Press "Enter" to skip to content
O deputado Erkan Baş é presidente do Partido dos Trabalhadores da Turquia. (Ali Unver)

Após décadas de repressão, ressurge a esperança à esquerda na Turquia

Tradução
Gercyane Oliveira

Durante décadas, a repressão militar e o controle oligárquico mantiveram a esquerda à margem da vida pública turca. Mas o recém-criado Partido dos Trabalhadores da Turquia trouxe a esquerda radical de volta ao parlamento pela primeira vez em meio século.

A Turquia está caminhando para mais uma eleição. Mais precisamente, está caminhando em direção à votação de acerto ou de quebra, como um carro sem freios, com um volante defeituoso e um motor em chamas. O descontentamento com a inflação em alta é aliado a pontos de interrogação sobre uma onda de construção financiada pelos contribuintes – com os projetos de prestígio do presidente Recep Tayyip Erdoğan inevitavelmente oferecidos a “gangues de cinco” empresas que continuam obtendo isenções de impostos e remissão de dívidas. No entanto, enquanto os economistas afirmam que a Turquia está a dois passos de se desmoronar e queimar, Erdoğan recorre a chamá-los de cúmplices desonestos de “potências estrangeiras”.

Embora as eleições estejam previstas para junho de 2023, coincidindo com o centenário da república, a instabilidade constante torna impossível prever quando elas ocorrerão (Erdoğan e seus parceiros de coalizão poderão escolher, conforme o interesse deles). Os atores nas competições presidenciais e parlamentares simultâneas são, no entanto, semelhantes às eleições anteriores. Erdoğan é apoiado por seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) e pelo ultranacionalista Partido do Movimento Nacionalista (MHP), que juntos constituem a Aliança Popular de direita; eles são opostos pela Aliança Nacional, composta pelo Partido Popular Republicano de centro esquerda (CHP) e pelo nacionalista Partido Bom de centro-direita (IYIP, em si uma cisão do MHP). Vários outros partidos menores, que vão do centro direita à extrema direita e do liberal ao islâmico, parecem susceptíveis de aderir ou dar apoio à Aliança Nacional.

Mais esperançosamente, da perspectiva da esquerda, existe o Partido Democrático dos Povos (HDP). Tendo alcançado 11,7% nas últimas eleições, esta força, liderada pelo movimento curdo de direitos civis, também incorporou vários movimentos e partidos de esquerda. Seu ambicioso projeto “Turkeyification” – que visava transformá-lo em “um partido da Turquia” e não apenas dos curdos e seus problemas – parou, pois o AKP recorreu à repressão política e violência esmagadora nas áreas de maioria curda. Esta crescente hostilidade impediu o objetivo do HDP de uma visão abrangente que se estendesse além da política curda e o forçou a recuar para suas prioridades iniciais. O governo usou esta reviravolta para isolar e criminalizar ainda mais o HDP: tais medidas incluíram a prisão de seus membros e líderes, a difamação constante e a censura completa da mídia. Esta difamação atingiu novos patamares quando Deniz Poyraz, membro do HDP, foi assassinada na sede do partido em İzmir por um assaltante com a intenção de cometer um “assassinato em massa” – mas ela era a única pessoa no prédio. Enquanto isso, uma promotora estadual entrou com uma ação no Tribunal Constitucional para encerrar o HDP e proibir 451 de seus políticos. Ainda não se sabe se o HDP será fechado, mas a pressão vinda de todos os lados está a um nível mais alto de todos os tempos.

Apesar dos diferentes graus de opressão, censura e sofrimento trazidos pela regra de Erdoğan, a oposição parece estar energizada e está exigindo eleições antecipadas. O apoio do presidente está lentamente desmoronando, juntamente com a economia e o bem-estar geral da população. O principal bloco da oposição está em uma tendência ascendente e ganhando terreno. O HDP está mostrando grande determinação e preservando sua base política e influência. Mas onde está a esquerda turca no meio de tudo isso?

Partido dos Trabalhadores da Turquia

Com a recente exceção do HDP, a política de esquerda na Turquia foi posta de lado, se não deslizou para a obscuridade relativa, na política eleitoral e na mobilização popular nos últimos quarenta anos. Desde que a Turquia foi proclamada república em 1923, a extrema esquerda tem sido marginalizada, obstruída e processada em todas as oportunidades possíveis no Estado membro da OTAN, fortemente alinhado com os EUA.

O último pequeno avanço da esquerda turca veio em 1965, quando o Partido dos Trabalhadores da Turquia (TİP) ganhou 3% dos votos e quinze assentos no parlamento. Durante um breve período, atraiu com sucesso jovens eleitores urbanos ao lado de intelectuais e trabalhadores de colarinho branco. Mesmo esta parca pontuação foi suficiente para assustar o establishment para mudar o sistema eleitoral e evitar que movimentos mais radicais ganhassem uma posição no parlamento. Como a extrema esquerda foi expulsa do parlamento e da política, vários movimentos e partidos levaram sua luta para as ruas, fábricas e universidades, com alguns grupos até mesmo se voltando para a luta armada. Durante os anos 60 e 70, o país se polarizou fortemente entre a política de direita e a de esquerda, à medida que o conflito armado entre numerosos grupos se tornava parte da vida cotidiana. Enquanto isso, o TİP e vários outros partidos de esquerda foram fechados pelos tribunais durante estas décadas por uma miríade de razões antidemocráticas.

Toda esta polarização e luta política que foi interrompida em setembro de 1980 com um golpe de Estado. Aqui não podemos nos aprofundar na vasta escala da opressão e do tratamento não humanitário que a esquerda turca enfrentou – de proibições, perseguições, obstruções a golpes de Estado, já que centenas foram mortas ou executadas enquanto milhares foram presas, e torturadas, a esquerda turca foi dispersa, exilada ou simplesmente enfraquecida. O golpe militar de 1980 traumatizou os movimentos de esquerda, que novamente receberam um abalo significativo uma década depois com a queda da União Soviética. Estes movimentos recuaram, esperando se recuperar e reavaliar, como muitos movimentos e partidos em todo o mundo fizeram durante e depois dos anos 90. No entanto, a esquerda turca tornou-se marginalizada, tanto em termos de ressonância pública quanto de relevância política; atitudes mais puritanas e teóricas assumiram suas discussões, separando-a da grande massa da população.

Foram feitas tentativas para revitalizar a esquerda; vários partidos se fundiram, apenas para se dividirem novamente. Eles também contestaram as eleições, apenas para desmoronar antes da barreira draconiana estabelecida pelo limiar eleitoral de 10%. O Movimento Junho Unido, que surgiu após os protestos do Parque Gezi em 2013, parecia uma base possível para construir uma coalizão de esquerda significativa, apenas para sucumbir a lutas internas, diferenças organizacionais e discordâncias sobre estratégia.

Entre todo este tumulto, o TİP renasceu em 2017 a partir de uma cisão no Partido Comunista da Turquia (TKP) que remontava três anos antes. Outra cisão do partido na vasta constelação da esquerda turca não é necessariamente digna de nota. Mas o TİP conseguiu sair do deserto, pelo menos até certo ponto. Isto também se deve à atitude cooperativa do HDP. Como parte de seu processo de privatização da Turquia, o HDP abriu suas listas para outros movimentos e figuras socialistas, esperando solidificar seu apoio além da população curda. O TİP foi um dos beneficiários, enquanto alguns partidos de esquerda se recusaram.

A estratégia do TİP a partir de agora era agir e votar junto com o partido liderado principalmente pelos curdos, mas sentar-se sob seu próprio nome – uma abordagem que o HDP saudou. Com toda a justiça, este último também tinha vários deputados socialistas e de extrema esquerda sob seu guarda-chuva; contudo, o partido era (e ainda é) uma coalizão de numerosas forças com diferentes inclinações e posições ideológicas. Neste sentido, o TİP ter dado seus primeiros passos para se manter por conta própria foi uma iniciativa pequena, mas considerável. Seu líder, Erkan Baş, e o ativista político Barış Atay foram eleitos nas listas do HDP em 2018, mas ocuparam seus lugares como deputados do TİP, pondo fim a quase cinquenta anos de ausência de um partido de extrema esquerda na Assembleia Nacional da Turquia.

Embora estas atividades parlamentares tenham começado apenas recentemente, Erkan Baş é um nome familiar, especialmente nos círculos de esquerda. Faz parte do movimento socialista desde sua adolescência, passou a se destacar como organizador e líder provincial e nacional do Partido Comunista; ele foi expulso de sua posição acadêmica por organizar trabalhadores grevistas na Universidade de Istambul.

Fazer ouvir sua voz no parlamento proporcionou uma rampa de lançamento para novos avanços – o TİP começou a ganhar tração e adesão, especialmente dos setores mais jovens da sociedade turca. Dois deputados tornaram-se três quando o conhecido jornalista e autor Ahmet Şık juntou-se ao TİP depois de deixar amigavelmente o HDP para virar um político independente. A presença parlamentar do TİP cresceu ainda mais quando Kadıgil, ativista e advogada popular entre a juventude turca, desertou da CHP, de centro esquerda, no verão passado. Embora fosse pequeno em número em um parlamento de 600 cadeiras, estes 4 parlamentares fizeram um nome para si mesmos por sua feroz oposição, que os partidos centristas da oposição não conseguiram igualar.

Retorno?

Seria prematuro falar de um renascimento da esquerda turca. Mas certas oportunidades sugerem que o TİP e a esquerda podem fazer um verdadeiro retorno à arena política nacional.

Primeiro, embora o sistema eleitoral tenha sido desenvolvido pela coalizão AKP-MHP para o próprio benefício desses partidos, ele tem tido um retrocesso maciço, pois invalida o limite de 10% que tinha, desde 1980, com o objetivo manter movimentos específicos (principalmente curdos, muçulmanos e de esquerda) fora do parlamento. O limiar ainda está lá no nome, mas a possibilidade de disputar eleições em amplas alianças o torna muito mais facilmente superado, garantindo que os votos não sejam “desperdiçados” em partidos com menos de 10%. Isto é importante dado que – com quase todos os outros locais da política tão oprimidos e intimidados – fazer com que seu voto seja contado tem sido há muito tempo a principal maneira de se expressar politicamente na Turquia.

Atualmente, o HDP, o TİP, e vários outros partidos e movimentos de extrema esquerda estão em discussões para organizar uma aliança para as próximas eleições e além delas. Em meio à difamação e criminalização generalizada do HDP, uma aliança com este partido certamente gera respostas desfavoráveis de certos setores da sociedade turca, especialmente os nacionalistas de centro esquerda e os círculos conservadores. A questão curda é evidentemente uma das principais clivagens da política turca. Dito isto, o TİP parece ser inabalável por essas reações: sua posição gira em torno de uma resolução pacífica não violenta do conflito e de uma cidadania igualitária para todos os grupos do país.

Os mais esperançosos da oposição, Nation Alliance, vêm tanto da centro esquerda como da centro direita, e buscam votos de todos os setores possíveis da sociedade. Ainda assim, eles parecem ter a maior intenção de conquistar os conservadores – antigos eleitores do AKP que agora estão indecisos. A CHP de centro esquerda está tentando maximizar seus votos como um partido do centro, e İYİP está decidido a ser a nova força de influência da centro direita na era pós-AKP. Se a CHP terá sucesso em tal alcance permanece desconhecido, e a própria estratégia é bastante controversa.

Estas aberturas parecem empurrar a CHP para políticas econômicas de duas faces, diluindo as propostas de nacionalização e comprometendo-se com pequenos ajustes na economia, corroendo assim as posições social-democratas do partido. Além disso, um foco excessivo em comerciantes e eleitores rurais – dois grupos esmagadoramente pró-governo – os leva a negligenciar os trabalhadores de colarinho azul e branco, os precarizados e os que trabalham na crescente economia gig [de tecnologia]. Enquanto isso, os pequenos partidos de direita em torno da Aliança Nacional também esperam atender aos eleitores do AKP com diferentes graus de liberalismo e conservadorismo.

Construindo a base da Esquerda

Como o centro gravitacional da política turca se desloca para a direita, o TİP pode assim ser uma alternativa para o eleitorado de esquerda que acha o CHP muito concentrada nos conservadores moderados e o HDP muito especificamente voltado para os curdos. A esquerda radical que se beneficia de tal realinhamento dificilmente é exclusiva da Turquia: forças no exterior como A França Insubmissa e a Aliança Vermelha-Verde da Dinamarca procuraram de forma semelhante mobilizar os antigos eleitores dos partidos de centro esquerda que partiram em uma trajetória neoliberal ou abertamente conservadora.

A política da Turquia também se encaixa de certa forma nesta mudança: desde a transição do país para a democracia multipartidária após 1945, os partidos no poder (com breves e excepcionais interlúdios) têm sido esmagadoramente de direita (com inclinações diferentes), com uma população cada vez mais conservadora, a medida que as eleições se aproximam, o CHP de centro esquerda e o IYIP de centro direita secular estão flertando com o eleitorado conservador, adaptando sua retórica e assegurando a esses eleitores que não haverá políticas seculares nem revanche, como a proibição do uso do hijab na educação ou a discriminação contra os religiosos no serviço público ou no trabalho.

Embora o TİP também não seja para uma agenda progressista, ele também se opõe firmemente à mudança para uma retórica conservadora e à diluição das raízes secularistas da república. Por exemplo, sua reação às seitas religiosas e sua influência sobre a vida pública foi posta em evidência depois que um estudante que residia em um apartamento financiado por uma dessas seitas cometeu suicídio. O TİP defendeu a nacionalização de todos os dormitórios e apartamentos administrados pela seita e argumentou que as seitas religiosas devem ser impedidas de prestar serviços públicos e de administrar empresas privadas.

O discurso populista de esquerda do TİP reflete amplamente seu público: trabalhadores de colarinho azul e branco, desempregados, estudantes, mulheres e LGBTQIA+, ambientalistas, e assim por diante. Erkan Baş usa a retórica populista de esquerda para unificar estes grupos contra o establishment, pedindo medidas para resolver a divisão entre os 99%, naturalmente incluindo os grupos acima, e um punhado privilegiado, o 1%, referindo-se aos empresários, funcionários do governo e, naturalmente, Erdoğan e seu AKP. O resto dos deputados do TİP compartilham este discurso com diferentes ênfases; Ahmet Şık, por exemplo, concentra-se principalmente na corrupção governamental e em negócios obscuros dentro do Estado.

O TİP visa assim mobilizar estes grupos centrais, tornando-se uma força organizadora influente, assim como uma força eleitoral. A atração do TİP, em comparação com os partidos de oposição mais centristas, também se dá porque não tem medo de afugentar diferentes eleitorados; por isso, sua oposição agressiva se apresenta como intransigente e ainda não comprometida. O TİP pode construir sua base fazendo o que fez de melhor nos últimos três anos: montar uma oposição formidável à privatização, à desigualdade e à corrupção enquanto desenvolve um programa partidário coerente com soluções alternativas sólidas.

A percepção pública da esquerda turca é essencial aqui. Nas décadas em que a esquerda perdeu seu lugar na política geral, ela se tornou menos vista como candidata à mudança do que como um grupo de pressão abertamente marginal. Para resistir a essa impressão, o TİP deve concentrar sua política na vida cotidiana das pessoas, e não ficar preso a reivindicações e aspirações grandiosas. Sua pausa silenciosa dos limites das digressões teóricas e do puritanismo político é um bom primeiro passo, mas não é suficiente por si só. Da reforma fiscal radical às soluções para a corrupção, do acesso aos serviços sociais a um programa de nacionalização, há várias áreas onde o TİP pode fazer propostas radicais para uma futura república secular e democrática. Isto pode possibilitar que elo lidere o discurso público, aumente sua estatura e desenvolva uma visão plausível de uma Turquia alternativa. Também é ajudado por um contexto de mudança: à medida que a desigualdade social aumenta e tanto a pandemia quanto às políticas mal orientadas aprofundam a crise econômica e políticas, uma vez que são consideradas fantasiosas e ainda não atingiram seu limite.

O futuro da esquerda turca pode não ser tão cor-de-rosa quanto parece. Seus reflexos políticos e instintos para a elaboração de políticas também desapareceram nos anos selvagens, o que representa barreiras extras, dados seus recursos menores sob um regime opressivo com uma fortaleza sobre a mídia. Pode ser um exagero esperar qualquer ascensão meteórica de votos ou mobilização como alguns partidos de esquerda têm visto na Europa e América Latina. Entretanto, considerando os precedentes históricos e os problemas da esquerda turca, um novo pico e um novo começo com uma visão do que a Turquia pode ser, e uma voz que se recusa a aceitar a hegemonia da direita, pode muito bem estar a caminho. O TİP, com a cooperação e o apoio do HDP, pode ser um instrumento importante nas próximas eleições, uma força política na era pós-AKP – e possivelmente empurrar o centro de gravidade político para a esquerda.

Sobre os autores

é estudante de pós-graduação na Middle East Technical University, com foco em psicologia da pobreza, e conselheiro político na Grande Assembleia Nacional da Turquia.

é doutorando e pesquisador de partidos de esquerda e imigração na Europa-Universität Flensburg.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Legislação, Oriente Médio and Política

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux