Press "Enter" to skip to content

O tecno feudalismo está dominando

[molongui_author_box]
Tradução
Gercyane Oliveira

A afirmação de que o capitalismo está sendo derrubado por um novo modo econômico vem no encalço de muitas previsões prematuras do fim do capitalismo, especialmente pela esquerda. Mas desta vez pode bem ser verdade, e os sinais disso já são visíveis há algum tempo.

É assim que termina o capitalismo: não com um estrondo revolucionário, mas com um lamúria evolucionária. Assim como deslocou o feudalismo gradualmente, sub-repticiamente, até que um dia o grosso das relações humanas se baseou no mercado e o feudalismo foi varrido, o capitalismo hoje está sendo derrubado por um novo modo econômico: o tecno-feudalismo.

Esta é uma grande reivindicação que vem no calcanhar de muitas previsões prematuras do fim do capitalismo, especialmente a partir da esquerda. Mas desta vez pode muito bem ser verdade.

As pistas já são visíveis há algum tempo. Os preços dos títulos e das ações, que deveriam estar se movendo em direções nitidamente opostas, têm disparado em uníssono, caindo ocasionalmente, mas sempre em passo de tranca. Da mesma forma, o custo do capital (o retorno exigido para possuir um título) deveria estar caindo com volatilidade; ao invés disso, ele tem aumentado à medida que os retornos futuros se tornam mais incertos.

Talvez o sinal mais claro de que algo sério está em curso tenha aparecido em 12 de agosto do ano passado. Naquele dia, soubemos que, nos primeiros sete meses de 2020, a renda nacional do Reino Unido havia diminuído mais de 20%, bem acima até mesmo das previsões mais sujas. Alguns minutos depois, a Bolsa de Valores de Londres saltou mais de 2%. Nada comparável jamais havia ocorrido. As finanças tinham se tornado totalmente dissociadas da economia real.

Mas será que estes desenvolvimentos sem precedentes significam realmente que não vivemos mais sob o capitalismo? Afinal de contas, o capitalismo já passou por transformações fundamentais. Não deveríamos simplesmente nos preparar para sua última encarnação? Não, eu acho que não. O que estamos vivendo não é apenas mais uma metamorfose do capitalismo. É algo mais profundo e preocupante.

Sim, o capitalismo sofreu transformações extremas pelo menos duas vezes desde o final do século dezenove. Sua primeira grande transformação, de seu disfarce competitivo em oligopólio, ocorreu com a segunda revolução industrial, quando o eletromagnetismo introduziu as grandes corporações em rede e os megabancos necessários para financiá-las. Ford, Edison e Krupp substituíram o padeiro, cervejeiro e açougueiro de Adam Smith como os principais impulsionadores da história. O ciclo turbulento de grandes dívidas e mega-revoluções que se seguiu levou ao colapso de 1929, o New Deal e, após a Segunda Guerra Mundial, o sistema Bretton Woods – que, com todas as suas restrições financeiras, proporcionou um raro período de estabilidade.

O fim de Bretton Woods em 1971 desencadeou a segunda transformação do capitalismo. Como o crescente déficit comercial dos Estados Unidos tornou-se o fornecedor mundial da demanda agregada – sugando as exportações líquidas da Alemanha, Japão e, mais tarde, da China – a fase de globalização mais enérgica do capitalismo americano, com um fluxo constante de lucros alemães, japoneses e, mais tarde, chineses de volta a Wall Street financiando tudo isso.

Para desempenhar seu papel, entretanto, os funcionários de Wall Street exigiram emancipação de todas as restrições do New Deal e de Bretton Woods. Com a desregulamentação, o capitalismo oligopolista se transformou em capitalismo financeiro. Assim como Ford, Edison e Krupp haviam substituído o padeiro, cervejeiro e açougueiro de Smith, os novos protagonistas do capitalismo foram Goldman Sachs, JP Morgan e Lehman Brothers.

Embora estas transformações radicais tenham tido repercussões importantes (a Grande Depressão, a Segunda Guerra Mundial, a Grande Recessão e a Estagnação Pós-2009), elas não alteraram a principal característica do capitalismo: um sistema impulsionado pelo lucro privado e aluguéis extraídos através de algum mercado. Sim, a transição do capitalismo smithiano para o capitalismo oligopolista impulsionou os lucros desordenadamente e permitiu que os conglomerados usassem seu enorme poder de mercado (ou seja, sua nova liberdade da concorrência) para extrair grandes rendas dos consumidores. Sim, Wall Street extraiu aluguéis da sociedade através de formas de roubo à luz do dia baseadas no mercado. No entanto, tanto o oligopólio quanto o capitalismo financeiro foram impulsionados pelos lucros privados impulsionados pelos aluguéis extraídos através de algum mercado — um mercado monopolizado, digamos, pela General Electric ou Coca-Cola, ou conjurado pela Goldman Sachs.

Então, depois de 2008, tudo mudou. Desde que os bancos centrais do G7 se uniram em abril de 2009 para usar sua capacidade de impressão de dinheiro para refazer as finanças globais, surgiu uma profunda descontinuidade. Hoje, a economia global é alimentada pela geração constante de dinheiro do banco central, e não pelo lucro privado. Enquanto isso, a extração de valor tem se deslocado cada vez mais dos mercados e para plataformas digitais, como Facebook e Amazon, que não operam mais como empresas oligopolísticas, mas sim como feudos ou propriedades privadas. Que os balanços dos bancos centrais, e não os lucros, fortalecem o sistema econômico, explica o que aconteceu em 12 de agosto de 2020.

Ao ouvir as notícias sombrias, os financiadores pensaram: “Ótimo! O Banco da Inglaterra, em pânico, vai imprimir ainda mais libras e canalizá-las para nós. Está na hora de comprar ações”! Em todo o Ocidente, os bancos centrais imprimem dinheiro que os financiadores emprestam às corporações, que depois o utilizam para comprar de volta suas ações (cujos preços se dissociaram dos lucros). Enquanto isso, as plataformas digitais substituíram os mercados como o locus da extração de riqueza privada. Pela primeira vez na história, quase todos produzem de graça o capital social de grandes corporações. Isso é o que significa carregar coisas no Facebook ou se deslocar enquanto estiver ligado ao Google Maps. Não é, naturalmente, que os setores capitalistas tradicionais tenham desaparecido. 

No início do século XIX, muitas relações feudais permaneceram intactas, mas as relações capitalistas haviam começado a dominar. Hoje, as relações capitalistas permanecem intactas, mas as relações tecno-feudalistas começaram a ultrapassá-las.

Se eu estiver certo, todo programa de estímulo deve ser, ao mesmo tempo, grande e pequeno demais. Nenhuma taxa de juros jamais será consistente com o pleno emprego sem precipitar falências sequenciais de empresas. E a política de classe na qual os partidos que favorecem o capital competem contra os partidos mais próximos do trabalho está terminada.

Mas enquanto o capitalismo pode terminar com um lamuriar, o estrondo pode logo se seguir. Se aqueles que estão na extremidade receptora da exploração tecno feudal e da desigualdade intelectual encontrarem uma voz coletiva, ela será muito barulhenta.

Sobre os autores

foi ministro das Finanças da Grécia durante os primeiros meses do governo liderado pelo Syriza em 2015. É autor dos livros "Minotauro Global", "E os fracos sofrem o que devem?" e "Adultos na sala", todos publicados pela editora Autonomia Literária.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Economia, Europa and Tecnologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2023 © - JacobinBrasil. Desenvolvido & Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux