Chadwick Boseman (1976–2020)

01/09/2020

Por
Eileen Jones

Tradução
Deborah Almeida e David Guapindaia

Mais do que qualquer outro ator de sua época, Chadwick Boseman, que interpretou uma série de heróis negros, de Thurgood Marshall a T’Challa, tinha a capacidade de inspirar seu público e evocar um sentimento de orgulho pelos triunfos e lutas dos negros.

Chadwick Boseman comparece à estreia europeia do Pantera Negra em 8 de fevereiro de 2018 em Londres, Inglaterra. (Gareth Cattermole / Getty Images).

Quando Chadwick Boseman morreu em 28 de agosto, aos 43 anos, após sofrer de câncer de cólon por quatro anos sem revelar isso publicamente, todos pareciam ter as mesmas reações iniciais: “Ele era tão jovem!” e “é incrível que ele tenha sido capaz de fazer aquelas performances enquanto sofria de câncer!”

Desde 2016, Boseman encenou, entre outros papéis, a atuação exigente de Thurgood Marshall em Marshall – Igualdade e Justiça (Marshall – 2017); o papel que o levou ao estrelato internacional, T’Challa, governante da nação africana fictícia de Wakanda em Pantera Negra (Black Panther – 2018); e o protagonista masculino contracenando com Viola Davis na adaptação cinematográfica completa, mas ainda não lançada, da peça ganhadora do Prêmio Pulitzer de August Wilson, Ma Rainey’s Black Bottom. Imediatamente antes disso, ele interpretou Jackie Robinson em 42 – A História de uma lenda (42 – 2013) e James Brown em Get on Up – A história de James Brown (Get on Up – 2014). Ele parecia notavelmente atlético, mesmo para os padrões de Hollywood de definição muscular para estrelas masculinas.

A decisão de Boseman de manter sua doença completamente privada foi ao mesmo tempo corajosa e prática, em uma escalada ao estrelato baseada na interpretação de personagens fictícios heróicos, bem como figuras históricas lendárias que conquistaram coisas extraordinárias em circunstâncias sombrias. Como Spike Lee disse ao escalar Boseman como o admirado líder de esquadrão Stormin’ Norman em seu filme do Vietnã Destacamento Blood (Da 5 Bloods – 2020),

O negócio é o seguinte: Este personagem é heróico; ele é um super-herói. Quem nós escalamos? Escolhemos Jackie Robinson, James Brown, Thurgood Marshall e escalamos T’Challa!

O público nunca suspeitou que ele estava doente até alguns meses antes de sua morte, quando Boseman lançou um vídeo no Instagram e os fãs expressaram sua preocupação com o quão magro ele estava. Muitos perguntaram: “Você está bem?” e outros se perguntaram se sua extrema perda de peso fazia parte de sua preparação para um papel no cinema. Boseman estava defendendo uma causa, o que a legenda que acompanha o vídeo deixava claro:

Estou ouvindo histórias de desespero de pessoas em todo o país, e sabemos que nossas comunidades estão sofrendo mais e precisam urgentemente de ajuda. Comemorando o #JackieRobinsonDay com o lançamento da #Operation42 de Thomas Tull, com uma doação de US$ 4,2 milhões em equipamentos de proteção individual (EPI) para hospitais que atendem as comunidades afro-americanas que foram mais afetadas pela pandemia da Covid-19.

Obrigado, Jackie, por se recusar a aceitar o mundo como ele é, por nos mostrar que podemos fazer a diferença.

Desde a morte de Boseman, os tributos aumentaram. Um número recorde de pessoas recorreram às redes sociais para expressar seu choque e tristeza, incluindo pais com fotos de seus filhos realizando funerais improvisados ​​para o Pantera Negra com seus bonecos de ação da Marvel em círculos solenes ao redor do herói caído.

Os atores Phylicia Rashad, que foi mentor de Boseman na Howard University, e Denzel Washington contaram a história de Washington financiando o “brilhante” Chadwick Boseman, um dos vários alunos de Rashad que foram aceitos no programa de verão da Academia Britânica de Drama, mas não puderam se dar ao luxo de comparecer sem o apoio de Washington. Barack e Michelle Obama e o candidato democrata à presidência Joe Biden elogiaram Boseman.

Ryan Coogler, que dirigiu Boseman em Pantera Negra e não tinha ideia de que ele estava doente, falou sobre como ficou impressionado com a insistência de Boseman de que a língua nativa de T’Challa fosse o xhosa, uma das línguas oficiais da África do Sul. Até mesmo a insistência de Boseman em todos os wakandanos falando com um sotaque baseado na língua xhosa teve uma certa resistência dos executivos da Marvel, que temiam que o público pudesse não aguentar se os sotaques não fossem britânicos ou americanos.

“Eu disse que não seria bom porque, se fizéssemos isso, isso significaria que [os wakandanos] haviam sido colonizados”, disse Boseman.

Mas o tributo mais comovente vem de Kareem Abdul-Jabbar, porque ele cita, de maneira direta, o aspecto mais comovente da vida e morte de Boseman – seu impacto sobre os negros americanos:

Boseman consistentemente interpretou personagens que deram orgulho e esperança à comunidade negra. Saímos de seus filmes com espinhas mais retas e sorrisos mais largos. Olhávamos um para o outro e acenávamos com a cabeça, sentindo que fazíamos parte de algo maior do que nós, algo que remontava gerações a um continente totalmente diferente. Vimos toda uma história de lutas e triunfos de nosso povo brilhando nos olhos de um homem indomável.

Sobre os autores

é crítica de cinema da Jacobin e autora no Filmsuck, nos Estados Unidos. Ela também apresenta um podcast chamado Filmsuck.

Sobre o autor

Eileen é crítica de cinema da Jacobin e autora no Filmsuck, nos Estados Unidos. Ela também apresenta um podcast chamado Filmsuck.