Press "Enter" to skip to content
Pessoas em Xangai assistem ao show de luzes por ocasião do 100º aniversário do Partido Comunista Chinês em 1 de julho de 2021. Foto ded Hector Retamal / AFP

Como a China evitou um colapso ao estilo soviético

Tradução
Gercyane Oliveira

O colapso da URSS, que aconteceu neste dia há 30 anos, foi a mudança de regime mais dramática da história moderna. Conversamos com a economista Isabella Weber para entender como o Partido Comunista Chinês escolheu um caminho alternativo à "terapia de choque" que engoliu o antigo bloco soviético nos anos 90 e obteve uma expansão econômica sem precedentes.

UMA ENTREVISTA DE

Daniel Zamora

A história econômica mais impressionante do último meio século foi a ascensão da China. Seu desenvolvimento liderado pelo Estado desencadeou uma expansão econômica explosiva sem precedentes na história moderna.

Mas o espantoso crescimento chinês batendo todos os recordes está longe de ser um triunfo do mercado livre. Em How China Escaped Shock Therapy, Isabella Weber, economista da Universidade de Massachusetts Amherst, oferece um relato convincente e fascinante das reformas econômicas e dos debates na China nos últimos cinqüenta anos.

Ela demonstra como, ao escolher um caminho alternativo à “terapia de choque” que engoliu o antigo bloco soviético dos anos 90, a China evitou o tipo de declínio na capacidade do Estado que fez da COVID-19 um desastre tão grande para todo o Ocidente.

Misturando extensa pesquisa histórica e econômica original, o relato de Weber nos dá uma rica compreensão do caminho seguido pelo Partido Comunista Chinês e seu efeito sobre a maior classe trabalhadora do mundo.


DZ

O que te inspirou a escrever este livro?

IW

Eu cresci na Alemanha Ocidental nos anos 90. A história do socialismo nos foi contada principalmente através de estereótipos de fracasso, histórias de viagens para o Oriente cinzento e monótono trazendo consigo presentes de café de marca e jeans. Havia um sentimento geral de triunfalismo do “fim da história”. Mas a história deste livro realmente começa quando eu era um estudante visitante na Universidade de Pequim. Ansiosa para aprender sobre a economia da China, tive aulas na Guanghua School of Management, uma das principais escolas de administração da China, e fiquei impressionado com o fato de estarmos estudando os mesmos livros norte-americanos que eu havia usado em Berlim. Parecia intrigante que a China pudesse ter um sistema econômico que era claramente diferente da Alemanha ou dos Estados Unidos, mas que ainda praticava o mesmo tipo de economia. Ao retornar a Berlim, comecei aprofundar meus estudos sobre a China.

Nossos colegas chineses estavam muito interessados na experiência e no colapso do socialismo de Estado da Alemanha Oriental. Em uma ocasião, ajudei a organizar uma reunião entre Hans Modrow, o último primeiro-ministro da República Democrática Alemã (RDA), e uma delegação chinesa de alto escalão. Antes do evento, eu nem sequer sabia quem era Hans Modrow. Ele só esteve no cargo por um curto período de tempo. Sentado naquela sala com o último líder esquecido da Alemanha Oriental, a delegação chinesa levantou a questão: por que a história tinha funcionado de forma tão diferente para os dois lados?

Isto me levou a pesquisar os fundamentos intelectuais das reformas econômicas da China na longa e crucial década de 1980, geralmente definida como 1978-1992. Por que a China havia escapado da terapia de choque e qual era o papel da economia no distinto caminho chinês?

DZ

Tendemos a esquecer como foi realmente brutal a transição do socialismo para o capitalismo no ex-bloco soviético. No final, você argumenta que é isso que explica a forte divergência econômica entre a China e a Rússia durante o mesmo período.

IW

Tem sido notável que, no contexto das crises de 2008 e da COVID-19, o ponto de referência histórico tenha sido quase exclusivamente a década de 1930. De fato, a “recessão de transição” na Rússia foi mais profunda e mais prolongada do que a Grande Depressão.

Não apenas a produção total caiu mais de um terço, mas, em 1995, a produção industrial havia caído para cerca da metade do nível de 1987. Esta é provavelmente a mais dramática desindustrialização nos tempos pós-coloniais. A Rússia nunca recuperou sua posição como uma superpotência industrial.

Os salários reais caíram para menos de 50% do que tinham sido antes da terapia de choque. A expectativa de vida dos homens russos caiu por 7 anos, mais do que qualquer país industrializado jamais havia experimentado em tempos de paz. Um estudo da Lancet argumentou que milhões de mortes imprevisíveis ocorreram no caos que se seguiu, à medida que a pobreza e o desemprego dispararam. As drogas, as infecções por HIV, o alcoolismo, a desnutrição infantil e o crime subiram nos mais altos patamares enquanto oligarcas saqueavam bens públicos. Em 2015, 99% das pessoas na Rússia ainda estavam em pior situação em termos de renda real entre os adultos do que estavam em 1991. Foi criada toda uma “geração perdida” de jovens e foram lançadas as bases para o governo de Vladimir Putin.

Para ter certeza, não está claro que a “cura chinesa” teria funcionado na Rússia, mas é difícil imaginar que a terapia de choque ao estilo russo na China não teria levado o sofrimento em uma escala comparável à da Rússia. Temos que lembrar que, no final dos anos 80, a China ainda era um país muito pobre. Após mais dez anos de reforma, em 1990, a renda real da Rússia entre os adultos ainda era cerca de três vezes maior do que a da China. Mesmo um colapso econômico muito menos dramático do que o observado nos anos 90, poderia ter significado uma catástrofe de tremendas proporções na Rússia.

Com o benefício do olhar retrospectivo, podemos ver que os anos 80 marcam uma grande encruzilhada na história econômica mundial – o ponto de inflexão tanto da divergência entre a queda da Rússia e a ascensão da China quanto do início da reconversão da China com as economias ocidentais.

DZ

Quais eram as expectativas daqueles que defendiam a terapia de choque?

IW

A idéia da terapia de choque se baseia na lógica de que a dor de curto prazo é necessária. A analogia frequentemente invocada foi a da cirurgia – o paciente tem que sofrer em primeiro lugar para lançar as bases para o desenvolvimento a longo prazo. Acontece que, ao contrário de uma cirurgia realizada por um médico especializado, a dor induzida pela terapia do “choque econômico” não era facilmente contida. Transformar todo um sistema econômico não é como cortar um tumor.

A chave para o choque inicial foi um “big bang” na liberalização de preços. Deixar todos os preços livres de um dia para o outro era para criar um sistema de preços racional, essencial para a visão neoclássica dos mercados. A austeridade macroeconômica – contenção monetária e o corte dos orçamentos governamentais – tinha como objetivo evitar que os preços liberados saíssem do controle.

Lá se vai essa teoria. O “big bang” de Boris Yeltsin em 1991 deu lugar a uma hiperinflação sustentada. Quando o valor do dinheiro está caindo no abismo, não há como ter um mercado racional. As relações de troca são então impulsionadas pelo pânico e pela necessidade nua e crua, o que está longe de ser uma otimização da utilidade. A Rússia ficou sem um mercado funcional e sem planejamento, muitas vezes caindo de volta nas trocas de permuta como último recurso.

DZ

Você parece argumentar que a determinação dos preços no mercado era o objetivo central da terapia de choque. Curiosamente, vimos esta transição com os programas de ajuste estrutural impostos aos países em desenvolvimento no final dos anos 80. Os controles de preços, em particular, eram alvo. Por que a política de preços é tão importante para os neoliberais?

IW

A terapia de choque não foi, naturalmente, exclusivamente uma política de transição do socialismo de Estado, mas um paradigma político muito mais amplo, famoso no Chile de Augusto Pinochet, imposto na Inglaterra de Margaret Thatcher, e aplicado na forma de ajuste estrutural em muitos países em desenvolvimento.

Os preços livres são o Santo Graal do mercado no pensamento neoliberal. Enquanto a propriedade privada, nesta perspectiva, é uma condição necessária para que o mercado funcione, o mercado em si é reflete o livre movimento de preços – que contém todas as informações necessárias para coordenar as ações dos indivíduos, que estão ligados através de nada mais que “preços livres”. Esta é a razão intelectual mais profunda pela qual os terapeutas de choque acreditavam que um “big bang” inicial era necessário para liberar todos os preços.

Friedrich Hayek e Ludwig von Mises, por exemplo, foram muito explícitos a respeito disso quando lançaram seu ataque contra o controle dos preços em tempo de guerra nos anos 40. Hayek advertiu em O Caminho da Servidão que “qualquer tentativa de controlar os preços ou as quantidades de mercadorias particulares priva a concorrência de seu poder de trazer uma coordenação eficaz dos esforços individuais”. Von Mises insistiu em um ensaio chamado “A política do meio da estrada leva ao socialismo” que, se o governo controlasse apenas o preço de um bem, digamos, o leite, isso levaria a um declive escorregadio de distorções de preços que, eventualmente, resultaria no controle total dos preços pelo governo e até mesmo no totalitarismo.

DZ

E por que é tão importante, especialmente para a classe trabalhadora, pensar politicamente nos preços? A sabedoria convencional em torno dos controles de preços hoje em dia é que eles levam à escassez, à ineficiência e aos mercados clandestinos.

IW

Na maior parte da economia atual, pensamos nos preços como sendo basicamente da mesma natureza. É o caso da economia neoclássica, em grande parte da economia marxista e também da economia keynesiana dominante. A principal contestação entre os marginalistas que acreditam em uma teoria do valor subjetivo e a teoria do valor do trabalho de David Ricardo e Karl Marx reside mais no princípio geral da determinação de preços do que em uma opinião divergente sobre a natureza dos preços de diferentes tipos de bens. Há considerações de diferentes dinâmicas de preços para preços de monopólio ou certos bens de luxo onde a demanda aumenta com o aumento dos preços. Mas há muito pouca consideração sistemática de como alguns preços são de grande importância para a estabilidade macroeconômica e o crescimento, nem há muita discussão em torno da economia política dos preços de determinados bens essenciais.

Entretanto, vários episódios históricos importantes apontam para a natureza altamente política de certos preços vitais. O movimento dos coletes amarelos na França foi desencadeado pela perspectiva de aumento dos preços do diesel; a primavera árabe foi alimentada pelo aumento dos preços do pão; e alguns argumentam que o aumento dos preços dos grãos desempenhou um papel central na Revolução Francesa. Isto se baseia em uma lógica muito simples: se os preços de bens essenciais como energia e alimentos básicos que compõem uma grande parte dos gastos das famílias de baixa renda aumentam, os salários reais caem drasticamente. As revoltas de preços são então uma forma de resistência contra ser espremido até a beira da subsistência ou abaixo dela. Ao mesmo tempo, estabilizar ou subsidiar bens de consumo essenciais é um passo para diminuir a vulnerabilidade das pessoas às oscilações do mercado.

Na China, existe uma longa tradição do que é chamado de “celeiros sempre normais”. Os conglomerados públicos têm estabilizado os preços desde a antiguidade, comprando grãos quando os preços estão baixos após a colheita e liberando reservas de grãos quando a oferta está escassa, especialmente durante a fome. Como uma das políticas do New Deal, os Estados Unidos estabeleceram a Commodity Credit Corporation seguindo a iniciativa de Henry A. Wallace, um esquema similar ao dos “celeiros sempre normais” na China.

Desde os tempos coloniais, a estabilização dos preços das commodities também tem sido importante para muitos países pobres que dependem da exportação de matérias-primas e bens agrícolas. Flutuações relativamente pequenas nos preços podem trazer desordem a uma economia quando suas exportações são em grande parte compostas apenas por um pequeno número de commodities.

Quando a ordem global foi redesenhada após a Segunda Guerra Mundial, o uso de reservas tampão de mercadorias internacionais para estabilizar os preços foi uma proposta proeminente apoiada, entre outros, por John Maynard Keynes. Esta proposta nunca foi implementada, mas merece um ressurgimento na atual discussão em torno de tornar as economias mais resistentes. Em vez de recuar para o nacionalismo econômico, os estoques de reserva mundiais de commodities essenciais apresentam uma alternativa internacionalista. Isto poderia incluir, por exemplo, maiores fornecimentos de equipamentos médicos. Tais estoques de reserva poderiam ter ajudado a canalizar recursos para os lugares onde eles eram mais necessários para conter a pandemia.

Hoje, após décadas de criação de mercado liderado pelo Estado, a China administra os maiores estoques públicos de grãos do mundo. O desligamento inicial extremamente rigoroso na fase inicial da pandemia COVID-19 foi em parte permitido por agências comerciais estatais que ajudaram a recriar mercados para alimentos quando os canais normais de abastecimento foram interrompidos. Outro exemplo é a estabilização dos preços da carne suína. Um surto de peste suína havia dizimado o fornecimento de carne suína na China em 2019. Para evitar que os preços da carne suína subissem muito rápido, o Estado liberou o fornecimento de suas reservas de carne suína congelada, e as empresas estatais ajudaram a organizar uma expansão das importações de carne suína.

Através da estabilização dos preços de mercado deste tipo, o Estado chinês suaviza as flutuações de bens essenciais de consumo e de produção. Estes procedimentos complementam a política monetária na estabilização dos preços em geral. Essa estabilização direcionada dos preços essenciais pode, por sua vez, criar espaço para expansão fiscal, liberando pressões inflacionárias.

DZ

Mas a China não estava à beira de implementar sua própria liberalização de preços e terapia de choque no final da década de 1980?

IW

Deng Xiaoping substituiu o famoso slogan da Revolução Cultural de “política no comando” pelo de “economia no comando”. Durante a década de 1980, houve uma rápida expansão das trocas com economistas de todo o mundo. O Banco Mundial e a Fundação Ford desempenharam papéis importantes a este respeito. Alguns visitantes proeminentes nos primeiros anos foram Milton Friedman, o economista de Chicago; Włodzimierz Brus, o economista reformista emigrado polonês e discípulo de Oskar Lange; e Ota Šik, o arquiteto exilado dos planos de reforma econômica da primavera de Praga.

Contrariando o ataque de Von Mises e Hayek a qualquer possibilidade de um sistema socialista racional, Lange mostrou no debate de cálculo socialista que preços racionais poderiam ser alcançados sob o socialismo de mercado. Esta linha de pensamento reformista tinha, portanto, alguma base em comum com o neoliberalismo em sua ênfase na obtenção de preços corretos.

Friedman, em uma palestra na China, chegou ao ponto de chamar o socialismo de mercado estilo Lange de uma segunda melhor solução que constituiria um grande avanço no caminho para uma economia livre. Assim, entre os economistas reinstalados na China, uma visão em desenvolvimento para reformas de mercado colocou a reforma de preços no centro de todos os esforços e argumentou que sem a liberalização de preços no atacado – em algumas versões preparadas por ajustes de preços calculados e combinados com a reforma tributária e salarial -, as reformas de mercado devem fracassar.

Enquanto estas trocas acadêmicas estavam evoluindo, a disciplina da economia foi remodelada a partir do exemplo ocidental. Planos ambiciosos de reforma de preços estavam sendo teorizados e elaborados, a reforma rural estava varrendo o país, e um paradigma de reforma experimentalista de mercado estava emergindo. As reformas rurais eram, em muitos aspectos, muito radicais. Elas envolviam o desmantelamento da comunidade popular – a principal instituição social, econômica e política da China maoísta.

Entretanto, mesmo aqui foi gradual, no sentido de que a reforma rural prosseguiu de forma a manter o compromisso do campo de entregar uma cota exigida pelas instituições de planejamento de bens agrícolas chave como grãos e algodão a um preço fixo. Mas agora, as famílias eram responsáveis pela entrega de sua parte da cota, enquanto podiam produzir para o mercado uma vez cumprido esse compromisso. Além disso, esta mudança para o “sistema de responsabilidade doméstica” foi tolerada primeiro de forma experimental nas comunidades rurais que não eram grandes produtores de bens agrícolas essenciais. Ao expandir o sistema de responsabilidade doméstica das comunidades marginais para o campo como um todo, a investigação da pesquisa desempenhou um papel fundamental.

Os estudantes que haviam passado sua juventude no campo, para onde foram enviados durante a Revolução Cultural, surgiram como uma força poderosa. Com o apoio dos principais líderes, como Deng Liqun e Du Rusheng, eles formaram o chamado Grupo de Desenvolvimento Rural, que ajudou a avaliar e sistematizar as lições das experiências de reforma agrícola. A reforma rural foi o principal avanço para a agenda de reforma de Deng numa forma mais ampla, e trouxe à tona Zhao Ziyang, que se tornou primeiro-ministro e secretário geral. Estes jovens intelectuais formaram uma forte aliança com os líderes reformistas da geração revolucionária.

DZ

Mas o que exatamente impediu a China de ir mais longe no caminho da terapia de choque?

IW

A batalha crucial foi sobre a questão de como fazer a comercialização do núcleo do sistema industrial urbano que havia sido criado com base no ideal soviético de “uma grande fábrica”. Ao contrário das comunas do campo, cada unidade de produção industrial não era destinada a ser uma entidade econômica sustentável por si só. Simplificando, elas produziram uma quantidade de produtos em resposta aos comandos centrais de preços estabelecidos pelo Estado, onde o sistema de preços foi criado para redistribuir entre os setores. Bens de consumo não essenciais como bicicletas, rádios e relógios tinham preços acima do custo, extraindo assim fundos dos consumidores, enquanto bens essenciais como grãos e aço tinham preços abaixo do custo. Como resultado, a rentabilidade era muito desigual – por projeto.

Os reformistas argumentaram que o mesmo sistema duplo de preço de mercado e preço planejado poderia ser introduzido no setor industrial e já estava, de fato, emergindo espontaneamente. As empresas deveriam continuar a entregar sua cota e, ao mesmo tempo, ser autorizadas a trazer seu produto excedente ao mercado. Agências comerciais estatais que anteriormente tinham desempenhado um papel relativamente passivo tornaram-se assim criadores de mercado, conectando fornecedores com novos clientes. Através do sistema dual-track [via dupla], as próprias unidades de produção seriam transformadas em empresas orientadas para o mercado, com toda a revisão institucional que isso implicava.

De modo crucial, para insumos industriais essenciais como energia e metais, que estavam ambos com pouco fornecimento e anteriormente com preços abaixo do custo, este sistema resultou em uma enorme diferença entre os preços planejados e de mercado. Da perspectiva dos defensores da dual-track, isto sublinhou a importância de manter o controle estatal sobre a cota para assegurar o fornecimento de insumos baratos, enquanto os altos preços de mercado apresentavam incentivos para que as empresas trabalhassem para expandir sua produção por qualquer meio. Em contraste, os economistas da reforma, que se concentraram em acertar os preços, viram a maior irracionalidade possível nesta divergência substancial de preços para o mesmo produto. Alguns chegaram ao ponto de argumentar que esse caminho dual-track era pior do que o antigo sistema planejado.

O sistema dual-track criou de fato um forte impulso para o crescimento, mas também foi um terreno fértil para a corrupção. No final dos anos 80, a desigualdade estava aumentando, e a euforia inicial pela reforma estava desaparecendo, enquanto os preços na pista do mercado criavam um aumento geral dos preços. As tensões sociais e políticas estavam aumentando. Neste contexto, a ideia de um “big bang” – de soltar todos os preços de uma só vez caiu enquanto se impunha a austeridade – parecia cada vez mais uma opção atraente que também carregava a autoridade da economia científica “ocidental”. Tal programa foi preparado uma vez em 1986. Mas foi revertido devido a avisos de economistas do Instituto de Pesquisa de Reforma do Sistema, que pesquisaram tentativas anteriores de grandes reformas de preços na Iugoslávia e Hungria; assim como economistas alemães e chineses que estavam familiarizados com as transições pós Segunda Guerra Mundial onde apresentavam um desafio semelhante.

Em 1988, quando a reforma entrou em um impasse político, o próprio Deng Xiaoping decidiu “derrubar a barreira da reforma de preços”, argumentando na retórica típica da terapia de choque que era melhor suportar a dor de curto prazo do que o sofrimento de longo prazo. No verão de 1988, os anúncios na TV estatal de uma reforma de preços abrangente foram suficientes para desencadear o pânico. Seguiram-se as corridas bancárias e a acumulação de bens duráveis. Naquele ano, a China viu os preços subirem em espiral fora de controle pela primeira vez desde a revolução em 1949. Uma das grandes conquistas econômicas dos comunistas na luta contra os nacionalistas foi estabilizar os preços.

Mas, rapidamente, a liderança chinesa mudou de curso. Deng Xiaoping, um líder da primeira geração revolucionária, estava preparado para pagar um alto preço em nome da mercantilização, mas não estava disposto a sacrificar a estabilidade do governo do Partido Comunista. Economicamente, o sistema de dual-track apresentou uma opção alternativa para a reforma após o recuo de um big bang. Politicamente, 1988 preparou o terreno para o levante de 1989 e a repressão na Praça Tiananmen.

DZ

Seu livro parece se afastar dos relatos convencionais do modelo econômico da China. É frequentemente descrito como uma espécie de combinação de Estado de partido único comunista com neoliberalismo econômico selvagem – o que David Harvey chamou de “neoliberalismo com ‘características chinesas’”. Por que esse relato é enganoso?

IW

Normalmente existem duas falácias no argumento “a China é neoliberal”. Primeiro, há uma confusão de mercantilização com neoliberalismo. Não acho isso convincente. No contexto da história da Europa e dos Estados Unidos, não chamaríamos os anos 1960 ou 1970 de neoliberais, embora os mercados desempenhassem um grande papel nas economias da época.

Em segundo lugar, esses estudos tendem a assumir uma natureza monolítica do sistema da China que não é realista ou se concentrar em exemplos muito específicos, como o setor de aulas particulares, para tirar conclusões sobre o sistema como um todo. No decorrer das reformas da década de 1980, o neoliberalismo se tornou uma força importante no discurso político da China. Anteriormente, a própria premissa de eficiência e racionalidade econômica havia sido rejeitada sob a retórica do maoísmo tardio. Mas enquanto os argumentos neoliberais e uma ampla agenda de liberalização e privatização estavam ganhando impulso e foram levados muito longe na década de 1990, o Estado chinês não desistiu de seu controle sobre os altos comandos da economia – em setores essenciais como finanças e indústria pesada, infraestrutura e propriedade de terras, bem como na criação de “campeões nacionais”, os cerca de 90 conglomerados industriais sob a supervisão da Comissão de Administração e Supervisão de Ativos Estatais.

Atualmente, estamos observando uma grande revitalização da defesa do investimento público na discussão de políticas dos Estados Unidos, em particular para infraestrutura. Isso é anunciado por muitos como o fim do neoliberalismo. No entanto, os planos mais abrangentes não trariam os Estados Unidos ao nível de investimento público chinês. Se usarmos os mesmos padrões para os dois casos, Estados Unidos e China, isso deve indicar que algo está errado se estivermos classificando a China como uma economia neoliberal.

DZ

Como você diferencia o neoliberalismo do que é inegavelmente uma virada de mercado na China? O que você quer dizer com “mercantilização além do neoliberalismo”?

IW

O neoliberalismo se baseia na ideia da livre movimentação de preços possibilitada pela propriedade privada. Isso não diz nada sobre o tamanho do Estado – o Estado foi criado para estabelecer e policiar as regras do mercado, não para participar ativamente do mercado com sua própria agenda e com o objetivo explícito de mover os preços de maneiras que considere favoráveis para atingir metas sociais, políticas ou econômicas. O Estado chinês faz o último.

Esse tipo de governança econômica com participação no mercado também significa que o Estado é um importante impulsionador da mercantilização. A China provavelmente é tão comercializada quanto os Estados Unidos. Parece haver mercados para tudo, e esses mercados são altamente digitalizados – incluindo pagamentos – e operam em um ritmo extremamente rápido.

Pense naquele jogo “Jenga”, que tem que empilhar as pecinhas e ir tirando sem que a torre se desmanche. A terapia de choque neoliberal diz que a velha torre Jenga deve primeiro ser esmagada para construir uma casa inteiramente nova com os blocos de madeira da antiga – enquanto a abordagem chinesa de “criação de mercado” começa removendo seletivamente os blocos dessa torre e, em seguida, move ele em algum outro lugar na mesma estrutura. A torre cresce enquanto sua estrutura muda fundamentalmente. Os espaços vazios são preenchidos por atividades de mercado que desencadeiam uma dinâmica que acaba por transformar a natureza dos blocos inicialmente deixados intocados.

Isso traz todos os efeitos colaterais desagradáveis da mercantilização, como condições de trabalho terríveis em setores de baixos salários. As diferenças entre o campo e a cidade também contribuíram para enormes desigualdades. As reformas agrícolas levaram à criação de uma força de trabalho flutuante de mais de 200 milhões de trabalhadores migrantes. As relações de gênero também estão regredindo.

O modelo chinês não deve ser romantizado. Certamente não é um exemplo glorioso de socialismo. Mas ele merece um estudo cuidadoso em vez de uma rotulagem grotesca. O caminho distinto de reforma que tentei mapear no meu livro criou um novo tipo de sistema econômico que exige repensarmos muitas noções preconcebidas.

DZ

Há muitos anos se esperava que o modelo da China entraria em colapso. Sem entrar em previsões precipitadas, você acha que a história econômica da China deve nos levar a mais ceticismo em relação à sua suposta incapacidade de sustentar o crescimento e a inovação a longo prazo?

IW

A noção de que o Partido Comunista da China não pode sobreviver ganhou, naturalmente, nova tração no contexto do proclamado “fim da história” dos anos 90. As versões deste argumento estão na linha da teoria da modernização: uma classe média surgirá na China que eventualmente exigirá a democratização e provocará uma mudança de regime. À esquerda, a China tem sido descrita como um famoso “epicentro emergente da agitação trabalhista mundial”. A participação do trabalho na renda nacional vinha diminuindo desde meados dos anos 90, em linha com as tendências globais. Isto provocou resistência da classe trabalhadora, mas parece estar desaparecendo nos últimos anos, já que os salários estão aumentando rapidamente. Em 2019, os casos relatados de agitação trabalhista diminuíram para cerca da metade do que eram em 2016, e caíram drasticamente em 2020. Isto não quer dizer que as relações de classe chinesas sejam harmoniosas por quaisquer padrões. Mas, por enquanto, não parece que a China seja o centro global de resistência da classe trabalhadora.

A mídia mainstream frequentemente cita a ideia de que, se o crescimento da China desacelerar em um ou dois pontos percentuais, isso prejudicaria a força do Partido Comunista Chinês. No ano passado, no início da pandemia, ouvimos mais uma vez a ideia de que o governo chinês logo seria minado por cidadãos insatisfeitos. Penso que estes argumentos tendem a ignorar o fato de que a China vem passando por mais de 40 anos de reformas e criou uma forma de governança cuidadosamente bem calibrada. Este processo tem sido conduzido com foco no desenvolvimento econômico e na estabilidade política.

O colapso da União Soviética foi provavelmente a mudança de regime mais dramática da história moderna e a liderança chinesa a estudou isso com extremo cuidado. Impedir que essa mudança de regime ocorra na China é o principal objetivo do governo do Partido Comunista Chinês e as lideranças têm demonstrado repetidamente que estão preparadas para fazer o que for preciso – inclusive reprimir.

Sobre os autores

é autora do livro "How China Escaped Shock Therapy" e professora assistente de economia na Universidade de Massachusetts Amherst.

é um sociólogo de pós-doutorado na Université Libre de Bruxelles e Cambridge University. Seu livro, "Le Dernier Homme e A Finada da Revolução: Foucault après Mai 68", em co-autoria com Mitchell Dean, será publicado em inglês pela Verso em 2020.

Cierre

Arquivado como

Published in Ásia, Economia, Entrevista, Europa, FORMATO and Trabalho

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux