apenas 2,8% de suas populações. Isso se deve em grande parte ao acúmulo de vacinas pelo mundo desenvolvido e à restrição dos monopólios de patentes, que impedem os países mais pobres de desenvolver versões genéricas das vacinas que foram produzidas com financiamento público – vale ressaltar.

A chave para obter este resultado foi a decisão de Cuba de desenvolver suas próprias vacinas, duas das quais – Abdala, cujo nome deriva de um poema escrito por um herói da independência, e Soberana 2 – receberam, finalmente, a aprovação regulamentar oficial em julho e agosto. Nas palavras de Vicente Vérez Bencomo, o aclamado internacionalmente chefe do Finlay Vaccine Institute do país, Cuba estava “apostando que era seguro” esperar mais tempo para fabricar suas próprias vacinas. Dessa forma, evitaria a dependência de aliados maiores, como Rússia e China, ao mesmo tempo em que acrescentaria uma nova exportação comercial em um momento de dificuldades econômicas contínuas.

Esses esforços já estão em andamento. O Vietnã, com apenas 39% de sua população vacinada, fechou um acordo para comprar 5 milhões de doses, com Cuba recentemente despachando mais de 1 milhão delas para seu aliado comunista, entre as quais 150 mil foram doadas. A Venezuela (32% totalmente vacinada) também concordou em comprar US$ 12 milhões da vacina de três doses e já começou a administrá-la, enquanto o Irã (51%) e a Nigéria (1,6%) concordaram em fazer uma parceria com o país para desenvolver sua próprias vacinas. A Síria (4,2%) discutiu recentemente com autoridades cubanas a perspectiva de fazer o mesmo.

As duas vacinas fazem parte de um conjunto de cinco vacinas de COVID que Cuba está desenvolvendo. Isso inclui uma vacina usada por via nasal que progrediu para a fase II de estudos clínicos. Ela é uma das apenas 5 vacinas em todo o mundo que têm uma aplicação nasal, de acordo com um de seus principais cientistas, que poderia ser particularmente útil se provada ser segura e eficaz, devido à entrada do vírus pela cavidade nasal. Também inclui uma injeção de reforço especialmente projetada para funcionar com aqueles já inoculados com outras vacinas e que foi recentemente testada em turistas italianos. Desde setembro, Cuba está em processo de obter a aprovação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para suas vacinas, o que abriria a porta para sua adoção generalizada.

Uma vacina diferente

Vários aspectos tornam as vacinas cubanas únicas, além de seu país de origem, de acordo com Helen Yaffe, professora sênior de história econômica e social da Universidade de Glasgow. No cerne disso está a decisão de Cuba de buscar uma vacina de proteína mais tradicional, em vez da tecnologia de mRNA mais experimental usada para as vacinas da COVID com as quais nos familiarizamos, que estavam em desenvolvimento há décadas antes do início da pandemia forçar um avanço.

Por isso, a vacina cubana pode ser mantida na geladeira ou mesmo em temperatura ambiente, ao contrário das temperaturas subpolares que a vacina da Pfizer deve ser armazenada ou das temperaturas de congelamento exigidas pela vacina da Moderna. “No Sul Global, onde grande parte da população não tem acesso à eletricidade, é apenas mais um obstáculo tecnológico”, diz Yaffe.

E embora a tecnologia de mRNA, que nunca foi usada em crianças antes, significou um lapso entre a vacinação de adultos e crianças no mundo desenvolvido – e significa que vacinas para crianças menores de 5 anos ainda estão sendo desenvolvidas – Cuba pretendia desde o início criar uma vacina que as crianças poderiam receber. A partir deste mês, já foram totalmente vacinados mais de quatro quintos de todas as crianças de 2 a 18 anos.

Enquanto cerca de dois terços de todas as crianças foram excluídas da escola na América Latina e no Caribe em setembro, Cuba agora reabriu as salas de aula. Gloria La Riva, ativista e repórter independente que visitou Cuba durante todo o ano e está em Havana desde meados de outubro, descreveu a cena da Ciudad Escolar 26 de Julio quando pais e avós compareceram para a reabertura da escola.

“É muito importante para as famílias”, diz ela. “Todos sentem um orgulho enorme.”

O poder de iniciativas sem fins lucrativos

Há mais um fator que diferencia a vacina cubana. “A vacina cubana é 100% produto de um setor público de biotecnologia”, diz Yaffe.

Enquanto nos Estados Unidos, e em outros países desenvolvidos, medicamentos que salvam vidas são desenvolvidos em grande parte graças ao financiamento público antes que seus lucros e distribuição sejam cruelmente privatizados para o enriquecimento corporativo, o setor de biotecnologia de Cuba é de propriedade e financiamento totalmente públicos. Isso significa que Cuba desmercantilizou um recurso humano vital – a direção política exatamente oposta que vimos nas últimas quatro décadas de neoliberalismo.

Cuba despejou bilhões de dólares na criação de uma indústria doméstica de biotecnologia desde os anos 1980, quando uma combinação de surto de dengue e novas sanções econômicas do então presidente Ronald Reagan aconteceu. Apesar de um bloqueio esmagador dos Estados Unidos, responsáveis por um terço da produção farmacêutica mundial, o setor de biotecnologia de Cuba tem prosperado: faz quase 70% dos cerca de 800 medicamentos que os cubanos consomem e 8 das 10 vacinas da imunização nacional e exporta centenas de milhões de vacinas por ano. As receitas são então reinvestidas no setor.

“Todas essas vacinas que têm um impacto muito grande na ciência são vacinas muito caras, economicamente inacessíveis ao país”, disse Vérez Bencomo recentemente sobre a decisão de Cuba de desenvolver suas próprias vacinas.

O setor é aclamado internacionalmente. Cuba ganhou dez medalhas de ouro da Organização Mundial de Propriedade Intelectual das Nações Unidas (OMPI) por, entre outras coisas, desenvolver a primeira vacina contra meningite B do mundo em 1989. Em 2015, Cuba se tornou o primeiro país a eliminar a transmissão de mãe para filho do HIV e da sífilis, resultado tanto dos medicamentos retrovirais que produziu quanto de seu robusto sistema de saúde pública.

Desta forma, Cuba tem sido capaz de fazer o impensável, desenvolver sua própria vacina e ultrapassar grande parte do mundo desenvolvido na superação da pandemia, apesar de seu tamanho, nível de riqueza e de uma política de estrangulamento econômico promovido por um governo hostil muito poderoso e próximo. Os esforços de solidariedade internacional também foram vitais. Quando o bloqueio dos Estados Unidos resultou em falta de seringas na ilha, comprometendo sua campanha de vacinação, grupos solidários dos Estados Unidos enviaram 6 milhões de seringas a Cuba, com o governo mexicano enviando mais 800 mil e mais de 100 mil no topo disso vindo de cubanos na China.

Uma fonte de esperança

Mesmo assim, há alguma incerteza em torno das vacinas de Cuba. Seu uso na Venezuela encontrou a objeção dos sindicatos de pediatras e academias médicas e científicas do país, da mesma forma que outros críticos, que afirmam que os resultados do teste da vacina não foram revisados por pares e publicados em revistas científicas internacionais. A Organização Pan-Americana da Saúde pediu a Cuba que tornasse públicos os resultados.

Por sua vez, Vérez Bencomo culpa a comunidade internacional hostil a Cuba. Em uma entrevista em setembro, ele denunciou que os cientistas cubanos estavam sendo discriminados por grandes periódicos, que, segundo ele, rejeitaram propostas de cubanos, publicando posteriormente pesquisas semelhantes de outros países, e atuam como “uma barreira que tende a marginalizar os resultados científicos que vêm de países pobres”.

Essas são acusações muito sérias de um cientista respeitado globalmente. Vencedor do Prêmio Nacional de Química de Cuba e da Medalha de Ouro da WIPO em 2005, Vérez Bencomo liderou a equipe que trabalhou com um cientista canadense para desenvolver a primeira vacina semissintética do mundo, criando uma injeção mais acessível para proteger contra Haemophilus influenza tipo B, uma vacina de baixo custo contra a meningite. Ele foi impedido em 2005 de viajar para a Califórnia para receber um prêmio por ela, com o Departamento de Estado de George W. Bush considerando sua visita “prejudicial aos interesses dos Estados Unidos”. Em 2015, ele foi nomeado Cavaleiro da Legião de Honra pelo então ministro dos Assuntos Sociais e da Saúde da França, que o elogiou por seu trabalho e o chamou de “amigo da França”. (Vérez Bencomo não respondeu a um pedido de entrevista).

Embora a recuperação de Cuba na pandemia sugira que a confiança dele e do governo cubano nas vacinas não está errada, pode levar mais algum tempo para que elas obtenham o aval oficial da comunidade científica internacional. Caso venha a acontecer, provaria ser uma refutação poderosa do modelo corporativo de vacinas que tem dominado o debate até agora, que sustenta que, de acordo com os pontos de discussão da indústria farmacêutica, apenas a competição orientada para o lucro pode produzir o tipo de inovação que salva vidas num mundo desesperado por resultados.

Talvez o ponto mais importante é que agora há uma maneira de o mundo em desenvolvimento finalmente rastejar para fora do buraco em forma de pandemia do qual se encontra hoje, meses depois das vacinas terem sido lançadas nos países ricos. Os governos ocidentais continuaram a se opor aos apelos do Sul Global para renunciar às patentes de vacinas e permitir que fabricassem ou comprassem versões genéricas mais baratas, deixando a vasta maioria da população mundial ainda vulnerável ao vírus – e, ironicamente, colocando todos nós em perigo, caso novas cepas resistentes à vacina sofram mutação. Nesse sentido, todos devemos esperar que as vacinas de Cuba tenham tanto sucesso quanto seus cientistas fazem crer.

Sobre os autores

é escritor da redação da Jacobin e mora em Toronto, Canada.

Cierre

Arquivado como

Published in América Central, Análise, DESTAQUE, FORMATO, Saúde and Tecnologia

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux