Press "Enter" to skip to content
Um novo livro defende a propriedade social dos ativos digitais. (Justin Sullivan/Getty Images)

Como podemos socializar as Big Tech

[molongui_author_box]
Tradução
Évilin Matos e Henrique Martiny

Novo livro sobre socialismo de plataforma traz uma contribuição vital para uma visão de esquerda na tecnologia, mas não leva em conta alguns aspectos de como as Big Tech estão ligadas ao capital financeiro. Socializar grandes plataformas só pode ser possível no contexto de transformações políticas mais amplas.

Resenha do livro Platform Socialism: How to Reclaim our Digital Future from Big Tech de James Muldoon (Pluto Press, 2022)


Não é novidade que existem problemas sérios com os espaços digitais com os quais muitos de nós nos envolvemos diariamente enquanto trabalhamos, brincamos, interagimos e geralmente tentamos nos manter vivos. Mas pode ser menos evidente que estamos vivendo uma conjuntura importante no capitalismo digitalizado – em que o futuro de muitas dessas plataformas está sendo contestado e reescrito.

O discurso em torno das grandes empresas internacionais de tecnologia parece ter mudado muito nos últimos cinco ou seis anos. O crescimento de serviços de aplicativos de entrega de supermercado, transporte, trabalho de cuidados e outras formas de trabalho foi acompanhado por níveis crescentes de militância dos trabalhadores em muitas cidades. Isso levou a novas coalizões transnacionais no esforço para melhorar os salários, benefícios e condições gerais do trabalho nas plataformas.

As decisões tomadas por plataformas de mídias sociais controladas corporativamente como Twitter, TikTok e Instagram – ou, mais precisamente, as burocracias invisíveis e extensas que elas desenvolveram em um esforço para acalmar os anunciantes e combater o comportamento ilegal online – são cada vez mais recebidas com protesto por seus usuários. Eles também são percebidos como insatisfatórios e problemáticos tanto na esquerda quanto na direita (embora por razões diferentes). A situação aparentemente se tornou tão terrível que até Elon Musk achou por bem descer de seu poleiro profano em um esforço para “salvar o dia”.

Em resposta a este problema, dois caminhos estão surgindo atualmente. Primeiro, os governos estão reagindo – nos últimos cinco anos, houve um boom global de novas formas de regulação que tentam abordar várias questões políticas relacionadas à economia de plataformas. Esta tendência é mais clara na União Europeia, que se prepara para intervir de forma mais ativa na forma como os grandes players, as chamadas grandes plataformas, conduzem as suas atividades. Aqui nos é oferecida uma versão ligeiramente melhorada do business as usual, uma forma de capitalismo de stakeholders com mais competição de mercado, melhor supervisão e um punhado de direitos individuais de usuários espalhados por aí.

Os tecnólogos, no entanto, têm outro plano – e não estamos falando apenas dos “brothers tecnológicos pródigos” que se voltaram contra a indústria nos últimos anos. Seu novo modelo brilhante – a nebulosa Web3 – antecipa a mudança regulatória em andamento, abandonando amplamente o modelo baseado nas plataformas existentes. Em vez disso, está mudando para um novo conjunto de serviços “descentralizados” baseados em tokens criptográficos. É uma visão que ostensivamente anuncia um aumento na autonomia individual, a mudança de poder de intermediários cada vez mais impopulares e uma chance de ser pago por suas atividades online. (Tudo soa bem, apenas, por favor, não olhe por baixo do tapete).

Em um excelente livro recente intitulado Platform Socialism, James Muldoon, um teórico político e historiador do movimento trabalhista, forneceu um cenário alternativo convincente. Muldoon argumenta contra as duas soluções oferecidas – denunciando tanto os modos incrementalistas de controle tecnocrático quanto o “solucionismo tecnológico” dos verdadeiros crentes e capitalistas de risco. Em vez disso, Muldoon pede “a propriedade social dos ativos digitais” como forma de obter “controle democrático sobre a infraestrutura e os sistemas que governam nossas vidas digitais”.

Rumo aos comuns digitais globais

Em suma, o livro defende que devemos socializar a indústria da tecnologia. Os seus dois estudos de caso centrais são o Facebook e o Airbnb, embora também aborde Uber, Amazon e Alphabet. Tem menos a dizer sobre mercados de trabalho online, plataformas industriais e outros players da economia de plataformas informal. Mesmo assim, vai mais longe do que a maioria dos relatos críticos da esquerda sobre a economia de plataformas que frequentemente se concentram em modos específicos de reorganização empresarial. Um bom exemplo disto é a defesa que procura transformar as plataformas em cooperativas. Muldoon insiste antes numa forma mais ampla e profunda de “participação ativa na concepção e controle de sistemas sócio-técnicos” – idealmente a nível global.

Trata-se de um projeto ambicioso, ancorado por poucos objetivos centrais. O primeiro conjunto destes está relacionado com a participação democrática: Muldoon argumenta convictamente que precisamos de formas profundas de autogovernança nas comunidades online e plataformas que as pessoas utilizam. Estas devem permitir aos usuários moldar as regras e as possibilidades – as capacidades de um player – que prescrevem o comportamento em aplicativos e websites. Mais importante ainda, o livro argumenta que as empresas que desenvolvem serviços de plataformas devem ser totalmente reestruturadas para que possam otimizar o valor social e não o lucro dos acionistas.

Para implementar estas ideias na prática, Muldoon defende a “associação democrática”, aproveitando o seu tempero preferido: a organização socialista. Esta é uma estratégia relacionada a pensadores como G. D. H. Cole e a tradição do socialismo de guildas. Aqui, a coordenação sobre as tecnologias globais complexas e dispersas não são alcançadas por meio de planificação central ou formas de cálculo algorítmico, mas sim por meio de formas descentralizadas e delegadas de tomada de decisão. Estas resoluções envolverão não só trabalhadores mas também “produtores, usuários e comunidades locais”.

A alternativa ideal do livro às formas existentes de capitalismo de plataforma requer o controle democrático de infraestruturas tecnológicas que são política e economicamente cruciais. Estas incluem não apenas a espinha dorsal material privada da economia digital (cabos submarinos, centros de dados), mas também a propriedade intelectual chave (software) e os recursos de dados. É importante que esses recursos não só sejam compartilhados e tornados mais amplamente acessíveis, mas também utilizados de uma forma que procure ativamente remodelar as desigualdades de poder existentes no contexto pós ou neocolonial. Em vez de dividir o Alphabet ou Meta em todas as suas partes constituintes, esta linha de pensamento pergunta como eles poderiam ser transformados em fundações sem fins lucrativos. Em tal cenário, receitas extras poderiam ser dadas a uma “Organização Global de Riqueza Digital” que procura ativamente fornecer uma variedade de serviços de alta qualidade, sem rastreamento invasivo ou anúncios.

Muldoon argumenta ainda que o objetivo final deve ser mais do que lutar pela nacionalização de grandes empresas de plataformas ou pela transformação do Google ou da Amazon em cooperativas de trabalhadores. “Transformar o Alphabet para seus 132.000 empregados seria ótimo para eles, mas e o resto da comunidade global?” pergunta Muldoon. Em vez de distribuir o poder a um conjunto de novas elites, deveríamos ter como objetivo “democratizar a propriedade e capacitar as pessoas a participar de novas estruturas de governança”.

Vencer este mundo (digital)

Platform Socialism é mais um projeto de um futuro alternativo em potencial do que um mapa para nos levar até lá. Muldoon afirma explicitamente que o livro se destina a fornecer uma visão utópica, enquadrando o socialismo de plataforma como um projeto contra-hegemônico prospectivo de longo prazo para futuras batalhas contra as muitas formas de exploração e apropriação do capitalismo digitalizado. Este tipo de visão serve um papel importante na condução do discurso público – e acadêmico – sobre alternativas ao status quo.

Embora Muldoon pareça ser um recém-chegado relativo ao campo da política de tecnologias, tenho sido encorajado pelo grande número de pesquisadores que recentemente vi lendo o livro. O momento não poderia ser melhor – cada vez mais, acadêmicos trabalhando anteriormente em questões relacionadas às plataformas digitais estão cada vez mais procurando expandir suas perspectivas. Isto pode ser o resultado de pesquisadores identificando cada vez mais um conjunto fundamentalmente quebrado de modelos de negócios, regimes de governança e incentivos político-econômicos que impulsionam a tecnologia. Novas formas críticas de abordar a economia da plataformas são necessárias, e o livro de Muldoon é uma intervenção bem-vinda.

No entanto, como Muldoon escreve, continua a ser “mais fácil para nós imaginarmos humanos vivendo para sempre em colônias em Marte do que exercendo um controle democrático significativo sobre as plataformas digitais”. Isso é provavelmente verdade mesmo se pensarmos que a “resposta para muitos dos problemas da indústria de tecnologia é submeter essas poderosas empresas a uma maior supervisão e controle democrático”. É uma boa aposta que a maioria dos burocratas e funcionários provavelmente concordaria aqui, argumentando que eles estão trazendo a democracia eleitoral para suportar os irresponsáveis barões da tecnologia estrangeira. Entretanto, os recentes esforços regulatórios da União Europeia não democratizam exatamente ou redistribuem significativamente o valor das plataformas.

A revolução não estará no TikTok

E se a tensão do “realismo de plataforma” criticada por Muldoon não for apenas o resultado de um fracasso de nossa imaginação? O livro está repleto de exemplos que ilustram até que ponto as maiores empresas multinacionais de tecnologia se tornaram centrais para a lógica do capitalismo financeiramente globalizado. Um grande problema para desatar o nó górdio do domínio das plataformas é a aposta que poderosos fundos de cobertura e instituições financeiras como a BlackRock têm no crescimento contínuo e na rentabilidade de empresas como Meta e Amazon.

Estas estruturas de interdependência econômica são ameaçadoras sobre qualquer noção de mudança real. Por exemplo, veja o índice da Standard & Poor’s de 500 grandes empresas de capital aberto listadas nas bolsas de Nova Iorque e Chicago. O S&P 500 subiu quase 27% em 2021. Quase um terço deste crescimento foi devido a cinco empresas sediadas nos Estados Unidos: Apple, Microsoft, Google, Tesla, e Nvidia. Como Muldoon observa, em 2020, estas empresas foram responsáveis por 60% dos retornos da S&P. Segundo o historiador econômico Adam Tooze, a S&P pode ser entendida como uma medida aproximada do capital produtivo da economia norte-americana. Se este for o caso, estes números sugerem que estas grandes empresas de software e hardware se tornaram críticas para o crescimento econômico do qual os Estados Unidos (e o sistema capitalista mundial de forma mais ampla) dependem.

Neste contexto, até mesmo os pensadores mais utópicos entre nós terão dificuldade em acreditar que esses interesses mais poderosos jamais permitiriam que essas empresas se transformassem em instituições sem fins lucrativos ou de utilidade pública socialmente benéficas. Pode o socialismo de plataforma – ou pelo menos os aspectos centrais de uma agenda socialista de plataforma – existir sob o capitalismo?

Formas significativas de autogovernança da comunidade online, bem como algumas das prescrições mais restritas de políticas apresentadas por Muldoon, parecem estar mais próximas. Atingir a visão mais ampla, entretanto, exigiria níveis assustadores de capital econômico, político e social que provavelmente só seriam alcançados através da realização bem sucedida de uma transformação política mais expansiva.

Ativistas e organizadores não devem deixar uma fixação sobre as Big Tech distraírem-se dessa missão global. Dito isto, as empresas de tecnologia e os serviços de plataformas que governam nosso dia a dia – especialmente se de fato se tornaram tão centrais para a ordem atual – estão cada vez mais parecendo um local frutífero para a resistência, um local que talvez possa fornecer um catalisador para uma mudança mais ampla a longo prazo.

Sobre os autores

é um pesquisador interessado em governança de plataformas e outros desafios de políticas transnacionais colocados pelo capitalismo digitalizado. É pós-doutorando no WZB Berlin Social Science Center.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, DESTAQUE, Europa, Legislação, Livros and Tecnologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux