Press "Enter" to skip to content
Considerado um herói após a derrota dos alemães em Verdun, o marechal Henri Philippe Pétain estabeleceu o regime de Vichy no norte da França em 1940. (Hulton Archive / Getty Images)

O regime pró-nazista de Vichy da França ainda tem defensores

UMA ENTREVISTA COM
Tradução
Felipe Kusnitzki

O regime colaboracionista francês de Vichy ajudou a Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Com os candidatos de extrema direita ressurgindo nas eleições francesas, fica claro que ainda há pessoas que acham que isso foi uma coisa boa.

UMA ENTREVISTA DE

Daniel Finn

A vida política francesa ainda é marcada por uma ruptura dramática que se abriu no verão de 1940. Depois que o exército francês sofreu pesadas perdas no campo de batalha contra a Alemanha, o parlamento do país entregou o poder a Phillippe Pétain, um herói de guerra altamente condecorado.

Pétain assinou um acordo com Hitler que deixou o norte da França sob o domínio direto da Alemanha. Ele estabeleceu seu próprio regime na cidade de Vichy, que se tornou sinônimo de colaboração na Europa ocupada. Oficiais de Vichy organizaram a deportação de judeus para os campos de extermínio nazistas.

Enquanto isso, um oficial francês renegado, Charles De Gaulle, foi para Londres e prometeu lutar. Dentro da França, grupos de resistência começaram a se organizar para lutar contra a Alemanha nazista e seus colaboradores franceses.

Desde a libertação da França pelos Aliados em 1944, um debate acirrado vem sendo travado na política francesa sobre a experiência de ocupação e resistência durante a guerra. O debate continua a ser uma questão de contestação política até hoje.

Jim Wolfreys ensina política francesa no King’s College, em Londres. Ele é o autor de Republic of Islamophobia: The Rise of Respectable Racism in France. Esta é uma transcrição editada de um episódio do podcast Jacobin’s Long Reads. Você pode ouvir o episódio aqui.


DF

Como você explicaria a rápida capitulação francesa à Alemanha nazista no verão de 1940? Foi ditado principalmente por fatores militares ou havia um espírito derrotista entre a classe dominante francesa por outras razões?

JW

A derrota da França levou seis semanas. Este era um Exército que deveria ser o melhor da Europa, então a queda da França foi um grande choque. A linha de Phillippe Pétain após a derrota era um produto da Frente Popular. Ele afirmou que a França havia se tornado decadente e que as deficiências militares eram basicamente um reflexo das fraquezas políticas herdadas da política da década de 1930.

Este era um argumento muito importante, porque se pudesse ser estabelecido que a derrota era um sintoma de outra coisa, então o armistício e as políticas colaboracionistas do regime de Vichy poderiam se tornar mais palatáveis. Supostamente, a Terceira República criou uma situação que levou à derrota e, portanto, o imperativo não era se opor à força da ocupação; em vez disso, estava estabelecendo as medidas radicais necessárias para a renovação nacional.

Charles de Gaulle, por outro lado, argumentou que as falhas militares estavam na raiz da derrota. Ele disse que era uma questão de tática e que o comando militar francês havia sido pego de surpresa. Havia alguma verdade nisso, embora estudos tenham mostrado posteriormente que a França não estava necessariamente pior preparada do que a Grã-Bretanha. A Alemanha tinha uma estratégia militar superior, fazendo uso de divisões móveis, tanques e aeronaves, mas a França se mobilizou maciçamente para a guerra.

A batalha da França foi um conflito real, e não era simplesmente uma questão do Exército francês entrar em colapso imediatamente. Houve erros cometidos com estratégias defensivas por parte dos franceses, mas a noção de que a decadência ou a natureza polarizada da política eram os culpados não é realmente um argumento crível.

A verdadeira capitulação veio após a derrota militar, quando as elites francesas fizeram acordos com Vichy: primeiro, o armistício, e depois o próprio processo de colaboração, que pôs em movimento uma lógica que levou a França a uma cumplicidade cada vez maior com a força da ocupação.

DF

Até que ponto o regime de Vichy, que se formou após a rendição francesa, era um produto caseiro, por assim dizer? Como se compara a outros Estados autoritários de direita da época, de Hitler e Mussolini a Franco e Salazar?

JW

A principal diferença em termos do regime de Vichy foi que ele chegou ao poder com uma derrota, então era um governo subordinado. Ele tinha muitos paralelos com regimes fascistas e autoritários em outros lugares. Tinha uma agenda autoritária, racista e elitista. Criou redes de informantes e mais tarde desenvolveu uma milícia. Mas não chegou ao poder por trás de um movimento de massa independente. Não tinha as mesmas raízes na sociedade que Hitler ou Mussolini.

Havia semelhanças com o catolicismo reacionário do regime de Franco. Vichy baseou-se na política fundamentalista católica de Charles Maurras e seu partido Action Française, com sua identificação de elementos “anti-nacionais” que precisavam ser erradicados. Nesse sentido, a “revolução nacional” de Vichy era parte de uma longa tradição radical, reacionária e anti-semita que se desenvolveu em oposição à Revolução Francesa e à extensão da democracia. Também foi influenciado pelas organizações fascistas que surgiram na França após a Primeira Guerra Mundial.

Com o passar do tempo, o regime passou a depender cada vez mais da repressão, com a centralização da força policial e o estabelecimento de uma milícia. Colaboradores pró-nazistas desempenharam um papel cada vez mais proeminente. Mas a colaboração também significava estar em conformidade com um novo status quo – não era simplesmente uma questão de filiação ideológica. Havia uma suposição de que uma Europa nazista era inevitável: este era o futuro, e a República havia chegado ao fim. Houve participação no regime das elites estabelecidas.

O papel da França na Segunda Guerra Mundial está constantemente aberto ao debate, girando em torno de temas semelhantes, mas sempre refratados pela política contemporânea.”

Você pode ver uma fusão de diferentes elementos no regime de Vichy, de forma semelhante aos processos que ocorreram na Alemanha, Itália, Espanha e Portugal, mas com a diferença de que isso ocorreu após uma derrota militar. Robert Paxton fala sobre Vichy como um episódio de uma guerra civil francesa. As tradições antissemitas, de direita e reacionárias que preexistiam à derrota também foram importantes.

DF

O regime de Vichy possuía algum grau significativo de autonomia da Alemanha nazista, apesar da ocupação?

JW

O regime tentou afirmar um grau de autonomia, ideologicamente através de sua noção de uma revolução nacional – a ideia de que a França precisava expurgar a decadência causada pela existência de forças “anti-nacionais” dentro da França, como judeus, maçons, comunistas, e estrangeiros. Havia uma lógica de exclusão inerente ao regime desde o início e um foco na necessidade de purificar a França de inimigos internos.

Em termos de quanta autonomia Vichy realmente tinha, havia fases diferentes, mas no geral, essa autonomia era em grande parte uma ilusão. Inicialmente, havia uma ênfase em Pétain como uma figura supostamente benigna – o herói de Verdun e o amigo do soldado comum. Durante esse período inicial de confusão após a derrota, podemos dizer que houve amplo apoio passivo a Pétain. A ênfase estava no trabalho, família, pátria, como dizia o slogan, com a implementação de medidas reacionárias sobre aborto e divórcio, mas também a própria legislação anti-semita de Vichy.

Esta tentativa de purificar a França da influência judaica foi iniciada sem ordens das forças de ocupação. Casos de nacionalidade francesa que haviam sido concedidas a imigrantes judeus na década anterior à derrota foram revistos. Eles foram internados em campos de judeus franceses, depois enviados para os campos de extermínio nazistas. Houve participação e cumplicidade nos crimes da ocupação de uma forma que não foi simplesmente impingida ao regime de fora.

No entanto, a ideia de que Vichy tinha alguma capacidade de agir de forma independente mostrou-se ilusória à medida que a guerra se desenrolava. A partir de novembro de 1942, a zona ocupada foi estendida a toda França. O serviço de trabalho obrigatório na Alemanha foi introduzido e 700 mil trabalhadores franceses foram para a Alemanha.

Nesse contexto, a noção de que o regime era independente da Alemanha era absurda. A França contribuiu com mais trabalhadores qualificados para o esforço de guerra do que qualquer outra nação ocupada. Os historiadores posteriormente argumentaram que as condições em uma França diretamente administrada pelos nazistas não teriam sido pior do que na França ocupada com um regime fantoche cúmplice.

DF

Como se desenvolveu a resistência a Vichy e ao nazismo? Qual era a relação entre a resistência interna, por um lado, e as forças francesas livres lideradas por De Gaulle de fora da França, por outro?

JW

No início, houve alguma resistência, mas permaneceu bastante limitada, esporádica e simbólica. Isso mudou quando a Alemanha invadiu a União Soviética em junho de 1941. O Partido Comunista Francês então se engajou oficialmente na resistência armada por meio de sabotagem e morte de soldados alemães. A introdução do trabalho compulsório na Alemanha a partir de 1943 fortaleceu essa resistência na França. Mas esses grupos eram geralmente descoordenados e sem sentido, certamente durante a primeira metade da guerra.

Fora da França, de Gaulle, que era uma figura relativamente desconhecida em 1940, estabeleceu a si mesmo e suas forças da França Livre como uma espécie de governo em espera. Ele desempenhou um papel na mobilização de apoio à resistência nas colônias francesas. Quando a Grã-Bretanha e os Estados Unidos invadiram o norte da África em 1942, as tropas francesas mudaram a lealdade de Vichy para os franceses livres, e De Gaulle gradualmente afirmou o controle das forças França Livre fora da França.

Dentro da França, os diferentes grupos de resistência foram reunidos em 1943 e um Conselho Nacional da Resistência foi criado. Ele elaborou planos para um governo pós-guerra. O representante de De Gaulle, Jean Moulin, desempenhou um papel importante nisso. Ele foi morto por Klaus Barbie cerca de um mês após a criação do Conselho Nacional da Resistência. O status de Moulin como herói de guerra foi posteriormente estabelecido como parte da narrativa que se desenvolveu no período pós-guerra sobre a resistência.

DF

Você diria que a posição do Partido Comunista Francês foi minada a longo prazo pelo pacto Hitler-Stalin e por seu histórico antes do ataque nazista à União Soviética em 1941?

JW

Não a longo prazo, por causa do que aconteceu quando o Partido Comunista se juntou à resistência. O pacto de não agressão Hitler-Stalin de 1939 significou que o partido sofreu a curto prazo. Perdeu um número significativo de membros e adotou a linha de oposição à guerra como luta entre potências imperialistas.

Houve algumas exceções individuais a isso. Houve ativistas comunistas que desempenharam um papel importante em uma greve de 100 mil trabalhadores no norte da França antes da invasão alemã da URSS. Mas foi a partir desse momento, em junho de 1941, que o Partido Comunista entrou na resistência como o único grande partido a fazê-lo de forma tão inequívoca no país.

Envolveu-se em atividades de resistência significativas: sabotagem, trabalho de inteligência, a morte de soldados alemães. Milhares de membros do partido foram baleados. Sua posição no final da guerra era incontestável por causa do papel que desempenhou na resistência. Isso ofuscou o período inicial que foi dominado pelo pacto Hitler-Stalin.

DF

Qual foi o papel da resistência na luta militar pela libertação da França após os desembarques aliados em 1944?

JW

A resistência desempenhou um papel importante na Normandia, por exemplo, sabotando ferrovias e comunicações no norte da França. Também desempenhou um papel importante em Paris, construindo centenas de barricadas. Houve uma greve dos trabalhadores do Metrô em agosto de 1944. A polícia também entrou em greve.

Cerca de mil grevistas foram mortos na libertação de Paris. A essa altura, a resistência havia crescido, em parte como resultado dos diferentes fatores que já mencionei que empurravam as pessoas para a atividade de resistência e seu papel militar – particularmente quando se tratava de compartilhar inteligência com os Aliados – era relativamente significativo.

DF

Que tipo de energia popular foi desencadeada pela libertação da França naquele ano?

JW

No período inicial do pós-guerra, houve uma onda de expurgos. Estima-se que cerca de 10 mil pessoas foram executadas neste período imediato do pós-guerra. Houve também uma onda de greves. Havia grupos de resistentes armados ainda ativos e temores de que haveria algum tipo de insurreição comunista. Isso não aconteceu, em parte por causa do papel do Partido Comunista.

DF

Qual foi a política de De Gaulle logo após a libertação e qual foi a política dos comunistas franceses?

JW

De Gaulle e os comunistas trabalharam juntos no governo provisório do período imediato do pós-guerra. Os comunistas essencialmente tinham uma escolha: garantir a estabilidade, trabalhar com o governo provisório e limitar as reivindicações dos trabalhadores, ou apoiar as possibilidades insurrecionais do período. Eles escolheram o primeiro curso de ação. Eles trabalharam com De Gaulle até 1946, quando houve um desentendimento com este último, que queria fortalecer a autoridade executiva.

Havia possibilidades que se abriram no período imediato do pós-guerra, mas era política da União Soviética não encorajar levantes revolucionários em países como a França.

Os comunistas deixaram o governo um ano depois, após o estabelecimento da Quarta República, a implementação do Plano Marshall e o início da Guerra Fria. Havia possibilidades que se abriram no período imediato do pós-guerra, mas era política da União Soviética não encorajar levantes revolucionários em países como a França. Isso determinou essencialmente a atitude do Partido Comunista.

DF

Que tipo de ajuste, legal e político, havia com o regime de Vichy durante os anos imediatos do pós-guerra? Houve uma limpeza adequada do serviço público e da máquina estatal que funcionou para Vichy?

JW

Houve uma ação limitada. Após os expurgos espontâneos do período imediato do pós-guerra, houve investigações oficiais de 350 mil funcionários públicos, e vários milhares deles foram executados. Mas, em geral, esses funcionários públicos eram necessários para a reconstrução da França do pós-guerra.

O mito da resistência propagou a noção de que quase todos os cidadãos franceses apoiavam a resistência e que Vichy era uma minoria isolada. Isso foi importante em termos de limitar o expurgo e garantir um grau de continuidade com a máquina estatal. Isso veio à tona mais tarde com os notórios casos de pessoas que desempenharam um papel sob Vichy, mas depois levaram vidas protegidas no período pós-guerra.

DF

Quais foram os marcos mais importantes no debate posterior sobre a memória histórica desde 1945? Como os julgamentos, que você acabou de mencionar, de funcionários de Vichy como Maurice Papon afetaram esse debate?

JW

O período inicial do pós-guerra foi marcado por vários argumentos que construíram o papel da resistência. Os livros escolares falavam sobre os franceses serem resistentes em vez de colaboradores. Desenvolveu-se um argumento de que Vichy desempenhava o papel de escudo enquanto De Gaulle e a resistência desempenhavam o papel de espada: em outras palavras, havia uma espécie de relação complementar entre os dois.

As atitudes mudaram na esteira de 1968. Isso foi em parte porque havia um questionamento geral do establishment e em parte por causa do lançamento de filmes como The Sorrow and the Pity ou livros como o estudo de Robert Paxton sobre a França de Vichy. Junto com as histórias de sobreviventes judeus da ocupação, eles revelaram a cumplicidade do regime de Vichy nos crimes da ocupação, mostrando que Vichy decretava suas próprias medidas contra os judeus como colaborador voluntário da Alemanha nazista.

Uma série de acontecimentos cruciais trouxeram então a questão de Vichy e os crimes da ocupação aos olhos do público, novamente. Um foi o surgimento da Frente Nacional, um grande partido político cuja liderança, certamente durante a maior parte da década de 1970, incluía ex-membros da milícia de Vichy e da Waffen-SS. O próprio passado político de Jean-Marie Le Pen incluiu a campanha presidencial de um ex-ministro de Vichy. Isso chamou a atenção para continuidades entre o presente e o passado.

Houve uma série de ensaios de alto perfil, ou tentativas de ensaios, de colaboradores. Paul Touvier era um membro da milícia de Vichy em Lyon que serviu sob o comando de Klaus Barbie e conseguiu escapar, por vários anos, das acusações de crimes contra a humanidade. Georges Pompidou deu-lhe um perdão presidencial.

Houve atrasos nas investigações policiais. O clero católico forneceu-lhe casas seguras. Tudo isso significou que Touvier não foi preso até o final dos anos 1980, e depois houve mais atrasos em levá-lo ao tribunal antes de ser finalmente condenado em 1994. O caso individual de Touvier, em outras palavras, trouxe à luz o papel de várias instituições na sociedade francesa.

“Havia possibilidades que se abriram no período imediato do pós-guerra, mas era política da União Soviética não encorajar levantes revolucionários em países como a França.”

O caso de René Bousquet foi semelhante. Bousquet tornou-se o chefe de polícia de Vichy e organizou a captura de judeus no Velódromo de Inverno em 1942. Ele supervisionou cerca de 60 mil deportações para os campos de extermínio. O número total de deportações foi de 76 mil.

Bousquet não estava simplesmente protegido – ele passou a desfrutar de uma carreira de sucesso no período pós-guerra. Ele era amigo de François Mitterrand. Demorou quase 50 anos para que seu papel na deportação de judeus viesse à tona, e ele foi assassinado antes que pudesse ser levado a julgamento.

O caso Bousquet trouxe à luz o papel de Mitterrand, que levantou uma série de questões incômodas, não apenas sobre o próprio Mitterrand, mas sobre todo o período de ocupação. Mitterrand deu uma série de entrevistas confessionais no final de seu segundo mandato como presidente. Isso trouxe de volta memórias de Vichy e sublinhou o elemento de continuidade entre Vichy e os períodos que a precederam e se seguiram.

Mitterrand flertou com a extrema direita antes da guerra e foi homenageado pelo regime de Vichy. Mais tarde, ele desempenhou um papel na resistência, mas continuou cultivando sua amizade com Bousquet no período pós-guerra. Ele se recusou como presidente a pedir desculpas pelos crimes do regime de Vichy, porque argumentou que a República Francesa não tinha nada a ver com isso e a França não era responsável. Foi apenas seu sucessor, Jacques Chirac, que se desculpou em nome da nação francesa por sua cumplicidade no Holocausto, ao mesmo tempo em que destacou que havia outra França existente na época, representada pela resistência.

O julgamento de Maurice Papon em 1997-98 destacou mais uma vez o papel dos funcionários públicos que foram cúmplices nos crimes da ocupação e depois serviram nas administrações do pós-guerra durante a Quarta e Quinta Repúblicas.

O julgamento de Maurice Papon em 1997-98 destacou mais uma vez o papel dos funcionários públicos que foram cúmplices nos crimes da ocupação e depois serviram nos governos do pós-guerra durante a Quarta e Quinta Repúblicas. Havia outro elemento com Papon. Tendo desempenhado um papel na deportação de judeus da área de Bordeaux durante a guerra, após a libertação, ele também desempenhou um papel nas medidas coloniais francesas de repressão.

Ele era chefe de polícia em Paris. Em outubro de 1961, policiais sob seu comando participaram da prisão de cerca de 10 mil argelinos, muitos dos quais foram espancados até a morte e seus corpos jogados no Sena. Ele foi forçado a renunciar após o sequestro de Mehdi Ben Barka, o político marroquino da oposição, em 1965, mas ainda foi diretor da empresa Sud Aviation.

Em outras palavras, o julgamento de Papon não apenas expôs continuidades entre o regime de Vichy e o serviço civil do pós-guerra, mas também expôs continuidades entre os crimes da ocupação e os crimes do período colonial. Ele iluminou os dois tabus políticos dominantes do pós-guerra, um dos quais, Vichy, começou a ser abordado, enquanto o outro não foi devidamente abordado.

DF

Você mencionou Jean-Marie Le Pen. Desde a década de 1980, é claro, a extrema direita agrupada em torno de figuras como Le Pen tornou-se um elemento permanente no cenário político e eleitoral francês. O próprio Le Pen chegou ao segundo turno da eleição presidencial em 2002, e sua filha o fez novamente em 2017. Como você diria que o movimento de extrema direita contemporâneo influenciou a percepção de Vichy na França?

JW

Acho que há dois processos em andamento desde o avanço da Frente Nacional na extrema direita. Um deles são as tentativas de revisionismo de Le Pen. Houve um reconhecimento pela extrema direita nos anos imediatos do pós-guerra de que o peso do período de ocupação na consciência pública impediria que um movimento fascista se desenvolvesse na França. Nesse sentido, pessoas como Le Pen entendiam que os crimes da ocupação teriam que ser relativizados ou minimizados para que a extrema direita avançasse.

O segundo processo ocorreu na briga entre a extrema direita e a direita dominante. Essa foi uma noção desenvolvida pela chamada Nouvelle Droite [Nova Direita] nos anos 1970, segundo a qual os crimes da ocupação não nos dizem respeito – eles não têm nada a ver conosco.

Por um lado, Le Pen se engajou na negação, como falar sobre o Holocausto como um detalhe da Segunda Guerra Mundial, fazer trocadilhos sobre os fornos a gás ou usar linguagem provocativa. Ele chamou as pessoas com AIDS de sidaiques, ecoando o termo de Vichy para judeus (“judaique”). Era uma questão de negação deliberada e direta dos crimes da ocupação e uma tentativa de ridicularizar as pessoas que levavam esses crimes a sério.

Le Pen debateu com um ministro judeu da imigração, que estava falando sobre batidas policiais para combater a imigração ilegal, e disse: “Ah, você poderia organizar uma batida policial”. Apesar da tão alardeada “desintoxicação” da organização de Marine Le Pen, ela também ecoou essa retórica, comparando os muçulmanos que rezam nas ruas com a experiência de viver sob ocupação. A Frente Nacional evocou deliberadamente o período da guerra, propondo cotas de crianças imigrantes nas escolas ou preferência nacional por cidadãos franceses, a eliminação de referências cosmopolitas em livros escolares e etc..

Na década de 1990, a direita francesa de Jacques Chirac propôs que qualquer pessoa que oferecesse hospitalidade a imigrantes deveria informar as autoridades competentes sobre seus movimentos, ecoando a legislação introduzida por Vichy.

Por parte da direita dominante, houve um eco das políticas da Frente Nacional. Na década de 1990, por exemplo, a direita de Chirac propôs que qualquer pessoa que oferecesse hospitalidade a imigrantes deveria informar as autoridades competentes sobre seus movimentos, ecoando a legislação introduzida por Vichy. Nicolas Sarkozy, após sua eleição como presidente em 2007, criou um ministério para imigração, integração e identidade nacional. Os historiadores traçaram paralelos entre isso e Vichy. Um dos ministros de Sarkozy organizou uma conferência sobre a integração dos imigrantes e escolheu Vichy como sede.

DF

Você diria que o declínio gradual do Partido Comunista Francês e o fim da Guerra Fria influenciaram os debates sobre a resistência?

JW

Acho que as tentativas de minar o Partido Comunista Francês ou o papel do marxismo na sociedade francesa estavam em andamento muito antes do fim da Guerra Fria, desde o trabalho de François Furet sobre a Revolução Francesa até as atividades dos chamados Novos Filósofos, tentando identificar o totalitarismo no pensamento político que influenciou a tradição comunista. Alguns dos debates na época do bicentenário da Revolução Francesa contribuíram para minar a influência do Partido Comunista.

Em termos de resistência, houve tentativas de gerar controvérsia sobre o tratamento do partido aos combatentes da resistência estrangeira. Houve uma controvérsia sobre o papel de Raymond e Lucie Aubrac, dois heróis da resistência cujas credenciais foram questionadas. Mas acho que tem sido difícil demolir o prestígio do Partido Comunista e seu papel na resistência, em parte porque a narrativa da resistência também foi uma criação dos gaullistas. Eles enfatizavam seu próprio papel em detrimento dos comunistas, mas este último não podia ser totalmente negado.

Se houve uma mudança, talvez tenha sido uma mudança de foco das organizações de resistência e combatentes, seguindo o pedido de desculpas de Jacques Chirac e sua ênfase na outra resistência, em direção ao papel das pessoas comuns em proteger os judeus da perseguição. Isso foi uma mudança de ênfase em vez de uma revisão total do papel do Partido Comunista.

DF

Quais você diria que são os principais planos do consenso geral sobre a Segunda Guerra Mundial na França hoje? Ou podemos mesmo dizer que existe tal consenso?

JW

O papel da França na Segunda Guerra Mundial está constantemente aberto ao debate, girando em torno de temas semelhantes, mas sempre refratados pela política contemporânea. Há o argumento de que Vichy foi uma exceção, um caso isolado, confinado a uma minoria, que nada tinha a ver com a República ou com as tradições da França. Depois, há a ideia de Vichy como representante da continuidade. Tem havido estudos tentando localizar continuidades entre as políticas de Vichy e as noções republicanas de cidadania – nem sempre com sucesso – ou continuidades entre Vichy e derivas reacionárias na política contemporânea.

Se você olhar para o período desde a guerra, houve vários estágios, como tentei descrever grosseiramente, que mostram mudanças nas percepções sobre o regime, até que ponto os perpetradores foram levados à justiça e, portanto, a cumplicidade das instituições fracesas, partidos políticos e etc.. Mas também há temas comuns que são importantes para o debate histórico: sobre a relação entre o conservadorismo radicalizador e o fascismo, sobre o significado das derivas autoritárias nos Estados liberais, sobre o período colonial e as comparações que podem ser feitas entre as tentativas de levar à justiça os responsáveis por crimes durante a ocupação e tentativas de reconhecer o papel da França nos crimes coloniais e levar os responsáveis ​​à justiça.

Há um debate em constante desenvolvimento sobre Vichy, e é difícil ver que haverá um consenso sobre o regime, simplesmente porque está sujeito a reinterpretação através das mudanças e conflitos da política contemporânea.

Sobre os autores

é o autor de "Republic of Islamophobia: The Rise of Respectable Racism in France" e co-autor de "The Politics of Racism in France".

é editor adjunto da New Left Review. Ele é autor de "One Man’s Terrorist: A Political History of the IRA".

Cierre

Arquivado como

Published in Entrevista, Europa, Guerra e imperialismo, História and Militarismo

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux