Press "Enter" to skip to content
Uma cena da série Succession da HBO.

O capitalismo está nos tornando miseráveis

POR
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Os casos de psicopatia são 4 vezes maiores entre os CEOs do que entre a população em geral. Isso é mais uma prova de que o capitalismo não impõe sofrimento maciço apenas aos pobres e à classe trabalhadora - mas também aos detestáveis super-ricos.

Na semana passada, o The Guardian publicou uma coluna intitulada: “Eu sou um terapeuta para os super-ricos e eles são tão miseráveis quanto mostra Succession.” Pelo título, o artigo é puro clickbait: um exemplo clássico do tipo de manchete que tende a atrair tráfego em uma economia de mídia social que prospera com a provocação. E, com certeza, foi recebido por um dilúvio muito previsível de comentários que expressam uma mistura de vergonha alheia e falta de simpatia pelos exorbitantes ricos – deixando milhares de tweets florescerem.

Mas o artigo escrito por Clay Cockrell – um psicoterapeuta que por acaso se tornou um especialista no tratamento de indivíduos ultra-ricos e que agora considera Succession, série da HBO, mais perto de um documentário do que de um drama – vale a pena ser lido pelo lampejo de visão que oferece sobre a vida interior dos super-ricos.

Assim como o título sugere, muitos dos clientes de Cockrell acham a felicidade indescritível, apesar da insondável liberdade pessoal e conforto material que vêm da riqueza. Tendo mimado os filhos, alguns lutam para ser pais eficazes. Muitos alegadamente têm problemas para formar relacionamentos não instrumentais ou não transacionais, acham difícil confiar nas pessoas ao seu redor e sentem-se desprovidos de significado ou propósito na vida. A questão do dinheiro em si, por sua vez, é espinhosa e desconfortável, e está claro pelas pesquisas existentes que muitas pessoas ricas experimentam um tipo de ansiedade perpétua por status, em vez da sensação de segurança que se poderia esperar. Como Cockrell escreve:

É difícil falar sobre dinheiro. O dinheiro está envolto em culpa, vergonha e medo. Há uma percepção de que o dinheiro pode imunizá-lo contra problemas de saúde mental quando, na verdade, acredito que a riqueza pode tornar você – e as pessoas mais próximas de você – muito mais suscetíveis a eles.

O que é digno de nota aqui está totalmente separado de como a maioria de nós se sente, corretamente, sobre a extrema riqueza, sem nenhuma necessidade premente de aumentar nossa compaixão com os exorbitantes ricos. Nem é preciso dizer que pessoas com problemas reais sempre merecem mais simpatia do que aqueles que voam em jatos particulares, residem em mansões nababescas ou ocupam o topo das hierarquias gerenciais das grandes corporações. Ser mal pago e explorado é uma experiência muito mais comum do que ser rico e o tributo psicológico que isso acarreta representa uma injustiça maior do que quaisquer patologias que um punhado de proprietários de iates esteja atualmente litigando com a ajuda de terapeutas bem pagos.

Nem, eu acho, que a verdadeira lição seja alguma repetição banal do velho clichê de que a felicidade não pode ser comprada. O que em última análise é impressionante sobre o artigo de Cockrell tem mais a ver com o que sugere sobre a quase impossibilidade de reconciliar a posse de extrema riqueza com impulsos morais ou éticos básicos ou outras características humanas. Algumas pessoas ultra-ricas, é claro, são simplesmente incapazes de ter empatia ou compaixão para começar e, como tal, não sentem nenhum remorso por explorar e manipular o mundo ao seu redor. Em uma estimativa do jornalista Jon Ronson, os casos de psicopatia são 4 vezes maiores entre os CEOs do que entre a população em geral – o que nos dá muitos motivos para acreditar que o mundo enclausurado da elite possui um número desproporcional de Patrick Batemans.

No entanto, mesmo com base nessa estimativa de cair o queixo, ainda estamos falando sobre uma taxa de psicopatia que é inferior a 5%. A grande maioria das pessoas ultra-ricas, então, não são literalmente psicopatas – mesmo que muitos façam regularmente coisas que causam imensos danos, estresse e sofrimento a outras pessoas. Ser extremamente rico é, portanto, pelo menos para alguns, um cabo de guerra psicológico constante. Não é que os ricos sejam oprimidos pelo capitalismo, mas sim que estão envolvidos nele como todo mundo – e, como os maiores beneficiários de nosso sistema econômico hierárquico, eles muitas vezes recebem uma visão panorâmica de suas depredações.

Como disse o Meagan Day na Jacobin em 2017, o capitalismo, em última análise, “força todos, incluindo a classe dominante, a uma posição de dependência e disciplina de mercado”. O resultado, como Vivek Chibber argumenta, é a subordinação moral e ética aos ditames vazios do valor de troca e da competição voraz:

O simples fato de sobreviver à batalha da competitividade força o capitalista a priorizar as qualidades associadas ao “espírito empreendedor”… Qualquer que tenha sido sua socialização anterior, ele rapidamente aprende que terá que se conformar com as regras ligadas ao mercado ou seu estabelecimento será derrubado. É uma propriedade notável da estrutura de classes moderna que faz com que qualquer desvio significativo da lógica da competitividade do mercado apareça como um custo a mais ao capitalista – uma recusa em despejar lama tóxica se manifesta como a perda de participação de mercado para aqueles que o fizerem; o compromisso de usar insumos mais seguros, porém mais caros, aparece como um aumento nos custos unitários e assim por diante. Os capitalistas, portanto, sentem uma enorme pressão para ajustar sua orientação normativa – seus valores, objetivos, ética, etc. – à estrutura social na qual estão inseridos, e não vice-versa… Os códigos morais encorajados são aqueles que ajudam nos resultados financeiros.

A menos que você seja um psicopata, ser extremamente rico muitas vezes envolve necessariamente contorções dolorosas. Na medida em que é possível generalizar sobre um conceito vago e contestado como “natureza humana”, há algo profundamente anormal em explorar e dominar outras pessoas, assim como é profundamente desumano e anti-social que a maioria de seus relacionamentos seja definida pelo dinheiro.

Com a introdução de algo como um imposto sobre a riqueza global, os bilhões não ganhos dos super-ricos poderiam ser redistribuídos para aliviar os encargos reais enfrentados pela vasta maioria explorada sob o capitalismo. Se fosse assim, aqueles que estão na “primeira categoria social” poderiam, consequentemente, passar menos tempo sentados no sofá de um terapeuta.

Sobre os autores

é colunista da Jacobin.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Psicanálise and Saúde

Comments are closed.

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux