Press "Enter" to skip to content
O polemista de extrema direita francês e candidato presidencial de 2022 Éric Zemmour acena para o público ao chegar para seu primeiro comício de campanha em 5 de dezembro de 2021, em Villepinte, França. (Chesnot / Getty Images)

Zemmour é mais um demagogo de extrema direita criado pela mídia

Tradução
Gercyane Oliveira

Éric Zemmour, o mais recente candidato presidencial de extrema direita na França, fez seu nome como um polêmico da mídia promovido por um magnata bilionário – e agora ele está empurrando ideias fascistas como a teoria da “grande substituição” para o mainstream político.

Durante vários meses, a presença de Éric Zemmour entre os candidatos às eleições presidenciais de 2022 tem sido uma característica nauseante da política francesa. Sua presença bombástica dita as agendas políticas e midiáticas do país, moldando a estratégia dos outros candidatos; e, às vezes, ele parece estar no processo de uma ascensão irresistível em direção ao segundo turno.

Como Macron e Le Pen antes dele, Zemmour se enquadra como um “outsider”. Mas, assim como esses candidatos, ele pontua em todos os aspectos para ser o candidato preferido da classe dominante. Na verdade, Zemmour quase seguiu o cursus honorum da Quinta República, passando tanto pelo Pólo de Ciências como pela École Nationale d’Administration (ENA). Mas, como é norma na política contemporânea, são suas atuações na mídia que realmente o catapultaram para a atenção nacional. Zemmour fez seu nome como comentarista e é bem conhecido do público francês por suas aparições no programa de sábado à noite On n’est pas couché, uma espécie de equivalente francês de Have I Got News for You. A diferença entre os programas é que a versão da França foi transmitida no CNews, uma estação de TV de direita financiada pelo bilionário conservador Vincent Bolloré – fazendo da ascensão de Zemmour uma espécie de combinação desastrosa dos caminhos que produziram Tony Blair e Boris Johnson.

Assim como outros populistas de direita dos últimos anos, a imagem pública de Zemmour tem sido como o candidato polêmico. Ele construiu sua marca em torno de uma mitologia da narração da verdade, que na verdade envolveu uma série de declarações absurdas sobre questões sensíveis, desde o papel dos homens na sociedade moderna até a independência da Argélia (uma “consciência culpada” ou “ferida mal cicatrizada”) até a pena de morte, a escolha dos sobrenomes das crianças e o suposto conflito entre o Islã e os valores franceses. Seu papel é chocar, não provocar qualquer análise e discussão em profundidade.

Durante anos, houve um debate sobre como lidar com a controversa situação de Zemmour. Alguns comentaristas acreditavam que ele deveria simplesmente ser ignorado, para não correr o risco de torná-lo ainda mais visível do que ele já era. Esta estratégia tinha uma falha óbvia: Zemmour era quase onipresente na televisão. Mas aqueles que temiam seu impacto estavam certamente corretos: os debates que ele forçou a entrar na agenda política dominante marcaram a esfera pública e tiveram o efeito de fomentar um discurso de ódio e de divisão – talvez até mesmo de guerra civil.

Origens

Nascido em uma família de judeus e árabes, Éric Zemmour cresceu no subúrbio parisiense de Drancy e no décimo oitavo arrondissement (Paris é composta por 20 divisões administrativas que chamamos de “arrondissements“. Os arrondissements são distribuídos num formato de caracol, começando no centro de Paris e crescendo no sentido horário. Dessa forma, os arrondissements de número menor são mais centrais. Esses arrondissement além de ter um número, tem também um nome oficial. Os nomes foram decididos em 1859, Zemmour é portanto de Buttes-Montmartre). Estudou no Sciences Po e depois trabalhou em publicidade antes de entrar para a imprensa com o Quotidien de Paris. Sua carreira na imprensa escrita aconteceu principalmente no jornal de direita Le Figaro, onde ele também encontrou seu primeiro grande escândalo nacional depois de ter sido transferido da revista em 2010 devido a uma condenação por incitar o ódio racial. (Mais tarde, revelou-se que o custo exorbitante das colunas de Zemmour havia sido o verdadeiro motivo da mudança).

Zemmour voltou para o Figaro em 2013 e, desde então, encontrou nele um lar acolhedor para seu comportamento problemático. Em setembro deste ano, ele tirou um tempo para promover seu novo livro – A França não disse sua última palavra – que vendeu mais de 200.000 exemplares em seus dois primeiros meses, tornando-o o livro mais vendido no país. No livro, Zemmour descreve os tópicos que discutiu durante vários encontros e jantares com políticos franceses na última década. Ele se lança como o sábio, contando como os advertiu contra a chamada “grande renovação” (um trunfo da extrema direita sobre o afastamento de europeus não brancos) e as “questões de imigração” da França, apenas para encontrar sua sabedoria ignorada.

A retórica da extrema direita não é novidade para a política francesa. Na verdade, antes do surgimento de Zemmour, o grande temor era que outro candidato com opiniões de extrema direita, Marine Le Pen, vencesse as eleições presidenciais. Mas Zemmour claramente ultrapassou os limites até mesmo o que ela conseguiu em sua ascensão nos últimos anos. Antes de Zemmour, os ideólogos da extrema direita que propuseram que os “nativos brancos europeus” foram “substituídos” por imigrantes africanos e do Oriente Médio não receberam muita credibilidade. Le Pen foi até mesmo forçada a se distanciar dessas ideias em inúmeras ocasiões, abandonando abertamente as políticas raciais para as nacionalistas reacionárias. Mas com o surgimento de Zemmour como um sério candidato presidencial, isso mudou. Sua estratégia é continuar referindo-se à teoria da “grande substituição” sem dar crédito direto às suas origens fascistas, propondo simplesmente que ela deve ser levada a sério e discutida.

Para entender como Zemmour teve o poder de exercer um papel tão influente na política francesa, é preciso interrogar o papel de Vincent Bolloré. Equivalente da França a Rupert Murdoch, Bolloré é um empresário católico tradicionalista e um dos homens mais ricos do país. A fortuna de sua família foi feita no frete marítimo, particularmente no comércio com a África, bem como no negócio de papel. Desde os anos 2000, ele tem canalizado uma parte significativa dessa fortuna para a criação de um império da mídia, cujo braço mais notório é o CNews, um canal de televisão populista de direita que ajudou a impulsionar Zemmour para o estrelato.

Desde o início, a conexão de Zemmour com Bolloré tem sido uma fonte de escândalo. Duas semanas após sua estreia no programa Face à l’info, os representantes sindicais do trabalhadores do Grupo Canal+ (de propriedade da Bolloré desde 2015) aprovaram por unanimidade uma moção pedindo a saída de Zemmour, citando violações éticas e danos à reputação do canal. Esta petição foi recebida com uma clara rejeição pela empresa, o que justificou sua trajetória correta sob o pretexto de que ela queria transmitir “todos os pontos de vista”.

Bolloré vê claramente Zemmour como uma estrela. Seu elevado número de espectadores e seu estilo bombástico criaram um produto de mídia que o magnata estava muito feliz em vender. Durante algum tempo, as decisões de Bolloré foram tomadas com o objetivo de moldar o terreno das análises de Zemmour: desde a nomeação de colunistas simpáticos até a recusa de criticar até mesmo suas declarações mais extravagantes. Seria impossível conceber Zemmour sem este sistema de produção midiática: um sistema que não apenas o coloca em destaque, mas que depois recicla seus pontos de discussão através de dias de discussões nos jornais, enquadrando opiniões de extrema direita como senso comum e quebra de tabus, e até mesmo esforçando-se conscientemente para torná-las mais palatáveis para um público mais cético. Com este sistema por trás dele, suas propostas, por mais abjetas ou fora de contexto que sejam, definem agora a agenda da eleição presidencial deste ano.

Estratégia

Desde que De Gaulle fundou a Quinta República semi-presidencial da França nos anos 50, a corrente dominante da política de direita enfatizou em grande parte seu caráter republicano e procurou colocar em quarentena a ala fascista. Isto manteve um grau de consenso antifascista durante a maior parte das últimas décadas do século XX, e até mesmo proporcionou um baluarte contra Jean-Marie Le Pen nas eleições presidenciais de 2002. É muitas vezes esquecido agora quão distante estava esse avanço para o mais velho Le Pen dos sucessos mais recentes de sua filha, Marine. Em 2002, Jean-Marie recebeu apenas 17,8% dos votos no segundo turno das eleições presidenciais. Em 2017, Marine recebeu 33,9% dos votos.

Marine Le Pen procurou “desintoxicar” a marca Le Pen, distanciando seus projetos do passado abertamente fascista de seu pai. Em 2018, ela chegou ao ponto de abandonar o nome “Front National” em favor do mais amplo “Rassemblement National” ou Rally Nacional. Enquanto seu pai desprezava abertamente a tradição republicana da França, Marine agora usa um vocabulário republicano e tenta esconder os elementos mais radicais e racistas de seu partido. Mas se Marine Le Pen está tentando encontrar um lugar dentro dos contornos do cordão sanitário erguido entre a política mainstream e o fascismo na era pós-guerra, Zemmour está tentando conscientemente derrubá-lo. Um desses esforços mais terríveis no revisionismo histórico tem sido afirmar que Pétain e o regime pró-Nazista de Vichy tentaram realmente salvar os judeus franceses durante o Holocausto, quando na verdade mais de 70.000 foram mortos.

Ironicamente, Éric Zemmour afirma ser o herdeiro do Rassemblement pour la République (RPR), um partido de direita gaullista. Na realidade, ele está tentando enterrar a tradição gaullista, que forjou a Quinta República em um esforço para escapar da Guerra da Argélia, e substituí-la por algo muito mais sinistro. Ele compartilha uma linhagem ideológica com a Organização Armée Secrète (OAS), uma organização paramilitar de extrema direita formada na Espanha franquista em 1961. Esta organização golpista procurou impedir a sua separação da Argélia, apoiada pelo povo francês e argelino em um referendo apresentado por De Gaulle em 1961, através de uma campanha de ataques terroristas. Em 2019, Zemmour havia feito eco à OAS dizendo que estava “do lado do General Bugeaud”, um brutal governador-geral da Argélia do século XIX que, segundo ele, “massacrou muçulmanos e até mesmo alguns judeus” em defesa da nação.

Ao reivindicar a herança do RPR, Zemmour criou uma festa de fantasia e tradição, que lhe permite colocar-se no continuum histórico da direita francesa enquanto, na prática, faz uma ruptura significativa com sua história. Até agora ele demonstrou uma ousadia em sua ignorância histórica e na reescrita da história, e uma capacidade de parecer impermeável à falsificação. Esta pode ser, de fato, sua maior semelhança com o ex-presidente americano Donald Trump ou o brasileiro Jair Bolsonaro. Enquanto ele reivindica a herança da luta de libertação da França através do De Gaulle, o pensamento político de Zemmour tem suas raízes em movimentos contrarrevolucionários, como evidenciado pelos pontos de referência que ele invoca. Outro exemplo recente foi Charles Maurras, um proeminente intelectual de extrema direita do início do século XX, que Zemmour escolheu para elogiar. A Ação Francesa explicitamente contrarrevolucionária de Maurras tinha sido a principal luz do fascismo francês nos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial, e o próprio Maurras era visto amplamente como uma inspiração ideológica para o regime de Vichy, que ele continuaria a apoiar. Zemmour, com o típico truque retórico, disse que estava apenas “comemorando” Maurras. Quando foi questionado sobre isso, respondeu: “comemorar não é o mesmo que celebrar”.

Você não ouvirá com frequência Zemmour elogiar a história republicana da França. Seu senso da história nacional da França se estende com uma nostalgia mais profunda: As conquistas de Napoleão Bonaparte, os regimes realistas e o Segundo Império. Isto lhe permitiu flanquear Marine Le Pen, ganhando manchetes por polêmicas que ela mais recentemente optou por evitar. No momento em que escrevo, Zemmour está na pesquisa com 15-16% – mais ou menos o mesmo que Le Pen. Os últimos dados IPSOS sugerem que ele atraiu uma pluralidade de seu apoio na base da Le Pen (cerca de 34%), enquanto um quarto dele veio da principal direita de Les Républicains. Mas ele não está apenas conquistando um eleitorado tradicional conservador e xenófobo, ele está radicalizando-os.

Um estudo recente da Fondation Jean Jaurès demonstra a homogeneidade social da base eleitoral potencial de Eric Zemmour. Ela é composta quase inteiramente por aposentados e classes altas, incluindo um quarto do eleitorado do candidato de centro direita François Fillon em 2017. É também particularmente masculino: há uma maior diferença de gênero entre os eleitores de Zemmour do que qualquer outro candidato. Enquanto Le Pen poderia afirmar de forma credível que expressaria parte da angústia dos eleitores de baixa renda na sequência de uma profunda crise financeira, o apoio de Zemmour é uma revolta muito mais destilada dos privilegiados. Para muitos da classe dominante, isto o torna menos assustador. Eles confiam em seus laços com o bilionário Vincent Bolloré e em suas políticas econômicas liberais, como se ele estivesse aumentando a idade da aposentadoria. E, na verdade, eles até gostam de suas posições mais polêmicas. No mundo de Zemmour, a mudança climática não é o resultado do capitalismo ou do consumo excessivo dos ricos – ela é causada pela “explosão demográfica da Ásia e da África”. “O verde dos ambielentalistas combina convenientemente com o verde do Islã”, disse ele em outra ocasião. Em uma época em que as elites enfrentam críticas crescentes, Zemmour oferece um desvio útil.

O exemplo de Zemmour é um alerta sobre a enorme influência exercida pelas empresas de mídia na política contemporânea e, em particular, o papel que pode ser desempenhado pela integração vertical. O conglomerado de Vincent Bolloré’s Vivendi não possui apenas estações de televisão, é uma vasta operação que inclui tudo, desde serviços audiovisuais até relações públicas, passando pela publicação de livros e filmes. Isto significa que um bilionário de direita pode exercer um controle significativo sobre a produção de ideias, sua difusão e também seu serviço pós-venda. Esta é uma poderosa máquina política e, com pouca regulamentação sobre as atividades das corporações que operam suas engrenagens, ela representa uma grande ameaça à política democrática em todo o mundo.

Com Zemmour, esse navio já navegou, e a campanha presidencial está apenas começando. Mas não devemos desanimar: embora suas performances nas pesquisas sejam impressionantes, elas ainda não estão consolidadas. É bastante plausível que o último demagogo de extrema direita da França irá cair nas próximas semanas e meses, ou que ele terá 15-16% nos resultados finais, mas que isto não será suficiente. A questão de saber se Zemmour tem uma chance nesta eleição depende de como será a alternativa ao centrismo autoritário de Macron. Dito de forma clara, será que outros candidatos oferecerão uma maior expressão à desilusão popular com a política e a economia? Ou será que a presença da extrema direita nas urnas obrigará todos os outros a ficarem atrás do bloco burguês.

Resposta da esquerda

Na esquerda, há respostas diferentes a estas perguntas. O Partido Socialista de centro esquerda mostrou uma tendência a se apoiar no antigo cordão de segurança, com sua candidata Anne Hidalgo encorajando os jornalistas a “acordar” para a realidade da política de extrema direita de Zemmour e se recusando a dialogar com ele com base no fato de que ele é um “palhaço negacionista e racista”. O Partido Comunista, que decidiu não se juntar a uma frente de esquerda mais ampla para esta eleição, está tentando se posicionar mais favoravelmente no terreno que a extrema direita já considerou vantajoso, nas questões de segurança. Seu candidato, Fabien Roussel, aderiu recentemente a um protesto que exige penas mais duras aos condenados por atacar os policiais. Tanto os socialistas quanto os verdes também estiveram presentes no comício ao lado de Zemmour, mas Jean-Luc Mélenchon, o principal candidato de esquerda em 2017 e nas pesquisas atuais, não estava presente.

Isto não quer dizer que Mélenchon tenha evitado Zemmour. Na verdade, muito pelo contrário. Em setembro, Mélenchon debateu com Zemmour na televisão local. Este movimento foi criticado por grande parte da esquerda, mas ofereceu uma rara oportunidade para contrastar o diagnóstico da esquerda sobre os males da França com aqueles apresentados pela extrema direita. No debate, Mélenchon elogiou o processo de “crioulização”, através do qual, disse ele, “os seres humanos se unem e criam algo em comum”, em contraste com o entendimento étnico de Zemmour sobre a França. O deputado de esquerda também defendeu o aumento dos benefícios e a expansão do Estado social (inclusive para famílias estrangeiras), enquanto Zemmour deixou claro que ele cortaria o famoso sistema de seguridade social da França. O debate não perfurou a campanha de Zemmour, mas esclareceu os termos da próxima campanha.

O France Insoumise de Mélenchon argumenta que todo o espectro político está lentamente se alimentando das ideias de Zemmour e Le Pen. De fato, nos últimos anos, a esquerda em geral e a France Insoumise em particular têm sido vítima de ataques políticos incansáveis da mídia e do governo. Esta campanha de extremo ódio combinou aspectos tradicionais do McCarthismo (e de fato Zemmour fez referência a Stalin e Mao em sua fala nos debates) com temas mais recentes de islamofobia e guerra contra o terrorismo. Isto produziu o epíteto “islamo-gauchista” [islamista-esquerdista], que encontra reverberação não apenas entre os adeptos da extrema direita, mas também entre os partidários do Macron e do centro político. Esta tentativa de associar a solidariedade com os muçulmanos a ser “anti-nacional” ou “anti-republicano” é uma manobra cínica, mas que qualquer militante de esquerda terá que superar para ter uma chance nas eleições presidenciais.

Considerando isto, a France Insoumise tem tentado quebrar a narrativa midiática que se concentra nas polêmicas de guerra cultural sobre o Islã, a segurança, a polícia e os banlieues (que podem ser caracterizados como pessoas de periferias parisienses). Mélenchon iniciou sua campanha presidencial com foco em questões sociais e ecológicas que, ele espera, possa unir uma coalizão mais ampla de eleitores. Sua estratégia para derrotar a extrema direita não mudou desde 1992, quando argumentou que a esquerda deve:

Secar as condições sociais que alimentam a ascensão da extrema direita, tratar a Frente Nacional como um partido real, não como uma fantasia; delinear seu programa sem ficar preso aos temas da imigração e à armadilha metafísica da identidade francesa. Recuperamos nosso terreno por sermos ideológicos. Qualquer “frente republicana” (uma tática de unidade de todas as forças políticas contra a extrema direita) é prejudicial: ela nos leva de volta ao universo fantasioso demonizado por Le Pen.

Este universo é aquele em que a extrema direita prospera; aquele em que ela pode apontar um dedo para o resto da classe política e dizer “eles são todos iguais”. Com muita frequência, essa caricatura é fiel a uma população que está cada vez mais alienada da política oficial e distante das grandes massas. Hollande, Sarkozy, Macron – qual foi a diferença? E quando a esquerda não consegue se distinguir com força desses políticos, responsáveis por mais de uma década de declínio no padrão de vida, nos tornamos parte do seu bloco na imaginação popular. E a única alternativa é aquela que culpa os males da sociedade sobre as minorias.

Em todo o Ocidente, esse é cada vez mais o terreno da política: a extrema direita contra o establishment, com a esquerda ausente da luta. Estes termos são favoráveis para Macron, que calcula que pode vencer ou Le Pen ou Zemmour no segundo turno. E são favoráveis aos candidatos da extrema direita, que calculam que eles podem crescer à sombra de um status quo impopular. Mas a cada ano que passa, esta dinâmica arrasta a política mais profundamente para este espaço escuro – e os monstros que dele emergem representam ameaças ainda maiores para nossa sociedade.

Sobre os autores

é doutoranda em teoria organizacional, com foco no tédio digital no trabalho. Ela também é ativista em La France Insoumise.

é estudante de comunicação política e membro do Partido de Gauche e La France Insoumise.

Cierre

Arquivado como

Published in Europa, Fronteiras & Migração, Imprensa, Perfil and Política

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux