Press "Enter" to skip to content
Ativistas da Ação Palestina ocupam o telhado da fábrica da Elbit em Oldham. (Ação Palestina)

Como fechar uma fábrica de armas israelense

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Após 18 meses de protestos, ocupações e bloqueios, a Elbit Systems fechou definitivamente sua fábrica de armas em Oldham. Um ativista da Ação Palestina explica o que foi necessário fazer e qual foi a estratégia utilizada para vencer – e o que vem a seguir.

O grupo militante Ação Palestina obteve uma grande vitória contra a cumplicidade britânica nos crimes de guerra de Israel: o fechamento permanente de uma fábrica de armas da Elbit Systems em Oldham. A ação direta contra um alvo consistente e material é o que tornou isso possível – e é o que usaremos para fechar os nove locais restantes da Elbit na Grã-Bretanha.

Antes de desligá-la, a fábrica da Ferranti em Oldham fabricou uma série de tecnologias militares de ponta e componentes de armas, incluindo os sistemas de imagem e vigilância para os drones Hermes de Israel. Esses drones têm sido usados regularmente para bombardeios de alvos civis em Gaza; eles são a “espinha dorsal” da frota de drones israelense, de acordo com Elbit.

Mas os ativistas que assumiram o negócio de derramamento de sangue da Elbit agora podem dizer com orgulho que, graças às suas ações, componentes para drones israelenses não são mais produzidos em Oldham. Durante um período de dezoito meses desde o lançamento da Ação Palestina em 2020, ativistas ocuparam e desmantelaram a fábrica, acorrentaram portões, bloquearam estradas, jogaram tinta e muito mais para impedir operações no local. Algumas dessas ações fizeram com que a fábrica fosse fechada para reparos por semanas a fio e, em apenas uma ação, a polícia estimou um prejuízo de £ 500.000 em danos causados.

(Palestine Action)

O fechamento da fábrica foi a vitória final para esses ativistas – mas cada ação já era uma vitória em si, pois cada uma delas causava um impacto material nas operações da Elbit.

A ação direta cria as condições para seu próprio sucesso. No curto prazo, cada dia em que a fábrica era ocupada, bloqueada ou fechada para reparos era um dia em que a Elbit não conseguia fabricar tecnologias assassinas para drones. E, a longo prazo, os custos totais dessas ações – danos maciços, perdas, riscos de segurança e outras interrupções – aumentaram até o ponto em que a lucratividade contínua da fábrica de Oldham foi comprometida. A Elbit foi forçada a fechar a fábrica e vendeu o negócio da Ferranti por £ 9 milhões, uma enorme perda dos £ 15 milhões que pagaram para adquiri-la em 2010.

Isso é o que pode ser feito quando a ação direta tem um propósito claro, consistente e material. Os ativistas não estavam tentando fazer uma cena ou chamar a atenção da mídia. Tampouco estavam tentando pressionar os políticos ou convencer o Parlamento a fechá-lo. Eles agiram, diretamente, para impedir a fabricação de armas usadas para crimes de guerra – e tiveram sucesso.

Deve-se dizer que a Ação Palestina não agiu sozinha e que esse resultado só foi possível colaborando com campanhas incansáveis de grupos comunitários locais, incluindo Oldham Peace and Justice e Manchester Palestine Action. Esses grupos viram centenas de pessoas comparecerem semanalmente aos protestos na frente da fábrica, e o apoio que deram aos ativistas foi indispensável. Adicionar ação direta aos seus esforços e fornecer um desafio físico à segurança e lucratividade das operações da Elbit em Oldham foi crucial.

Fazer este tipo de ação envolve riscos óbvios. Trinta e seis ativistas foram presos ao longo de nossa campanha contra Elbit em Oldham, e muitos sofreram assédio, intimidação e, em alguns casos, ferimentos físicos nas mãos da polícia. Alguns desses ativistas estão enfrentando acusações criminais, e temos uma dúzia de julgamentos agendados este ano para pessoas envolvidas nas ações contra Elbit em todo o país. Dados esses riscos, por que os ativistas assumem a responsabilidade de fechar essas fábricas? Porque é necessário e urgente agir, e porque a ação direta é a única estratégia que funcionará.

Permitir que essas fábricas continuem funcionando seria cometer uma injustiça com as pessoas que sofrem nas mãos dos produtos da Elbit. Depois de serem “testados em batalha” em civis palestinos, os produtos Elbit são vendidos para regimes repressivos no mundo todo. Os drones e tecnologias militares da Elbit permitem a repressão popular em países como Mianmar e Caxemira. Suas tecnologias de vigilância fortalecem a brutal repressão fronteiriça dos EUA, Grã-Bretanha e UE, enquanto seu armamento tem sido usado em devastadoras intervenções imperialistas no Iraque e no Afeganistão. Esses crimes e injustiças são facilitados com produtos fabricados na Grã-Bretanha: nossa relação com esse fato, como residentes britânicos, é o que torna necessário agir.

(Palestine Action)

Para se opor significativamente a essas injustiças, a ação direta é a única tática lógica a ser adotada. Seria autodestrutivo apelar ao governo para intervir, porque o próprio Estado britânico é cúmplice da brutalidade de Elbit e dos crimes de guerra perpetuado por Israel. O Estado britânico tem uma extensa relação comercial com a Elbit, incluindo contratos de treinamento e aquisição de cem milhões de libras, com drones Elbit usados extensivamente pelas forças militares e de fronteira da Grã-Bretanha. Esses drones foram testados para uso doméstico do policiamento na Grã-Bretanha.

Além de receber a Elbit, o governo continua oferecendo seu apoio geopolítico tácito aos crimes do melhor cliente da Elbit: Israel. No final de 2020, Dominic Raab se reuniu com ministros israelenses para discutir como silenciar protestos e ações anti-Elbit. Enquanto isso, os moradores de Oldham nunca foram consultados, ou ouvidos, sobre se queriam um fabricante de armas assassino localizado em seu bairro.

(Palestine Action)

Apesar da comunidade de Oldham se manifestar em massa contra a fábrica, e do extenso lobby de grupos comunitários, o Estado continuou a se aproximar de Elbit. Junto com os contratos lucrativos do governo com a Elbit estão a polícia e o CPS, trabalhando incansavelmente para proteger os lucros da Elbit. Essa relação continuará enquanto Elbit for útil para a agenda liberal do governo no controle policial, na repressão de migrantes e nos conflitos imperialistas. Enquanto isso continuar, a ação direta será a resposta mais necessária e legítima. Conforme declarado pelo grupo de ação direta Anarquistas Contra o Muro, que atuou contra a construção do muro do apartheid em Israel, “ação direta é o ato democrático quando a democracia para de funcionar”.

Em casos de injustiça estrutural global – em que nosso governo é um parceiro contribuinte – não pode esperar pela intervenção dos políticos. Poderíamos pressionar este governo, e o próximo, e o próximo a agir – mas o tempo todo as pessoas em Gaza e na Palestina ocupada continuarão sofrendo nas mãos de drones e tecnologias militares fabricados na Grã-Bretanha. A vitória em Oldham mostrou que nós, coletivamente, temos o poder de enfrentar a Elbit Systems e vencer, e devemos fazer isso pelos palestinos.

Sobre os autores

é um ativista da Ação Palestina.

Cierre

Arquivado como

Published in Cidades, Europa, Militarismo, Notícia and Oriente Médio

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux