Press "Enter" to skip to content
O CEO da Tesla, Elon Musk, fala durante uma visita à fábrica da futura fundição da Tesla Gigafactory em 13 de agosto de 2021, em Grünheide, perto de Berlim, Alemanha. (Patrick Pleul — Pool / Getty Images)

Os bilionários não são bem-vindos

POR
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Os bilionários detêm hoje grande parte da riqueza global e seus apologistas acham que podemos confiar nos seus planos filantrópicos. Mas não podemos deixar a raposa cuidando do galinheiro: precisamos tributar os ultra-ricos até a extinção.

No início deste mês, o diretor do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, David Beasley, fez um apelo aos super-ricos do mundo, nomeando especificamente o bilionário da tecnologia Elon Musk e argumentando que uma doação única de US$ 2 bilhões (representando apenas 2% do patrimônio líquido atual de Musk) poderia resolver a crise mundial da fome. Musk, que poderia muito bem se tornar o primeiro trilionário do mundo, conseguiu rapidamente dar um golpe de relações públicas com sua resposta: “Se o WFP puder descrever neste tópico do Twitter exatamente como US$ 6 bilhões resolverão a fome no mundo, venderei ações da Tesla agora e farei isso.” Beasley logo começou a oferecer uma súplica inútil e deferente.

O incidente é um momento tão bom quanto qualquer outro para mostrar a crítica padrão e correta aos bilionários e a filantropia privada: ou seja, que eles sempre tiveram menos a ver com problemas sociais e muito mais a ver com construção de marca e soft power cultivado entre os super-ricos do mundo. O escritor Anand Giridharadas, que chama esse processo de “lavagem de reputação”, apontou a hipocrisia básica no coração de todo esquema de benfeitor bilionário:

Você primeiro fica rico cortando todos os programas sociais possíveis que pode cortar – você evita impostos se puder evitá-los, usa fundos e contas nas Ilhas Cayman, faz lobby por políticas que são boas para você e seus amigos ricos e ruins para a maioria das pessoas. Você evita pagar as pessoas de forma criativa suprimindo o salário mínimo e terceirizando. Então, você começa a doar uma fração desse dinheiro com várias formas de caridade que a elite faz – filantropia, responsabilidade social corporativa, empresas sociais com fins lucrativos, talvez algo envolvendo a África, mesmo que você nunca tenha estado lá.

Em mais de uma maneira, ele argumenta, a caridade de elite se assemelha muito à venda das indulgências papais na Idade Média, sendo uma maneira relativamente simples e barata de “se colocar aparentemente no direito de justiça, sem ter que alterar os fundamentos de sua própria vida”.

Em meio à recente conversa entre Beasley e Musk, no entanto, um membro sênior da Brookings Institution apontou o que poderia se tornar uma variante nova e totalmente mais insidiosa do argumento geralmente usado em defesa da filantropia bilionária.

Em uma postagem no blog intitulada “Elon Musk, bilionários e as Nações Unidas: a solução do 1% para o desenvolvimento global”, Homi Kharas, da Brookings, argumenta que uma figura como Musk poderia de fato representar pelo menos uma parte importante da solução para uma série de problemas globais. Ao longo do artigo, Kharas faz uma série de observações interessantes – entre elas, que mesmo um único ponto percentual da riqueza bilionária somaria cerca de US$ 130 bilhões por ano, uma quantia que se aproxima dos US$ 160 bilhões combinados em ajuda anual comprometida por países e instituições multinacionais. O que pode ser feito com US$ 130 bilhões, acrescenta ele, inclui a erradicação da extrema pobreza, a redução da fome global e inúmeras iniciativas ambientais.

O problema é que esses dados, ilustrativos como são, não significam realmente o que Kharas pensa que eles fazem, o catalisador original para seu argumento sendo uma oferta inoperante. “Até recentemente”, ele começa,

mesmo os indivíduos mais ricos não tinham dinheiro suficiente para fazer uma diferença significativa nos problemas globais, muito menos “resolvê-los”. Comparado com o tamanho das economias nacionais, ou os orçamentos dos governos das economias nacionais, sua riqueza parecia pequena. Mas este não é mais o caso. Existem 2.755 bilionários no mundo hoje, com uma fortuna estimada em US$ 13,2 trilhões… A procura de contribuições de bilionários mudou para uma melhoria de nicho agradável para se tornar parte da conversa sobre financiamento para resolver problemas globais de grande escala… Pela primeira vez na história, um pequeno grupo de indivíduos privados poderia, se assim o desejarem, impactar materialmente o desenvolvimento global em uma escala que antes era domínio quase exclusivo dos governos.

O que realmente está sendo dito aqui é que a desigualdade global e a concentração de riqueza se tornaram tão agudas que os recursos necessários para resolvê-los (e toda uma série de outros problemas sociais) estão agora nas mãos de uma pequena classe de plutocratas. Embora ele inclua uma referência superficial à tributação, o desenvolvimento que o post de Kharas descreve é aquele que ele está nos convidando de olhos arregalados para comemorar, como se o retorno da desigualdade no nível da Era Dourada representasse uma oportunidade nova e emocionante, e não a própria essência de muitos problemas globais.

Ele pode estar certo, é claro, que a escala de concentração global de riqueza entre um punhado de indivíduos permitirá, por sua vez, que filantropos privados atinjam um nível de poder ainda não visto – potencialmente vinculando as condições materiais cotidianas de milhões, ou mesmo bilhões, aos caprichos individuais de alguns capitalistas. Mas esse é um caso para um imposto global sobre a riqueza, e não para uma nova era de feudalismo.

Sobre os autores

é colunista da Jacobin.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Capital, DESTAQUE and Economia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux