Press "Enter" to skip to content
(Reproduzido da Tribune Magazin)

Relembrando a Revolta dos Camponeses

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Neste dia, em 1381, as classes mais baixas do sul da Inglaterra começaram uma luta de classes titânica contra a aristocracia – para exigir justiça para aqueles que trabalhavam e para construir uma terra onde "tudo fosse comum".

Hoje marca o 641º aniversário da revolta que aconteceu na Inglaterra em 1381, comumente conhecida como a Revolta dos Camponeses. Este foi um momento notável na história medieval inglesa, e as revoltas em Essex, Kent e Londres e líderes como Wat Tyler se tornariam uma lenda popular, principalmente para os socialistas.

Em de 13 de junho de 1381, rebeldes do sudeste entraram na capital e se juntaram a londrinos e prisioneiros libertados. Os rebeldes foram treinados para atacar alvos políticos, econômicos, legais e eclesiásticos selecionados, incluindo a riqueza do Palácio de Savoy. Os rebeldes chegaram a negociar com Ricardo II, exigindo o fim da servidão, o perdão dos criminosos e a remoção de conselheiros reais corruptos. Alguns rebeldes conseguiram invadir a Torre de Londres e decapitar figuras importantes do reino, incluindo o arcebispo de Canterbury e chanceler da Inglaterra, Simon Sudbury.

Embora Ricardo aparentemente aceitasse algumas demandas rebeldes, Tyler e os rebeldes de Kent queriam mais, incluindo uma revisão do sistema legal e da aristocracia e uma igreja a ser supervisionada pelo monarca e um bispo. Não é fácil reconstruir exatamente o que aconteceu em seguida, mas na confusão que se seguiu ao encontro de Tyler e o rei, Tyler foi ferido fatalmente enquanto Ricardo pacificou os rebeldes e, assim, iniciou o processo de restabelecimento da autoridade e julgamento dos líderes rebeldes.

Um destinatário da justiça real foi o padre mais famoso da revolta, John Ball. Ball foi capturado em Coventry, julgado em St Albans em meados de julho e enforcado e esquartejado – com suas quatro partes enviadas para diferentes cidades. Houve tentativas especulativas de reconstruir a vida de Ball antes de 1381, mas há pouca evidência de fontes seguras. Cronistas de toda a época alegaram que Ball era um seguidor do controverso tradutor da Bíblia e teólogo, John Wycliffe, e embora isso continue sendo uma afirmação popular até hoje, pode ter se originado como uma tentativa de desacreditar Ball e Wycliffe.

No entanto, há algumas boas evidências que nos ajudam a reconstruir a vida anterior de Ball. Pelas cartas atribuídas a Ball na época da revolta, parece que Ball era um padre formado em York e que se mudou ou retornou a Colchester. É através de suas atividades em Essex que começamos a conhecer sua carreira provocativa como clérigo. Em 1364, Ball ganhou proteção especial de Eduardo III, que foi revogada quando o rei descobriu que Ball “vagava de um lugar para outro pregando artigos contrários à fé da igreja para o perigo de sua alma e das almas dos outros, especialmente de leigos”. Nos anos que se seguiram, Ball foi denunciado, excomungado, preso e encarcerado por sua pregação – embora também fosse evasivo e popular o suficiente para escapar da captura e até mesmo escapar da prisão.

Foi nessa pregação itinerante dentro e ao redor de mercados públicos, cemitérios, ruas e campos que Ball fez seu nome como um pregador popular criticando a hierarquia da igreja. Como disse um cronista da época, Ball pregou “as coisas que ele sabia que agradariam às pessoas comuns, menosprezando os homens da Igreja, bem como os senhores seculares, e assim conquistou a boa vontade do povo em vez da aprovação diante de Deus”. Ele ficou conhecido por ataques contundentes à ordem social, econômica, política e religiosa, criticando os senhores e suas roupas finas, casas luxuosas e boa comida, e contrastando essas vidas com as das classes inferiores cujo trabalho ajudava a manter os nobres.

Para Ball, essa crítica exigia uma transformação dramática da Inglaterra medieval, incluindo uma reforma da igreja que envolveria a deposição de senhores, arcebispos, bispos e, de fato, quase qualquer posição eclesiástica notável. No lugar da antiga hierarquia da igreja estaria um arcebispo na Inglaterra — o próprio Ball.

Não surpreende, então, que uma figura popular como Ball tenha se tornado conhecida como o ideólogo da revolta de 1381, particularmente no sudeste da Inglaterra. O conflito de classes que impulsionava a revolta vinha se acumulando há décadas. A escassez de mão de obra seguiu-se à devastação da Peste Negra de 1348-49, significando que os trabalhadores podiam fazer novas demandas e buscar novas oportunidades, embora os senhores não cedessem. O Estatuto dos Trabalhadores de 1351 foi uma resposta parlamentar que tentou limitar os salários, restringir a mobilidade e manter os servos presos à terra, e isso contribuiu ainda mais para a revolta.

Mas as causas mais imediatas do levante de 1381 incluíram a introdução de novos impostos, o mais infame dos quais foi o “poll tax” de 1380 e sua cobrança pesada. Apesar do famoso rótulo dado à revolta, o levante não envolveu apenas camponeses, mas também autoridades locais, baixo clero, moradores urbanos e prisioneiros fugitivos. Assim, os interesses rebeldes iam desde a mobilidade social até o fim da servidão e o acerto de contas antigas. Mas os ressentimentos de classe de longo prazo são cruciais para nos ajudar a entender tanto a carreira de uma figura como Ball quanto por que suas ideias estavam tão intimamente associadas ao levante de 1381.

Tais exigências foram apresentadas, é claro, em termos cristãos. Ball pegou um exemplo bíblico conhecido que olhava para o início da história humana para minar a hierarquia social exploradora do presente e apontar para a transformação futura.

Costuma-se afirmar que seus ditados promoveram o igualitarismo radical, mas isso precisa de alguma qualificação quando entendido no contexto de Ball. Na visão de Ball, ainda haveria uma hierarquia social divinamente justificada, mas agora seria uma que dispensaria justiça para aqueles que trabalhavam em vez de servir aos interesses do poder senhorial. Ball, afinal, seria o novo líder da igreja e evidências dos cronistas sugerem que os rebeldes acreditavam na ideia de “reis” locais populares sob um rei idealizado e justo da Inglaterra.

Mas ainda era esperado que esse novo futuro favorecesse aqueles que trabalhavam, como a ênfase de Ball nas atividades de Adão e Eva já sugere. As cartas atribuídas a Ball combinam ainda mais o trabalho envolvido na panificação com as ideias cristãs sobre o pão da Eucaristia e as ideias que o acompanham de sacrifício, salvação e libertação. Em linguagem um tanto enigmática, uma letra se refere ao nome codificado de “John Miller” que tem “ground small, small, small; The King of Heaven’s Son shall ransom all”.

Esse repensar das ideias eucarísticas “de baixo”, e como justificativa os interesses rebeldes e da própria revolta, também pode ser refletido no momento da chegada dos rebeldes a Londres em 13 de junho de 1381 – a festa de Corpus Christi. Corpus Christi foi uma celebração da Eucaristia e do corpo de Cristo e é comumente argumentado que a revolta foi uma resposta deliberada sobre o estado do corpo social e o novo corpo social que estava por vir.

Ball e os rebeldes parecem ter pensado que junho de 1381 marcou o tempo divinamente designado ou justificado para a ação, embora tivesse uma forte ênfase na ação humana. Em um sermão supostamente proferido em Blackheath na véspera da entrada em Londres, Ball teria afirmado que Deus “agora lhes havia dado o tempo durante o qual eles poderiam adiar o jugo de sua longa servidão” e “regozijar-se na liberdade que há muito desejavam”.

Foi um sermão que colocou em primeiro plano a violência exigida dos rebeldes e que eles devem trazer a grande transformação “matando os poderosos senhores do reino, depois matando os advogados, juízes e jurados da terra, e finalmente, extirpando de suas terras qualquer coisa que eles soubessem que no futuro seria prejudicial à comunidade.”

Nisso, a Inglaterra transformada ecoaria o passado idealizado de origens cristãs em que haveria posses compartilhadas comunitariamente e distribuição de acordo com a necessidade. Dizia-se que Ball proclamou a Tyler em seu encontro com o rei que as coisas “não estavam bem na Inglaterra até que tudo fosse comum”. Essa ideia de “tudo ser comum” provavelmente envolvia o pleno acesso aos recursos da terra nos moldes de uma demanda atribuída a Tyler em seu encontro com o rei,

Toda caça, seja nas águas ou nos parques e bosques, deve se tornar comum a todos, para que em todos os lugares do reino, em rios e tanques de peixes, bosques e florestas, eles possam pegar os animais selvagens e caçar a lebre nos campos, e fazer muitas outras coisas sem restrição.

O fracassado levante de 1381 obviamente apontava para possibilidades de uma existência além da ordem medieval estabelecida de senhores e camponeses. Embora o próprio Ball possa ter recebido um tratamento extremamente hostil nas mãos de historiadores, intelectuais e teólogos pelos próximos 400 anos, ideias semelhantes às dele ressurgiriam – mais notavelmente na Revolução Inglesa do século XVII, que agora ameaçava a própria ideia de uma monarquia.

A reputação do próprio Ball acabou sendo resgatada com o surgimento do capitalismo burguês e da democracia parlamentar, com suas ideias agora vistas como muito mais razoáveis em uma época em que a servidão era coisa de um passado cada vez mais distante. Mas um baile mais reformista foi apenas uma leitura a se firmar no início do século XIX; a outra leitura importante era Ball como alguém que agora representava um desafio à escravidão assalariada e ao próprio capitalismo.

William Morris – um dos maiores intérpretes de Ball – reconheceu que Ball era de seu tempo tanto em termos de crítica ao feudalismo quanto em suas crenças religiosas. Mas Morris também enfatizou que o exemplo da vontade e sacrifício de Ball pela mudança ainda era necessário para ajudar a trazer a transformação para o socialismo e um novo mundo onde as coisas fossem mantidas em comum e a distribuição feita de acordo com a necessidade. Como Morris colocou em A Dream of John Ball, as pessoas ganham e perdem batalhas, mas “a coisa pela qual eles lutaram acontece apesar de sua derrota, e quando isso acontece, não é o que eles queriam dizer”, e assim outras pessoas “tem que lutar pelo que eles queriam dizer o mesmo só que com outro nome”.

Um século atrás, a leitura de Ball e de Morris sobre Ball como um herói inglês foi essencial para entender o surgimento do capitalismo e a transformação para o socialismo na esquerda. Agora é a hora de reabilitar mais uma vez a contribuição dessa lenda inglesa esquecida para nossa história e para nossa compreensão da mudança histórica.

Sobre os autores

é professor de religião, política e cultura e autor do próximo livro Spectres of John Ball: The ‘Peasants’ Revolt’ in English Political History, 1381-2020 (Equinox, 2022).

Cierre

Arquivado como

Published in Agricultura, Análise, Europa and História

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux