Press "Enter" to skip to content
Augusto Sandino (centro) sendo entrevistado por jornalistas mexicanos em 1930. Instituto de História da Nicarágua e América Central.

Relembrando a luta de Sandino

Tradução
Gercyane Oliveira

O revolucionário nicaraguense Augusto César Sandino nasceu neste dia em 1895. Sua luta inspirou a Frente Sandinista de Libertação Nacional, as guerrilhas latino-americanas e toda esquerda internacional numa época de crise profunda - para o terror dos imperialistas.


“Venham, viciados em morfina, venham e matem-nos em nossa própria terra. Eu os espero diante de meus soldados patriotas, com os pés bem firmes, sem me preocupar com quantos vocês podem ser. Mas tenham em mente que quando isto acontecer, o Edifício Capitólio em Washington tremerá com a destruição de sua grandeza, e nosso sangue irá corar a ruína branca de sua famosa Casa Branca, a caverna onde vocês inventam seus crimes.”

-Augusto César Sandino, Manifesto de San Albino. 1927.


Em 21 de fevereiro de 1934, trinta e um anos antes de Malcolm X ser morto a tiros no salão de baile Audubon de Manhattan, um assassinato igualmente histórico ocorreu em um país muito menor, a alguns milhares de quilômetros ao sul.

Nessa noite, o General Augusto César Sandino participou de um banquete realizado pelo novo presidente da Nicarágua para celebrar o fim de um conflito civil que durou décadas. Presumivelmente, Sandino se sentiu confiante de que o sucesso de seu movimento lhe garantiu um grau de influência na nação recentemente reunificada. Afinal, ele estava visitando o palácio presidencial para continuar a negociar os termos de um cessar-fogo contínuo que o novo governo havia avidamente endossado.

Durante os seis anos anteriores, Sandino havia liderado uma violenta insurgência nas terras altas da Nicarágua. Denunciado como um bandido, ele era o chefe de um movimento revolucionário reconhecido internacionalmente contra a prolongada ocupação norte-americana. E, em 1933, ele e seu camaradas rebeldes tiveram sucesso – um presidente civil tomou posse após uma eleição tranquila, os últimos fuzileiros se retiraram e uma nova era de paz e estabilidade política parecia iminente.

Nas décadas que antecederam aquela noite de fevereiro, os assaltantes tinham ameaçado a Nicarágua. Por um lado, o povo enfrentou a ameaça caseira de despotismo mesquinho, encarnada naquela época por Anastasio Somoza, um aliado norte-americano que comandou um regime paramilitar estreitamente alinhado com os Fuzileiros Navais – a desprezada Guarda Nacional.

Enquanto isso, o espectro da invasão ianque lançava uma sombra constante sobre os assuntos internos da nação.

Os norte-americanos tinham mantido uma presença consistente na Nicarágua desde meados do século XIX, quando William Walker, juntamente com sua milícia filantrópica, explorou uma guerra civil para tomar o controle do país, reinstituir brevemente a escravidão e desviar a receita do lucrativo corredor transatlântico da Nicarágua para seus próprios cofres.

Walker encontrou sua morte diante de um pelotão de fuzilamento hondurenho em 1860, mas os norte-americanos continuaram vindo. Investidores ricos cobiçaram a topografia da Nicarágua: seus lagos e rios profundos pareciam perfeitamente adequados para um canal interoceânico. Os promotores lançaram uma série de expedições na segunda metade do século XIX, sonhando em dividir a nação a serviço da crescente indústria naval norte-americana.

Mas quando os Estados Unidos selecionaram um local diferente para seu canal do Caribe em 1903, o presidente nicaraguense José Santos Zelaya pediu aos financiadores estrangeiros que financiassem uma rota marítima nicaraguense. Os Estados Unidos logo despacharam fuzileiros navais para ajudar na expulsão de Zelaya, e em 1912 os militares norte-americanos estabeleceram uma presença permanente na Nicarágua, presumivelmente para proteger o recém-inaugurado Canal do Panamá da possibilidade de um concorrente financiado pelo exterior. Esta força naval invasora permaneceu até que o exército de anti-imperialistas de Sandino os mandou para correr 21 anos depois.

Fuzileiros navais marcham em uma procissão fúnebre em Manágua em janeiro de 1931. Wikimedia Commons

É difícil superestimar o significado histórico da insurgência de Sandino, tanto para a região quanto para o mundo. Por um lado, foi um dos primeiros exemplos de guerrilha bem sucedida, inspirando inúmeros movimentos revolucionários a adotar táticas semelhantes em todo o mundo, especialmente na América Latina. Por outro, provocou os Estados Unidos a usar bombardeios aéreos contra um movimento clandestino – uma estreia na história mundial e um prenúncio dos horrores que mais tarde choveram sobre civis em países como Vietnã, Afeganistão e Iêmen. Também produziu o Manual de Pequenas Guerras, um documento de contrainsurgência elaborado pelo comandante da Marinha, Mike Edson, que liderou o esforço norte-americano para neutralizar o exército de Sandino; este guia tático de contrainsurgência tem sido repetidamente reestruturado nos anos desde que foi desenvolvido pela primeira vez – o uso mais recentemente foi feito pelo General David Petraeus no Iraque.

Finalmente, e mais importante para seus companheiros nicaraguenses, o exemplo de Sandino inspirou a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), os guerrilheiros de esquerda cuja revolução bem sucedida em 1979 aterrorizou Ronald Reagan e galvanizou a esquerda internacional em uma época de profunda crise e confusão.

Mas naquela noite de 1934, o legado de Sandino permaneceu ambíguo. Ao sentar-se à mesa de negociações cercado de velhos inimigos e antigos aliados, o general não tinha como saber que sua silhueta um dia dominaria a linha do horizonte de Manágua. Nem poderia imaginar que sua estética com chapéu de abas largas se tornaria o emblema de uma revolução nicaraguense muito diferente. O que aconteceu imediatamente após o banquete ajudou a transformar Sandino de um improvável herói local em um ícone nacional internacional duradouro.

Não sabemos todos, ou mesmo muitos, dos detalhes. Sabemos que Sandino passou pelo portão do palácio Manágua do presidente Juan Bautista Sacasa na companhia de várias pessoas, incluindo seu irmão Sócrates. Conhecemos o exército privado de Somoza, a Guarda Nacional, que interceptou prontamente seu veículo. Sabemos – ou melhor, pensamos saber, com base no testemunho de vira-casacas – que os guardas levaram os revolucionários a uma encruzilhada, amarraram as mãos e atiraram na cabeça de cada um deles. E sabemos que um destacamento de Guardas Nacionais sob o comando de Rigoberto Duarte – cujo filho serviria no governo do presidente conservador Arnoldo Alemán (1997-2002) – levou o corpo de Sandino a um bairro pobre de Manágua e o enterrou em lama e esgoto.

Aqui é onde os fatos começam a se confundir com o folclore. Uma versão mais otimista diz que os pobres moradores do bairro de Larreynaga exumaram o corpo de Sandino e o transportaram para outro lugar, para o enterro de um herói – talvez para as montanhas rochosas de Segovias, onde ele tinha feito sua casa e travado sua guerra. Mas a história mais comum é sombria e amarga: ele diz que os assassinos decapitaram o revolucionário assassinado e, por ordem de Somoza, enviaram sua cabeça para os fuzileiros navais como um gesto de amizade e boa vontade.

Sandino (à direita) com Anastasio Somoza, que mais tarde organizou seu assassinato. A Imprensa.

O que quer que tenha acontecido naquela noite, o assassinato teve efeitos imediatos sobre o país. A Guarda Nacional lançou uma ofensiva enorme contra os militantes de Sandino, aniquilando o que restava de seu movimento, assim como se preparava para iniciar uma experiência radical de autogoverno descentralizado na região agrária do Rio Coco. Então, as milícias começaram a operar impunemente em todo o país; logo seu poder ultrapassou o do governo civil do presidente Sacasa.

Dois anos após o assassinato de Sandino, a Guarda Nacional depôs Sacasa e instalou Anastasio Somoza, inaugurando uma ditadura familiar brutal que perduraria por mais de 40 anos. Uma nova era havia surgido, mas era precisamente o futuro que os simpatizantes de Sandino mais temiam.

Um mundo em mudança

Desde o momento de seu nascimento até sua morte, 39 anos depois, o mundo de Augusto Sandino estava em transformação.

Imagine a América Central no alvorecer do século XX. No planalto guatemalteco, um híbrido peculiar de escravidão de plantação ao estilo americano e de latifundiário feudal persistiu: trabalhadores indígenas trabalhavam em fazendas de café em massa para o benefício das elites crioulas. Os militares, vislumbrados por uma visão de mundo igual à de Napoleão e Dom Quixote, passaram pela presidência como uma doença, ocasionalmente sendo assassinados por seus esforços. Uma ferrovia nacional planejada definhava inacabada, acomodada em um crescimento excessivo a 60 milhas de seu destino na capital.

Enquanto isso, uma piada comum ridicularizava Honduras como muito pobre mesmo para uma oligarquia, e de certa forma era verdade – enquanto uma burguesia ascendente baseada na cidade provincial de San Pedro Sula ganhava uma boa vida exportando bananas, a privação permanecia generalizada e severa. Conforme a economia de exportação crescia, os camponeses desnutridos se aglomeravam em regiões costeiras produtoras de bananas para mendigar por trabalho. Mas mesmo para seus beneficiários bem alimentados, a bonança da banana logo se transformou em um cavalo de Tróia: as tropas norte-americanas desembarcaram em 1903 – a primeira de 7 invasões em 20 anos – e o termo “república das bananas” entrou no léxico diplomático internacional.

Mais ao sul, a fina camada de terra que hoje reconhecemos como Panamá – então ainda parte da Colômbia – se estendeu sem problemas desde a fronteira sul da Costa Rica até a corcunda inchada que molda o topo da América do Sul. A pressão da queda dos preços do café causou tumultos em toda a região, mas talvez em nenhum outro lugar foi mais agudo do que aqui, onde uma sangrenta guerra civil inaugurou o novo século. Os Estados Unidos salivaram, observando o tumulto dos navios de guerra caribenhos e ainda sonhando com um pedaço de terra em forma de canal.

Este foi o mundo em que Augusto Sandino entrou em 1895, o filho indesejado de um crioulo espanhol e seu servo indígena. Na época de seu assassinato, a região já havia sido transformada.

Até então, a Guatemala era governada por um homem forte apoiado pelos EUA, um devoto de Franco e Mussolini que transformou as populações indígenas e “vadios” da nação em exércitos de reserva de trabalho forçado; logo, estradas e trilhos de trem cruzaram a nação montanhosa, e uma base aérea dos EUA foi construída pouco depois. A revolução no México aterrorizou as elites regionais com suas matizes comunistas e inspirou greves de trabalhadores e protestos camponeses em toda a região. Enquanto isso, o Panamá emergiu como um Estado cliente norte-americano por excelência, um corredor para embarcações marítimas empilhadas com riqueza dos EUA, bem guardado por soldados ianques.

Para entender a história de Sandino, precisamos situá-la dentro desta dramática história de transformação, especialmente como ela se desenvolveu na Nicarágua.

Durante a maior parte do século XIX, as elites nicaraguenses uniram suas esperanças de um futuro próspero ao sonho de um canal norte-americano. O roubo da presidência na Nicarágua por William Walker (na verdade, insatisfeito com a presidência, ele se coroou rei) deu aos partidos Liberal e Conservador a causa comum de que precisavam para acabar com a guerra civil em 1858. Desde então até 1893, um acordo de partilha de poder permitiu que ambas as facções coexistissem em relativa harmonia. Naturalmente, não fez mal que os rivais estivessem unidos em sua confiança compartilhada nos parceiros comerciais norte-americanos, para não mencionar seu gosto comum por importações de luxo.

A Nicarágua permaneceu empobrecida. No entanto, uma camada considerável de comerciantes e oligarcas prosperou. Suas empresas produziam muito café, alguma carne, alguma borracha, algum açúcar, e negociavam com vizinhos nacionais como a Costa Rica, bem como com potências financeiras na Bolsa de Nova Iorque.

Os Estados Unidos também colocaram seus dedos no caldeirão nacional, garantindo acesso irrestrito a mercadorias baratas da Nicarágua para seus comerciantes. Esta relação, que uniu as empresas norte-americanas e as elites nicaraguenses na exploração do país, levou ao boom da agro-exportação dos anos 1870 e 1880. Durante todo este processo, as elites nacionais esperavam ansiosamente o influxo em massa de investimentos dos EUA para acompanhar o projeto de construção que todos acreditavam ser iminente.

Canal imaginário da Nicarágua, 1870. Wikimedia Commons

Esta aspiração contribuiu para uma dose saudável de nacionalismo na Nicarágua. Um excelente livro do historiador Michel Gobat descreve a completa americanização da elite governante da nação durante este tempo, que perseguiu um projeto de construção liberal de Estado modelado nos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que se entregou a seus gostos anglófonos em bens de luxo e cultura.

Eventualmente, os excessos percebidos da ideologia norte-americana do “bootstrap” alienaram tanto os oligarcas mais conservadores que se voltariam tanto contra os Estados Unidos quanto contra o capitalismo, alinhando-se com a revolta contra o imperialismo de Sandino enquanto avançavam com sua própria visão de uma hierarquia restaurada. Mas, por enquanto, a classe dominante da Nicarágua ficou reduzida a seu senso de predeterminação, sua certeza de que uma prosperidade sem precedentes logo chegaria sob a forma de uma via marítima estrangeira.

Logo, porém, o conflito no Panamá levou ao famigerado Tratado Hay-Bunau-Varilla e ao estabelecimento da zona do canal norte-americano naquele país. De repente, despojada de um sonho que vinha incubando há gerações, a elite nicaraguense entrou em crise.

O resto da história é bem conhecida: os Estados Unidos lançaram o presidente nicaraguense Zelaya depois que ele tentou resgatar o sonho da sua classe e depois, quase no mesmo fôlego, lembrou da dívida soberana da Nicarágua. O pânico varreu os salões dos super ricos americanizados.

Conservative Party soldiers. 1927. LatinAmericanStudies.org

Aproveitando este caos fabricado, os yankees foram direto para a jugular – eles atravessaram o agora infame Pacto de Dawson, que colocou as finanças nacionais da Nicarágua sob a gestão direta das autoridades norte-americanas. Confrontados com as indignidades desta “diplomacia do dólar”, a classe dominante nicaraguense quebrou. Assim como a paz nacional: a violência irrompeu em 1912, quando generais liberais declararam guerra a um presidente conservador, que prontamente pediu aos fuzileiros navais que interviessem. Tudo isso era o que os Estados Unidos precisavam para lançar sua invasão e iniciar duas décadas de ocupação militar.

Gobat caracteriza este breve surto como uma “revolução burguesa negada”, enfatizando a justa raiva dos nicaraguenses comuns, dirigida aos membros da classe dominante, independentemente de sua filiação política. Ondas de violência contra a elite, que atravessavam tanto os enclaves liberais quanto os conservadores, enquanto os oligarcas briguentos atiravam entre si. Mas os partidos rivais apressaram-se em encontrar um terreno comum quando a violência de base se descontrolou.

Em 1927, o líder rebelde liberal José María Moncada concordou com os invasores ianques, aceitando a contínua supervisão norte-americana em troca de uma presidência liberal restaurada. Sandino e seus seguidores viram isso como uma traição imperdoável. Como Sandino descreveu mais tarde, “Moncada percebeu que poderia alcançar sua antiga ambição de se tornar presidente sem considerar que o país estava sendo rendido de novo aos intervencionistas [norte-americanos]”.

Sandino recusou-se a depor suas armas e liderou um batalhão de soldados fiéis para o interior. Enquanto isso, seus antigos companheiros liberais aceitaram os termos do armistício e se estabeleceram como governantes civis. O período de insurgência guerrilheira começou – e o lendário Manifesto de San Albino de Sandino anunciou o novo conflito ao mundo.

Abrigando-se em áreas remotas, os fiéis de Sandino travaram uma guerra clandestina contra os Marines e seus colaboradores locais, tanto liberais como conservadores, trabalhando para expulsar os vendepatrias traidores (mais ou menos vendedores de países) e restaurar a soberania da Nicarágua.

As façanhas de Sandino são uma lenda. Suas expedições militares entre 1927 e 1933 foram bem estudadas, e um impressionante repositório online de fontes primárias documenta os detalhes de sua insurgência. Mas o caráter político específico do movimento revolucionário de Sandino – para não mencionar sua eclética ideologia pessoal – continua nebuloso e mal compreendido.

O verdadeiro Sandino?

Em 1936, o ditador Anastasio Somoza publicou um livro chamado O Verdadeiro Sandino, ou A Agonia dos Segovias. Foi mais tarde republicado em 1974, quando um movimento revolucionário chamado pela insurreição de Sandino ameaçou o poder do filho de Somoza.

Durante muitos anos este foi o único livro sobre Sandino disponível na Nicarágua. Mas o “verdadeiro Sandino” de Somoza era uma caricatura do líder rebelde, um boogieman concebido para vandalizar a memória da insurgência de Segóvia e impedir a reputação de Sandino como um herói popular de tomar posse. Durante todo o tempo, Somoza caracterizou os combatentes de Sandino como um “bando impiedoso” de criminosos, que caíram sob o feitiço de um bolchevique pagão com apetite para a carnificina. Previsivelmente, Sandino apareceu como a antítese de todas as coisas nicaraguenses – se a Nicarágua era católica, liberal e calma, Sandino tornou-se apóstata, radical e impiedoso.

A campanha de difamação de Somoza teve mais ou menos sucesso, por um tempo. Nos anos 60, no entanto, os jovens nicaraguenses viram uma oportunidade de fazer mitos populares em escala nacional. Um deles, um bibliotecário de óculos chamado Carlos Fonseca, passou a formar a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) em 1963. Sua escrita ajudou a restaurar Sandino como um símbolo de libertação popular.

Desde então, o nome e a imagem de Sandino se tornaram onipresentes na Nicarágua. Mas o prolongado cabo de guerra sobre sua memória criou uma névoa em torno de sua orientação política específica, uma nebulosidade apenas intensificada por sua ideologia pessoal eclética.

As próprias condições de seu nascimento o implicaram na história obscura da coerção sexual e da hierarquia racial do continente – uma história de origem comum que infelizmente fez Sandino e muitos outros como ele simpatizarem com o pensamento racial eugênico e pseudo espiritual. Além disso, Sandino afirmou ter testemunhado a invasão marinha de 1912 que resultou na morte do herói nacional Benjamin Zeledón, cujo cadáver foi içado em um carro de boi fedorento diante dos olhos do jovem Sandino – e diante dos olhos de uma nação indignada.

Nove anos mais tarde, a pobreza generalizada obrigou Sandino a se mudar para o México em busca de trabalho. (O fato de que um policial irritante estava atrás do seu rastro após uma tentativa de assassinato em sua Niquinohomo nativa sem dúvida ajudou a acender um fogo sob os pés de um imigrante de cabeça quente).

Sandino (centro) cercado por camaradas, incluindo o comunista salvadorenho Augustín Farabundo Martí e o revolucionário dominicano Urbano Gilbert, em 1927. LatinAmericanStudies.org

Sandino chegou ao México em um momento político emocionante. O longo período de conflito armado da Revolução Mexicana estava chegando ao fim e uma ampla coalizão social havia surgido para defender as reformas duramente conquistadas pelos rebeldes, institucionalizadas na Constituição de 1917 e encarnadas pelo presidente ascendente Álvaro Obregón.

Trabalhando em um campo petrolífero de propriedade da North American Standard Oil, Sandino tinha um lugar na primeira fila para os processos de proletarização e luta de classes em ascensão, varrendo então a região. Lá, ele começou a montar sua ideologia.

No México, Sandino encontrou o movimento comunista internacional e começou a considerar a possibilidade de uma revolução social, mas também ficou encantado com o pensamento milenar racial então em voga em toda a região e com o ocultismo que, para alguns, representava o zeitgeist da época.

Vista de um ângulo, as credenciais socialistas de Sandino parecem ser herméticas: ele manteve um relacionamento com a Internacional Comunista através do Partido Comunista Mexicano durante toda sua vida. Durante algum tempo, ele colaborou estreitamente com Augustín Farabundo Martí, o revolucionário salvadorenho que fundou o pequeno Partido Comunista Centro-Americano. Além disso, Sandino correspondia rotineiramente com o marxista peruano José Carlos Mariátegui, que publicou as cartas da Nicarágua em sua revista Amauta, um importante veículo radical na época. Sandino até se voluntariou para fazer um tour pela Europa com a Liga Mundial AntiImperialista do Comintern, mas a viagem acabou sendo cancelada.

Mas ele era também um espírita milenar, profundamente imerso no fascínio do início do século XX pelo ocultismo que se espalhou como fogo selvagem pelas salas de estar e pelos centros de encontro dos Estados Unidos e do México pós-revolucionário. Uma organização espírita em particular teve um efeito profundo no desenvolvimento político de Sandino: a Escola Espírita Magnética da Comuna Universal (EMECU), fundada e controlada pelo ocultista basco Joaquín Trincado.

Trincado acreditava que uma substância universal unia todos os seres humanos em uma essência metafísica compartilhada. Ele distinguiu fortemente sua filosofia do espiritualismo ocultista – que ele e seus seguidores viam como uma superstição sem fundamento – ao tomar emprestado das tendências políticas e científicas. Como qualquer boa utopia religiosa, Trincado deu um toque de lucidez à sua visão da boa sociedade ao desviar elementos das filosofias dominantes da época, e assim sua comunidade universal – a expressão social da iluminação espiritual universal – assumiu um sabor distintamente socialista no caldo do México revolucionário. As aspirações revolucionárias de Sandino encontraram uma contrapartida espiritual na utopia de Trincado.

Mas Trincado e seus seguidores também compraram a ideologia eugênica da perfeição racial, então popular entre os intelectuais latino-americanos. Esta noção – que o filósofo mexicano José Vasconcelos expressou de forma mais notória em 1925 – sustentava que a mistura racial nas Américas havia criado uma versão fisicamente perfeita, espiritualmente ideal e politicamente transcendente da humanidade. Esta crença retrógrada inspirou a política de Trincado tanto quanto a sua espiritualidade.

Trincado acreditava que os membros instruídos naquilo que ele chamou de “a raça adâmica” – o dom demográfico da América espanhola para a história – iriam povoar sua comunidade universal. Para conseguir isso, ele tentou organizar a União Hispano-Americana Oceânica, um veículo político destinado a unir os países hispano-americanos de língua espanhola como um primeiro passo em direção à sua civilização utópica.

A ideologia que Sandino aprendeu com Trincado foi sem dúvida racista e repreensível, apesar de ser, pelo menos, uma tentativa mal orientada do revolucionário de reabilitá-la. Especialmente no contexto nicaraguense, o pensamento racial milenar de Sandino tinha tons arrepiantes.

Até hoje, metade da população da Nicarágua permanece povoada por afrodescendentes e indígenas que há muito mantém uma postura de oposição ao Estado. E por uma boa razão: o governo nicaraguense, sediado no lado mestiço do Pacífico, anexou e invadiu repetidamente os territórios indígenas autônomos na costa atlântica ao longo dos séculos XIX e XX. A unificação nacional – código de controle mestiço sobre territórios indígenas – era uma aspiração central do Estado desenvolvimentista de Zelaya.

Apesar de ter mantido uma relação positiva com muitos indígenas Miskitu durante sua campanha guerrilheira, os registros de Sandino revelam que ele continuou pensando em sua luta anticolonial em termos explicitamente raciais; seus escritos sobreviventes estão repletos de referências à suprema “raça indo-hispânica”. Este pensamento racializado, juntamente com uma série de desacordos táticos específicos, colocaram Sandino em desacordo com o Comintern.

Quando lançou Sandino, a FSLN, claramente de esquerda, expulsou discretamente grande parte deste conteúdo ideológico perturbador, reunindo uma imagem do líder guerrilheiro que se parecia muito mais com Farabundo Martí do que com Joaquín Trincado. Mas um pedaço desta história ocultista, pelo menos, permanece firmemente embutido no “sandinismo” atualizado e reimaginado do século XXI.

A FSLN, que agora controla o Estado nicaraguense, ainda usa o slogan da escola de Trincado como seu próprio slogan. “Siempre más allá”, um mantra que uma vez decorou panfletos espíritas na década de 1920 no México, e que pode ser encontrado hoje estampado em cartazes eleitorais sandinistas em toda a Nicarágua.

O legado de sandinista

Sandino levou a educação que começou no México de volta à Nicarágua, onde rapidamente desenvolveu um programa político idiossincrático que ligava o socialismo utópico ao espiritualismo milenar.

Ao fazer isso, ele também avançou numa crítica intransigente ao imperialismo norte-americano. E em 1926, ele liderou um destacamento de mineiros de ouro em um assalto contra uma guarnição conservadora, enraizando-se com as seções mais militantes do Partido Liberal.

O resto que veio em seguida, é claro, já foi dito – sua cisão com as vendepatrias liberais em 1927, sua retirada tática para as montanhas, sua insurgência bem sucedida, seu assassinato no final da noite de 1934, e finalmente, seu último enterro em excrementos e sujeira.

Fuzileiros navais dos EUA posam com uma bandeira de guerrilha capturada, por volta de 1930. LatinAmericanStudies.org

Durante sua tenaz luta contra a ocupação norte-americana, Sandino e seus guerrilheiros foram adorados por setores da esquerda internacional. Mas hoje devemos ser cautelosos em reivindicar acriticamente Sandino como um dos nossos.

Augusto Sandino foi um nacionalista radical, lutando com unhas e dentes durante a maior parte de sua curta vida para expulsar os fuzileiros de sua casa. Isto representava sua luta imediata e sua prioridade absoluta; sem surpresas – mesmo apropriadamente – suas alianças com ambos os partidos nacionais e formações políticas internacionais eram estratégicas. Como tal, ele se tornou um companheiro de viagem do movimento comunista do século XX, mas dificilmente um quadro disciplinado.

Sua ideologia era eclética até o ponto de contradição. Em Sandino, as correntes compensatórias do comunismo internacional e do espiritismo ocultista, desviadas através do funil do chauvinismo racial, enrolaram-se em uma dupla hélice volátil que se sustentava independentemente dos apegos ideológicos que a formavam. Não podemos separar a estranha e confusa ideologia de Sandino do contexto particular de seu mundo em rápida mudança.

Sandino não era um líder ideológico, embora alguns tenham tentado pintá-lo dessa forma. É verdade que no final de sua vida ele havia começado a traçar planos para comunidades locais autônomas, mas ele nunca forneceu detalhes específicos sobre sua organização e parecia mais preocupado com seu potencial espiritual do que com sua política. Seu legado está em outro lugar.

A razão pela qual nos lembramos de Sandino hoje – e a razão pela qual seu nome se tornou um grito de alerta para gerações de revolucionários nicaraguenses – é que seu estranho turbilhão de ideias o levou a entrar em conflito direto com o imperialismo norte-americano. Ele lutou contra os fuzileiros navais com tanta força e tenacidade quanto pôde reunir, mobilizando um grande número de pessoas comuns na luta contra a ocupação, mesmo quando seus líderes concordaram e aceitaram o domínio.

A luta global contra o império norte-americano continua. O imperialismo ascendente que Sandino encontrou nos Segovias floriu em nossa realidade atual: a Guerra Fria trouxe os yankees de volta à Nicarágua, e hoje a “guerra ao terror” aprofunda os compromissos imperiais dos Estados Unidos enquanto estende seu poder militar por todo o mundo.

Durante gerações, os Estados Unidos operaram com impunidade. Os movimentos revolucionários e de libertação nacional têm travado lutas corajosas em resposta a isso. Mas muitas vezes, para as pessoas comuns em todo o mundo, a história da resistência popular à conquista norte-americana termina em derrota catastrófica.

Ainda assim, ocasionalmente, em lugares como Vietnã, Cuba e Nicarágua, algo inesperado aconteceu. Estas vitórias incomuns contra o domínio norte-americano têm muitas vezes ramificações incertas, mas um de seus efeitos imediatos é conceder aos historiadores o raro prazer de registrar uma frase como esta:

Há menos de cem anos, um pobre revolucionário chamado Augusto César Sandino declarou guerra aos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos – e venceu.

Apoiadores de Sandino posam com uma bandeira americana capturada em uma reunião no México, por volta de 1930. LatinAmericanStudies.org

Sobre os autores

é doutorando em geografia na Rutgers, The State University of New Jersey.

Cierre

Arquivado como

Published in América Central, Análise, Guerra e imperialismo and História

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux