O golpe da extrema-direita na Bolívia

15/11/2019

Por
Matt Wilgress

Tradução
Cauê Ameni

Militares, policiais e fanáticos de direita orquestraram um golpe contra o governo eleito democraticamente. Mesmo com instituições internacionais denunciando a farsa, eles pretendem permanecer no poder para vender as riquezas naturais do país e perseguir seus adversários – indígenas, progressistas e os mais pobres.

A presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez fala durante uma conferência no palácio presidencial de 13 de novembro de 2019 em La Paz, Bolívia. Javier Mamani / Getty Images

Os últimos dias foram de trágicas consequências para a Bolívia após o golpe contra Evo Morales e seu governo: manifestantes que defendem a democracia em El Alto abatidos, apoiadores do partido Movimento ao Socialismo (MAS) de Morales se trancaram em suas casas, funcionários públicos mascarados e policiais desfilaram na frente de câmeras de televisão e o exército foi enviado às ruas.

No momento em que escrevo, a provocadora direitista Jeanine Áñez se auto-declarou presidente da Bolívia. Áñez é uma supremacista branca que twittou como ela “sonha com uma Bolívia livre de ritos satânicos indígenas” e como a capital “não é para os índios – eles pertencem ao planalto ou ao Chaco”. Ela era aprovado ontem por um parlamento sem a maioria de seus representantes eleitos, o que significa que ele não cumpriu os requisitos constitucionais em termos de quorum. A linha de sucessão também foi ignorada. Mas nada disso realmente importa para o exército, que agora administra a Bolívia.

Essas manobras mostram que, independentemente do que reivindicam os meios de comunicação “liberais”, os acontecimentos recentes na Bolívia equivalem a um golpe. Foi uma tomada de poder contra normas democráticas organizadas por uma elite de direita que rejeitou qualquer processo de diálogo ou mesmo a oferta de Morales de uma nova eleição. Essa realidade foi reconhecida por forças progressistas em todo o hemisfério ocidental, do ministro das Relações Exteriores mexicano Marcelo Ebrard ao presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, do recém-liberto Lula no Brasil à política estadunidense Ilhan Omar, que escolheu suas palavras de forma sucinta: “Existe apenas uma palavra quando o presidente de um país é derrubado por militares. Isso é chamado de golpe”.

As Forças Armadas bolivianas forçaram Morales a renunciar o cargo após uma onda de violência promovido pela oposição que atacou os apoiadores do governo progressista e, em particular, a população indígena e camponesa do país. Surpreendentemente, eles também saquearam a casa presidencial de Morales e queimaram a casa de sua irmã. Houve também o envolvimento de forças de segurança trabalhando com gangues de direita para prender partidários do MAS nos bairros mais pobres das cidades boliviano.

Um caso particularmente chocante foi o de Patricia Arce, a prefeita de Vinto, no coração do MAS de Cochabamba. Multidões golpistas a detiveram, rasparam os cabelos, cobriram-na de tinta vermelha, a cor da direita na Bolívia – e a forçaram a andar descalça por Vinto, ajoelhar-se e pedir perdão por apoiar Morales. Ela se recusou a se desculpar e acabou sendo resgatada por manifestantes pró-Morales, mas isso não impediu que a prefeitura de Vinto fosse incendiada.

Enquanto isso, patrulhas policiais e militares tomam as ruas de La Paz, montando barricadas para bloquear que manifestantes pró-Morales marcham pela cidade. Hoje, confrontos violentos entre forças golpistas e manifestantes indígenas resultaram em pelo menos seis bolivianos sendo baleados e aproximadamente trinta feridos. A polícia enviou vídeos de mídias sociais removendo a bandeira indígena Wiphala de seus uniformes e prédios públicos – os vídeos mostram também eles juntos com gangues de extrema-direita armadas, ameaçando os apoiadores do MAS em todo o país.

O golpe foi incentivado pela direita boliviano após perder a eleição de 20 de outubro, quando o MAS venceu com 47,8% dos votos, à frente do principal candidato da direita, Carlos Mesa, que teve apenas 36,5% votos. Além disso, o MAS conquistou maiorias no Congresso e no Senado. A Organização dos Estados Americanos (OEA), amiga dos EUA, alegou que a eleição continha irregularidades – mas o think tank norte-americano Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR), apresentou um documento detalhado sobre a eleição e conclui que “não há evidências de que irregularidades ou fraudes tenham afetado o resultado oficial que deu a Morales uma vitória no primeiro turno”.

É provável que essa situação se intensifique nos próximos dias, sobretudo por que o golpe deve pavimentar um governo de extrema direita apoiado por uma minoria. Além disso, esses desenvolvimentos foram bem-vindos pelo governo Trump, que tem laços estreitos com os líderes do golpe. Os Estados Unidos pressionam por um golpe de Estado na Bolívia há algum tempo, apoiando elementos de extrema-direita no país e agora recebeu o resultado como uma vitória democrática.

Em 12 de abril, o Senado dos EUA aprovou uma resolução expressando “preocupação” com a vontade de Morales pelo quarto mandato à presidência. Eles citaram um referendo que o presidente havia perdido por pouco em 2016 para mudar a constituição – mas ignoraram a decisão do Supremo Tribunal Eleitoral da Bolívia (TSE) em janeiro de 2019, decretando que Morales poderia concorrer. Surpreendentemente, no mesmo dia, um grupo de quinze parlamentares da oposição de direita enviou uma carta a Donald Trump, pedindo aos Estados Unidos “para interceder na América Latina e impedir Evo Morales de concorrer novamente à presidência da Bolívia”.

É cada vez mais claro que as empresas norte-americanas têm projetos para as reservas de lítio da Bolívia, que são as maiores detidas por qualquer país. Morales já havia sinalizado seus planos de nacionalizar a indústria do lítio – que se tornará um mercado ainda mais sério à medida que os carros elétricos se tornarem mais utilizados – e competir no mercado internacional em vez de oferecer recursos a preços de barganha para empresas multinacionais.

Apesar das Forças Armadas estarem contra os progressistas na Bolívia, a luta não acabou. No momento, em La Paz, milhares de apoiadores de Evo Morales estão se mobilizando em rejeição à violência e ao racismo do golpe de Estado. Internacionalmente, a oposição ao golpe também está aumentando. Bernie Sanders, Jeremy Corbyn e Pablo Iglesias, entre os outros líderes da esquerda européia, condenaram o golpe, com o potencial futuro primeiro-ministro da Grã-Bretanha tuitando que ele apoia a luta do povo boliviano por “democracia, justiça social e independência”.

Devemos oferecer solidariedade àqueles que resistem ao golpe na Bolívia, tomando as ruas e organizando manifestações em apoio a Morales e aos movimentos progressistas e indígenas do país. Agora, refugiado político no México, Evo Morales jurou que retornará à Bolívia para enfrentar as forças do autoritarismo. No caminho para o exílio, ele escreveu que “é muito grato à solidariedade do povo, irmãos da Bolívia e do mundo, que nos enviam mensagens de reconhecimento que nos incentivam, fortalecem e energizam. Eles me comoveram até cair lágrimas. Eles nunca me abandonaram; Eu nunca vou abandoná-los.”

Progressistas de todo o mundo devem acompanhar de perto o desenrolar da situação na Bolívia, à medida que aumentam as pressões nos próximos dias. É hora de lutar para garantir que não haja retorno aos dias sombrios das décadas de 1970 e 1980 na América Latina.

Sobre os autores

Matt Wilgress é membro do "Friends of Bolivia".