Press "Enter" to skip to content
Uma análise marxista sempre apontará para a propriedade, a controle sobre o investimento e, mais crucialmente, como se dá sua exploração do trabalho para criar as condições para da riqueza. Foto de Scott Barbour / Getty Images

Os ricos causam as crises climáticas – possuindo os meios de produção

[molongui_author_box]
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Sabemos que os ricos aprofundam as mudanças climáticas, mas focar em seus jatos particulares não é suficiente – seu impacto real vem de possuir a estrutura da economia global para moldá-la no interesse do lucro privado.

O mesmo estudo continua aparecendo para mostrar que os ricos estão causando as mudanças climáticas e o colapso ambiental. Em 2015, a Oxfam divulgou um relatório intitulado “Desigualdade Extrema de Carbono” que descobriu que os 10% mais ricos do mundo são responsáveis ​​por 50% das emissões, enquanto os 50% inferiores são responsáveis ​​apenas por 10%. Nesse mesmo ano, os economistas Thomas Piketty e Lucas Chancel analisaram os dados para revelar números igualmente gritantes: os “10% emissores do topo da pirâmide social contribuem para 45% das emissões globais”.

Mais recentemente, uma grande pesquisa científica argumentou que “o consumo de famílias ricas em todo o mundo é o mais longo ou o mais forte determinante e acelerador do aumento dos impactos ambientais e sociais globais no mundo”. E apenas no mês passado, um novo estudo descobriu que os ricos – que eles identificam como uma “elite poluidora” – estão “no coração do problema climático“. O estudo recomenda que “mudanças de longo alcance no estilo de vida também são necessárias se quisermos evitar níveis perigosos de aquecimento global”.

Não foi nenhuma surpresa que a esquerda tenha aproveitado esses estudos como munição para rodar o moinho da luta de classes. No entanto, esses estudos compartilham uma falha fatal: eles conceituam a contribuição dos ricos para o aquecimento global e o colapso ambiental apenas em termos de sua “influência” ou “consumo”. Embora os “estilos de vida dos ricos e famosos” sejam frequentemente notórios do ponto de vista ambiental, precisamos olhar além de suas escolhas pessoais de consumo para entender o verdadeiro significado de sua contribuição para a mudança climática – e para entender o desafio político que temos pela frente para realmente travar as catastróficas crise climáticas.

A base desses estudos são dados de renda familiar e uma relação com padrões de gastos associados a emissões ou “pegadas de carbono”, então não é surpresa que alguém como Thomas Piketty, um analista de desigualdade de renda mundialmente famoso, use esses dados para vincular essa desigualdade às emissões de carbono.

Mas a renda não é a melhor maneira de entender a desigualdade sob o capitalismo. Um encanador poderia ter a mesma renda de um professor universitário. O encanador também poderia ter exatamente a mesma renda se administrasse seu próprio negócio de encanamento ou se trabalhasse para uma grande corporação de encanamento.

Para os marxistas, classe e desigualdade têm a ver com sua relação com os meios de produção. Mais amplamente, a classe é menos sobre quanto dinheiro você ganha e mais sobre o que você possui e controla. Para a grande maioria de nós, só possuímos nossa força de trabalho para vender no mercado de trabalho para viver. Já os ricos, é a propriedade de propriedades, negócios e a própria riqueza monetária que os torna tão poderosos em uma sociedade capitalista.

As emissões de consumo não são apenas nossas

Uma pessoa razoável pode perguntar: “Tudo bem, mas e daí?” Se uma pessoa rica possui um negócio e muita riqueza, isso permite níveis de consumo ainda mais altos do que sua renda pode explicar. Notoriamente, Jeff Bezos – apesar de ser a pessoa mais rica viva – paga a si mesmo uma renda de US$ 81.840 por ano. É sua riqueza que lhe permitiu comprar a maior mansão em Washington, DC, que tem 24 banheiros. Imagine a pegada de carbono para cuidar e aquece-la.

Uma suposição generalizada entre esses estudos é que os ricos são eles próprios “poluidores” ou “altos emissores”. Isso pressupõe que as emissões associadas ao consumo são exclusivamente suas. Os estudos se concentram no comportamento dos ricos – voos frequentes, condução de SUVs e consumo de carne e todos os comportamentos de consumo intensivos em emissões. Isso faz sentido intuitivo dentro da análise que contabiliza a pegada de carbono. Quem mais está poluindo além de nós quando pisamos no acelerador em nossos carros e as emissões saem pelo escapamento?

No entanto, e a companhia de petróleo que nos vendeu a gasolina que é queimada para criar essas emissões? Colocar 100% da responsabilidade pelas emissões nos consumidores é um truque ideológico de troca de mercadoria sob o capitalismo. Como consumidores, enfrentamos apenas as commodities e seus preços. Nos sentimos livres e fazemos escolhas nesse mercado. No entanto, o que Karl Marx chamou de fetichismo das relações de mercado obscurece as relações sociais de produção e exploração subjacentes a mercadorias como carros, voos aéreos e carne bovina. Por trás de cada ato de consumo individual estão grandes corporações que buscam e lucram com nossas “escolhas”.

Quando pegamos um voo, por que as companhias aéreas não são responsabilizadas pelas emissões? Não são também “altos emissores” e parte da “elite poluidora”? São eles que lucram com essa transação e escolhem o que fazer ou não para reduzir a poluição das viagens aéreas. O consumidor que compra um voo está apenas tentando chegar a algum lugar. Viajantes ricos podem voar com mais frequência do que um viajante médio da classe trabalhadora, mas mesmo o consumidor rico não é 100% responsável pelas emissões de seus voos.

A maior parte da responsabilidade deve recair sobre os proprietários do capital que lucram com a atividade de alta emissão em primeiro lugar. No entanto, no centro de sua metodologia (e talvez ideologia), esses estudos excluem tal compreensão da responsabilidade do carbono, desigualdade e poder de classe.

Por que ignoramos os proprietários e produtores que lucram com nossas emissões de consumo? Principalmente porque não os vemos – como Marx brincava, o controle privado do capital e da produção pendura uma placa em sua porta: “Proibida entrada, exceto para negócios”.

Acho que os próprios autores desses estudos – acadêmicos e cientistas de classe profissional – estão se esforçando muito para reduzir suas próprias pegadas de carbono e implementar “mudanças de longo alcance em seus estilos de vida”. Para os acadêmicos que lutam virtuosamente para abaixar a taxa carbono, é sedutor pensar que a única solução para a mudança climática é fazer com que os ricos façam o mesmo.

Se alguém é rico e consome muito, pergunte como

Outro grande problema com um foco estreito no consumo ou nas escolhas de estilo de vida é que isso representa uma pequena minoria das terríveis ações que os ricos fazem todos os dias contra o clima e o meio ambiente. Para entender como eles realmente destroem o clima, precisamos entender não qual é o seu “estilo de vida” mas o que eles fazem como trabalho.

Aqui está um exemplo hipotético: pegue um CEO de uma companhia aérea. Essa pessoa passa de 8 a 12 horas por dia ajudando a organizar uma frota de milhares de aviões que emitem milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano. Como CEO, sua renda e opções de ações são derivadas principalmente dessa atividade, planejando e expandindo as viagens aéreas como uma mercadoria à venda.

Agora imagine que esse CEO vai para casa em seu SUV e come um bife no jantar. Por que essa atividade é a única em que nos concentramos quando falamos sobre “desigualdade de carbono”? Certamente o SUV e o bife são gotas num balde d’água em comparação com seu papel diário como um titã do capital da aviação.

Mais uma vez, a ideologia capitalista é uma força obscura. Tendemos a ver a liberdade e a política apenas no âmbito do mercado e do consumo. É aqui que, como disse Milton Friedman, somos “livres para escolher”.

No que Marx chamou de “morada oculta da produção”, não há escolha, e a política está fora dos olhares. A produção não é apenas organizada despoticamente, como uma ditadura privada – ela é direcionada para um objetivo: lucro, ou “acumulação pela acumulação”. Nossas escolhas de consumo têm objetivos muito diferentes em mente – como atender às necessidades humanas (por mais infladas que sejam).

Aqui, novamente, se sujeitarmos essa atividade de produção com fins lucrativos à “contabilidade de carbono”, descobrimos que os principais culpados pela crise climática não são simplesmente consumidores ricos e abastados. É a classe de pessoas que possui, controla e lucra com a produção de aviação, automóveis, aço, produtos químicos e outros setores de capital que emitem intensivamente carbono. Se olharmos para os dados de emissões globais do IPCC por setor, é o setor industrial que supera todos os outros (o maior setor de longe, com 32% das emissões globais e mais do que os setores de transporte e construção juntos!).

Se realmente queremos entender a contribuição de uma pessoa rica para a mudança climática, não devemos olhar apenas para o seu consumo – devemos perguntar como ela ficou rica em primeiro lugar. Uma análise marxista sempre apontará para a propriedade, a controle sobre o investimento e, mais crucialmente, como se dá sua exploração do trabalho para criar as condições para da riqueza. Sem mencionar que sua exploração da natureza – e, em particular, sua propensão a emitir carbono de graça na busca febril por lucro – também está no centro do que criou seus estilos de vida consumistas em primeiro lugar.

Simplificando, o que as pessoas ricas fazem em casa, em seu carro ou em seu jato particular não é nada comparado à exploração do trabalho e à destruição da terra que gera o dinheiro de que desfrutam.

Os ricos, de fato, causam as mudanças climáticas – mas não pelas razões que muitas vezes pensamos. Embora suas escolhas de consumo e estilo de vida possam realmente ser notórias, é honestamente a menor de nossas preocupações. Os marxistas devem ir à raiz de sua contribuição que causa a crise climática: propriedade, investimento e produção.

Isso também esclarece nossa tarefa política. Não precisamos pedir gentilmente que os ricos consumam menos ou implementem “mudanças de longo alcance em seu estilo de vida”; temos que construir movimentos políticos com o poder de aumentar os impostos sobre os ricos para financiar um Green New Deal, desmercantilizar e expropriar os setores intensivos em carbono que eles controlam, como energia, alimentação e habitação. Em outras palavras, precisamos confrontar sua propriedade, riqueza e controle sobre o investimento.

Sobre os autores

é professor assistente de Geografia na Syracuse University. É autor de "Lifeblood: Oil, Freedom, and the Forces of Capital".

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Capital and Ecologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux