Press "Enter" to skip to content
O secretário-geral do Partido Comunista Japonês, Kyuichi Tokuda, dirige-se a soldados japoneses, repatriados após a Segunda Guerra Mundial, em Tóquio, Japão, em 6 de julho de 1949. (PhotoQuest / Getty Images)

O Partido Comunista Japonês tem sido uma presença vital na história do país

[molongui_author_box]
Tradução
Ivo Lopes Yonamine

O Partido Comunista Japonês acaba de completar 100 anos. Seus militantes desafiaram o sistema imperial autoritário do Japão pré-Guerra e o partido permanece como uma força de contrapeso importante até hoje - em uma cultura política profundamente conservadora e conformista.

O Partido Comunista Japonês (PCJ) de hoje até pode deter apenas uma pequena parcela dos assentos no parlamento japonês, a Dieta Nacional [poder legislativo bicameral do Japão]. Contudo, exala uma presença, como um crítico e como um vigia ostensivos em relação ao regime dominante, que é desproporcional ao tamanho do PCJ em si.

Em 2019, por exemplo, o Akahata, jornal do PCJ, noticiou que o falecido Primeiro- Ministro japonês conservador, Shinzō Abe, havia convidado, em privado, muitos apoiadores políticos para o hanami, “evento para apreciar a florada das cerejeiras”, com verba estatal, a fim de agraciá-los por conquistas louváveis. No ano seguinte, o periódico revelou que o sucessor de Abe, Yoshihide Suga, havia impedido a indicação de seis acadêmicos para o Conselho Científico do Japão, em razão das opiniões políticas destes. Ambas as revelações dispararam o ultraje público generalizado contra a corrupção e contra o abuso de poder por parte do gabinete do Partido Democrático Liberal (PDL) que governa o país hoje.

Desde sua fundação pela Internacional Comunista, há um século, cujos líderes esperavam que o Partido lideraria uma revolução proletária no Japão, o PCJ tem sofrido diversas transformações. Sobreviveu ao período posterior à Guerra Fria como uma força pequena, mas de contrapeso, contra os excessos daqueles que detinham o poder político no país. Na condição do partido político mais antigo do Japão, é um ator único no cenário doméstico, com poucas organizações iguais – se é que há alguma – no mundo capitalista desenvolvido.

As origens do comunismo japonês

O movimento socialista japonês nasceu em meio a uma dura repressão do Estado, no final do século XIX, com o surgimento do Japão como uma potência imperial e industrial. Em 1898, Sen Katayama, Shusui Kōtoku e outras pessoas formaram o Grupo de Estudos Socialistas. Três anos depois, fundaram o Partido Social-Democrata, o primeiro partido político socialista no Japão, que viria a ser banido logo depois de sua fundação.

Em 1903, Shusui Kōtoku e Toshihiko Sakai formaram o grupo socialista Heiminsha. Este se tornou opositor feroz da Guerra do Japão contra a Rússia, que eclodiu no ano seguinte, e as autoridades forçaram o grupo a debandar, no período de dois anos. Em 1910, ano em que o Japão formalmente anexou a vizinha Coreia, o governo imperial descobriu um plano para assassinar o imperador e reagiu prendendo e condenando de forma oportunista, um grupo de socialistas, incluindo Kōtoku e outras pessoas que não estavam ligadas ao plano.

“As transformações sociais relacionadas aos altos e baixos econômicos da Primeira Guerra Mundial assinalaram uma nova era de ativismo.”

Kōtoku e outras onze pessoas foram executados naquilo que ficou conhecido como o “Incidente de Alta Traição”. Katayama fugiu para os Estados Unidos, ao passo que Sakai e outros se mantiveram mais anônimos no Japão, publicando trabalhos que evitavam provocar a ira das vigilantes autoridades do Estado.

As transformações sociais relacionadas ao caos econômicos gerado pela Primeira Guerra Mundial assinalaram uma nova era de ativismo. Em 1918, irromperam revoltas em todo o país, por conta do crescente preço do arroz. No ano seguinte, protestos contundentes anti-imperiais explodiram na Coreia e na China, enquanto, em Moscou, os bolcheviques e seus aliados fundaram a Internacional Comunista, ou o Comintern, com o objetivo de exportar a revolução comunista pelo mundo.

O Comintern se comunicava com os colaboradores japoneses por meio de duas rotas, partindo de Moscou: uma “rota ocidental”, via EUA, e uma “rota oriental”, via Sibéria e Xangai. Com base em Xangai, Grigory Voitinsky gerenciava a rota oriental. Votinsky supervisionava a fundação de três novas organizações na região: o Partido Comunista Coreano (estabelecido em Irkutsk e em Xangai), em maio de 1921; o Partido Comunista da China (PCC), em julho de 1921; e o PCJ, em julho de 1922.

O supervisor da rota ocidental era Sen Katayama, que havia escapado para os EUA, depois do Incidente de Alta Traição, de 1911, e que se radicalizaria, posteriormente, depois de conhecer Leon Trotsky, Nicolau Bukharin e outros líderes russos, em Nova Iorque, em 1917, antes de eles regressarem à Rússia, para ali liderarem a revolução. Katayama e seus colegas imigrantes japoneses traduziram a literatura relacionada ao Comintern do inglês para o japonês e elaboraram relatos sobre as condições sociais japonesas a Moscou, atuando, assim, como a ligação primária entre os socialistas japoneses e a fase preparatória para a fundação do PCJ.

Katayama tornou-se membro fundador do Partido Comunista da América em 1919 e foi, ainda, nomeado como líder da Agência Panamericana do Comintern. Posteriormente, mudou-se para a União Soviética e se tornou membro do Comitê do Comintern em 1922.

O massacre de Kanto

Durante os primeiros anos posteriores à fundação dos partidos comunistas leste-asiáticos, o Comintern enxergava o Japão, com sua base industrial avançada e uma numerosa classe trabalhadora, como um alvo-chave para promover a revolução na região. Contudo, com a formação de uma frente unida contra o PCC e o Kuomintang nacionalista, em 1924, a China veio a substituir o Japão como o alvo prioritário para a intervenção revolucionária. Deste modo, o PCJ operou com alto grau de autonomia em relação às autoridades soviéticas.

Atribui-se a fundação do PCJ ao dia 15 de julho de 1922, em um encontro secreto de oito homens, ocorrido no quarto de um membro fundador, em Shibuya, Tóquio. Assolado por cisões internas e sujeito a repressões policiais frequentes, o partido clandestino não sobreviveu por muito tempo.

No rescaldo do Grande Terremoto de Kanto, que destruiu grande parte do centro urbano de Tóquio e de Yokohama em setembro de 1923, houve uma campanha de boatos, insuflada por autoridades estatais japonesas, que incitou massacres disseminados de coreanos, chineses e outros inimigos considerados como suspeitos pelo Estado, por parte de forças militares, policiais e milicianas. Enquanto os massacres ocorriam, oficiais militares e policiais, de modo oportunista, assassinaram líderes centrais para a esquerda japonesa, sob o manto da lei marcial, incluindo Sakae Ōsugi.

Os líderes do PCJ realizaram um encontro secreto, em um subúrbio de Tóquio, no final de outubro daquele mesmo ano, em que decidiram dissolver o clandestino PCJ. O líder do partido Hitoshi Yamakawa argumentou que, no contexto pós-massacre, eles não tinham outra escolha, que não fosse, primeiro, construir um partido proletário legalizado, com uma base de massas.

Quando o PCJ foi refundado três anos depois, no entanto, não foi a direção tomada pelo novo partido. No lugar de Yamakawa, Kazuo Fukumoto surgiu como o líder teórico do novo partido. Diametralmente oposto a ênfase “de cima para baixo” de Yamakawa, o inflamado e ideologicamente enviesado Fukumoto argumentava que a revolução era iminente no Japão, então estava na hora de purificar o partido como uma vanguarda de verdadeiros comunistas.

Os argumentos de Fukumoto encontraram um público receptivo entre os estudantes ativistas universitários de elite, mas exerceu efeitos segregadores nas organizações de massas. Conforme o Comintern fortalecia seu controle sobre o PCJ, tanto Yamakawa como Fukumoto foram sujeitos a críticas por suas estratégias equivocadas, e os oficiais do Comintern nomearam uma nova liderança em 1927. 

Refletindo a ênfase do Comitern na construção de um partido de massas, intelectuais do feitio de Fukumoto foram excluídas da nova liderança, com membros oriundos de contexto da classe trabalhadora os substituindo.

Enquanto isso, o grupo de Yamakawa’s foi expulso do partido. Essas pessoas posteriormente viriam se organizar em torno do Partido Socialista Japonês (PSJ), depois de findada a Segunda Guerra Mundial.

Repressão e ressurgimento

O Estado imperial japonês continuou a reprimir duramente comunistas e supostos simpatizantes. Conforme o nacionalismo chauvinista atingia níveis estrondosos após a invasão da Manchúria pelo exército de Guandgong em 1931, a repressão doméstica contra esquerdistas se intensificou. Prisões das massas populares atingiram níveis apicais durante o período, com muitas das pessoas presas renunciando às convicções comunistas, sob assédio e pressão policial.

A polícia se infiltrou no PCJ com espiões, obtendo informações internas e lançando uma espiral destrutiva de desconfiança paranóica entre os membros do partido. A polícia ainda empregou, disseminadamente, métodos de tortura contra comunistas presos. Um dos membros do PCJ mortos pela tortura policial neste período foi o escritor Takiji Kobayashi, autor do romance proletário O navio-fábrica caranguejeiro [Kanikōsen, em japonês, ou The crab cannery ship, em inglês]. 

Em um período de crescente desigualdade social no começo dos anos 2000, houve um ressurgimento no interesse de romance entre a população japonesa e o livro se tornou um best-seller repentino em 2008.

“No contexto de libertação pós-colonial, havia uma percepção, muito disseminada, de que tanto o povo coreano como o PCJ haviam sido vítimas do regime imperial.”

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, líderes presos do PCJ saíram da prisão graças à diretiva da ocupação dos EUA para o governo japonês de libertar os presos políticos. Esses líderes foram amplamente criticados depois por manterem a crença ingênua de que suas agendas revolucionárias pudessem ser perseguidas sob a ocupação dos EUA. O otimismo inicial deles advinha, em parte, do fato de que as forças militares dos EUA haviam sido seu “exército de libertação”.

A confiança por parte do JCP na ocupação dos EUA, por conta da libertação pós-guerra refletia a posição desvantajosa do JCP em comparação a outros partidos comunistas, tais como os europeus. Os comunistas franceses e italianos surgiram no período pós-guerra com uma base organizacional estabelecida por meio dos respectivos movimentos de resistência no decorrer da guerra. Sem uma base como aquelas, o PCJ pós-guerra confiava nos ativistas coreanos no Japão para financiar e construir a própria organização.

Dos, quando muito, mil apoiadores que se reuniram na zona oeste de Tóquio para cumprimentar os heróis do PCJ recém-egressos da prisão em 10 de outubro de 1945, metade, ou mais da metade, era composta por coreanos. No contexto de libertação pós-colonial, havia uma percepção, muito disseminada, de que tanto o povo coreano como o PCJ haviam sido vítimas do regime imperial e estavam, naquele momento, surgindo, juntos, para construir uma nova era.

O caminho contrário

Diferentemente da ocupação na Alemanha, a ocupação dos EUA no Japão foi indireta e governou por meio das autoridades japonesas já estabelecidas. Em inglês, foi conhecida como o SCAP [“Supreme Commander for the Allied Powers”, o Comando Supremo das Forças Aliadas, em tradução livre]. Ao passo que a política básica do SCAP era a de usar, e não necessariamente de apoiar, o governo existente, a confiança dos oficiais dos EUA em uma administração local estável e operante produzia o efeito de apoiá-la e de fortalecê-la.

A impressão inicial era de que o objetivo declarado da ocupação, o de desmilitarizar e democratizar o Japão, confluía com o programa do JPC, a favor de uma revolução em duas etapas, a qual visaria, primeiramente, por uma transformação democrática no país. Contudo, uma avaliação entusiasta a respeito do “exército da libertação” durou pouco. Um divisor de águas aconteceu, em razão de ordens do SCAP para cancelar a greve geral, liderada pelo PCJ, planejada para o 1º de fevereiro de 1947.

O cancelamento da greve geral coincidiu com a intensificação da Guerra Fria: durante os meses seguintes, o governo dos EUA anunciou a Doutrina Truman e o Plano Marshall. Naquilo que veio a ser conhecido como o “caminho contrário”, a ênfase da política de ocupação dos EUA transitou da desmilitarização e da democratização, rumo à reconstrução do Japão como um bastião anticomunista.

“A ênfase da política de ocupação dos EUA transitou da desmilitarização e da democratização, rumo à reconstrução do Japão como um bastião anticomunista.”

O PCJ, de sua parte, adotou uma nova linha de nacionalismo contrário aos EUA, atacando o governo nacional em exercício pela colaboração “traidora” com os EUA. Essa reorientação nacionalista pareceu ter muito sucesso popular, com o PCJ angariando 35 assentos na câmara baixa da Dieta e cerca de 10% dos votos nas eleições de janeiro de 1949. Militantes otimistas do partido previam que, com ganhos futuros nas próximas eleições gerais, eles seriam capazes de assumir o poder.

Entretanto, uma série de ataques terroristas misteriosos ocorreu no verão, pelos quais agentes responsáveis pelo cumprimento da lei e a mídia responsabilizaram o PCJ. Em setembro de 1949, as autoridades japonesas desmantelaram a Liga Coreana, poderosa aliada do partido, sob a acusação de “ser organização terrorista”. À época, as esperanças em uma evolução futura, com uma frente eleitoral, já haviam evaporado. Assim, o PCJ veio a perder todos os seus assentos legislativos na eleição de 1952.

A virada do Cominform

Em janeiro de 1950, o Escritório de Informação dos Partidos Comunistas e Operários (Cominform), que havia sido fundado três anos antes para suceder ao Comintern, criticou publicamente o PCJ, por este defender a crença de que a revolução pacífica poderia ser obtida sob a ocupação dos EUA. O Comintern convocou o PCJ para liderar um “esforço anti-imperialista” contra os ocupantes.

Essa intervenção chocante do Cominform em assuntos japoneses resultou em uma amarga cisão no PCJ. Enquanto a liderança partidária inicialmente rejeitava as críticas vindas do Comintern, uma minoria significativa de ativistas dissidentes as acolheu.

Em 30 de maio de 1950, manifestantes japoneses e coreanos se confrontaram violentamente com as tropas de ocupação dos EUA, bem na Praça do Palácio Imperial de Tóquio. Enquanto as forças dos EUA realizam uma comemoração do Memorial Day, os manifestantes de esquerda se reuniram para protestar contra a guinada acelerada na repressão e na guerra entre o Japão e a Coreia, onde uma situação de guerra eclodiria semanas depois.

A mídia japonesa retratou o conflito como resultante da virada militante do PCJ. Na verdade, o partido ainda tinha de adotar uma política de confronto com as forças de ocupação. Militantes impacientes do PCJ haviam aderido a um desacato aberto em relação a tanto as autoridades dos EUA quanto à própria liderança partidária, convencidos de que contavam com o apoio do Cominform à guinada pretendida.

O SCAP reagiu prontamente a esse crescimento, aparentemente liderado pelo PCJ, na militância contrária aos EUA, retirando todos os 24 membros do Comitê Central do Partido, no começo de junho. Em 26 de junho, dia seguinte à eclosão da guerra generalizada na península coreana, as forças ocupadoras proibiram a publicação do jornal do PCJ.

Confronto e derrota

Nos meses seguintes, mais de 10.000 trabalhadores de diversos segmentos e órgãos governamentais foram demitidos, sob a suspeição de serem comunistas ou simpatizantes do comunismo. No verão de 1951, a liderança do clandestino PCJ adotou uma nova plataforma de militância, elaborada com o auxílio de líderes comunistas chineses e do próprio Joseph Stalin. A liderança clamou por uma força militar para derrubar a ocupação dos EUA.

“No começo da década de 1950, membros do PCJ lançaram coquetéis Molotov em vias urbanas e ingressaram em vilarejos rurais, para se mobilizarem em prol de uma revolução nos moldes maoístas.”

Durante essa época do PCJ, seus membros lançaram coquetéis Molotov nas vias urbanas e ingressaram em vilarejos rurais, com suas “unidades de mobilização em vilarejos montanheses”, para se mobilizarem em prol de uma revolução nos moldes maoístas. Essas táticas impensadas isolaram, ainda mais, o já isolado partido do grande público japonês. O PCJ viria a oficialmente repudiar aqueles métodos no verão de 1955.

Praticamente todas as opiniões sobre o assunto, incluindo as do próprio PCJ, denunciaram e recusaram a pausa efetuada pelo partido na resistência militar contra o esforço de guerra EUA-Japão durante o conflito na Coreia, qualificando o intervalo como um caso “aventureiro de extrema esquerda”, resultante da imposição de táticas equivocadas pelo Cominform. Pela perspectiva do posicionamento do PCJ na política doméstica, a avaliação é, certamente, precisa.

Contudo, não é possível compreender as resistências desse período meramente como produto das ordens do Cominform. Os ativistas do PCJ também tinham motivações próprias para participar daquelas ações. Isso incluía coreanos que desejavam proteger sua terra natal, que expulsaram trabalhadores japoneses revidando contra os opressores domésticos e radicalizaram estudantes em busca da revolução.

Essas ações não interromperam o esforço de guerra e tampouco fomentaram uma crise revolucionária. Mas elas, sim, produziram o efeito de romper com uma miragem de um “Japão pós-guerra”, apartado da Ásia, conforme a qual a Guerra da Coreia não era nada além de um “presente dos deuses” — nas palavras do Primeiro-Ministro Shigeru Yoshida — que salvou a estagnante economia japonesa, graças à demanda que esta gerava por insumos.

Adaptação e sobrevivência

Quando protestos populares irromperam em 1960, contra a revisão do Tratado de Segurança EUA-Japão, o PCJ ainda estava lutando para se reconstruir dos devastadores reveses do começo dos anos 1950. As forças que lideravam os protestos não vieram do PCJ, mas, pelo contrário, do Partido Socialista do Japão e de ativistas da Nova Esquerda que reivindicavam para si o título de “única vanguarda revolucionária”. Representavam um grande desafio ao recém-formado PDL, um partido anticomunista formado com o apoio da CIA. Tumultuados, os protestos culminaram com a renúncia do Primeiro-Ministro Nobusuke Kishike, em 1960, e com aprovação legal do tratado revisado.

Em 1961, o PCJ adotou uma nova plataforma, que caracterizava o Japão como, uma nação capitalista avançada que era, ao mesmo tempo, um Estado tributário aos EUA. Tratava-se de uma afirmação realista, que se afastava da insistência formulada anteriormente, baseada em categorias revolucionárias herdadas, de que o Japão era um Estado tardiamente colonizado sob a hegemonia do imperialismo norte-americano.

“O desempenho eleitoral mais forte do PCJ, até o presente, ocorreu em 1996, quando o partido obteve 13% dos votos. A filiação estimada hoje ultrapassa os 250.000 militantes.”

Recente, a abordagem flexível, baseada nas realidades locais, forneceu indícios para a gradativa independência do partido em relação às influências da China e da URSS nos anos seguintes. Nas décadas de 1970 e de 1980, a porcentagem de votos nas eleições para a câmara baixa da Dieta aumentou para uma média de 10%, mesmo patamar do maior percentual, de todos os tempos, em 1949. A linha independente adotada pelo partido se tornou, por sua vez, um fator fundamental que possibilitou a própria sobrevivência durante a era posterior à Guerra Fria.

Os socialistas japoneses dissolveram seu partido em 1996 e o grupo sucessor social-democrata ali estabelecido detém, no momento, apenas um assento na Dieta. O PCJ, de modo distinto, tem prosseguido sob a nomenclatura de “comunista”. O desempenho eleitoral mais forte do PCJ, até o presente, ocorreu em 1996, quando o partido obteve 13% dos votos, seguido, de perto, pelos 11,4% que o mesmo partido obteve recentemente, em 2014. A filiação estimada ao PCJ ultrapassa os 250.000.

Figuras poderosas dentro do PDL – que está no poder e que ainda exerce firme influência, muito tempo depois do final da Guerra Fria – têm alimentado temores quanto aos supostos planos secretos do PCJ de estabelecer uma revolução violenta, mas a realidade é bem diferente. O PCJ até pode ter falhado em conduzir um balanço honesto do próprio passado e ainda continua a teorizar em termos revolucionário. Ainda assim, o partido atual – que tem ativistas envelhecendo, que deixou de admitir a violência depois da experiência dos anos 1950 e que constantemente repudiou os grupos da Nova Esquerda que herdou as táticas extremadas nas décadas seguintes – não têm o desejo, nem a capacidade, de se organizar em prol de uma deposição violenta do Estado.

O PCJ, de modo contrário, mantém, sim, o desejo e a capacidade de dizer verdades sobre o poder estabelecido. O mesmo pode ser dito em relação a poucas outras organizações no Japão contemporâneo. Diante das desigualdades crescentes produzidas por políticas neoliberais e das mudanças nos debates sobre a defesa nacional japonesa em um contexto de segurança regional em transformação, os rumos do partido, bem como a habilidade de membros não partidários de adentrar o diálogo e de formar alianças com o partido em si, terão repercussões significativas, tanto para o Japão quanto para o resto do mundo.

Sobre os autores

é professor associado de história japonesa moderna, além de coordenador do intercâmbio estudantil internacional, na Universidade Nacional de Yokohama. É autor de "Student radicalism and the formation of postwar Japan" (em tradução livre e, ainda, sem tradução para o português, "Radicalismo estudantil e a formação do Japão pós-guerra").

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Ásia, História and Política

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux