A revolução portuguesa e a libertação das mulheres

11 / agosto

Rafaela Cortez

Após a derrubada do regime fascista em 1974, um movimento radical surgiu para desafiar a falta de direitos concedidos às mulheres. A dissolução violenta do primeiro protesto do movimento mostrou quão difícil seria sua luta — mas esse ativismo ajudou a legalizar o aborto e provocar uma transformação duradoura.

As ditaduras latino-americanas não praticaram uma “guerra suja”. Era terrorismo de Estado.

As ditaduras militares contaram com práticas sistemáticas de tortura e desaparecimentos para erradicar todos os oponentes políticos - reais ou imaginários. Procurando esconder o terror unilateral do regime, a direita ainda se refere a esses anos como uma “guerra suja”. Mas a única maneira de descrever um regime é analisando seus objetivos e métodos.

Esta é uma pandemia global e a solução precisa ser mais internacionalista do que nacionalista

08 / agosto

Adam Hanieh

A COVID-19 atingiu com força a Europa e a América do Norte. Mas, países no Sul Global são muito mais vulneráveis à pandemia por causa de séculos de exploração. A esquerda precisa desenvolver uma visão internacionalista e antineoliberal da crise - e agir de acordo com ela.

A chacina de Hiroshima

06 / agosto

Colin Wilson

Há 75 anos, os EUA lançaram uma bomba atômica no Japão. Aqui está a história de um sobrevivente do ataque mais bárbaro que o mundo já viu.


"O surgimento da revista Jacobin tem sido uma luz em tempos obscuros. Uma contribuição
realmente impressionante à sanidade -- e à esperança."
NOAM CHOMSKY, UM CARA MUITO INTELIGENTE.
APOIE-NOS TAMBÉM


  • edição especial
  • verão de 2019

Jacobin Brasil: Marx & Companhia

NESSA EDIÇÃO

Quem tem medo de Karl Marx?

A extrema-direita brasileira fica aterrorizando sua base com a história da “ameaça comunista” representada pelo “marxismo cultural”. Mas se você não vive da exploração dos trabalhadores, não há razão para ter medo de Karl Marx e seus amigos.

Contra o subdesenvolvimento brasileiro

26 / julho

Juliane Furno

Celso Furtado, cujo centenário celebramos hoje, nos legou uma teoria econômica original que expõe as entranhas da armadilha do subdesenvolvimento. Dedicou sua vida a contribuir, na teoria e na prática, a um projeto de nação que arrancasse o país da condição subalterna. Mas a utopia desenvolvimentista, de conciliar a tríade “capitalismo”, “democratização” e “soberania”, encontrou seus limites na dinâmica da luta de classes.

Os limites do antirracismo liberal

Uma política focada na identidade individual, que tem seu limite na inserção pelo consumo, é insuficiente para enfrentar uma estrutura racista baseada em um exército de trabalhadores precarizados e na marginalização de corpos matáveis. Como aponta uma vasta literatura crítica, que vai de Karl Marx a Achille Mbembe, precisamos mudar radicalmente a ordem social. E isso só será possível se aliarmos a luta antirracista com a luta de classes contra as estruturas capitalistas.

Nelson Mandela e o prêmio Lenin da Paz

18 / julho

Nelson Mandela

Nelson Mandela nasceu neste dia em 18 de julho de 1918. Para celebrar, publicamos o histórico discurso feito ao receber o último Prêmio Lenin da Paz.

Não, estudar Marx não é elitista

16 / julho

Jeremy Gong

Ler teoria marxista não é só para acadêmicos de alto nível — pergunte aos milhões de trabalhadores cujo entendimento sobre seu papel na mudança do mundo foi transformada por meio do estudo e da prática.

Tratamentos para a COVID-19 pertencem ao povo, não a oportunista indústria farmacêutica

16 / julho

Ari Rabin-Havt

Um sistema médico que cobra de seus usuários $3.210 pelo remdesivir, um tratamento para o coronavírus que custa $10 para ser produzido - e que recebeu $70 milhões de investimento público para ser desenvolvido -, é um sistema médico que precisa ser abolido.

ASSINATURAS

Plano
Internacionalista

R$ 20,00

Assinar

Plano
Jacobino

R$ 60,00

Assinar

Plano
Bolchevique

R$ 120,00

Assinar

Plano
Institucional