Press "Enter" to skip to content
Povo grego se manifesta do lado de fora do Tribunal de Apelações enquanto o ex-deputado e líder do partido Aurora Dourada, agora banido, Nikolaos Michaloliakos, testemunha em 2019. (ANGELOS TZORTZINIS/AFP via Getty Images)

Proibir o Aurora Dourada não impediu que a Grécia caísse nas garras da extrema direita

[molongui_author_box]
Tradução
Gercyane Oliveira

A proibição do partido neonazista Aurora Dourada foi apontada como prova do retorno da Grécia à normalidade após os dolorosos anos de crise. No entanto, ideias de extrema direita estão agora firmemente estabelecidas na sociedade e na maior parte dos partidos, inclusive dentro do atual governo neoliberal.

A proibição do grupo neonazista Aurora Dourada em outubro de 2020 foi um momento decisivo na instabilidade política que passou a Grécia durante a última década. O dramático colapso eleitoral do partido – marcado, já antes da proibição, por seu fracasso em eleger qualquer deputado nas eleições gerais de 2019 – alimentou uma narrativa ideológica poderosa afirmando que a crise havia terminado e que a Grécia estava “de volta à normalidade”. A convicção do Aurora Dourada foi elogiada enfaticamente tanto pelo establishment político quanto pela mídia corporativa.

No entanto, havia algo intrigante em tudo isso. Os principais partidos da Grécia, incluindo o governo da Nova Democracia, tinham mantido durante anos relações diretas com o Aurora Dourada. Quando o partido estava em seu auge, a mídia dominante mostrava uma tolerância conspícua com sua retórica contra os imigrantes e até mesmo com ações violentas. No entanto, agora o consenso do establishment que está emergindo denomina explicitamente o Aurora Dourada como um partido nazista mergulhado em práticas criminosas.

Esta condenação, entretanto, adotou uma forma bastante particular, associando o partido neonazista a um extremismo generalizado, em vez de investigar suas verdadeiras raízes. A denominação “populista” (no lugar da “extrema direita”) deu vida a uma versão popular da teoria da ferradura, atacando também a esquerda. Isto significava ofuscar as origens ideológicas desta organização criminosa: uma ladainha de nacionalismo agressivo, racismo, sexismo, homofobia e antissemitismo, típico da extrema direita contemporânea internacionalmente.

Neste sentido, a condenação do Aurora Dourada pelo establishment político, bem como a aprovação pela mídia e pelo parecer público da decisão dos tribunais de criminalizar o partido, não foram seguidos por uma rejeição igualmente enfática de suas ideias e retórica. Isto é especialmente um problema dado os sinais de que estas mesmas ideias estão voltando, inclusive nas instituições da Grécia – potencialmente levando a uma maior radicalização em direção à extrema direita.

Esquerda institucional

Podemos ter uma melhor noção da integração da ideologia de extrema direita – e como ela produziu um novo senso comum – olhando para três das principais instituições da Grécia: a mídia, o Exército e a igreja.

Nossa pesquisa recentemente publicada sobre a integração dos discursos de extrema direita na Grécia rastreou a formação de padrões discursivos parecidos com os do Aurora Dourada, desenvolvidos por importantes emissoras e jornais, oficiais do Exército e padres ortodoxos, bem como a disseminação dos aspectos fundamentais de tais discursos, mesmo dentro dos círculos feministas e LGBT.

Longe de um discurso meramente excepcional confinado aos próprios apoiadores do Aurora Dourada, esta ideologia circulou entre os estratos mais amplos da sociedade grega, sendo redefinida e mediada pelas suposições profissionais e políticas das instituições em questão.

Estas três instituições têm um significado particular na Grécia. As Forças Armadas e a Igreja Ortodoxa têm sido suas instituições politicamente mais poderosas e ideologicamente influentes desde que o Estado grego foi estabelecido, há dois séculos. Ambas se percebem como guardiãs de uma identidade grega, vista como ortodoxa em sua religião, monocultural, heteronormativa e patriarcal.

Já neste sentido, estas instituições apresentam afinidades diretas com o tradicionalismo endossado e expresso pela extrema direita grega. A mídia, entretanto, também desempenhou um papel central na circulação de ideias da extrema direita, com uma convergência contínua entre a corrente dominante e a extrema direita em um país que tem um desempenho ruim nos rankings internacionais de liberdade de imprensa.

O pânico moral

Durante a última década, a grande mídia contribuiu especialmente para a normalização do discurso de extrema direita através do pânico moral propagado sobre o futuro da Grécia. Após o colapso dos principais partidos durante a crise de 2008 e a ascensão de Syriza ao poder, o cenário da mídia convergiu para um novo consenso, retratando a Grécia como uma nação cuja própria sobrevivência estava em jogo.

O novo cenário da mídia demonstrou uma impressionante homogeneidade em termos dos perigos que retratava, que se resumia aos suspeitos habituais: invariavelmente os vizinhos imediatos do país (isto é, Turquia e Macedônia do Norte) e os refugiados, que eram retratados como canalhas e operadores de uma suposta “islamização” do país.

A mídia dominante grega seguiu representações e padrões retóricos idênticos aos empregados pela mídia de extrema direita, especialmente em momentos de “crise” como o acordo Prespa (o acordo alcançado em 2018 entre a Grécia e a Macedônia do Norte em relação ao nome deste último), no auge da crise dos refugiados em 2015 e os eventos fronteiriços em fevereiro e março de 2020, quando o presidente turco Tayyip Erdogan declarou que não impediria mais os requerentes de asilo de entrar na Europa.

As emissoras, como a I Kathimerini e To Proto Thema, e também as emissoras de TV, como ΑΝΤ1, Star e ΣΚΑΙ, se sobrepuseram ideologicamente em grande parte à mídia de extrema direita estabelecida, como o jornal Makeleio e as emissoras de TV Kontra Channel e Extra channel, infames por sua postura alarmista, xenofóbica e que glorificava as práticas de extrema direita. Termos como “invasão” (ou seja, de imigrantes, de refugiados, de muçulmanos) ou “situação alarmante”, ou a ideia da Grécia estar “sitiada”, foram amplamente utilizados para descrever tanto a crise dos refugiados quanto os incidentes na fronteira.

No caso do acordo Prespa do governo de Alexis Tsipras sobre o nome da Macedônia do Norte, termos como “traidores”, a ideia de “vender o país” e a forte convicção de que a civilização grega é de fato superior (especialmente em comparação com vizinhos amplamente descritos como “bárbaros” ou “ladrões de nossa própria história”) prevaleceram em todo o espectro da mídia. Esta convergência popularizou e normalizou aquelas representações específicas que têm origem na mentalidade de extrema direita e que gradualmente prevalecem na esfera pública.

Intervenções militares

Mesmo em um país com um histórico tão sombrio de intervenção militar na política ao longo do século XX, a literatura sobre a extrema direita contemporânea muitas vezes negligencia as Forças Armadas. A proibição de oficiais do exército expressarem publicamente suas opiniões políticas desde o colapso da junta, em 1974, certamente torna mais difícil a pesquisa de sua compreensão da política e das mudanças sociais contemporâneas. No entanto, não há dúvida de que a retórica da extrema direita se sobrepõe aos princípios fundamentais da ideologia nacionalista grega expressa pelo Exército como uma instituição. Em múltiplos temas centrais, os oficiais do Exército demonstram uma forte identificação com a ideologia da extrema direita.

Pesquisas entre oficiais do exército em novembro e dezembro de 2020 indicam sua visão negativa sobre “outros”, sejam eles definidos em termos de origem étnica ou nacional, gênero ou identificação religiosa. A esmagadora maioria, com 92,5%, acredita que os países vizinhos (especialmente a Turquia e a Macedônia do Norte) são hostis à Grécia, enquanto 72,5% acreditam que a Grécia foi “invadida” quando o governo turco abriu a fronteira para migrantes em Evros em março de 2020; 72,5% acreditam que a Grécia corre o risco de “alteração cultural”; 90% acreditam que há muitos imigrantes, e 87,5% que a imigração está relacionada à criminalidade; 90% querem educação religiosa (ou seja, doutrinação em dogmas cristãos ortodoxos) para continuar nas escolas; e 52,5% se opõem ao casamento gay, com 87,5% se opondo à adoção de crianças por casais homossexuais.

Mas também é notável aqui que os entrevistados não veem estas opiniões como derivadas da ideologia de extrema direita e de exclusão: de forma reveladora, 65% pensam que a Grécia “não é um país racista”. Ao contrário, eles consideram a defesa de tais posições como “um dever para com a nação”, expressando um “patriotismo” que hoje é subvalorizado. Em resumo, o principal ponto de convergência entre a extrema direita e a mentalidade dominante das Forças Armadas é a compreensão das recentes mudanças sociais – migração, revolução de gênero, transição da uniformidade nacional para o multiculturalismo e o aparecimento de outras religiões na esfera pública – como uma ameaça ao núcleo da identidade cultural grega.

Ortodoxia de extrema direita

Os elementos centrais da ideologia de extrema direita – pertencentes a uma visão tradicionalista das relações de gênero, do nacionalismo agressivo e da islamofobia – figuram fortemente no discurso da Igreja Ortodoxa Grega. Desde sua fundação como uma igreja independente em 1833, ela tem sido e continua sendo parte integrante do aparato estatal, altamente influente na legitimação e consolidação da ideologia nacional oficial. Essas relações de interdependência são particularmente fortes, uma vez que a Grécia ainda não separou a Igreja do Estado, com a Igreja intervindo vocalmente em uma ampla gama de questões, desde relações estrangeiras até imigração e educação escolar.

Entretanto, a partir dos anos 90, a política voltada para a integração europeia – que também significou o alinhamento das leis gregas às exigências europeias – desafiou severamente a hegemonia ideológica da igreja, e uma fenda surgiu entre a igreja e o Estado. Cada vez mais, desde os anos 90, a igreja tem tomado um rumo mais conservador e agressivo – pelo menos no nível do discurso oficial, embora com consideráveis desvios em relação ao clero inferior.

O sincretismo cultural inevitavelmente decorrente da globalização da economia e do fluxo de migrantes na Grécia leva grande parte do corpo eclesiástico a posições políticas mais conservadoras, com destaque para a islamofobia e uma atitude de paranóia em relação a supostas conspirações de islamização do país. Neste contexto, não é coincidência que no ano passado o Arcebispo de Atenas e Todos os Ierônimos da Grécia declararam em uma entrevista que “o Islã não é uma religião, mas um partido político que tem uma intenção política clara e os crentes [muçulmanos] são pessoas de guerra”. Como uma das instituições mais influentes deste país – uma esmagadora maioria esmagadora de 81,4% dos gregos identifica-se como cristã ortodoxa – e o endosso da Igreja à ideologia de extrema direita normaliza preocupantemente estas ideias.

Instrumentalizando o gênero

Desde os anos entre guerras, a principal ideologia da extrema direita tem se centrado na chamada complementaridade de sexos – a ideologia que mantém as mulheres “no seu lugar”, em papéis bem definidos, enraizados no conservadorismo religioso, mas também popularizados e glorificados pelo fascismo e pelo nazismo.

Entretanto, o caráter de ecletismo a oportunismo destes regimes levou a ideologias contraditórias quanto ao lugar da mulher na sociedade e as ditaduras da Grécia não foram diferentes. As mulheres também assumiram responsabilidades modernas – através de seu envolvimento na preparação da guerra iminente, ou em sua participação obrigatória em organizações de massa fascistas – abrindo assim o caminho para uma ruptura não intencional com os papéis tradicionais. Isto trouxe uma nova consciência política e, para alguns, até mesmo uma certa emancipação individual.

Nos últimos anos, houve mais uma virada neste uso instrumental do gênero, com a convergência entre uma agenda feminista e LGBT e temas centrais da extrema direita. Visando a imigração e especialmente os muçulmanos acusados de não aceitar “nossos valores”, isto cria um fêmonacionalismo híbrido e um homonacionalismo. Desde o 11 de setembro, a esfera política euroamericana tem visto o surgimento de figuras e formações políticas que procuram se apropriar de agendas feministas e queer contemporâneas para seus próprios propósitos xenófobos, como no caso do Marine Le Pen da França. Particularmente no caso grego é que esta cooptação de causas sociais progressistas não é mobilizada pela extrema direita – como expresso no imaginário tradicionalista, estereotipado e sexista da Aurora Dourada de masculinidade e feminilidade – mas pela direita dominante e a governante Nova Democracia.

Nos últimos dois anos, o governo de direita, juntamente com vozes mais extremistas relacionadas principalmente com a Igreja Ortodoxa, não apenas apelaram para um retorno aos papéis tradicionais de gênero, mas também se apropriaram sistematicamente de políticas de identidade. A nomeação pela Nova Democracia de um político abertamente gay como vice-ministro da cultura foi a primeira vez em um país onde a esquerda ainda não abordou suas próprias questões patriarcais, assim como estava tomando uma posição positiva em relação ao movimento grego #MeToo e denunciando de forma retórica a violência doméstica e a onda de feminicídios que marcou a Grécia em 2021.

Entretanto, os direitos das mulheres junto com os direitos LGBT são cada vez mais projetados como ameaçados pela presença de imigrantes e refugiados, termos que em grande parte funcionam como metonímia para o Islã. A fala do deputado da Nova Democracia Konstantinos Bogdanos (que se tornou independente em outubro de 2021) é um exemplo: enquanto liderava o ataque contra estudos de gênero e acadêmicos e ativistas no campo, Bogdanos também descreveu a presença de mulheres muçulmanas como inaceitável para “a cultura dominante de nosso país, bem como nossa cultura legal”, uma vez que as vestimentas islâmicas femininas são, supostamente, uma declaração contra o livre arbítrio e os direitos das mulheres.

Em resumo, a misoginia flagrante e a homofobia do passado é cada vez mais substituída por xenofobia e islamofobia, com os direitos recentemente conquistados das mulheres e das pessoas LGBT sendo fundamentados em um endurecimento da retórica e das políticas contra as comunidades migrantes e islâmicas. Por esta lógica, que vê os direitos de diferentes minorias como em competição, não é surpresa que 61,3% dos gregos pensem que o Islã ameaça os direitos das mulheres no Ocidente. Em outras palavras, as questões de gênero constituem o terreno onde podemos observar o surgimento da “extrema direita” grega – e um excelente exemplo do que acontece quando as políticas de identidade são cortadas de grandes apostas políticas de igualdade e emancipação.

Guinada para a direita

Assim, apesar da criminalização do Aurora Dourada, a Grécia está passando por uma mudança para a direita, mais um indicativo de que está acontecendo uma ampla direitização desse tipo na Europa. Esta radicalização está ocorrendo em dois níveis diferentes, tanto na sociedade em geral quanto em um centro neoliberal que se move cada vez mais para a direita.

As ideias de extrema direita provaram ser extremamente persistentes na sociedade grega em geral e sua corrosividade infligiu danos consideráveis à política corporal do país. Durante a crise econômica, a Grécia parecia estar em uma encruzilhada entre a esquerda e a direita, especialmente com a chegada do Syriza ao poder, mas a longo prazo foram as abordagens conservadoras e reacionárias que prevaleceram em várias questões fundamentais. O fracasso de Syriza e sua relutância em fazeer as reformas necessárias levou a uma grande desilusão do lado progressista da política, facilitando a guinada para a direita.

Quanto ao centro neoliberal, apesar de sua representação como iluminado representativo do europeísmo na Grécia, o atual governo da Nova Democracia deu uma guinada autoritária. Ficou claro – também através do rígido controle que exerce sobre a mídia – que sua agenda ideológica também recorre a fontes de extrema direita. Neste sentido, a presença em altos cargos governamentais de três importantes figuras de extrema direita que aderiram à Nova Democracia nos últimos anos (Adonis Georgiadis, que é hoje seu vice-líder; Makis Voridis, o Ministro do Interior; e Thanos Plevris, o Ministro da Saúde) não é coincidência, pois serve à implementação desta agenda em medidas políticas concretas.

Durante anos, o Aurora Dourada promoveu o medo da “alteração cultural”, uma visão dos países vizinhos como inerentemente hostil à Grécia e da islamofobia, xenofobia e racismo. Hoje, a tendência mais preocupante é a inconsciência da natureza discriminatória dessas visões, que agora estão embutidas como normais e são expressas descaradamente sob o disfarce da direita dominante.

Sobre os autores

é socióloga e historiadora residente de Atenas. Ela é doutora em História pela École des Hautes Etudes en Sciences Sociales de Paris e em Sociologia pela Universidade de Bristol.

é escritor freelancer e leciona na Universidade da Trácia, Departamento de Ciência Política.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Europa, Fronteiras & Migração and Política

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux