Press "Enter" to skip to content
O especialista do Exército Angel Laureano segura um frasco da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19 no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed em Bethesda, Maryland, em 14 de dezembro de 2020. (Lisa Ferdinando / Departamento de Defesa dos EUA via Wikimedia Commons)

A industria farmacêutica está promovendo um morticínio com o apartheid da vacina

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Com a disseminação da nova variante Omicron e baixos níveis de vacinação em grande parte do mundo, ainda não há um fim no horizonte para combater a COVID. É uma má notícia para a saúde pública global - mas uma ótima notícia para as grandes empresas farmacêuticas que viram seus lucros saltarem no últimos meses.

Com o surgimento de outra variante da COVID-19, não há um fim no horizonte para a pandemia global. É uma má notícia para todos que esperavam que 2022 pudesse trazer um retorno a algum tipo de normalidade, ou ver o fim dos tipos de restrições e proibições de viagens sendo agora reintroduzidas. Mas é, decididamente, uma boa notícia, por outro lado, para algumas grandes empresas farmacêuticas que já fizeram uma matança com as vacinas e devem colher grandes lucros à medida que variantes como o Omicron continuam a se proliferar.

A Moderna e a Pfizer adicionaram bilhões em suas capitalizações no mercado em questão de dias, desde que a notícia da Omicron apareceu pela primeira vez em meio a uma demanda antecipada por doses de reforço e, por extensão, enormes lucros. 2021 já foi um ano marcante para as várias empresas farmacêuticas que transformaram com sucesso suas marcas em sinônimo de distribuição de vacinas – os lucros da Pfizer saltaram cerca de 124% nos três primeiros trimestres do ano em comparação com 2020 e os da Johnson & Johnson, cerca de 24%.

No que diz respeito aos modelos de negócios lucrativos, a estratégia de pandemia da indústria farmacêutica é a melhor que pode existir. As vacinas do tipo mRNA produzidas por empresas como Pfizer e Moderna só foram desenvolvidas graças a bilhões investidos em pesquisas com financiamento público, e ambas as empresas pagaram bem abaixo da taxa de imposto nos EUA no primeiro semestre deste ano.

Com o incentivo, a proteção e a cooperação de alguns dos Estados mais ricos e poderosos do mundo, ambos empresas também venderam muitas doses aos países ricos – cobrando com sucesso até 24 vezes os custos reais de produção, de acordo com uma análise feita por cientistas de mRNA em Imperial College London, resultando em doses 5 vezes mais caras do que o necessário.

Como essa resposta a uma pandemia global, o lançamento da vacina liderada pela indústria farmacêutica gerou uma crise humanitária completamente evitável que é muito corretamente chamada de apartheid da vacina por seus críticos. Romper com esse controle corporativo é um passo necessário para aumentar o fornecimento de vacinas e levar as doses necessárias com urgência para bilhões de pessoas que precisam delas mundo afora. Mas, como o ciclo global de notícias se preocupa com o surgimento de mais uma variante, também é um pré-requisito básico para acabar com a pandemia para todos, mesmo em países ricos com taxas relativamente altas de vacinação.

Até que as fórmulas de produção de vacinas sejam compartilhadas e as doses amplamente disponibilizadas a baixo custo, podemos esperar mais infecções e mortes desnecessárias – e uma indústria extremamente lucrativa operando a todo vapor.

Sobre os autores

é colunista da Jacobin.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Europa and Saúde

Comments are closed.

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux