Press "Enter" to skip to content
A história do declínio do streaming é uma história de desregulamentação e do modelo de capital monopolista das grandes finanças, que entra com força e, quando sai, deixa um rastro de devastação. (Riccardo Milani / Hans Lucas via AFP via Getty Images)

Bem-vindo à era dos filmes ruins e péssimas transmissões

[molongui_author_box]
Tradução
Sofia Schurig

Os capitalistas de capitais privados e monopolistas destroem tudo para ganhar dinheiro, e agora eles miraram na TV e no cinema. Se você detestava os preços elevados da televisão a cabo, os anúncios intermináveis e a programação imitadora, vai detestar o futuro do streaming.

Se há uma lei de ferro para o capitalismo do século XXI, é que o capital privado e o grande capital corporativo vão estragar tudo aquilo em que conseguirem pôr as suas mãos sujas. Mais recentemente, a classe financeira foi notícia por ter destruído a cadeia Red Lobster, privando a nós, pessoas comuns, de uma refeição decente fora de casa. As mesmas forças estão também tentando arruinar a indústria do entretenimento e aqueles que nela trabalham.

Na Harper’s Magazine, Daniel Bessner, um editor colaborador da Jacobin, escreveu “The Life and Death of Hollywood” — A Vida e a Morte de Hollywood, um artigo de leitura obrigatória sobre Hollywood. Bessner desconstrói a indústria do streaming, traçando a história do cinema e da televisão desde os seus primórdios, passando pela desregulamentação dos anos 80 e 90, até à consolidação e eliminação de riscos da indústria. Ele destaca a forma como a promessa de criatividade, liberdade e trabalho digno na indústria foi sacrificada no altar da exploração da propriedade intelectual, da exploração dos trabalhadores e da corrida ao lucro.

Como escreve Bessner, a estratégia original do streaming era aumentar o número de assinantes, dominar a participação de mercado e lucrar em alta escala. Mas a estratégia falhou, sobretudo quando o crédito se tornou mais caro, e agora a indústria está se debatendo, enganando os seus escritores e atores e impondo anúncios aos assinantes, em um regresso grotesco para algo muito parecido com a televisão a cabo.

Terra do lixo de exploração de propriedade intelectual

No seu artigo, Bessner relata a experiência da roteirista Alena Smith em Hollywood durante a era do streaming, e não é uma imagem bonita. No entanto, é o que você esperaria da Apple: exigir demais, oferecer muito pouco e espremer um trabalhador até à exaustão sem o considerar como um ser humano.

Smith explicou a Bessner como a corrida do dinheiro para o streaming acabou por fazer com que os escritores se sentissem enganados.

“É como se um mundo inteiro de intelectuais e artistas tivesse recebido um subsídio de multibilionária do mundo da tecnologia”, disse. “Mas nós confundimos isso e, francamente, fomos ativamente induzidos a pensar que isso era porque eles se preocupavam com a arte.”

Se faz streaming de televisão ou de filmes, está familiarizado com as frustrações contemporâneas do modelo. Foi prometido a você que não haveria anúncios e que haveria uma gama de opções infinita. Em vez disso, recebemos anúncios e, bem, muitas opções — mas foi um acordo faustiano.

Agora, você assina meia dúzia de serviços cada vez mais caros, cada vez mais sustentado por anúncios e mais cheios de lixo de propriedade intelectual (PI) e de inúmeras outras opções que são indistinguíveis umas das outras e do que tinha na televisão a cabo há uma ou duas décadas.

A TV a cabo contra-ataca

John Koblin, no New York Times, escreve:

Os anúncios estão se tornando cada vez mais difíceis de evitar nos serviços de streaming. Um a um, Netflix, Disney+, Peacock, Paramount+ e Max adicionaram anúncios de 30 e 60 segundos em troca de um preço de assinatura ligeiramente mais baixo. A Amazon ativou os anúncios por padrão. E os esportes ao vivo nesses serviços incluem intervalos comerciais integrados, independentemente do preço pago.

A razão é previsível – as empresas querem ter lucro e estão lutando para conseguir. Só podem reduzir os custos laborais até certo ponto, o que há tentam muito fazer, mesmo quando os roteiristas e os atores entraram em greve no ano passado. E o mercado, que já está esticado, não pode suportar tantos aumentos de preços. Os anúncios são uma forma de aumentar o balanço financeiro.

Outra fonte de dinheiro, como salienta Koblin, são os padrões baratos e de baixo risco — uma abordagem do tipo “calar a boca e jogar os sucessos”. Isso significa que as empresas de streaming estão, como ele escreve, “encomendando programas mais baratos e antigos, como dramas médicos, programas jurídicos e sitcoms”.

Junte tudo isso e torna muito difícil distinguir o streaming da televisão a cabo, mesmo que a carga publicitária seja menor no primeiro caso. Continua a haver anúncios, o custo das assinaturas é equivalente ao de um pacote de televisão a cabo e os programas familiares estão cheios de cenários, enredos e clichês.

A familiaridade não é por acaso. Os players da TV e do cinema fazem parte da nova indústria de entretenimento por streaming tanto quanto os novos irmãos tecnológicos que avançam rápido e quebram tudo. E todos eles vendem a mesma coisa. O mesmo que sempre foi.

Como Bessner destaca:

No início da década de 1980, seis enormes conglomerados – Disney, General Electric, News Corporation, Sony, Time Warner e Viacom – controlavam todos os principais estúdios de cinema e redes de transmissão, bem como uma parte substancial dos lucrativos negócios a cabo. Os conglomerados arrecadavam mais de 85% de todas as receitas do cinema e produziam mais de 80% da televisão americana em horário nobre.

Paralelamente, ele observa que, nos anos que se seguiram, três grandes empresas de gestão de ativos passaram a dominar as mais valiosas empresas cotadas na bolsa dos Estados Unidos. Já se percebe onde isto vai dar: a história do declínio do streaming, da sua degradação, é uma história de desregulamentação e do modelo de capital monopolista da grande finança, que entra com força e, quando sai, deixa um rastro de devastação.

Uma visão de abutre de Hollywood

Em 2022, o investimento de capital privado em entretenimento testemunhou um declínio acentuado em comparação aos anos anteriores. Em 2021, os abutres investiram impressionantes US$ 12,45 bilhões de dólares na indústria, mas no ano seguinte, esse número despencou para US$ 10,6 bilhões de dólares. Já em 2023, o investimento atingiu o menor em seis anos, com apenas US$ 2,77 bilhões de dólares.

A indústria atribui esta queda a vários fatores: a falta de oportunidades publicitárias, o suposto peso do escrutínio regulamentar e o cenário desafiador dos serviços de streaming, que lutam para obter lucro dentro dos limites do novo modelo que eles próprios criaram. O aumento dos custos do crédito e a inflação também não ajudam.

Esta tendência reflete um período mais amplo de austeridade para a indústria, em que os trabalhadores — escritores, atores e todos os que fazem a indústria do entretenimento funcionar de baixo para cima — lutam para sobreviver.

O capital privado e as grandes empresas dão capital e o tiram. Tornaram-se essencialmente árbitros da fortuna na indústria do espetáculo. Agora, à medida que a maré muda, nos resta o pior de todos os mundos. A indústria entra em colapso, os trabalhadores suportam o peso das consequências, os consumidores são inundados com anúncios e sobrecarregados com faturas cada vez mais elevadas, e a paisagem da criatividade, outrora vibrante, está sufocada por uma monocultura de baixo risco e exploradora de propriedade intelectual. Este cenário sombrio é agravado pelo espectro iminente da inteligência artificial que promete mais do mesmo – na melhor das hipóteses.

Esperamos que todos gostem muito, muito mesmo de Grey’s Anatomy e Blind Date. Porque, em um futuro previsível, é com elas que vamos ficar, de uma forma ou de outra.

Sobre os autores

David Moscrop

é escritor e comentarista político. Ele apresenta o podcast Open to Debate e é o autor do livro Too Dumb For Democracy?

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Capital, Filme e TV and Notícia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2023 © - JacobinBrasil. Desenvolvido & Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux